sábado, 31 de março de 2012

Demóstenes é a cabeça do iceberg. CPI tem que ir mais fundo

Publicado originalmente no blog Conversa Afiada de Paulo Henrique Amorim


Na pág. 3 do Globo desta sexta-feira há gravações que mostram a relação empresarial e legislativa entre o nobre Senador, o Varão de Plutarco de Goiás, e o empresário do jogo de bicho, Carlinhos Cachoeira.

O destino político de Demóstenes está traçado: a sarjeta.

Demóstenes, porém, é a cabeça do iceberg.

A expulsão do DEMO e do Senado, a investigação no Supremo, isso não basta.

Tem que descer mais fundo, nas águas turvas.

E só uma CPI – alô, alô, PT de São Paulo – pode meter a mão na lama.

Como aquela outra, do Roberto Jefferson.

Descer pelo esgoto em que entrou, na condição de testemunha especialíssima, o Toninho da Barcelona, aquele doleiro ilustre, convocado pelo falecido ACM para derrubar o Presidente Lula.

Uma CPI de verdade – alô, alô, Gilmar Tatto, Chinaglia – tem que apurar o que o Luiz Fernando Correa não apurou: cadê o áudio do grampo ?

Ou, vai ver, nunca houve aquele grampo ?

Por que a Veja e o Cachoeira queriam destituir o dr Paulo Lacerda, Gilmar Tatto ?

Não é uma boa pergunta ?

Tatto, que tal perguntar ao Demóstenes sobre a ligação entre a indústria de genéricos em Anápolis e o Ministro da Saúde Padim Pade Cerra, que tentou se apropriar da ideia dos genéricos ?

O Demóstenes reza pela cartilha do Aécio Never ou do Padim Pade Cerra ?

A quem interessava fuzilar o José Dirceu com aquele vídeo do Valdomiro Diniz ?

Talvez seja o caso de convocar para depor a Renata Lo Prete, que Ilustrou a Folha e hoje ilumina a Globo News.

Ela ganhou um Prêmio Pulitzer com a entrevista do Roberto Jefferson.

Talvez ela saiba por que o empresário Cachoeira queria fuzilar o Dirceu.

O Cachoeira não é ingênuo.

O Demóstenes não é bobo.

Bobos somos nós, não é isso, Gilmar Tatto ?

Em tempo: se o amigo navegante ainda não percebeu, Gilmar Tatto é o novo líder do PT na Câmara. Ele é de São Paulo e prefere ver Satanás nu a tratar de CPI da Privataria. CPI da Privataria, do Cachoeira, é tudo a mesma gente. A rigor, bastava uma CPI só. Como se dizia em “Casablanca”, são “the usual suspects”.

sexta-feira, 30 de março de 2012

Adiló seria prefeiturável?

A saída de Adiló Didoménico (PTB) da Codeca para concorrer, inicialmente, a vereador e a ufanista matéria publicada em nosso jornal diário dizendo que a Codeca era a melhor coisa de Caxias, do Brasil e do Mundo, deixou esse escrevinhador com uma pulga atrás da orelha. Qual a real intenção? Há algum tempo nosso único veículo impresso diário vem lançando “balãos de ensaio” para testar, e ampliar artificialmente, possíveis candidatos. Começou com o Corlatti (DEM), depois tentou emplacar o Feldmann (PMDB) como vice do Sartori, não passa um dia que não coloque o Assis Melo (PCdoB) em evidência, sem falar do Alceu Barbosa Velho (PDT) que aparece entregando troféu até de campeonato de par e impar. Em resumo há uma tendência enorme do nosso maior representante do PIG (Partido da Imprensa Golpista) em controlar o debate eleitoral, seja da situação, como da oposição.

Mas a matéria que receberá o prêmio “troféu do exagero” está suscitando dúvidas nos meios políticos. Ontem na Câmara, a vereadora Ana Corso (PT) apresentou um dado que a Codeca teria recebido, entre 2005 a 2010, R$ 9,49 milhões como aporte de capital. Esse valor foi suficiente, e isso a matéria não diz, para saldar os restos a pagar da companhia e chegar com o saldo positivo de hoje. Outra informação que a matéria traz, com muita sutileza, é de que há R$ 13 milhões, em dívidas, para investimentos que terão que ser pagas até 2015.

A Codeca fez investimentos? Claro que fez. Mas alguns não geraram o resultado que se propaga. A coleta seletiva tem um lado muito bom. Como é automatizada evita o contato dos coletores com o lixo e, por conseqüência acidentes, causados por lixo perigoso mal descartado. Por outro lado, os caminhões já trituraram 3 pessoas, que como eram mendigos ninguém foi responsabilizado. A reciclagem também não é uma maravilha. Cerca de 50% do lixo que deveria ir para separação acaba indo para o aterro sanitário, ou por estar sujo, ou porque as reciclagens, que estão sem apoio do poder público, não conseguem da conta.

Outro elemento que passou “de cantinho” na reportagem foi o fato de que dos 1.100 funcionários da Codeca, 244 estão em funções administrativas ou “prestam serviços em outras secretarias municipais”! Como assim? Tem gente em desvio de função da Codeca? Contratado pela empresa em trabalhando em outro lugar? Quem são essas pessoas e o que funções elas exercem. O bom jornalista iria investigar isso.

Por fim não podemos também desmerecer o companhia. A Codeca é um patrimônio construído com recursos do povo de Caxias e deve ser valorizada e preservada, porém ela não pode virar trampolim de político. Acho que a tentativa de catapultar a candidatura de Adiló não terá muito resultado, mas que ele construiu uma rede de possíveis financiadores nesse tempo todo à frente da Codeca, isso ele construiu.

quinta-feira, 29 de março de 2012

Governo municipal aprova projeto que agravará relação com os médicos

Como já está todo mundo careca de saber, a saúde em Caxias do Sul está um caos graças a falta de vontade da administração municipal em tentar resolver o problema e graças aos salários dos médicos que são considerados baixos pela categoria.


Infelizmente, o mercado faz uma supervalorização desta profissão que é remunerada muito acima que qualquer trabalhador. Hoje os médicos municipais recebem um base de R$ 2,4 mil para 20 horas semanais. Algumas especialidades médicas são difíceis de serem encontradas nos planos de saúde. O município, por remunerar os médicos abaixo do que paga a iniciativa privada, não possui uma série de especialidades à disposição do serviço municipal de saúde.

Centenas de crianças estão sem os devidos encaminhamentos na área de saúde mental porque o município não dispõe de um médico especialista na área de neuropediatria. Muitas ficam, inclusive, sem o atendimento especial a que têm direito nas escolas por não terem o CID (Classificação Internacional de Doenças) que este médico deveria conceder. A população também aguarda  meses até conseguir atendimento em outras especialidades.

E, para piorar a situação, o projeto do novo quadro de cargos e salários que a Prefeitura aprovou quinta-feira (22) estabelece um salário inferior ao atual para os médicos que passarem nos novos concursos do município. O salário dos novos concursados será de R$ 2,3 mil para 12 horas semanais. Ok, a carga horária foi reduzida, mas os médicos já não cumpriam a sua jornada, certo?

Pois o futuro dirá se os médicos vão aceitar receber "míseros" R$ 2,3 mil por 12 horas de trabalho, ou, como eles já estão acostumados a fazer hoje, vão trabalhar metade dessa jornada e sair faturando, como sempre.

Quem perde,novamente, é o usuário da saúde pública que não tem o atendimento adequado ou tem que recorrer ao atendimento particular, muitas vezes gastando o que não tem!

Ultradireita tenta reagir à pressão popular pela Comissão da Verdade

Publicado originalmente no Correio do Brasil

A convocação dos oficiais aposentados para um ato público em favor da ditadura militar, nesta quinta-feira às 15h, horário semelhante aos dos manifestantes que tomarão a Cinelândia em uma manifestação de apoio à Comissão da Verdade, ganha contornos de uma paródia ao enfrentamento nos moldes conhecidos durante os Anos de Chumbo. Por e-mail, em mensagens apócrifas, militares afastados das tropas por alcançar idades acima dos 65 anos, apresentar problemas de saúde ou psicológicos, usam dos velhos jargões dos governos ditatoriais na tentativa de convocar simpatizantes a uma campanha denominada Brasil acima de tudo.

Com base no manifesto em que os sócios do Clube Militar, instituição ligada à ultradireita, com sede no Centro da cidade, tentaram pressionar – sem sucesso – a presidente Dilma Rousseff para não seguir adiante com as investigações de abusos e tortura de prisioneiros durante o regime de 64, os indivíduos que já não usam mais a farda e passam o tempo entre uma e outra conspiração contra a democracia, apelam aos aliados daquela era na tentativa de arregimentar apoiadores à palestra do general Luiz Eduardo Rocha Paiva, figura conhecida nos porões dos antigos Doi-Codi e Cenimar, centros de referência na tortura e morte de prisioneiros políticos no Brasil.

“Creio ser um assombro a luta de alguns poucos no sentido de abrirem os olhos da sociedade! Eles serão mártires ou heróis desta luta insana! De qualquer forma, que Deus os ilumine pela verdadeira guerra que fazem com as armas da crítica e do esclarecimento. Se cometerem algum erro, que tenham a certeza, ele será irrelevante no contexto do bom combate que travam, pois seu alerta está sendo dado!”, diz o texto, apócrifo, do “chamamento” que distribuem na web. Segundo os organizadores, policiais alinhados à extrema direita, integrantes de clubes de serviço que, na época da ditadura, apoiaram o regime militar, membros do grupo fascista Tradição, Família e Propriedade (TFP) e maçons que apoiaram o regime imposto pela força das armas deveriam ser convocados para comparecer ao Clube Militar.

Na mensagem, ditam como cada um dos ex-integrantes das Forças Armadas deveria atuar, na busca de mobilizar alguns incautos para uma reação à Comissão da Verdade.

“1 – Para tirar cópia do chamamento (…) na copiadora – 15 minutos. Quem preferir gastar alguns centavos, tire cópias no comércio local e distribua pelo menos nas caixas de correspondência de seus edifícios.
“2 – Quantos parentes sem e-mail já foram contatados pelo telefone? – 30 minutos;

“3 – Já telefonaram ou passaram e-mails para os conhecidos das (sic) polícias militares? – 15 minutos;
“O “LIONS” e o “ROTARY” da cidade já estão por dentro da campanha, telefonema ou e-mail? 10/15 minutos;

“4- A “loja maçônica” da cidade já está por dentro da campanha, telefonema ou e-mail? – 10/15 minutos”.

A mensagem, sem nenhuma assinatura, em tom de ameaça, alega ainda que os antigos militares não podem “entregar o ouro ao bandido vermelho, de graça”, talvez em referência à ação guerrilheira do Partido Comunista do Brasil e de outras vanguardas revolucionárias da resistência, que terminaram por determinar o fim da ditadura no país, com o apoio de toda a sociedade civil. Ainda segundo o texto, “depende das comunicação que vocês lograrem, por e-mail ou telefone, com os “LlONS’, ‘ROTARY’, ‘lojas maçônicas’, ‘TFP’ e assemelhados”, sem citar o que seriam estes últimos.

Sem dentes

Para alguns dos organizadores da manifestação, convocada pelas redes sociais em uma mensagem transmitida, por vídeo, pelo cineasta Silvio Tendler, essas “manifestações malucas que circulam pela internet” não significam um perigo real para a realização do ato convocado para as 14h, em frente ao Clube Militar, na Avenida Rio Branco, nesta quinta-feira.

– São leões sem dentes. Rugem, fazem barulho, mas já não mordem mais ninguém – concluiu um dos ativistas, que prefere não se identificar “para não jogar mais lenha na fogueira”.

Procurado pelo CdB, o presidente do Clube Militar, general aposentado Renato Cesar Tibau da Costa, sequer respondeu às ligações.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Para refletir...


Em jogada histórica, Prefeitura faz e acontece com o funcionalismo municipal

Na semana passada, em uma luta contra o tempo para aprovar os projetos que alteravam diretamente a vida de milhares de servidores públicos municipais, o governo conseguiu passar todos os seus projetos na Câmara de Vereadores.O funcionalismo municipal pressionou contra mas não levou.

Servidores protestam na Câmara de Vereadores
Foram seis projetos aprovados entre quarta (21) e quinta-feira (22) que ajudam a resolver a vida do administrador. Dois deles, que tinham mais divergência com a categoria, receberam emendas após um acordo com a bancada do PT. O projeto que cria o tal Regime de Trabalho Complementar (RTC), concede aos servidores a possibilidade de optar pelo regime de 40 horas semanais mediante o recebimento de uma gratificação (33% para quem faz 33 horas semanais e 22% para quem faz 36 horas semanais). A proposta vai na contramão da luta do movimento sindical pela redução da jornada de trabalho.

O outro projeto, o mais polêmico de todos, cria o novo quadro de cargos e salários da Prefeitura. Uma verdadeira aberração jurídica, pois o quadro antigo continua em vigor e, agora em tese, a Prefeitura possui todos os cargos em duplicidade, mas com cargas horárias diferentes. O novo quadro elevou praticamente todos os servidores para uma jornada de 40 horas semanais sem aumentar proporcionalmente os salários. Além disso, é um projeto mal feito que não resolve uma série de problemas estruturais do Poder Público, como o caso dos médicos.

Na tentativa de receber o apoio do PT em seus projetos, o Governo Sartori tentou dividir o ônus político das barbaridades que estava propondo. Quase deu certo se não fossem ao menos três vereadores do PT (Ana Corso, Denise Pessoa e Rodrigo Beltrão) a votar contrários ao novo quadro de cargos. Também votaram contra este projeto os vereadores Renato Nunes (PRB - atual oposição ao governo) e Daniel Guerra (PSDB - sempre oposição na Câmara).

Nos dias de votação, em especial na quinta-feira, o Sindiserv fez manifestações contrárias à aprovação dos projetos e conseguiu  pressionar alguns vereadores a votarem contra o Governo, o que não foi suficiente.

Em ano eleitoral, como o Governo Sartori não quer sair totalmente queimado com os servidores municipais, após fazer e acontecer aprovando todos os projetos graças a maioria que possui na Câmara de Vereadores, compensou o absurdo que fez concedendo ao funcionalismo um ganho real de 1,5% mais a inflação de todo o ano de 2012. Foi uma negociação salarial histórica, que dever ter o olhar atento de quem sabe que na semana anterior os servidores tiveram direitos retirados.

Saiba mais sobre os projetos enviados para a Câmara de Vereadores aqui.

terça-feira, 27 de março de 2012

O mercado não é Deus

Ontem um protesto uniu, em torno de uma causa comum, setores que já foram diametralmente opostos. Empresários e trabalhadores uniram-se, num protesto, cobrando ações do governo para evitar a desindustrialização nacional. Reunidos em Porto Alegre, em frente ao Palácio Piratini, os manifestantes entregaram, ao governador Tarso Genro, um documento com a pauta de reivindicações do movimento com 22 pontos.

Centrais sindicais e empresários entregam documento ao
governador Tarso Genro [foto: Ramiro Furquim/Sul21]
Segundo dados do IBGE a participação da industria na formação do Produto Interno Bruto, PIB, nacional caiu de 27,6%, em 1985, para 14,6%, em 2011. Outra reclamação é que com o real valorizado é muito mais barato importar do que produzir aqui no país.

Os setores que realizaram esse movimento ontem, Centrais Sindicais e representações dos empresários, tem razão na sua reivindicação, pena que os empresários perceberam isso muito tarde. A Fiergs e a Fiesp foram franca apoiadores das políticas neoliberais que abriram caminho para a importação, desenfreada, de bens de consumo. Na sua lógica, a do Mercado, quem não fosse competente que não se estabelecesse, já dizia o ex-presidente Fernando Collor de Melo.

O primeiro setor, gaúcho, a enfrentar o "Deus Mercado" foi o coureiro calçadista. Durante a década de 1990 vimos esse setor minguar por não poder concorrer com os importados que tinham melhor qualidade e melhor preço. O que o governo FHC fez na época? Nada. Inclusive manteve a política de valorização do Real, pois assim conseguiria garantir a vitórias nas eleições. Só houve alguma reação do governamental quando o governador Olívio Dutra (PT) lançou um pacote de apoio ao setor. Seu antecessor, Antonio Britto, na época do PMDB, preferiu disponibilizar vultuosos recursos para as multinacionais GM e Ford, do que auxiliar a indústria gaúcha. O mesmo Antonio Britto, trabalhando com executivo da Azalea, em 2011, comandou o fechamento da unidade de Parobé gerando desemprego em massa na região.

E a situação poderia ser muito pior. Felizmente a proposta da constituição da ALCA, Área de Livre Comércio das Américas, foi sepultada com a eleição de Lula. Se ela existisse, como FHC queria, talvez nossa pauta de exportações de matéria primas fosse bem maior dos que os 76% atuais.

No meu entender a revindicação é importante, justa e necessária, porém os trabalhadores não podem cair na armadilha que o setor empresarial pode querer embutir na pauta. O problema da industria nacional não está nos custos da mão de obra, está no baixo investimento em tecnologia e melhoria dos modos de produção das próprias indústrias. O ex ministro da Fazenda Delfim Neto declarou, recentemente que "A indústria de transformação brasileira só cresceu 0,1% porque os empresários não compareceram ao trabalho".

Nosso problema não é a carga tributária é quem paga impostos. Hoje oneramos muito a produção e pouco a renda. Quando fazemos isso o imposto tem efeito cascata até chegar ao consumidor. Proporcionalmente os mais pobres pagam mais impostos que os mais ricos. Precisamos de uma reforma tributária que taxe mais a renda do que a produção de bens de consumo básicos. Podemos taxar mais os produtos adquiridos pelas classes A e B e desonerar o que é consumido pelas camadas D e E. Essa é a real reforma tributária que precisamos fazer.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Crise interna no PT está fortalecendo candidatura de situação

O que era para ser uma celebração, a indicação de um ministro caxiense, tornou-se uma dor de cabeça para o PT local. Com a saída de Pepe Vargas da disputa eleitoral uma costura que unia, ao que parece, um frágil consenso ruiu!

Havendo inicialmente três pré candidatos a prefeito, Pepe Vargas, Marisa Formolo e Marcos Daneluz, era natural que com a saída de Pepe a discussão recaísse sobre os outros dois nomes. Porém uma demora tática e, a olhos vistos, uma inabilidade da direção partidária em discutir a questão acirrou os ânimos ao ponto de haver reclamações públicas na imprensa caxiense.

Marcos Daneluz sentiu que não estaria sendo ouvido o suficiente e reclamou da situação aos quatro ventos. O efeito foi tão devastador que, além de não resolver o problema, criaram outros, como a necessidade de fazer reuniões da executiva e de um chamado “grupo enxuto” para tentar acalmar os ânimos.

Os partidários de Danluz cobram que a direção local do PT deveria chamar uma prévia para que os filiados escolham que é o candidato do partido a prefeito. Porém esse modelo de prévia já mostrou, não só ao PT, que ele é um desastre para a unidade interna e para a futura candidatura vencedora das prévias.

Partidos são organismos vivos e dinâmicos que tem, entre seus filiados, a razão de existir. Porém um partido não é um bando de gente. São pessoas que escolheram estar aí e, até que provem o contrário, gostam de discutir política. Então achar que uma decisão desse porte deva ser tomada apenas colocando um voto na urna é rebaixar ao máximo o conceito de política.

O PMDB, por exemplo, tenta evitar o caminho das prévias ao máximo, mas nesse caso, é porque se assim pó fizesse, talvez não conseguisse emplacar a proposta de ser vice de Alceu Barbosa Velho (PDT).

Toda essa indecisão pode dificultar o já difícil caminho que o PT terá que pavimentar rumo às eleições. Tudo indica que o PMDB deve mesmo sabotar a candidatura de Mauro Pereira e apoiar Alceu. Sobraria, portanto, Assis Melo (PCdoB) e um nome do PT para chegar ao segundo turno. Do jeito que ta pode, o PT e o PCdoB disputarem a mesma fatia do eleitorado e nem segundo turno ter.

Isso era tudo que o Sartori queria.

O escândalo Veja

Publicado originalmente nos Blogs Brasil que Vai e Luis Nassif

Quem com ferro fere com ferro será ferido, diz o imemorial adágio sobre quem se vale de métodos espúrios para atingir a honra de alguém em benefício próprio ou de terceiros.

Pois uma enorme lâmina acaba de atravessar o fígado do semanário Veja, pródigo em assacar acusações contra desafetos do partido de José Serra, em particular membros dos governos legitimamente eleitos pelos brasileiros à partir do encerramento do ciclo de poder tucano em plano federal.

Investigações realizadas pela Polícia Federal sobre as atividades do mafioso Carlos Cachoeira levaram à prisão de dois chantagistas ligados ao esquema de jogos de azar e a ninguém mais ninguém menos que ao chefe da sucursal da revista Veja em Brasília, Policarpo Júnior.

O acontecimento chega no pior momento para o Grupo Abril, empresa que pública o título, quando a queda de assinaturas devido ao esvaziamento de leitores para noticiosos na internet e a perda de grandes anunciantes tem levado seus sócios do grupo sul-africano Napsters a questionar a conveniência mercadológica da linha editorial da publicação.

O potencial explosivo dos fatos que vieram à luz é proporcional à notoriedade dos personagens envolvidos nos episódios, o senador da República Demóstenes Torres, presidenciável do DEM, e o governador tucano de Goiás Marconi Perillo. Todos com poderosos inimigos nos gabinetes palacianos e nos corredores do Congresso devido `as acusações de que já foram promotores na mídia.

E o efeito da explosão será o de revelar à nação que tipo de vínculo afinal havia entre os dois principais partidos de oposição e a revista Veja: uma espécie de associação para o crime a fim de desestabilizar governos sufragados pelo voto em favor de partidos golpistas que, em troca, designava políticos corruptos para o acobertamento das fontes criminosas de informação.

Algo como a esfinge da cobra engolindo o próprio rabo, capaz de produzir escândalos de conveniência como o do chamado mensalão, que quase chegou a produzir um golpe branco contra Lula da Silva não fosse o apoio decisivo dos sindicatos e movimentos sociais a seu governo, e contra-dossiês cuja finalidade era a de desacreditar dossiês procedentes, como o que envolvia os crimes da família Serra, agora objeto de CPI no Congresso.

O escândalo que vem a tona agora imobiliza a revista Veja e a torna ainda mais dependente da tolerância do governo Dilma, a quem buscou impedir a vitória por todos os meios.

Compromete sobretudo o jogo que estava prestes a ser jogado a fim de impedir uma vitória avassaladora das forças políticas de apoio ao governo federal nas eleições municipais que se avizinham, o de usar o julgamento do caso do “mensalão” como instrumento de proselitismo político em favor das oposições.

Para essa nova armação já estavam a postos membros da corte superior de justiça do País, o STF, ligados ao senador integrante do bando de Cachoeira - que levariam a julgamento e condenariam ainda neste ano os apelados do PT - e a máquina de propaganda formada pela grande imprensa: Rede Globo, jornal Folha de São Paulo e a própria revista Veja.

Deverão pensar em outro estratagema rapidamente as oposições e seus sequazes na mídia para impedir que os brasileiros decidam como querem ser governados `a partir do ano que vem nas grandes cidades do País.

sexta-feira, 23 de março de 2012

14 dicas para se tornar um colunista latino-americano de sucesso no El País

Republicamos o texto de Daniel Plotkin, com tradução de Idelber Avelar, que foi publicado na Revista Forum. Ele faz uma interessante, e bem humorada, análise sobre como a Europa, em especial a Espanha, veem os países latinoamericanos.

1. Toda a sua análise deve se basear nos conceitos de caudilhismo e populismo. Em última instância, estes conceitos explicam a história da América Latina desde o século XIX, sem ter que entrar em complexidades históricas que entediam o leitor. A história dos nossos países não mudou desde a época da Independência.

2. Mencione a pobreza e a fome, produtos do caudilhismo e do populismo. É bom mostrar um pouco da sensibilidade do pensador comprometido com a realidade social. Mas esclareça que a pobreza e a fome são culpa exclusiva dos nossos povos, evitando usar palavras desagradáveis do tipo “colonialismo”, “imperialismo” ou “saqueio dos recursos naturais”. Menos ainda, não tenha o mau gosto de se referir à escravidão ou à exploração das comunidades indígenas.

3. Não se esqueça de falar da corrupção. E de esclarecer que a corrupção em nossos países é produto da fome e da pobreza, que são produto do caudilhismo e do populismo. Tenha a delicadeza de não mencionar que são as companhias multinacionais (incluídas as espanholas) as que pagam suculentos subornos para obter benefícios impensáveis em seus países de origem. Explique aos seus leitores que a corrupção é sempre culpa da classe política latino-americana.

4. Insista que as instituições não funcionam, produto da corrupção que é produto da fome e da pobreza, que são produto do caudilhismo e do populismo. As instituições latino-americanas estão em constante crise e nossos países têm democracias limitadas. Use anedotas insignificantes do ponto de vista estatístico, mas que ressoem na mente de seu leitor. Por exemplo, conte-lhes como é difícil obter algum certificado num Ministério qualquer. Ou como é fácil subornar um agente alfandegário. Mesmo que você não tenha jamais feito nenhuma das duas coisas.

5. Lembre a seus leitores que os governantes latino-americanos só procuram se perpetuar no poder – o que demonstra o caudilhismo e o populismo que geram instituições falidas e corrupção. Não importa se na Espanha o chefe de estado é um monarca hereditário que governa há 37 anos e foi nomeado por um ditador que governou o país quase 40 anos. Não mencione sequer que Felipe González governou durante 14 anos com 5 mandatos sucessivos. Isso é muito diferente de um presidente latino-americano que pretende ter 3 mandatos por 12 anos. Neste último caso, estamos ante uma clara tentativa de perpetuar-se no poder. Na Espanha, não, porque as instituições funcionam.

6. Não se esqueça de temperar tudo isso com alguma referência a uma palestra sua em algum fórum internacional, fora dos países latino-americanos cheios de caudilhismo e populismo. A apresentação de um paper numa universidade norte-americana é suficiente para demonstrar que você é diferente do resto dos pensadores latino-americanos que só escrevem na mídia local. Alternativamente, você pode mencionar alguma bate-papo num café que você teve há cinco anos com algum escritor espanhol da moda. Se algum livro seu foi publicado pela Alfaguara ou Crítica, esclareça-o de passagem no primeiro parágrafo. Seu sucesso estará garantido.

7. Use alguma citação de um latino-americano ilustrado, como Borges, Cortázar ou García Márquez. Roberto Bolaño também serve.

8. Lembre-se que o Brasil não existe. Exceto para elogiar as políticas de “esquerda inteligente” de Lula.

9. Fidel Castro é mau, muito mau. Mesmo que, claro, diga que a Revolução Cubana teve alguns sucessos menores nos campos da saúde e da educação.

10. Chávez também é mau, muito mau. E sem sucessos menores.

11. Os governos progressistas latino-americanos querem destruir a imprensa independente, como consequência de sua genética caudilhista e populista. Não como a esquerda inteligente da Alan García ou o centro moderado de Piñera ou Santos.

12. A imprensa privada latino-americana sempre é independente. Os monopólios ou oligopólios midiáticos não existem.

13. A América Latina ainda está em transição democrática, como consequência do caudilhismo e do populismo que ainda imperam. A Espanha já a superou, pela maturidade da sociedade espanhola e a inteligência de sua classe dirigente.

14. Para finalizar, esclareça que esta situação gera angústia e desconforto, e que seu refúgio está no pensamento crítico de alguns intelectuais que, como você, não foram comprados pelo poder corrupto ou pelas ideologias acabadas imperantes em nossos países.

Seguindo estes conselhos, o seu artigo será lido com interesse pelos leitores de El País. Você conseguirá confirmar-lhes o que eles já pensam mas não podem dizer abertamente porque isso iria contra aquilo que eles acreditam ser suas convicções de esquerda. Você também obterá uma suculenta remuneração em euros que não deverá depositar em seu país, já que a qualquer momento ela poderá ser roubada pelos governos corruptos, produtos da fome e da pobreza, produtos do caudilhismo e do populismo.

TV Caxias terá bens leiloados

Ontem foi realizada a segunda rodada de leilão de 3 equipamentos da TV Caxias Canal 14. Os bens foram para leilão por conta de uma dívida trabalhista, que como não foi paga, teve esses equipamentos penhorados pela justiça.

No primeiro leilão, realizado no dia 12 de março, não houve interessados. Segundo Ricardo Rech, que é credor da TV Caxias, os equipamentos são ultrapassados e estavam com um preço de venda muito caro. Não sabemos se o leilão de ontem conseguiu vender algum equipamento.

Em sua página do Facebook, Ricardo diz que há outros processos na Justiça do Trabalho, que a direção da TV Caxias fez acordo e não está cumprindo com os pagamentos, portanto, mais penhoras e leilões ainda poderão acontecer.

Já não é novidade que a situação financeira da TV Caxias é complicada. Recentemente foi feito um movimento por parte de sua direção de atrair algumas figuras públicas para serem âncoras de programa, e com isso, atrair recursos. Outra ação é a veiculação de programação da TVE, da TV Assembleia e da TV Brasil, como forma de diminuir os custos de geração de conteúdo local.

A história do canal comunitário de Caxias do Sul é daquelas que quando começa torta nunca se endireita. Ela nasceu com um grupo de oportunistas que viram nisso uma oportunidade de ganhar dinheiro e chegaram a "criar" entidades para que pudessem registrar a associação. Depois ela passou por vários problemas internos, houve a criação de duas entidades, a justiça mandou unificar e agora ela tem um peso muito forte de sindicatos ligados ao PCdoB.

Mesmo assim a TV Caxias tem uma programação muito superior as outras TVs Comunitárias. É uma pena que ela sofra com uma má gestão administrativa que pode comprometer a situação financeira da TV e até recair sobre as entidades sócias. Quanto as críticas em relação a intervenção política todas as redes de TV do Brasil (Globo, Record, Band,...) tem forte intervenção política em seus editorias, mas como eles são os "donos da notícia" isso não é questionado. Nossa opinião é que deva existir meios de comunicação que divulguem os contrapontos e os "outros lados" da notícia. Isso sim é garantir a liberdade de imprensa e não da de "empresa".

O leilão foi feito pela Raota Leilões. Abaixo os bens que estavam penhorados e que tinha Paulo Claudir Sausen, como fiel depositário.




quinta-feira, 22 de março de 2012

Operação Fabuloso desmonta mais uma fraude contra os cofres públicos

Uma investigação do Ministério Público que recebeu o codinome de Fabuloso, apurou fraudes de quatro empresas fornecedoras de sanitários químicos em prefeituras do Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. As empresas investigadas, Sócontainer, Tecnisan, Pipi Móvel e Toalete, todas pertencentes a mesma família manipulavam editais por funcionários públicos em favorecimento da exclusão de concorrentes, a elaboração de cartas convite priorizando empresas de determinada família e a cartelização de contratos.

As fraudes podem chegar a R$ 15 milhões e, entre os eventos investigados, está a Festa da Uva. Durante a festa a empresa Tecnisan forneceu 30 sanitário, por licitação, para a Prefeitura, a um custo unitário de R$ 25,00 por dia cada. Já para a comissão comunitária, presidida por Gelson Palavro o custos dos banheiros quase dobrou, chegando a R$ 45,00 por dia cada.

A Festa da Uva não precisava licitar, mas isso não significa que não deva procurar o menor preço, que não foi o que aconteceu. Há alguns anos já circula a informação, a boca pequena, que os valores que a Festa da Uva paga aos fornecedores, por serviços ou os caches são muito superiores aos valores praticados pelo mercado.

E desmantelamento dessa quadrilha da fraudadores acabou comprovando que isso é uma realidade. A Festa da Uva pode não ser uma empresa totalmente pública, mas os seus recursos veem de patrocínios do governo federal, estadual e municipal, além do valor pago pelos ingressos.

A corrupção é uma coisa que está impregnada na nossa cultura e não é só culpa dos políticos. O empresariado tem muita culpa, se não podemos dizer que eles tem a maior culpa. Esse caso demonstra como se forma um cartel em um setor e esses empresários passam a combinar valores para se beneficiarem. É uma verdadeira quadrilha criminosa.

Mas mesmo com problema o setor público ainda, no caso de Caxias, saiu-se melhor. Como fez licitação acabou pagando menos. A Festa da Uva gerenciada por um empresário (que tinha algum renome em Caxias), pagou um valor muito superior. Palavro disse a revista O Caxiense que não houve nenhuma irregularidade. Se realmente não houve então ele foi logrado.

O pior dessa história toda é que  Cesar Augusto Viezzer, considerado o chefe da quadrilha, é reincidente. Em 2002 Viezzer junto com mais 8 pessoas foram condenados pela justiça por fraudes contra o INSS, que na época somavam mais de R$ 276 mil. Entre os anos de 1996 a 1998, eles descontavam o INSS dos funcionários e não repassavam para a Previdência. Não era o caso de uma ficha limpa para os empresários também?


quarta-feira, 21 de março de 2012

Polentinhas: As contradições na aprovação do reajuste do magistério gaúcho

1 - Deputado Pedro Pereira (PSDB) em 2009: "Não são educadores. São baderneiros". Em 2012, aplaudido pelo CPERS, por ser contra o reajuste salarial;

2 - A direção do CPERS, majoritariamente do PSTU e do PSOL, preferiam reajuste nenhum a aprovação de um índice de 23%;

3 - Deputado Paulo Borges (DEM). Quando era base do governo Yeda defendeu a proposta da governadora de entrar na justiça contra o Piso Nacional para o Magistério. Ontem foi aplaudido pelo CPERS;

4 - Durante 8 anos a direção do sindicato pediu, primeiro o Fora Rigotto e depois o Fora Yeda. Ontem os parlamentares que eram base desses governos viraram seus principais aliados.

O que não é contradição é que, mesmo com a oposição ao governo Tarso se retirando do plenário, o reajuste de 23% para o magistério gaúcho foi aprovado. Esse é o maior reajuste conseguido por alguma categoria de trabalhadores. Dá para ser contra isso?

terça-feira, 20 de março de 2012

Aprovação do reajuste de 76,68% para os professores: melhor opção tática


Foto: Bruno Alencastro/CPERS
O Editoral do jornal eletrônico Sul 21 faz a afirmação que está no título. A proposta que vai a votação hoje na Assembleia Legislativa, contempla um reajuste de 23,51% que é a primeira parte, que até 2014, representará 76,68% de reajuste segundo proposta apresentada pelo governo Tarso. Evidentemente que, mesmo assim, o valor não alcançará o piso nacional, mas é o maior reajuste salarial da história do magistério gaúcho.

Se compararmos com os dois governos anteriores, Rigotto (PMDB) e Yeda (PSDB) a proposta do governo Tarso (PT) é quase o dobro do que foi concedido nos últimos 8 anos. Durante o governo Rigotto o reajuste do magistério perdeu para a inflação (19,79% de reajuste contra 26,53% de inflação). Durante o governo Yeda houve um minúsculo ganho real de 2 pontos percentuais (26,18% de reajuste para uma inflação de 24,12%). Com uma inflação prevista de 28% até 2014 o governo Tarso dará um ganho real de quase 300%!

Veja gráfico abaixo:


Chegou o momento de deixar de lado as disputas políticas. Mais do que a disputa de posições, entre governo e oposição ou entre defensores do pagamento do piso nacional do magistério com a manutenção do plano estadual de carreira e os que entendem a necessidade de alteração do índice de reajuste do piso e/ou da carreira do magistério, o que precisa ser considerado agora é o ganho imediato possível de ser concedido aos professores.

Nessa história toda há muito oportunista de plantão. A oposição ao governo Tarso na assembleia (PP, PSDB e DEM) fazem o jogo oportunista para tentar embretar o governo. Eles não estão nem um pouco interessados no pagamento do Piso Nacional, até porque, a governadora Yeda, do PSDB, entrou na justiça questionando a constitucionalidade do Piso.

Há outra ameaça eminente. Existe a possibilidade de um movimento para a retirada do quorum e, com isso, impossibilitar a aprovação do reajuste e ai quem perde? Perde o professor que, preso a uma disputa inconsequente do seu sindicato ficará sem reajuste de salário.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Picaretagem e incompetência no concurso para o Senado

Publicado originalmente no blog Café & Aspirinas


Muito tem sido dito sobre o concurso do Senado, realizado no domingo 11 de março. Muito ainda será dito sobre ele. Quase 160 mil pessoas inscreveram-se no concorridíssimo certame, que deixou muito a desejar. Se, de início, alguns se questionavam sobre a legitimidade de um concurso para o qual não houve licitação, agora muitos se perguntam sobre a seriedade da organização.

Houve troca de cadernos de provas e faltaram folhas de resposta, mais de 10 mil candidatos tiveram a prova anulada. Houve o registro de malote de provas violado e mais de 11 mil candidatos esperam para saber se também terão suas provas anuladas. Questões foram plagiadas de diversos concursos anteriores realizados país afora. Sem contar os problemas de conteúdo e forma das provas. Há motivos para preocupação.

Os candidatos que tiveram suas provas anuladas não serão prejudicados (o mesmo não se pode dizer dos outros, que terão tido menos tempo para estudar), terão oportunidade de refazer a prova sem nenhum custo – é o mínimo que se espera – no dia 15 de abril. Mas resta explicar como é possível que o sistema que gera as provas e as folhas de resposta não tenha imprimido folhas de resposta para todos os inscritos.

Note-se que as folhas de resposta são individuais, delas constam o nome, o número de inscrição, o RG do candidato. Essas informações vêm impressas, e o candidato só precisa assinar no lugar apropriado na sua folha de resposta – e colocar sua impressão digital, sim, do candidato desconfia-se sempre. Não basta apresentar a carteira de identidade com foto e assinar a folha de presença, é preciso colocar a digital na prova para evitar fraude. Mas como faltam folhas de resposta se elas são privativas de cada um dos inscritos para aquela única prova para a qual se inscreveu? A FGV não deu muitas explicações.

Com a anulação das provas, os candidatos foram liberados às 16 horas e levaram com eles o caderno de provas. Ora, o Edital é claríssimo: “16.15 O candidato somente poderá levar consigo o caderno de questões, ao final da prova, se isto ocorrer nos últimos sessenta minutos anteriores ao horário determinado para o término das provas.” (p. 10, Edital N° 2). O horário determinado para o término das aprovas foi 20h30min, mais de quatro horas depois de os candidatos serem dispensados. A razão para não poder levar a prova é evidente, algumas provas eram idênticas para os diferentes cargos de analista legislativo. Mas a FGV não deu muitas explicações.

A Polícia Federal foi chamada para investigar o malote de provas violado. Também está sendo investigado o caso das provas clonadas de outras instituições. Há quem afirme que, se for comprovada a denúncia, as provas para os cargos afetados deverão ser anuladas, pois a clonagem fere o princípio da moralidade e talvez até o da isonomia. Isso tudo para falar apenas dos problemas que dizem respeito às provas para o cargo de analista legislativo – que perfazem 133 das 246 vagas.

Há motivos para preocupação, mas ninguém parece muito interessado em dar explicações. O próprio Senado Federal não se pronunciou até o momento. Para a instituição, a responsabilidade do concurso recai inteiramente sobre a Fundação Getúlio Vargas – embora tenha sido o Senado a contratar, sem licitação, e o membro expulso da Comissão do Concurso fosse servidor da Casa. Se os problemas elencados demonstram – no mínimo – falta de organização do processo seletivo, a qualidade das provas evidencia descaso e desleixo na preparação do concurso. Os editais já se haviam encarregado de cobrar dos candidatos registros profissionais em órgãos inexistentes ou o estudo de leis revogadas. As provas indicam que a banca organizadora não conhecia os Editais.

Nas provas para taquígrafo e revisor e redator, a banca incluiu questões de conhecimentos específicos com conteúdos que faziam parte da prova de conhecimentos gerais. Parece pouco problemático, mas o fato é que as provas têm pesos diferentes: conhecimentos gerais tem peso 1 e conhecimentos específicos, peso 2. Como serão computados esses pontos? Ou as questões serão anuladas?

Isso para não falar dos erros graves de português na prova para revisor e redator. Sim, a prova para o cargo de revisor e redator do Senado continha erros de português! Questões com duas respostas possíveis ou questões sem resposta representam 15% da prova de conhecimentos específicos para esse cargo. Note-se que essa prova tinha 40 questões e as únicas 3 que não eram de língua portuguesa eram as que se referiam ao conteúdo de conhecimentos gerais. Como se vê, há ainda provas sujeitas à anulação. Há motivos para preocupação. A FGV deve muitas explicações.

Direita de Caxias do Sul perde sua principal figura pública

A morte de Ruy Pauletti na madrugada desse domingo representou a perda da principal figura política que representava o conservadorismo de nossa cidade. Ruy Pauletti construiu toda a sua carreira, política e acadêmica, representando esse pensamento.

Entretanto muito do que é atribuído a ele não é, na verdade, obra sua. Um caso emblemático é a expansão e o crescimento da UCS. A parte da verdade é que a UCS cresceu, e muito, enquanto ele era Reitor, mas o que poucos atribuem são os fatores que levaram isso a acontecer. O principal é que a UCS era a única universidade de Caxias do Sul e recebia toda a demanda de alunos da cidade e da região. Com isso ela podia cobrar o valor que quisesse, e fazia isso, dos alunos e com isso garantir um grande caixa para a instituição.

Outra contribuição, sempre esquecida, é a do professor José Clemente Pozzenatto, o verdadeiro articulador da Regionalização da UCS, que de um ano para o outro, aumentou o número de alunos e o patrimônio da UCS em mais de 40%. Também a fama de pessoa que ajudava os estundantes estava mascarada por uma troca de favores e apadrinhamento na distribuição de bolsas de estudos. Por fim as "ações sociais" eram mais atos de propaganda do que uma verdadeira inserção da universidade na sociedade.

A UCS, durante a gestão Pauletti, sempre foi uma fortaleza para a reprodução do pensamento neoliberal. Essa na verdade é a contribuição, real, de Pauletti na política. Mesmo discordando dessa linha de pensamento, é inegável que Pauletti representou muito bem esse pensamento. Durante as eleições municipais de 2004 a sua candidatura conseguiu agregar os setores mais reacionários da cidade e, com isso, foi essencial para a vitória do José Ivo Sartori. Se não fosse esse movimento, se esse setor não tivesse Pauletti como representante, o Sartori não conseguiria absorver esses votos, que seriam abstenção ou justificativa eleitoral.

Depois de eleito para a Câmara Federal e sem poder usar a máquina da UCS ao seu favor foi perdendo capilaridade e não conseguiu se reeleger. Relagado a segundo plano dentro do próprio partido, apesar de negarem isso, Pauletti iria assumir uma posição de bastidores, o que é um eufemismo, no caso, para não ter  função no processo eleitoral. Como a proposta do PSDB não era de candidatura pŕopria um papel de bastidores é absolutamente irrelevante.

Obviamente que para a família e amigos é uma grande perda e, seria desumano, desconsiderar a dor das pessoas mais próximas a ele. A perda de um ser humano sempre é algo que deve merecer o respeito de todos. Até por que uma parte da cidade, os conservadores, perderam seu maior representante.


sexta-feira, 16 de março de 2012

Câmara aprova pedido de informações sobre Secretaria de Turismo

Mesmo rendendo muito debate foi aprovado, por unanimidade, um pedido de informações sobre as contratações de assessorias por parte da Secretaria de Turismo, SEMTUR. A bancada do PT, autora do projeto, questiona, no período de janeiro de 2010 a fevereiro de 2012, quais pessoas físicas ou privadas foram contratadas, quanto receberam e quais serviços prestaram.

Os vereadores do PT questionam o fato do SEMTUR preferir contratações extras a concursos públicos. Ligado a esse fato há também as denúncias feitas pela revista O Caxiene, há 3 meses atras, e que demos repercursão aqui no Polenta News (veja aqui e aqui), sobre a contratação de parentes, do assessor Saulo Velasco (PDT), para prestação de serviços terceirizados.

O Ministério Público também solicitou informações sobre o caso e irá analisá-lo. Dependendo do que vier do pedido de informações mais irregularidades podem aparecer. É unanime que os investimentos em turismo em nossa cidade são vergonhosos. A Festa da Uva, que acabou recentemente, é prova disso. Apesar da grande propaganda vimos uma série de problemas que vão desde falta de infraestrutura nos postos de informações turísticas, passando pelo mau atendimento de muitas dessas pessoas (seriam esses terceirizados?), quando elas se encontram nos postos, passando pela inexistência de informações sobre os pontos turísticos no site da prefeitura.

Com esse são quatro os casos de favorecimento de parentes que já chegaram ao público e até agora nenhuma ação da prefeitura. Será que o Sartori não teme ser responsabilizado por conivência?

quinta-feira, 15 de março de 2012

Alagamentos: o caminho que Caxias não deve seguir

Cenas como essa são cada vez mais comuns
em cidades que não investem em saneamento
Ontem um temporal que durou 2 horas e despejou na cidade, nesse tempo, mais da metade do volume de chuvas de um mês, transformou a capital gaúcha num caos. Ruas viraram rios, escadarias transforam-se em cachoeiras, carros e motos arrastados e, como sempre nessa situação, centenas de pessoas perderam móveis, roupas e outras objetos pessoas nas dezenas de pontos de alagamento.

Em janeiro do ano passado foi anunciado, pelo prefeito José Fortunatti (PDT) um mega projeto de drenagem que beneficiaria 6 bairros a um custo de R$ 24 milhões ainda não saiu do papel. O resultado foi o que vimos ontem nas imagens da TV e pelas redes sociais.

Muitos tentam colocar a culpa na população que joga lixo na rua e, por consequência, entopem as bocas de lobo e as redes de escoamento. Tá certo, a população pode ter sua culpa, mas não é única não. Os bairros que mais sofreram com o alagamento são os que tem uma grande densidade populacional e as galerias de esgoto estão subdimencionadas. Fazer apenas manutenção ajuda, mas não resolve, e a prefeitura, esqueceu, como a própria Zero Hora apontou, de fazer obras para minimizar os efeitos das chuvas nesses lugares.

Outra questão é que recetemente a prefeitura instalou a coleta de lixo mecanizada, por containers, como em Caxias. Mas com uma grande diferença. Na capital não há recepiente para lixo seletivo. Se você separar o seu lixo só sobra duas opções ao levar ele para o recolhimento: ou mistura tudo ou coloca o seletivo do lado de fora do container. Com a chuva de ontem o leitor já pode imaginar para onde foi todo o lixo que estava esperando ser recolhido, né?

Este é só um exemplo de como falhas de planejamento levam a situações catastróficas. Todo o lixo seletivo (papelão, plástico, garrafas, vidros, etc), que foi separado pela população e estava aguardando o recolhimento foi parar nas galerias de escoamento, que, por consequência ira gerar problemas nas próximas chuvas.

Em Caxias do Sul, recentemente, um temporal semelhante aconteceu. Na nossa cidade, também, vários bairros foram alagados e a tragédia humana se repetiu. No caso de nossa cidade o fator de descaso do poder público também foi evidente.

Há 4 anos atrás, durante as eleições para prefeito, o candidato a reeleição, José Ivo Sartori, que ganharia as eleições, fez um programa eleitoral onde mostrava os moradores do bairro São José, um dos mais atingidos pelos alagamentos, elogiando o prefeito/candidato pelo fim dos alagamentos na região. Passados quatro anos os alagamentos retornaram e novas "obras", que já deveriam ter sido feitas são anunciadas.

Realmente foi feito um trabalho, em 2008, para limpeza e melhoria das galerias de escoamento da região do São José. Só que nada mais foi feito nos anos seguintes. A quantidade de pessoas morando na região aumentou, e muito, a impeermeabilização do solo também, e ainda houve obras, da própria prefeitura, que reduziram o tamanho das galerias, como foi denunciado pelo vereador Mauro Pereira (PMDB), da base do governo.

Ontem iniciaram as obras de uma das 5 lagoas de contenção que serão construídas para absorver as águas das chuvas e liberar ela num volume suportável pela rede de escoamento. Essas obras era previsíveis e precisou, uma grande enxurrada, para que o poder público fizesse sua parte. Durante 4 anos o Samae preocupou-se somente com o Marrecas e deixou toda a cidade abandonada. Agora as obras estão sendo feitas. Só esperamos que não vire politicagem na época das eleições.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Barraco no Postão 24 horas

Nesse fim de semana que passou, como todos os outros nos últimos anos, a situação do Pronto Atendimento 24 horas foi de chorar. Os usuários agonizam na sala de espera e, se têm seu diagnóstico classificado como de baixa complexidade (só uma febrinha), levam horas até serem atendidos.

Assim, usuários revoltados com a demora no atendimento, chegando alguns a aguardarem mais de dez horas para o atendimento, ameaçaram "quebrar" o Postão. No meio do fuzuê que se instalou, com alguns querendo colocar fogo no prédio, a Secretária da Saúde foi chamada para conter o caos. Até mesmo o vereador Mauro Pereira (PMDB) apareceu para tentar acalmar a situação.

O engraçado é que, em um pronunciamento na audiência pública com servidores, na segunda-feira dia 12, a Secretária ressaltou que a saúde em Caxias do Sul não está um caos e que o vereador Mauro foi com ela até o Postão fazer uma "visita".

Então tá...

terça-feira, 13 de março de 2012

As reações dos possíveis Prefeituráveis com a nomeação de Pepe para Ministro

Pepe Vargas, ex-futuro candidato do PT para a Prefeitura de Caxias do Sul, assumiu o Ministério de Desenvolvimento Agrário por uma convocação da Presidente Dilma. O anúncio feito na sexta-feira, dia 09 de março, causou algumas reações em possíveis Prefeituráveis de Caxias do Sul:

Alceu Barbosa Velho (PDT): veio voando de Porto Alegre, reuniu o partido num CTG e carneou uma ovelha e dois bois;

Germano Rigotto (PMDB): virou os zoinho azul e seu coraçãozinho bateu mais forte;

Mauro Pereira (PMDB): teve a plena convicção de que nem tudo está perdido. Lambeu os bigodes e foi correndo até Caravaggio para pagar a promessa (seguido logo atrás por Rigotto);

Milton Corlatti (DEM): se empolgou tanto que reuniu ainda na sexta-feira o empresariado da cidade para fazer um grande investimento na bolsa de valores para arrecadar fundos para a campanha;

Assis Melo (PC do B): reuniu os comunistas e prometeu um piquete em frente a uma fábrica em homenagem ao Santo Pepe ainda neste ano;

Luiz Fernando Possamai (PSOL): foi até a frente do Pronto Atendimento 24 horas e reiterou que a saúde em Caxias está uma vergonha!

Contam ainda, que Alceu foi visto no domingo à noite dando piruetas nos Pavilhões da Festa da Uva. De bombacha e tudo.

Material da Secretaria da Saúde divulga serviço ainda indisponível

No último ano de mandato a corrida é contra o tempo para divulgar as realizações do governo. A Prefeitura está tão afoita, que já divulgou uma publicação da Secretaria da Saúde com as realizações da área.

O material, que além de promover indevidamente a Secretária da pasta, Maria do Rosário Antoniazzi e o Prefeito Sartori, com fotos de ambos: veja aqui, também divulga um programa que ainda não está à disposição da população.

O programa "Consultório de Rua" fará (ou não) o acolhimento de pessoas encontradas nas ruas que necessitem de atendimento devido a crises com álcool ou drogas. Com certeza o programa será muito bem vindo quando posto em prática, porém colocá-lo enquanto realização se ainda sequer foi implementado, é enganar a população! É promover o governo em cima de algo ainda não realizado. Trata-se, mais uma vez, de improbidade administrativa!

Na mesma página constata-se a implantação dos residenciais terapêuticos que, se não fosse a população e, principalmente os profissionais da saúde a se mobilizarem, teriam sido extintos pela Secretária da Saúde e colocados todos juntos no Seminário dos Irmãos Paulino, no Bairro São Ciro.

A cartilha, que já foi distribuída em todas as unidades de saúde do município traz alguns exageros e tenta transparecer uma situação de bem-estar na saúde que todos sabem que é irreal. Afinal, mesmo sem greve, a população padece em busca de um serviço público de saúde de qualidade.

domingo, 11 de março de 2012

Sobre a enquete que estava em nosso site

Ontem publicamos uma enquete no Polenta News sobre a preferência de votos para as eleições para prefeito de nossa cidade. A nossa intenção era provocar um debate sobre o novo cenário eleitoral que se formou depois de sexta-feira.

Optamos por usar uma ferramenta chamada twtpool por ela garantir o anonimato e a intereção com as redes sociais. Entretanto um pequeno grupo de pessoas utilizou-se de uma falha da ferramenta para gerar dezenas de votos para um mesmo candidato, ou seja, estavam votando mais de uma vez.

Como detectamos esse movimento agora a pouco resolvemos tirar a enquete do ar e fazê-la somente em um aplicativo que garanta que a pessoa só vote uma vez.

Achamos inconcebível o fato de alguém tentar manipular uma enquete. Esse tipo de atitude mostra que o nível da campanha eleitoral desse ano pode descambar para um caminho muito ruim.

Esperamos que esse seja apenas um fato isolado.

sábado, 10 de março de 2012

Pepe Vargas vira ministro e causa reviravolta no cenário eleitoral de Caxias

Foto: Assessoria Pepe Vargas

Poucos fatos são dignos da frase “Parem as rotativas!!!”. Esse é o sonho secreto de todo o jornalista do mundo entrar na redação com uma história de grande impacto. Foi isso que causou, pelo menos em Caxias, o anúncio de que o deputado federal Pepe Vargas (PT) e então pré candidato do partido à prefeitura iria assumir o Ministério do Desenvolvimento Agrário, MDA.

O assunto foi tão impactante que chegou a figurar entre os assuntos mais comentados no twitter na noite de ontem (o famoso Trend Topics). Alvoroço, em igual tamanho, atingiu os petistas e os militantes dos outros partidos também. Não era apenas a indicação de uma pessoa para ocupar um ministério, tratava-se de uma mudança radical na correlação de forças das eleições municipais a sete meses do primeiro turno.

“Foi uma convocação da presidenta”

Pepe Vargas disse que durante a conversa que teve com a presidenta Dilma Rouseff na quarta feira (7), ponderou o fato de que era pré candidato a prefeito de Caxias. A presidenta respondeu: “É hora do PT de Caxias colaborar com o governo federal”. Segundo Pepe a presidenta fez uma convocação não um convite. Nesse momento pode-se perceber o grande trânsito que o deputado tem junto a Dilma. Esse prestígio já havia transparecido no ato de promulgação na nova lei geral da micro e pequena empresa que contou com a presença da presidenta.

Pepe assume o MDA no lugar de Afonso Florence que estaria deixando o ministério por não ter desenvolvido o trabalho na medida das exigências de Dilma. Esse é o desafio imposto a Pepe Vargas nesse momento. O MDA tem como foco a agricultura familiar, que foi separada do Ministério da Agricultura (que tem foco maior no agronegócio), mas também responde pelos assentamentos da reforma agrária e demarcação de terras quilombolas. Principalmente esses dois últimos itens são focos de constantes queixas, principalmente do MST (que vive uma grande crise interna e não consegue se situar no novo contexto de um governo de esquerda).

Mas a expectativa é grande em torno do nome do Pepe. Pelas redes sociais a fala, quase unanime, foi de felicitações e lembrando a trajetória dele como vereador, prefeito e deputado. Um exemplo é a fala, pelo Facebook, de Ricardo Edson Fritsch, que mora em Picada Café e trabalha em uma agroindústria: “A presidente Dilma realmente é uma pessoa decidida. Parabéns Dilma a Senhora acertou em cheio iremos ter um grande Ministro”.

Notícia abalou meio político

Ao assumir o MDA, Pepe Vargas abriu mão da disputa à prefeitura de Caxias do Sul. Isso causou um “frisson” nos bastidores políticos da cidade. Apesar do também pré candidato Alceu Barbosa Velho (PDT) de dizer, pelo twitter, que “isso era um assunto do PT”, a saída de Pepe da disputa muda o cenário eleitoral.

A primeira mudança, é lógico, é dentro do próprio PT. A deputada estadual Marisa Formolo passa a ser o nome mais forte para assumir a vaga de candidata. A escolha de qualquer outro nome seria uma grande surpresa. Ainda do lado da oposição quem pode ganhar com isso é o PCdoB. Assis Melo, candidato do partido a prefeito, apesar de ter uma densidade eleitoral menor que Marisa Formolo, pode agora entrar nessa disputa para se cacifar para a próxima eleição de deputado federal. Antes corria o risco de fazer uma votação menor para prefeito do que fez para deputado.

Do lado da situação o campo está aberto para rachas. A tese de Mauro Pereira (PMDB) começa a ganhar mais força agora. Como dificilmente alguém ganhará no primeiro turno seria sensato, segundo o que defende Mauro, uma candidatura própria como forma de manter a visibilidade do partido na cidade. Outra candidatura que estava murchando e agora ganha vida nova é de Milton Corlatti (DEM). Nesse cenário o PSDB e o PP podem se aliar a essa candidatura, constituindo, ainda que falsa, uma terceira via para a cidade.

Esses movimentos estão colocando as eleições, obrigatoriamente, num segundo turno.

Assédio Moral a olhos vistos na Câmara de Vereadores

A sessão da Câmara de Vereadores do dia 08 de março foi novamente palco de uma exposição maldosa dos servidores da casa. Em mais um debate sobre o famigerado painel eletrônico adquirido durante a presidência do Vereador do PT Marcos Daneluz, os vereadores trocaram farpas e procuravam culpados pelos problemas insolúveis do painel.

Geni Peteffi (PMDB) disse para o painel funcionar falta um cabo que antes custava R$ 2 mil e, como não quiseram comprar, hoje custa R$ 9 mil.

Daneluz saiu em defesa própria e disse que até hoje sofre retaliações porque retirou os tais RET (Regime Especial de Trabalho Integral) de alguns servidores. Disse que quer saber quem foi o irresponsável que inventou a mentira sobre o cabo de R$ 9 mil.

E finalizou:
"Quero saber quem são os maldosos que continuam conspirando por aí, seja por efeito dos RET cortados ou não. Quem trabalhou tecnicamente na informática para montar esse painel que agora apresentam defeitos são esses técnicos."

O detalhe é que a Câmara de Vereadores possui apenas dois técnicos de informática, assim como possui apenas duas serviçais no episódio da supoerexposição da tia do cafezinho que recebia altos salários, lembra?: Vão cortar o salário do Secretário também?

O que aconteceu na Câmara foi um verdadeiro assédio moral contra esses funcionários. Lamentável!

sexta-feira, 9 de março de 2012

Valorização dos taxistas contratados

Quem não anda de táxi não está muito preocupado com a polêmica licitação lançada pela Prefeitura para concessão dos serviços de táxi em Caxias do Sul.

Após o lançamento do edital, ainda em fevereiro, houve diveras manifestações por parte dos atuais taxistas auxiliares.

Hoje a cidade conta com 277 táxis e ampliará a frota em mais 40. Todos sabem que muitos "donos" de táxi sequer nunca dirigiram um. O serviço fica para motoristas contratados que recebem em média de 25 a 30% do valor da corrida, gerando lucro apenas ao explorador da concessão. Tal prática é proibida segundo as normas vigentes. A figura do taxista auxiliar é possível, mas o concessionário teria, em regra, que dirigir também o táxi.

O edital lançado pela Prefeitura foi alvo de críticas justamente por não valorizar estes taxistas contratados, que não seriam valorizados por sua experiência na área.

A vereadora Ana Corso (PT) foi uma das grandes defensoras dos auxiliares de táxi que se sentiram desvalorizados com a primeira proposta de edital do governo.

Frente aos debates gerados e aos descontentamento dos auxiliares que já trabalham na área, a Prefeitura viu-se obrigada a refazer o edital e apresentou modificações ao edital.

Com as novas regras, quem já atua na área como auxiliar terá uma maior pontuação na licitação, tendo a sua experiência valorizada frente a possíveis concorrentes novatos e com alto poder econômico. Chegou a hora dos contratados serem "donos do seu próprio negócio"!

Muito bom o trabalho da vereadora que, além de dar vazão a uma injustiça que estava sendo cometida, calou a boca do líder do governo da Câmara, Alaor de Oliveira que estava tentando lhe imputar o trancamento do processo licitatório. O vereador do PMDB chegou a comparar as movimentações da vereadora ao processo judicial do Marrecas. Um verdadeiro absurdo.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Cineastas lançam manifesto em apoio à Comissão da Verdade


Diante das manifestações de alguns setores militares "confrontando as instituições democráticas e o próprio estado de direito", um grupo de mais de cem cineastas brasileiros divulgou um manifesto em defesa da Comissão da Verdade. "Repudiamos os ataques desses setores minoritários das Forças Armadas brasileiras, que de forma alguma irão obstruir as investigações que devem ser iniciadas o quanto antes", afirma o manifesto.

MANIFESTO DOS CINEASTAS BRASILEIROS EM APOIO À COMISSÃO DA VERDADE

Nós, cineastas brasileiros, expressamos a nossa preocupação com as frequentes manifestações de militares confrontando as instituições democráticas e o próprio estado de direito. Todos os cidadãos brasileiros têm o direito de conhecer o que foram os 21 anos de ditadura militar instaurada com o golpe de 1964. É preciso que a Comissão da Verdade, instituída para esclarecer fatos obscuros daquele período, em que foram cometidas graves violências institucionais, perseguições, torturas e assassinatos, tenha plenas condições e apoio da sociedade brasileira para realizar essa tarefa histórica.

Repudiamos os ataques desses setores minoritários das Forças Armadas brasileiras, que de forma alguma irão obstruir as investigações que devem ser iniciadas o quanto antes. Estaremos atentos para que tal comissão seja composta por pessoas comprometidas com a democracia e com a verdade.

1. João Batista de Andrade
2. Roberto Gervitz
3. Lucia Murat
4. Manfredo Caldas
5. Luiz Carlos Lacerda
6. Jaime Lerner
7. Hermano Penna
8. Helena Solberg
9. David Meyer
10. Luiz Alberto Cassol
11. Renato Tapajós
12. Geraldo Moraes
13. Laís Bodansky
14. Luiz Bolognesi
15. Silvio Da Rin
16. Rosenberg Cariri
17. Toni Venturi
18. Joel Zito Araujo
19. André Kotzel
20. Paulo Morelli
21. Carlos Alberto Riccelli
22. Ana Maria Magalhães
23. Henri Gervaiseau
24. Zita Carvalhosa
25. Ícaro Martins
26. Rubens Rewald
27. Ruy Guerra
28. Daniela Capelato
29. Wolney Oliveira
30. Guilherme de Almeida Prado
31. Jorge Alfredo
32. Roberto Berliner
33. André Ristum
34. Carlos Gerbase
35. Omar Fernandes Aly
36. Renato Barbieri
37. Jeferson De
38. Alain Fresnot
39. Murilo Salles
40. Sergio Roizenblit
41. Gilson Vargas
42. Marcio Curi
43. Newton Canito
44. Isa Albuquerque
45. Rose La Creta
46. Rodolfo Nanni
47. Monique Gardenberg
48. José Joffily
49. Chico Guariba
50. Luiz Dantas
51. Tetê Moraes
52. Eliane Caffé
53. Walter Carvalho
54. Augusto Sevá
55. Eliana Fonseca
56. Daniel Santiago
57. Paulo Halm
58. Mariza Leão
59. Sergio Rezende
60. Jorge Durán
61. Miguel Faria
62. Jom Tob Azulay
63. Flavio Frederico
64. Tatiana Lohmann
65. Mauro Baptista Vedia
66. Claudio Kahns
67. Lauro Escorel
68. José Araripe Jr
69. Galuber Paiva Filho
70. Ricardo Pinto e Silva
71. Sergio Bloch
72. Ariane Porto
73. Cesar Charlone
74. Roberto Farias
75. Roberto Santos Filho
76. Oswaldo Caldeira
77. Ricardo Elias
78. Christian Saghaard
79. Pola Ribeiro
80. Tuna Espinheira
81. Lázaro Faria
82. Marina Person
83. David Kullock
84. Mara Mourão
85. Silvio Tendler
86. Sergio Machado
87. Cecília Amado
88. Edgard Navarro
89. Henrique Dantas
90. Cesar Cavalcanti
91. Dodô Brandão
92. Carolina Paiva
93. Guto Pasko
94. Carlos Dowling
95. Duarte Dias
96. Kleyton Amorim Marinho
97. Renato Ciasca
98. Rubens Xavier
99. Antonio Olavo
100. Luiz Carlos Barreto
101. Lucy Barreto
102. Paula Barreto
103. Bruno Barreto
104. Phillipe Barcinski
105. Cristina Leal
106. Tata Amaral
107. Eduardo Escorel
108. Alfredo Barros
109. Helena Ignez
110. Sergio Sanz

quarta-feira, 7 de março de 2012

Entidades organizam atividades no 8 de março

Com informações de DCE/UCS

O senso comum e o consumismo conseguiram transformar uma data, essencialmente de luta, em uma comemoração "água com açúcar". O 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, que nasce com uma data de afirmação da importância da mulher na sociedade e de luta por seus direitos, acabou virando data comercial.

Na contramão disso algumas entidades ainda mantem o espírito original da data e organizam atividades de debate, formação e informação. É o caso do DCE, CPERS e Sinpro, que organizados juntamente com o Coletivo de Mulheres Estudantes da UCS e com a Marcha Mundial das Mulheres, organizam uma série de atividades nessa semana.

A programação começou ontem, na UCS, com a distribuição de materiais com a programação das atividades. No dia de hoje, às 18h30, o programa Rede de Olhares, da UCS TV, terá como tema: "Rede Camaleoas: o mundo das mulheres".

No dia 8 de março, a partir das 8h30, no auditório do Bloco H da UCS, haverá a palestra, "Debate sobre educação não sexista", que contará com as presenças de Miriam Corso Miotto do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, Comdim, da professora Liliane Viero, do Sinpro Caxias e da professora da UCS Natalia Poetra. A mesa terá mediação da Diretora de Combate às Opressões do DCE, Francine Brandalise.

Na sexta as atividades serão culturais. A atriz Tina Andriguetti encena a peça Eva Ave Marias, às 20 horas, no Salão de Artes do Centro de Cultura Henrique Ordovás Filho. Já às 20h30min, no Zarabatana, junto ao Centro de Cultura, haverá o show "Samba, Substantivo Feminino. Clara Nunes e outras mulheres do samba", com a banda portoalegrense Feira de Mangaio.

A programação não é extensa mas é diversificada. Ainda bem que há organizações que não se deixam levar pelo consumismo das datas e sim que resgatam o seu real papel.

Petição do Estado laico acolhida por 5X0 no Conselho da Magistratura do TJ-RS

* matéria extraída do blog Lésbicas Feministas: http://lblrs.blogspot.com/2012/03/peticao-do-estado-laico-acolhida-por.html

Nesta terça-feira, 06 de março, em decisão história, com voto brilhante do Desembargador Cláudio Baldino Maciel, o TJ-RS, por 5x0, deferiu o pedido impetrado pela Liga Brasileira de Lésbicas, Somos, Nuances, Themis, Marcha Mundial das Mulheres, Rede Feminista de Saúde e Themis para retirada de símbolos religiosos das dependências do TJ-RS em todo o Estado.

No voto o Relator acolhe toda a argumentação feita nas duas petição (inicial e recursal), amparado pela Constituição Federal (laicidade e princípio da impessoalidade), proferindo sentença que consideramos histórica.

Consideramos este um importante passo na separação do Estado e Religião, único caminho para as liberdades laicas, e um importante passo para que possamos discutir, livres da tutela religiosa, temas importantes como aborto, direitos LGBT, avanço do estudo com células tronco e outros temas.

A Liga Brasileira de Lésbicas tem muito orgulho de ter iniciado este debate no RS e esperamos que esta decisão sirva como base para ações em todo o Brasil. Reforçamos que a liberdade de crença religiosa é um princípio fundamental, garantido aos cidadãos, mas que ao Estado cabe manter sua imparcialidade e o devido distanciamento para poder encaminhar com imparcialidade demandas de toda a sociedade.

Parabéns às lutadoras e lutadores que acreditaram nesta demanda.

Vamos acompanhar, agora, petições semelhantes que tramitam na Câmara, no Executivo Estadual e na Assembléia Legislativa, buscando que encaminhamento semelhante seja dado nestas outras importantes instâncias do Poder Público Gaúcho.

Processo 0139111003480

Criminosos de Pijama


Recentemente um bando de assassinos, torturadores e outros párias, que já estavam de pijama, e usufruindo altos salários de aposentadoria, saíram de suas covas para quebrar a hierarquia militar (algo que se vangloriam muito) e questionar a autoridade da Presidenta Dilma. 

Com pulso forte ela mostrou que, em uma democracia, as Forças Armadas, são subordinadas ao povo. O Kayser fez a charge abaixo que ilustra bem essa situação.


terça-feira, 6 de março de 2012

Será que isso vai sair em algum veículo da RBS?

Eu acho que essa matéria não saíra em nenhum veículo da RBS, será que algum outro publicará? Para quem tem dúvida consulte diretamente na fonte: Tribunal de Justiça do RS.

Imagem ilustrativa, não reproduz o anúncio em questão
Jornal é condenado a indenizar por erro em anúncio de acompanhante sexual nos classificados

O jornal Zero Hora foi condenado a indenizar dano moral no valor de R$ 5 mil a mulher que teve o número de telefone erroneamente divulgado em anúncio de programas sexuais. A decisão foi da 10º Câmara Cível do TJRS, confirmando assim a sentença proferida na Comarca de Caxias do Sul.

Caso

No dia 06/02/2010, o referido jornal publicou na seção de classificados anúncio referente aos serviços de uma acompanhante sexual, informando, equivocadamente, o número do telefone residencial da autora da ação, uma senhora aposentada que mora com o pai, um senhor de idade avançada.

Segundo prova testemunhal, a autora chegou a receber numa mesma manhã mais de 15 ligações com o objetivo de contratar programas sexuais. Por conta disso, ajuizou ação de indenização por dano moral.

Em 1º Grau, o Juiz de Direito Clovis Moacyr Mattana Ramos, da Comarca de Caxias do Sul, deu provimento ao pedido. Houve recuso.

Agravo

O jornal recorreu da decisão alegando inexistir conduta ilícita de sua parte uma vez que os dados relativos à publicação de anúncios nos classificados são coletados por prestadores de serviços terceirizados, sendo as informações fornecidas pelos anunciantes. Defendeu ainda a inexistência do dano moral, uma vez que o nome da autora não foi divulgado no anúncio, somente seu telefone.

Acórdão

No entendimento do Desembargador relator Ivan Balson Araujo, a falha na publicação gerou dor e angústia a autora, que passou pela inegável humilhação de atender os interessados no anúncio, ouvindo termos típicos, considerando as características apelativas do aviso.

Além disso, ressaltou que sendo o réu responsável pela edição do jornal, responde sim por eventuais erros, não havendo que se atribuir a terceiros a responsabilidade pelo evento danoso.

Os Desembargadores Paulo Roberto Lessa Franz e Túlio Martins, participaram do julgamento, acompanhando o voto do relator.