sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Governo do RS debate Conselho de Comunicação com representantes da sociedade civil

Representantes de 16 entidades de classe da sociedade civil estiveram reunidos, nessa quinta-feira (30), na sede da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do RS com a secretaria de Comunicação e Inclusão Digital (Secom). O objetivo do encontro foi esclarecer dúvidas e debater o Projeto de Lei sobre a criação do Conselho Estadual de Comunicação (CECS), que está disponível para sugestões no site do Gabinete Digital.

Até o dia 10 de setembro a sociedade civil pode participar de consulta pública para sugerir entidades, empresas e instituições que devem compor o CECS ou, até mesmo, sugerir alterações no projeto através do Gabinete Digital. Saiba aqui como participar.

Conforme a titular da Secom, Vera Spolidoro, após o término da consulta popular, as sugestões serão apresentadas em um seminário, que acontecerá em outubro. “O Conselho é um órgão que deve orientar as políticas de comunicação, estimulando um debate permanente sobre os temas relacionados a democratização e transparência da comunicação social”. Para o presidente do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul, José Maria Rodrigues Nunes, “a comunicação é um direito do cidadão, assim como a saúde, e os empresários que negarem o Conselho estarão dando um passo atrás no processo de transparência da informação”.

A proposta de criação de um CECS foi inicialmente debatida e aprovada no pleno do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES). A Carta de Concertação sobre o tema recomendou que fosse elaborado um projeto de lei. Assim, a Câmara Temática de Cultura e Comunicação instituiu um grupo de trabalho para a formulação do projeto. O texto integral do Projeto de Lei está disponível no Portal da Secom e do Gabinete Digital.

As sugestões enviadas via Gabinete Digital serão apresentadas em um seminário que será realizado em outubro. Depois disso o projeto segue para a Assembleia Legislativa, onde será debatido pelos deputados.

Fonte: Secom


Charge


quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Ato falho de colunista do Pioneiro

Clique na imagem para ampliar
Segundo Freud Ato Falho é o desejo do inconsciente de algo que ele deseja ver realizado. Isto explica o fato de que nenhum gesto, pensamento ou palavra acontece acidentalmente. Os atos falhos são diferentes do erro comum.

O desejo dos editores do Pioneiro é tanto para a inauguração da represa do Marrecas que o colunista do Mirante esqueceu que a represa nem pronta estava e já disse que ela encontrava-se abaixo do nível normal.

Comentou o jornalista em tom preocupado:

"Já o Marrecas (pouco mais de 25%) está 2m60cm abaixo do nível. A situação preocuparia a partir de -5m."
 Na verdade seria a Maestra, como está na tabela logo abaixo. Ou o colunista está previndo o futuro de que a barragem do Marrecas vai ficar abaixo do nível na inauguração, e então toda a propaganda vai por água abaixo, litaralmente. Ou seu desejo, e da empresa, de ver o Sartori inaugurando ela antes das eleições é tanta que se atrapalham todo.

Falando nisso há 3 subtítulos sobre a obra sem trazer nenhuma informação relevante. Coincidência, ou não, esse foi um tema tratado no programa eleitoral do candidato situacionista.

Ah esse Freud explicava muita coisa.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

‎"As árvores podadas parecem mãos de enterrados vivos"

Foto: Vera Damian
Mário Quintana (1906-1994) foi definitivo na frase que é o título dessa matéria. Nada resume as "podas" que estão sendo realizadas em centenas de árvores em Caxias do Sul. Para fazer rápido o serviço ele é mal feito e tudo isso com a conivência da Secretaria do Meio Ambiente, que não fiscaliza, e com a irresponsabilidade da Secretaria de Obras que faz mal feito.

A foto postada no Facebook pela jornalista Vera Damian mostra o estado que ficaram um grupo de árvores na Alfredo Chaves próximo da Prefeitura. Ao questionar a Secretaria de Meio Ambiente a jornalista ouviu que os ligustros são uma planta invasora, porém é uma das espécies mais utilizadas em arborização por ser extremamente resistente. Resiste até mesmo a falta de cuidado de quem realiza as podas.

Se o objetivo da Secretaria fosse substituir os ligustros eles deveriam então ser trocados por outras espécies. Porém a realidade em Caxias do Sul é justamente o contrário, derrubar cada vez mais as árvores. A política ambiental do governo Sartori é catastrófica no que diz respeito ao meio ambiente. Esse governo já derrubou mais de 600 árvores para fazer uma cancha de rodeios que é usada algumas vezes por ano. Há indícios de irregularidades nas licenças ambientais de várias obras de asfaltamento do interior, sem falar na obscura, e questionável, licença ambiental para o Marrecas.

Fica a pergunta: Se continuar a mesma política ambiental da prefeitura por mais quatro anos, árvores existirão apenas em outras cidades?

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Eleitor pode consultar lista de doadores de campanha

O Tribunal Superior Eleitoral, TSE, disponibilizou uma listagem com os doadores de campanha constantes na 1ª prestação de contas parcial das eleições municipais. Apesar dessa primeira prestação de contas não trazer "todos" os contribuidores nem "todas" as despesas, pela primeira vez é possível ver quem contribui para cada candidato antes da eleição. (veja aqui)

O Polenta News traz com exclusividade essa relação para os eleitores de Caxias do Sul. No site do TSE é possível acessar a listagem completa, em uma tabela eletrônica, com todas as contribuições, para todos os candidatos do Brasil. Nossa equipe relacionou, por comodidade do leitor, apenas os candidatos de Caxias do Sul. Para acessar a listagem completa acesse aqui.

Os valores
Apesar da reclamação geral de que está difícil captar recursos. Os candidatos de Caxias do Sul arrecadaram R$ 557.056,00 com uma contribuição média de R$ 2.500,00. A maior parte dos recursos são provenientes de Pessoas Jurídicas que juntas contribuíram com mais de R$ 280 mil para os candidatos. 

A empresa que mais doou recursos, até agora, foi a Marcopolo com R$ 128 mil. Mauro Pereira (PMDB) foi o único vereador que recebeu recursos da empresa (R$ 3.000,00), seu único contribuidor por enquanto. O restante do valor foram para os candidatos a prefeito Assis Melo (PCdoB), Marcos Daneluz (PT) e Milton Corlatti (DEM) que receberam R$ 25.000,00 cada. Alceu Barbosa (PDT) recebeu o dobro R$ 50.000,00.

O segundo maior grupo de receitas são valores dispostos pelos próprios candidatos, os Recursos Próprios. Na soma total, até agora, os candidatos colocaram a disposição de suas campanhas R$ 148.993,00. Contribuições de Pessoas Físicas somaram R$ 111.570,00. 

Doze partidos, dos 26 que disputam as eleições, tiveram candidatos com contribuições registradas. Dos candidatos a prefeito somente o PSOL não registrou nenhuma contribuição. Essa é a primeira prestação de contas e ela, geralmente, é muito menor do que as outras subsequentes. Na prestação de contas do começo do mês de setembro teremos um mapa mais completo dos contribuintes.

Abaixo a relação dos contribuites aos candidatos a prefeito


MILTON CORLATTI MARCOPOLO SA R$ 25,000.00
ASSIS FLAVIO DA SILVA MELO FORJAS TAURUS S/A  R$ 25,000.00
ASSIS FLAVIO DA SILVA MELO MARCOPOLO S/A R$ 25,000.00
ASSIS FLAVIO DA SILVA MELO SAN MARINO ONIBUS E IMPLEMENTOS LTDA R$ 20,000.00
ASSIS FLAVIO DA SILVA MELO VOGES METALURGIA LTDA R$ 15,000.00
ALCEU BARBOSA VELHO ADEMIR SCHWAISER R$ 5,000.00
ALCEU BARBOSA VELHO ALCIDEMAR XAVIER MACEDO R$ 5,000.00
ALCEU BARBOSA VELHO CARLOS ANTONIO BURIGO R$ 1,500.00
ALCEU BARBOSA VELHO CELSO EMPINOTTI R$ 5,000.00
ALCEU BARBOSA VELHO CELSO MATTOS ARAUJO R$ 5,000.00
ALCEU BARBOSA VELHO FISA INCORPORADORA LTDA  R$ 20,000.00
ALCEU BARBOSA VELHO GILBERTO MELETTI R$ 5,000.00
ALCEU BARBOSA VELHO JOAO WIANEY TONUS R$ 500.00
ALCEU BARBOSA VELHO JOSE LUIZ ZECHIN R$ 1,500.00
ALCEU BARBOSA VELHO LAURI ROMARIO SILVA R$ 500.00
ALCEU BARBOSA VELHO LAURI ROMARIO SILVA R$ 500.00
ALCEU BARBOSA VELHO LAURI ROMARIO SILVA R$ 500.00
ALCEU BARBOSA VELHO LUIS ANTONIO GRISON R$ 1,500.00
ALCEU BARBOSA VELHO LUIZ FERNANDO PEZ R$ 5,000.00
ALCEU BARBOSA VELHO MARCOPOLO SA R$ 50,000.00
ALCEU BARBOSA VELHO MAURICIO GRAZZIOTIN R$ 5,000.00
ALCEU BARBOSA VELHO MAURO CAVAGNOLLO R$ 5,000.00
ALCEU BARBOSA VELHO MILTON LUIZ BALBINOT R$ 5,000.00
ALCEU BARBOSA VELHO NESTOR PISTORELLO R$ 1,500.00
ALCEU BARBOSA VELHO NORBERTO LUIZ SOLETTI R$ 500.00
ALCEU BARBOSA VELHO RR ROCHA COMERCIO E REPRESENTAÇÕES LTDA ME  R$ 500.00
ALCEU BARBOSA VELHO VICTORIO GIORDANO DA COSTA R$ 3,000.00
MARCOS ANTONIO DANELUZ LEONIR TAUFE R$ 3,000.00
MARCOS ANTONIO DANELUZ MARCOPOLO SA R$ 25,000.00
MARCOS ANTONIO DANELUZ NEIVA CRISTINA ANDREAZZA R$ 1,000.00


sábado, 25 de agosto de 2012

Caminhão da Codeca emporcalha cidadãos

O relato abaixo foi compartilhado conosco pelo Facebook e é a mostra de como os serviços públicos, de nossa cidade, estão largados "as traças". Quando há um excesso de apadrinhados nos cargos de chefia não há um bom atendimento à população. Na última quinta feira um caminhão da Codeca, passou em plena BR 116 jogando lixo por todo o lado. Veja o relato:

Acabei de participar de uma cena lamentável: um caminhão da CODECA passava pela BR 116 em sentido Ana Rech e envolta dele uma estranha "nuvem de pó" espalhava resíduos por todos os lados. Estávamos na parada do monumento Imigrante eu e umas 8 pessoas (ciranças, idosos, trabalhadores) e além de respirar toda aquela podridão ainda ficamos todos cheios de sujeira na roupa, pele e cabelo!

DESRESPEITOOOOO! Eu que por alguns momentos até pensei em destinar meu voto para quem administrava até março essa autarquia: Adiló Dinomênico, e que por sinal, não deve ter deixado o legado de respeito na prestação de serviços da Codeca aos caxienses, é a única coisa que me induz a pensar!

Mas quem seria o louco a votar em alguém que presidiou uma organização que trata a população LITERALMENTE como LIXO???? Revoltante!!! Covardia!!! Falta de humanismo! Muito triste ver momentos como este!

Enquanto uns aplaudem obras e mais obras que só aparecem em período de eleições, o que é mais que comprometedor....esquecem que os órgãos públicos e autarquias de Caxias do Sul não tem o mínimo para servir à população: RESPEITO!
Agora só peço uma coisa: CUSTAVA TAPAR A DROGA DE CAMINHÃO??? Será que investir em, sequer, uma lona é muita caro para a prefeitura e suas co-irmãs?

Vou lembrar disso, ahhh se vou lembrar disso!!!

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Ciclofaixa da perimetral norte virou via perigosa

Coube ao colunista Ciro Fabris alertar sobre uma situação potencialmente arriscada. Carros circulando, tranquilamente, na "ciclofaixa" da Perimetral Norte. Como mostra a foto de João Vicente Cardoso Faria, uma van circula tranquilamente e disputa espaço com um ciclista. Há ainda, nos comentários do blog (veja aqui) relatos de outros veículos que invadiram o espaço que seria reservado aos ciclistas.

A opinião que está ganhando força é que a ciclofaixa foi mal planejada e está sendo mal orientada. Sobre a primeira parte o Polenta News já havia abordado quando publicou um texto de uma ciclista sobre o assunto (leia aqui) e quando alertamos sobre que a "obra" seria apenas uma jogada de marketing (aqui).

Soman-se a isso reclamações que falta esclarecimento sobre os dias de funcionamento (ela só funciona por 2 domingos por mês) e há, evidente, problemas de fiscalização e orientação. Se a ideia era levar crianças no lugar situações como essa são extremamente arriscadas e perigosas. A ciclofaixa de Caxias do Sul é um perigo eminente. É obvio que há risco de acidentes em qualquer outro lugar porém os riscos ali foram potencializados ao se juntar ciclistas, numa via rápida, sem o devido isolamento e proteção.

Enquanto o poder público dá pouca atenção na fiscalização a Visate, pelo menos, tomou uma atitude. A foto divulgada pelo Polenta News e outros blogs, de um ônibus da empresa que atropelou um cone gerou, por parte da Visate, uma reprimenda ao motorista que cometeu a infração.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Livros no lixo? Isso é uma vergonha

Moradores de bairros próximo ao Cristóvão de Mendoza começaram a encontrar caixas com livros didáticos ao lado de lixeiras ou na porta de casa. As duas caixas com livros, endereçadas à escola Cristóvão de Mendoza foram encontradas, uma por um comerciante, ad lado de uma lixeira, próximo ao viaduto Campo dos Bugres e a outra por uma moradora no portão de casa.

Ambos os pacotes estavam com identificação do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação e endereçados ao Cristóvão de Mendonza. Eles deveriam, ou foram, entregues nos anos de 2008 e 2009 e serviriam aos alunos de ensino médio (paradoxalmente aquele onde o RS teve o pior desempenho).

O que choca é a falta de explicação, e até desinteresse, por parte da direção da escola. Nadir Pires da Silva, que encontrou um dos pacotes disse, ao Jornal Pioneiro, que entrou em contato com a escola e o interesse foi "foi praticamente zero".

 Os livros são enviados para as escolas e devem ser conferidos ao serem recebidos então não dá para aceitar a desculpa da diretora, Leila Macuco, "conferimos os lotes, quando chegam, mas não conseguimos contar todos os livros. Imagine, temos mais de 1,8 mil alunos. Deduzo que alguma caixa tenha sido esquecida na transportadora e agora estão descartando." Como não tem tempo de conferir os livros que chegam? É uma prova de ineficácia de gestão. Esses livros foram comprados com dinheiro público, quanto mais recursos são desperdiçados pela direção do Cristóvão de Mendoza por que a Leila acha que não tem tempo para conferir as coisas?

A 4ª Coordenadoria de Educação tem que investigar a fundo a situação. Já nesse ano a mesma diretora, de forma autoritária, expulsou uma aluna que não queria comprar a agenda (leia aqui). Ela voltou às aulas por meio de uma ação na justiça. A 4ª CREA silenciou na época, vai acobertar agora novamente?

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Bom exemplo de gestor público

Um pedido de desculpas formal, sem enrolação e a tomada imediata de atitude. Foi assim que o presidente do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Alessandro Barcellos, reagiu as denuncias publicadas na Zero Hora, de domingo, sobre o roubo de peças que carros recolhidos a depósitos credenciados pelo Detran sofriam.

Além de receber em seu gabinete o dono do Fiat mostrada na reportagem, Alessandro foi pessoalmente interditar o depósito SOS Esteio, flagrado na reportagem. Muitos vão dizer que isso não é mais do que a obrigação. É verdade, em partes. Mas levando em conta o passado do Detran a atitude é um "choque de gestão".

O Detran por pelo menos 6 anos foi alvo de uma roubalheira sem tamanho. No final do governo Rigotto (PMDB) e no começo do governo Yeda (PSDB), um bando de correligionários da base aliada desses dois governos roubaram até os parafusos do órgão. Os desvios, segundo foi apurado na CPI do Detran, de R$ 44 milhões.

Muito dessa bandalheira que acontece nos depositos é fruto desse desgoverno. Na verdade é hora de começarmos a responsabilizar a dita "iniciativa privada" pelos crimes que ela comete contra o Estado brasileiro. No centro de todo e qualquer ato de corrupção há sempre um empresa que se favorece das beneces do governo. Os guinchos não são excessão a regra. Eles são a regra.

Somente em 2012 os 186 depósitos de carros apreendidos receberam mais de R$ 17 milhões dos cofres do Governo do Estado. Para evitar que novos abusos aconteçam a autarquia apresentou 10 medidas:

1 - Separação de áreas para veículos recolhidos por infrações de trânsito administrativa, questões policiais, judiciais ou perícia

2 - O check list (Auto de Retirada de Veículo de Circulação), além de mais detalhado, deverá ser preenchido também pelo agente do órgão que realizou a apreensão (hoje apenas o guincheiro assina o documento). Medida depende do Cetran

3 - Desenvolvimento de sistema informatizado pela Procergs com integração de dados, agregando fotografias ao prontuário do veículo, para maior controle. Depende da Procergs

4 - Procedimentos de registro fotográfico dos veículos no local da ocorrência e no acesso ao depósito, além de decalques de chassi e motor e fotografias

5 - Restrição de acesso de pessoas a veículos recolhidos por ilícitos, salvo que haja uma autorização policial

6 - Veículos apreendido por restrições estruturais (como rebaixamento fora das normas) poderão ser retirados do depósito para que a retificação seja feita em oficina (hoje, os mecânicos fazem o conserto dentro dos próprios depósitos, em uma área imprópria). A medida depende do Cetran

7 - Aceleração nas perícias a cargo do Instituto-geral de Perícias (IGP) em depósito e nas liberações policiais e judiciais. Depende do IGP

8 - Intensificação de leilões de sucatas

9 - Novos credenciamentos de depósitos para a capital do Estado

10 - Novos credenciamentos de depósitos também para municípios do Interior

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Planalto Rio Branco: o sofrimento de um bairro

Abandono gera depredação e não o contrário
Foto: Marcos Vinícius Cacequi
Nada é mais representativo do descaso do poder público com uma área da cidade do que o abandono dos equipamentos públicos. O Polenta News já havia divulgado a depredação que assolava a área verde do bairro Planalto Rio Branco. Junto a essa área verde a futura Capela Mortuária nem estava pronta e já estava em ruínas, bem como as estruturas do que um dia pode ter sido um Centro Comunitário.

Na edição de quinta feira passada, 16, o jornal Pioneiro publicou uma reportagem sobre um incendio que atingiu o prédio que abrigaria um Telecentro. Infelizmente o jornal e nem o representante da associação de moradores achou relevante dizer que outros locais públicos do bairro também estavam sofrendo abandono.

Obviamente quem levou a culpa pelo incendio foi "um grupo de jovens". É comum acusarem jovens pele depredação de alguma coisa quando não se sabe quem foi. Mas qual bairro é ofertado para essa juventude? A situação das áreas públicas do Planalto Rio Branco, e de outros bairros de nossa cidade, é lamentável. Os investimentos em praças e parques limitam-se nas regiões onde os moradores são mais privelegiados financeiramente.

No mesmo dia que o Pioneiro noticiava o incendio de onde seria o futuro Telecentro o prefeito Sartori inagurava uma academia ao ar livre numa praça do bairro Petrópolis, onde a maior parte dos moradores são de alta renda.

Nada justifica atos de depredação. Porém muitas vezes os "espaços públicos" sofrem ataques por que na verdade eles são privatizados pela associação de moradores, por um CTG, time de futebol ou qualquer outra instituição que não pública.

Lamentavelmente a comunidade do Planalto Rio Branco perde mais um espaço, que poderia ser público. Será que ela se mobilizará para preservar e recuperar?

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Prefeitura gasta mais de R$ 2,2 milhões em publicidade

Se você achou que estava vendo propaganda demais da prefeitura de Caxias do Sul achou certo. Em apenas 6 meses a prefeitura de Caxias do Sul gastou mais de 2,2 milhões em publicidade. Esse número é um pouco inferior ao gasto em todo o ano de 2011 (R$ 2,5 milhões) porém é o mesmo que foi gasto durante todo o ano de 2010.

Pela lei eleitoral a partir do começo de julho a prefeitura está impedida de veicular propaganda institucional, com excessão das de utilidade pública. E justamente pele proximidade das eleições municipais o dinheiro de um ano foi gasto todo em meio ano. Com esse bombardeio midiático, com toda a certeza, se criou uma cidade imaginária, sem problemas, onde tudo foi feito e tudo é grandioso. Pode ser esse um dos motivos do alto índice de aprovação do governo Sartori. Na prática, para a campanha situacionista, a campanha eleitoral de rádio, tv e jornal começou muito tempo antes da data oficial. Essa prática, porém, não é coibida pela legislação eleitoral que multa, por exemplo, uso antecipado do Facebook ou do Twitter.

Gastos com publicidade da Prefeitura:
2009 - R$ 2.120.670,00
2010 - R$ 2.299.452,89
2011 - R$ 2.594.206,64
2012 - R$ 2.299.215,22
Fonte: Portal Transparência

Além do elevado valor gasto em publicidade também percebe-se distorções e concentração na distribuição das verbas publicitárias. Há uma lista enorme de recebedores de patrocínios. Muitos são absolutamente desconhecidos.

Entre as empresas que mais receberam recursos a RBS TV recebeu R$ 450.450,40 até julho desse ano. Os outros veículos do grupo RBS (que diz que não tem monopólio no RS) receberam grandes boladas também. Rádio Itapema, R$ 50.515,86, Rádio Atlântida, 42.902,56 e Jornal Pioneiro, R$ 86.426.68. Somados os veículos do grupo receberam R$ 630.295,50, ou 27% do total. Agora fica fácil saber o porquê tantas matérias pro governo nos veículos do grupo.

Entretanto quem mais recebeu recursos foi a JJD Proequipe, agência de propaganda contratada pelo governo municipal que recebeu a bagatela de R$ 835.000,00 em 6 meses. Soma-se a isso o que ela recebe de todos os outros veículos como comissão de agência (aquele mesmo valor que estava em discussão no caso da AP470, "mensalão") no valor de 20% do pago pelo anúncio, o que faz que o faturamento seja milionário.

Veja abaixo a lista de quem recebeu recursos de publicidade (acima de R$ 10 mil):


JJD Proequipe 835.000,00
RBS TV 450.450,40
Rádio São Francisco 262.681,88
Jornal Pioneiro 86.426,68
Rádio Editora Exitos 66.130,84
Rádio Caxias 61.548,27
Rádio Itapema 50.515,86
Tracodoor 45.312,00
Rádio Atlântida 42.902,56
FUCS (Rádio e TV) 41.657,44
Rádio Difusora 36.168,61
Rádio Mil e Dez 31.673,04
O Caxiense 29.912,00
TV Caxias Canal 14 27.408,00
Gazeta de Caxias 24.661,92
Caminhos da Serra 17.152,00
Folha de Caxias 16.240,00
Tempo Todo 14.756,80
Willians e Susiane Comunicação 13.680,00
Rosa Maria Calixto 12.000,00

Há uma extensa lista de outros recebedores de valor menor que R$ 10 mil. Para conferir a lista completa siga as instruções abaixo:
Entre no site: http://transparencia.caxias.rs.gov.br/portal-transparencia/
Clique em "Despesa"
Clique em "Tipo de gasto (analítica)"
Na caixa que está no rodapé selecione "Rúbrica" e digite "Publicidade"

domingo, 19 de agosto de 2012

Correspondência da UAB tinha "santinho" encartado

Correspondência da UAB é como um
Kinder Ovo vem com uma surpresa
dentro
Diversos presidentes de bairros ficaram surpressos, e indignados, quando receberam a convocatória para a reunião da Assembleia Geral da União das Associações de Bairros, UAB, que aconteceu no começo do mês. No mesmo pacote onde havia a convocação e exemplar do Jornal dos Bairros, eles receberam material de propaganda do candidato a vereador Daltro da Rosa Maciel (PSB).

Daltro é presidente, licenciado, da Assembleia Geral da UAB. A situação gerou queixas durante a assembleia porém, como também aconteceu na reunião da executiva da entidade foram postos "panos quentes" na história.

Recebemos emails de presidentes de bairros que não ficaram felizes com a situação e acreditam que houve aparelhamento da entidade. Daltro se justificou dizendo que contratou o mesmo entregador para enviar o seu material aos presidente de bairro. Segundo ele teria sido iniciativa do entregador distribuir junto o material. Para justificar sua história o socialista apresentou uma nota de pagamento da entrega.

Porém a história não convenceu todo mundo. Colocar a culpa no entregador é uma coisa que acontece desde tempos imemoriais. E conseguir nota de serviço é uma coisa relativamente fácil. O que há é um claro indício que, no mínimo, o candidato se valeu de informações da própria entidade para seu uso eleitoral. Esse tipo de relação de "toma lá, dá cá" é cada vez mais escancarada no meio político caxiense. Como os presidentes de bairros acabaram virando pedintes do poder público, já que o Orçamento Participativo foi esvaziado, muitas "lideranças" comunitárias acham que devem ter boas relações com o governo e, como no caso do Daltro, se apresenta como representante do governo no segmento, já que o PSB faz parte da base governista.

A estratégia de campanha parece que virou um tiro no pé. Duvidamos muito que seja alvo de investigação por parte do TRE, mas já pegou muito mal dentro do movimento comunitário.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Secretaria envolvida em escândalo troca de titular

Sai Tonus (E) que não se explicou e entra Oltramari (C)
ele explicará o que aconteceu com os contratos
da Festa da Uva? [Foto: Luiz Chaves]

A Secretaria de Turismo que vinha sofrendo denúncias de irregularidades em contratos de prestação de serviços da Festa da Uva, trocou hoje de titular. Sai João Tonus, que substituia Jaison Barbosa,  e entra José Reovaldo Oltramari. A mudança ocorreu na manhã de hoje durante reunião do secretariado de governo. Tonus continua como titular na pasta de cultura.

A notícia praticamente não repercutiu na imprensa de Caxias. Porém a troca de secretário há poucos meses do fim do mandato é emblemática. Primeira porque aponta, que Oltramari deve ficar até o final do governo, então Jaison (envolvido em denuncias de irregularidades), não volta mais para o governo depois de 7 de outubro. Ele concorre a vereador pelo PDT. Segundo Tonus não conseguiu fazer o papel de explicar como, durante o mandato de seu antecessor foram pagas quase 100 pessoas a mais do que mostram os registros no Ministério do Trabalho.

O Polenta News já abordou essa denúncia (leia aqui e aqui). Tonus se comprometeu a enviar à Câmara de Vereadores documentos que comprovariam que não houve irregularidade. Porém ele não cumpriu sua promessa (leia aqui).

Fica a pergunta no ar, Qual será a atitude que Oltramari terá? Ele vai compactuar com essa situação que pode atingir o governo Sartori em cheio ou tomará alguma providência? Aguardaremos os próximos movimentos.

Com dinheiro público, Perondi e Onyx pagavam salários a barbeiro e zelador


Uma denúncia da TV Globo, feita pelo repórter Giovani Grizotti, mostrou que os deputados federais gaúchos Darcísio Perondi (PMDB) e Onyx Lorenzoni (DEM), empregam funcionários fantasmas em seus gabinetes em Brasília.

 O caso de Perondi é o mais escandaloso. Desde 2004, o deputado do PMDB paga salário de assessor parlamentar a Elio Stiegemeier. Procurado pela reportagem, Elio admitiu que há mais de 20 anos trabalha, de segunda a sábado, numa... barbearia em Panambi.

O outro caso flagrado pela reportagem da Globo é o de Paulo Ricardo Borges Júnior. Para efeitos legais (e salariais) ele está lotado no gabinete do deputado Onyx Lorenzoni (DEM), porém, conta para as câmeras que sua função é uma espécie de zeladoria do diretório do partido no município de Sapucaia do Sul. Ou seja, nem Elio, nem Paulo, trabalham nos mandatos de Perondi e Onyx, mas seus salários são pagos com dinheiro público, pela Câmara dos Deputados.

A justificativa de Onyx, que na Câmara quer ser um novo Demóstenes, é risível. Ele diz que com 22 assessores não pode saber o que cada um faz. Como não deputado? Quer dizer que o senhor não sabe o que seus colaboradores mais próximos fazem? O que mais acontece que o senhor não sabe?

Outro caso escandaloso é o da bancada do PDT onde um advogado e outra assessora trabalham na sede do partido. Para não dar explicações a assessora da bancada pedetista, Hilda Mara Cidade, tentou fugir pela janela.

Além da reportagem da TV
Não mostrada nessa reportagem da TV a RBS divulgou mais dois casos de funcionários fantasmas.  Em Maquiné, no Litoral Norte. Cargo de confiança do deputado estadual Paulo Azeredo (PDT), José Cláudio Goldani foi encontrado trabalhando na rodoviária do distrito de Morro Alto. Sem saber que estava sendo gravado, o funcionário disse ficar na estação diariamente, das 6h às 21h.

Ainda em Maquiné, a dona de um mercado também era funcionária da Assembleia, sem saber disso. À reportagem, em julho, Sarajane Dalpiaz disse que está sempre no mercado. Na mesma época, porém, Sarajane constava como CC da Superintendência de Comunicação do Legislativo.

Paulo Azeredo já tinha uma funcionária flagrada passeando com o cachorrinho em pleno horário de trabalho. Com isso o seu gabinete mais parece uma casa mal assombrada.

O Polenta News já havia levantado o questionamento sobre assessores da Assembleia exercendo outras atividades. Em matéria publicada em julho desse ano, alertavamos sobre o fato de Paulo Sausen, diretor da TV Caxias canal 14, e Jô Arse, presidente da 25º Região Tradicionalista, são assessores de Alceu Barbosa Velho (PDT) e, mantém atividades paralelas de grande relevância.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Polentinhas: Postura, no mínimo, deselegante

O poder público pode ser só de alguns?
Foi no mínimo deselegante a comemoração de aniversário do candidato situacionista, Alceu Barbosa Velho (PDT). Como um "mimo" seus correligionários fizeram um bolo de aniversário que era uma réplica do prédio da prefeitura e que ainda contava com as bandeiras de todos os partidos da coligação.

Há muitos simbolos envolvidos nessa imagem. Primeiro a sede do poder executivo é um espaço público, que independente de partido, ela é um patrimônio de toda a coletividade. Ao fincar as bandeiras de alguns partidos nesse símbolo você "toma posse" dele o que é uma atitude extremamente anti comunitária. Tem ainda a ideia da Prefeitura ser um presente, um troféu, algo que se conquista. Por último mostra um pouco de arrogância ao achar que a eleição já está ganha.

Num passado não muito distante uma situação parecida aconteceu. No começo de 1996 o então deputado federal Germano Rigotto achou que a sua eleição para prefeito era tão certa que concedeu uma entrevista sentado na cadeira do prefeito. Deu azar. Pepe Vargas ganhou!

Obviamente todos os políticos usam as datas comemorativas, seus aniversários por exemplo, como instrumento de campanha. Agora na tentativa de fazer um agrado ao chefe o povo pisou na bola. Provavelmente vai faltar humildade por parte do candidato continuista, e de seus correligionários, em reconhecer que foi, no mínimo equivocado, o uso de um símbolo de Caxias numa propaganda eleitoral.

Papo de Corredor: disputa entre monarquias




Contam pelos corredores que, dia desses, deu arranca rabo entre dois candidatos. Foi no dia do "Painel do Pioneiro", em que os prefeituráveis de Caxias respondiam a perguntas referentes a suas propostas.


Em uma das provocações feitas por Assis Melo (PCdo B) a Alceu Barbosa Velho (PDT), o comunista chamou o atual governo municipal de "Monarquia". Referiu-se ao fato de que a situação não quer entregar a coroa (ou o poder), de jeito nenhum.

Visivelmente irritado, Alceu devolveu:

"E o que é o Sindicato dos Metalúrgicos? Aquilo sim é uma monarquia!"

Aguardemos mais "pérolas" da vida real trazidas para as eleições.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Circo midiático em torno do julgamento da AP470 é fracasso de público

"Na Praça dos Três Poderes, há mais pombas do que gente. O vendedor de cocos mira o vendedor de picolés, que olha para o vendedor de lembrancinhas de Brasília. O trio está entediado e desolado."
Muito aparato para pouco público
Essa frase não foi extraída de nenhum blog alternativo à grande mídia. Ela foi publicada na edição de domingo da Zero Hora. Ali há a confissão de que todo o circo midiático armado para o que a imprensa chamou de "julgamento do século" está sendo um grande fracasso de público.

Não há manifestações em frente do STF pedindo a condeção dos réus. Não há nem curiosos. Nas redes sociais o assunto não repercurte, e quando repercute é em favor dos acusados. A tal opinião pública, que é tão defendida pela grande mídia está completamente alheia ao que está acontecendo. Fica, tão somente, a opinião publicada, que não tem eco nenhum junto a sociedade.

Com excessão de jornalista mais reacionários, como o Noblat, da Veja, que tenta a qualquer custo criar discussões fictícias, dessa vez com o Ministro do STF Dias Toffol, como já havia feito com Lula. De resto, como já publicamos aqui o twitter de um jornalista da Folha de São Paulo onde ele diz: "A gente coloca o julgamento do mensalão e o Ibope despenca".

A história da AP 470, chamada de "mensalão" foi contada por 7 anos por somente um lado. A grande mídia contou a história como quis, ouvindo quem ela quis. Agora quando 38 versões também são ouvidas sobraram pulgas atrás das orelhas das pessoas. Essa semana começaram a ser proferidos os votos dos ministro, aí a história começa a ganhar novo folego. Vamos ver o que vai dar.

sábado, 11 de agosto de 2012

Para que esclarecer quando dá para complicar. Esse é o lema do Governo Sartori

Denise entrega documentos a Promotor que confirma que
há indícios de irregularidades
Os documentos enviados à Câmara de Vereadores pelo Secretário de Turismo, João Tonus, sobre a contratação de recepcionistas para a Festa da Uva 2012, não esclareceram a grande diferença entre o número de pessoas pagas e aquelas efetivamente contratadas.

A vereadora Denise Pessoa (PT) fez essa denúncia ainda em julho desse ano.A empresa contratada para a terceirização do serviço, Job Recursos Humanos, recebeu, por um contrato mais um termo aditivo, R$ 355.471,00 para a contratação de 219 pessoas. Porém ela formalizou a contratação de somente 121 trabalhadores. Tonus foi até a Câmara de Vereadores tentar explicar essa discrepância e prometeu enviar as planilhas de horários para os vereadores.

Porém a documentação enviada mais confundiu do que esclareceu. A vereadora afirmou que as planilhas com os horários dos funcionários, vinculados à conveniada, não foram enviadas, como havia sido solicitado. Segundo Denise, a empresa não efetuou o devido controle de ponto.

A fiscalização do contrato era feita, pasmem, por três CCs da prefeitura.Eram eles o Secretário, Jaison Barbosa (PDT), Saulo Velasco (PDT) - que já recai sobre ele denúncias de empregar parentes em contratos temporários e Marcelo Zamboni Pauli (PMDB).

Pelo contrato o custo unitário por cada trabalhador foi de R$ 1.623,15 (um valor bastante expressivo), porém com a diferença entre o número pago pelo contrato e os que foram efetivamente registrados dá uma diferença de R$ 159.069,85, ou seja, ou esse dinheiro ficou para a Job ou ele foi desviado para outros fins.

Esse é mais um caso de mau uso de dinheiro público durante a gestão Sartori. Ele se soma a dezenas de outros que foram acobertados pelo executivo. Alguns estão em análise pelo Ministério Público. Haverá muitos desdobramentos daqui para a frente.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Um salve para a cota de 50% nas Universidades Federais às pessoas de baixa renda

O Senado Federal aprovou a implementação de cota nas Universidades Federais de 50% das vagas para alunos provenientes de ensino médio integralmente feito em escola pública. Dessa cota também haverá destinação proporcional à população da região de negros e ainda, metade do total de vagas será destinado a pessoas com renda inferior a 1,5 salários mínimos per capita.

Pra variar, o PSDB mostrou sua opinião conservadora através do Senador Aloysio Nunes que foi o único corajoso a votar contrário ao Projeto.

Agora resta apenas a sanção da presidenta para que a lei entre em vigor de forma gradual nas universidades.
Todos sabem o quanto as Universidades Federais são ocupadas por pessoas de altíssima renda. Geralmente  comportam as faculdades mais qualificadas e também boa parte dos alunos mais ricos.

Os críticos das cotas daqui a alguns anos com certeza constatarão os resultados dessa política afirmativa de inclusão social. A sociedade brasileira, apesar de não se dividida em estamentos como em alguns países, faz jus à alma capitalista e não permite que as pessoas ascendam socialmente. As mudanças vindas das políticas  sociais de um governo popular já mudaram a cara do país, fazendo com que milhares de pessoas saíssem da miséria. Porém, ainda é pouco e só com qualificação e oportunidades reais às pessoas de baixa renda que se conseguirá realmente mudar a realidade.

Um salve para a cota de 50% nas Universidades Federais!

Polentinhas: Geni e a demagogia

Louvável a ação da vereador-presidente da Câmara de Vereadores Geni Peteffi (PMDB). Ela enviou a todos os gabinetes  documento "lembrando" das ações lícitas e ilícitas dentro da Casa em relação às eleições. Entre as orientações, estão a proibição do uso da "máquina" da Câmara, como papéis, computadores e telefone para uso eleitoral.

De fato os vereadores que estão exercendo mandato arrancam com quilômetros de vantagem em relação aos demais candidatos na corrida eleitoral. Além da exposição durante os quatro anos do mandato, é inegável que os recursos à disposição dos vereadores na Câmara acabam dando uma mãozinha.

Mas aí vem a demagogia da presidente Geni, que está reforçando o cumprimento da lei eleitoral quando, coincidentemente não concorrerá à reeleição depois de uma vida inteira dedicada ao parlamento.

Finalmente a Câmara não terá mais a Rainha da Inglaterra, ou melhor a Margaret Thatcher mandando e desmandando, já que é notório o poder que a parlamentar possui sobre a base governista.

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

A bancada da impunidade

O encaminhamento para parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do relatório da Comissão de Ética que apurava as responsabilização da agressão sofrida pelo vereador Rodrigo Beltrão (PT) é mais um ato da novela de acobertamento que se desenvolve no legislativo caxiense, como já alertávamos.

Beltrão foi agredido pelo vereador Pedro Incerti (PDT). Tudo foi filmado e a gravação foi comprovada sem adulteração, pela polícia cívil, ou seja, é verdadeira. A Comissão de Ética sugeriu que o vereador pedetista fosse afastado por 60 dias. Quando o relatório ia ser votado pelo plenário, houve o encaminhamento para a CCJ, presidida pelo colega de Incenti, Gustavo Toigo, também do PDT.

Cabe lembrar que Incerti agrediu Beltrão quando o petista o afastou da relatoria da Comissão que avaliava se Harty Moises Paese, também do PDT, quebrou o decoro parlamentar ao falsificar atestados de saúde. Incerti modificou o encaminhamento da comissão (leia aqui) e foi afastado por Beltrão.

O resumo da bancada é o seguinte: Paese falsifica atestados de saúde; Incerti para proteger o correligionário tenta mudar o relatório da Comissão de Ética e quando não consegue parte para a agressão; e Gustavo Toigo, para salvar o colega de partido vai, no mínimo ganhar tempo, ou engavetar a punição. Uma mão lava a outra.

Tudo isso acontecendo com a conivência da toda poderosa Geni Peteffi (PMDB), presidente da Câmara de Vereadores. Conivência que leva a irresponsabilidade ao não recorer da decisão judicial de impedir a votação de cassassão do mandato de Paese.

Se a mesa diretora deixar para lá, a legislatura atual acaba. Paese não perde os direitos políticos (salvo condenação por falsidade ideológica que corre em paralelo) e pode ser candidato daqui a dois anos. Se o processo ficar em banho maria na CCJ, Incerti (suplente de vereador), se safa de qualquer punição. Cabe registrar que Gustavo Toigo foi o único vereador que votou a favor da inconstitucionalidade da "Ficha Limpa Municipal".

Para não sermos injustos, Vinicius Ribeiro, que também compõe a bancada pedetista não se envolveu em nenhuma confusão.

Vai sobrar para o eleitor decidir se devem reeleger vereadores que agem de maneira tão anti-ética.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Polentinhas: Eleitor deve ser ouvido todos os dias

A participação do eleitor na vida política não deve ser apenas uma ação de marketing. Porém há candidatos que acham, que além de só aparecerem a cada 4 anos, acham que ouvir eleitor é peça de publicidade. Essa é a atitude tomada pelo candidato Guila Sebben (PP).

Ele lançou um site com o slogan "A cara da boa política" onde as pessoas podem sugerir temas aos candidato. Ele também colocará duas pessoas na rua com urna, prancheta e cédula, do mesmo tipo que está no site.

Tudo parece muito bonitinho e até ganhou notinha em jornal. Porém é esse o papel que queremos enquanto cidadãos? Ouvir a população é propaganda?

A regra geral é que depois das eleições os vereadores ficam surdos ao que a população fala. Isso já foi demonstrado diversas vezes nessa legislatura que aprovou projetos que iam contra a opinião pública e sem muita discussão. Os eleitores devem ser ouvidos sempre, todos os dias, durante todo o mandato e não só às vésperas das eleições.

Folha de São Paulo da exemplo de mau jornalismo, de novo

Quanto mais sensacionalista a manchete pior o jornal
A Folha de São Paulo já foi o maior jornal do Brasil, não o melhor. Mas sempre teve um pouco de nível. Como regra geral do PIG (Partido da Imprensa Golpista): ética e responsabilidade jornalistica foram palavras retiradas do guia de redação e estilo. Cada vez mais a Folha, que hoje tem uma circulação 5 vezes menor do que na década de 1990, dá exemplos de mau jornalismo. A mais recente foi a matéria publicada ontem pelo jornalista (será?) Dimmi Amora (veja aqui), que é enviado especial (fala sério!) para cobrir a seca no nordeste (é o fim da picada).

O cidadão fez uma reportagem (ou seria reporcagem) com o título: "Seca atinge eleitores de Dilma no Nordeste". Qualquer pessoa minimamente inteligente deveria se perguntar: A seca não atingiu os eleitores dos outros candidatos a presidente? Será que Dimmi conseguiu a proeza de identificar que a seca não atingiu os eleitores de Serra ou de Marina Silva. Será que os gaúchos atingidos pela seca também são eleitores de Dilma?

A tentativa de dar sustentação ao título cria outra bizarrice que é um gráfico mostrando a quantidade de eleitores de Dilma nas áreas de seca e fora dela. Porém no texto todo as informações trazidas falam dos investimentos dos governos Dilma e Lula para combater os efeitos da seca, a importância das mais de 450 mil cisternas construídas pelo governo federal, fala da importância do Bolsa Família e de relevantes investimentos feitos em pequenas cidades que geraram emprego e renda para os moradores.

Tudo isso abaixo de uma manchete que só serve para fazer sensacionalismo barato. A Folha de São Paulo, a exemplo da Veja que já é assim, está se transformando numa publicação de manchetes. Não importa o conteúdo, importa o título.

Essa matéria merece nota zero de quem tem bom senso e inteligência.

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Crise no Sine Caxias é resultado de falta histórica de investimentos

Longas filas são o resultado de 8 anos de falta de
investimentos do governo estadual
A partir de 1º de agosto a agência do Sine (Sistema Nacional de Emprego) de Caxias do Sul, começou a atender com horário reduzido, das 8 às 14 horas. Segundo explicou o coordenador da agência, Antonio Pescador, que já era coordenador durante o governo Yeda, a situação é resultado do fim dos contratos dos terceridos e a não nomeação, ainda, dos concursados. Isso já começou a gerar enormes filas com pessoas passando a madrugada na espera por uma ficha de atendimento. Também gerou declarações de oportunistas de plantão.

A questão dos problemas de atendimento do Sine, porém, é mais antiga do que 1º de agosto desse ano. Nos últimos 18 anos, apenas durante o governo Olívio Dutra, houve um investimento forte na consolidação da agência local de emprego.

Um do palpiteiros que criticaram a situação foi o vereador Mauro Pereira (PMDB) que foi coordenador durante o governo Britto. Ele pediu, em plenário, que o Ministério Público intervisse na situação. Porém Mauro Pereira não lembra, que durante o governo Britto a Fundação Gaúcha do Trabalho, que mantem as agências, ia ser extinta e o programa seria extinto. O Sine funcionava em uma sala alugada e, inclusive, tinha sido despejado por falta de pagamento de alguel alguns anos antes.

Durante o governo Olívio Dutra (PT) o Sine ganhou mais prestígio. Ele saiu da sala alugada ocupou um prédio público (agência atual) e ainda abriu mais uma agência. Para contornar a falta de pessoal dobrou o número de servidores (por meio de contrato terceirizado). Porém durante o governo Rigotto (PMDB), a segunda agência foi fechada e os investimentos escassearam. Como os servidores públicos, concursados, estão todos aposentados, o número de pessoas para realizar os atendimentos foi reduzindo cada vez mais.

Durante o governo Yeda o caos se instalou. Como não havia nenhum interesse que o Estado estivesse a serviço da população, a agência foi deixada às moscas. E isso aconteceu em um momento de pleno emprego onde o Sine deveria cumprir um papel fundamental principalmente na qualificação profissional.

Agora no governo Tarso a situação só mostra seu lado mais perverso. Depois de 8 anos de descaso o custo social, dos desgovernos Rigotto e Yeda é muito alto. Sem servidores, com um coordenador pouco presente, quem paga o preço é o cidadão.

Postão 24 Horas de Espera





P é machucado, não teve jeito, tive que ir pro Postão.
O dia estava estava frio e chuvoso, dezenas de pessoas se acumulavam na entrada,
S entadas, em pé, homens, mulheres, idosos e crianças.
T anta gente mal humorada e triste como eu nunca tinha visto.
A pós 3 horas de espera, finalmente fui atendido: para a triagem.
O que me aguardava: classificação "Azul", ou seja, atendimento por ordem de chegada .

2 servidoras faziam a triagem de todas aquelas pessoas doentes, enquanto
4 davam explicações e tentavam acalmar alguns pacientes impacientes.

H umilhação, insatisfação, dor, cansaço, tristeza e fúria. Sentimentos que estavam estampados nos
O lhos daquelas pessoas caladas e aparentemente indiferentes.
R ezar, para alguns, era a única alternativa. Já que não possuíam sequer dinheiro para o
A lmoço. Eu, com o pé machucado, nem andar conseguia.
S olidariamente, uma moça se dispôs a ir comprar um lanche para mim.

D e repente, pude perceber outros sentimentos que também se afloravam naqueles doentes:
E mpatia e compaixão. Mesmo na dor, as pessoas ajudava-se umas às outras.

E finalmente o médico me atendeu! Olhou, olhou e me mandou fazer um Raio X.
S entado em sua cadeira, analisando meu exame, não soube dizer seu eu havia ou não quebrado o pé.
P ara casa tive que voltar, para no dia seguinte retornar ao Postão.
E nquanto voltava para casa, tive vontade de chorar. As dez horas de espera pareceram 24.
R ecordei de tudo o que vi e passei. E agourei os responsáveis por aquele descaso.
A cordei no dia seguinte e decidi: não volto mais para aquele lugar!

sábado, 4 de agosto de 2012

Polentinhas: Mensalão não dá o Ibope que o PIG queria


Um tuite do jornalista Fernando Rodrigues que é correspondente da Folha de São Paulo, UOL e Jovem Pam, em Brasília, mostra que o circo midiático criado em torno da AP470 (que chamam de mensalão), está com problemas.

"A gente coloca o julgamento do mensalão e o Ibope despenca"
 Essa é uma afirmação bastante forte de alguém que trabalha para empresas que não tem nenhum interesse em esvaziar a publicidade desse julgamento, muito antes pelo contrário.

O que parece, salvo melhor juizo, que a intenção de criar um grande movimento anti-PT está sendo desmanchado pela realidade. Quem se interessa, efetivamente, por esse julgamento são as pessoas que estão envolvidos na política, tanto por um lado quanto o outro, ou seja, só quem já está convencido.

A massa popular não está interessado por isso. Ignorância? Não. Ela sabe quem mudou a vida delas para melhor.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

2º Encontro Estadual de Blogueiros Progressistas começa hoje

O encontro será nos dias 3 e 4 de agosto na Nós Coworking.

Sexta-feira, 03 de agosto, 19h30
 
Nada além da Constituição
Vera Spolidoro, secretária estadual de Comunicação e Inclusão Digital, representando o governador Tarso Genro
Marcelo Danéris, secretário estadual do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social
Altamiro Borges, presidente do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé
Rosane Bertotti, coordenadora do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC)

Sábado, 04 de agosto, 10h
 
Direito à comunicação
Maria do Rosário, ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República
Leandro Fortes, jornalista e autor do blog Brasília, eu vi
Marco Weissheimer, editor do site RS Urgente
Igor Felippe, editor da página do MST

Sábado, 04 de agosto, 14h

Redes sociais como plataforma de ativismo político
Enrico Canali, cicloativista, um dos organizadores do I Fórum Mundial da Bicicleta
Ney Hugo, do Fora do Eixo
Rute Vera Maria Favero, autora do blog ONG da Rute

Sábado, 04 de agosto, 16h

Alternativas de organização da blogosfera
André de Oliveira, jornalista do Coletivo Catarse
Fernanda Quevedo, do Fora do Eixo
Tatiane Pires, do BlogProgRS

Bancada do Governo Sartori na Câmara não apoia o fim dos pedágios

Com informações da Assessoria de Comunicação da Câmara de Vereadores

Se dependesse da bancada do governo Sartori na Câmara
os pedágios no RS continuariam existindo no mesmo modelo

Uma moção de apoio que não deveria ser alvo de muitas polêmicas acabou sendo rejeitada pelo plenário da Câmara de Vereadores de Caxias. A bancada do PT propôs uma moção de apoio ao Governo do Estado pela não renovação dos contratos de pedágios no RS. Porém a bancada governista votou contra a proposta demonstrando, na prática, que são favoráveis aos pedágios, inclusive o de Farroupilha.

Os autores da moção lembraram que o atual modelo de pedágio foi instituído em 1998, pelo então governador, Antônio Britto (PMDB), através do Programa Estadual de Concessões de Rodovias (PEC/RS). O término dos contratos, que estava previsto para a metade de 2013, foi antecipado para março do próximo ano, em função da decisão de Tarso.

Quem não tem memória curta lembra que a governadora Yeda (PSDB) tentou aprovar uma lei na Assembleia Legislativa prorrogando os contratos de pedágio por mais 15 anos. A proposta foi derrotada e, com isso, houve a possibilidade do contrato ser encerrado no prazo que foi estabelecido inicialmente.

A bancada do PDT foi responsável por puxar a reprovação da moção. Os vereadores Pedro Incerti, Gustavo Toigo e Vinícius Ribeiro se manifestaram contra a proposta. Incerti, inclusive, demonstrando que tem pouca memória disse que os contratos acabariam de qualquer jeito no ano que vem, o que sabemos não é verdade. Os vereadores Alaor de Oliveira e Mauro Pereira, do PMDB e Francisco Spiandorello (PSDB) havia se posicionado a favor da moção, mas foram centralizados, depois, pelos colegas governistas.

Daniel Guerra (PSDB) se manisfestou contra a atual e o futuro modelo. A votação ocorreu no dia 1º. Algum veículo da cidade divulgou isso?

Veja abaixo como votou cada vereador. O voto NÃO é contra a proposta da bancada petista.

ALAOR MICHELS DE OLIVEIRA PMDB Não

ANA MARIA CORSO PT Sim

DANIEL ANTONIO GUERRA PSDB Não

DENISE DA SILVA PESSÔA PT Sim

EDSON DA ROSA PMDB Não

FELIPE GREMELMAIER PMDB Não

FRANCISCO DE ASSIS SPIANDORELLO PSDB Não

GENI PETEFFI PMDB Ausente

GUIOVANE MARIA PT Sim

GUSTAVO LUIS TOIGO PDT Não

MARCOS ANTONIO DANELUZ PT Sim

MAURO PEREIRA PMDB Não

PEDRO JUSTINO INCERTI PDT Não

RENATO DE OLIVEIRA NUNES PRB Sim

RENATO JOSÉ FERREIRA DE OLIVEIRA PCdoB Presidente

RODRIGO MOREIRA BELTRÃO PT Sim

VINICIUS DE TOMASI RIBEIRO PDT Não

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Top 5 Polenta News, Julho 2012


Julho é um mês que temos muito a comemorar. Não só mantivemos a tendência de crescimento no número de visitantes como aumentamos eles em 27%. Também conseguimos nos consolidar com referência de mídia em Caxias do Sul. Cada vez mais formadores de opinião e profissionais da mídia tem o Polenta News, ou como referência ou, pelo menos, não podem ignorar nossa existência.


Segue abaixo as 5 postagens mais lidas em julho.

A inauguração da ciclovia que a mídia não viu (1) - Uma ciclofaixa foi "instalada" em Caxias do Sul na Perimentral Norte. Logo a grande imprensa da nossa cidade correu para aplaudir. Aqui publicamos um texto de uma ciclista, de verdade, que estava presente na inauguração.


Querem brustolar o Fortaia News (1) - Um blog irmão, o Fortaia News, estava recebendo ameaças de políticos de direita em Antonio Prado. A coligação situacionista, insatisfeita com a quebra do silêncio da mídia a seus desmandos entrou com uma representação para tirar o site do ar. Abaixo a Censura.

O Burgueseiro querendo convencer de que é neutro (1) - Mais uma vez a RBS tenta contar a história que é "neutra". Um editorial, nesse mês, apresentou 15 ítens que iriam nortear a cobertura dos veículos do monopólio gaúcho de comunicação. Porém, nem bem publicado a material os veículos da rede já descumprem o que escreveram.

'Essa coligação ampla está para se escorar e não para atender a população"(1) - A Rádio Caxias promoveu o primeiro debate com os prefeituraveis fizemos aqui uma avaliação de como ele foi.

Pesquisa Methodus mostra crescimento de Alceu e Daneluz (1) - A primeira pesquisa pós início das eleições mostra, mais uma vez, que a mídia faz uma avaliação superficial dos números.

Frustrações com o Orçamento Comunitário

O Orçamento Comunitário (OC) é um dos instrumentos utilizados pelo Poder Executivo para ouvir e encaminhar as demandas por investimento da população.

Em 2011, um dos fatos políticos que mais repercutiu na área comunitária foi o desvio da prioridade eleita no Orçamento Comunitário do Bairro Mariani. Na ocasião, os moradores do bairro elencaram como prioridade a construção de uma escola de educação infantil. Porém, após a aprovação, através de uma manobra do presidente do bairro, a prioridade foi invertida e deu lugar à indicação da construção de uma área de lazer no bairro, que atualmente já conta com pelo menos dois locais com esse fim. À época, a indignação dos moradores do bairro com a inversão da prioridade teve voz através do movimento chamado Mães do Mariani.

Desta vez, quem reclama de problemas nas escolhas das prioridades através do orçamento comunitário são as comunidades dos bairros Colina das Castanheiras, Planalto e São Cristóvão. Lideranças dos três bairros alegam que as verbas destinadas às localidades são muito pequenas e que houve desvirtuamento das prioridades elencadas frente às obras efetivamente realizadas.

Assim, o vereador Rodrigo Beltrão (PT) conseguiu apoio dos demais parlamentares da Câmara para aprovar pedido de informações sobre as obras elencadas pelos três bairros e qual o procedimento e critérios utilizados pelo Orçamento Comunitário para alterar as obras eleitas como prioritárias nos bairros.

No bairro Planalto, por exemplo, no material gráfico do OC de 2010 consta R$ 39 mil para Escola Infantil, R$ 87 mil para a obra de canalização do Valão e R$ 52 mil para recapeamento das Ruas Sergio Gobetti e Basilio Onzi. Porém, a construção de um Escola Infantil precisa em torno de R$ 700 mil e o valão em torno de R$ 3 milhões. 

No Bairro São Cristóvão, a comunidade escolheu a pavimentação das ruas João Laner Spinato, Jaime Reis, Angelina Camassola e Giacomo Sebben que já deveriam estar em fase de execução. Porém, representantes do OC prometeram a pavimentação de outras ruas para moradores do bairro.

É lamentável que o Governo utilize-se de um possível autoritarismo, travestido de discricionariedade para burlar as decisões tomadas pela população que se interessa em participar das reuniões do OC. Fazer isso é frustrar expectativas e sonhos de um povo que se contenta com um bairro em condições dignas de vivência.

Chantagem

Publicado originalmente no Blog do Kayser

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

O “mensalão” como operação de marketing e como golpe branco fracassado

O Burgueseiro de hoje, a exemplo de seu primo Rico "Zero Hora", destinou 4! páginas para recontar com sórdidos detalhes o caso do "Mensalão" que terá seu julgamento iniciado nesta semana pelo STF. Raramente o Burgueseiro destina tanta tinta e papel para algum fato político. Mas, em época de eleições, vem bem a calhar umas alfinetadas no PT...

Por Emir Sader, publicado originalmente em:  Sul 21

Mais além dos fatos concretos, a operação de marketing do “mensalão” merece fazer parte dos manuais de marketing político. Nunca na história brasileira uma criação dessa ordem foi capaz de projetar e consolidar imagens na cabeça das pessoas, que as impedem de entender o fenômeno e avaliá-lo na sua realidade concreta, porque sua imaginação, seus instintos, já estão vacinados e conquistados pelas imagens projetadas pela campanha.

Uma jornalista da empresa da “ditabranda” entrevistou um dia a um parlamentar, presidente de um dos partidos da base aliada do governo, que teve uma das pessoas indicadas pelo partido para um cargo governamental, pego em flagrante , filmado, com som, em operação de suborno. O partido que o indicou – PTB – considerou que nao recebeu o apoio devido por parte do governo e seu presidente resolveu ligar o ventilador.

Disse que o governo pagava um “mensalão” a uma porção de gente. O jornal imediatamente cunhou a expressão e deu inicio àquele tipo de campanha cuja reiteração, por todos os órgãos da mídia privada, transformou a insinuação numa verdade supostamente incontestável.

O que ficou na imaginação das pessoas era literalmente que indivíduos chegavam no Palácio do Planalto com malas vazias, entravam numa sala contigua à do Lula, enchiam de dólares e saiam, mensalmente. A operação de marketing tornou-se um caso de manual de marketing, pelo seu sucesso. A partir a insinuação de um politico sem nenhuma respeitabilidade, se dava inicio à campanha, em que a oposição – liderada pela mídia privada – considerava que terminaria com o governo Lula.

Tudo foi se dando como bola de neve. O próprio jornal da família que emprestou carros para órgãos repressivos da ditadura cunhou o selo “mensalão”, com o qual cobria todas as atividades políticas nacionais. Até a eleição interna do PT foi incluída nessa rubrica.

Condenou-se moral e politicamente a dirigentes e políticos ligados ao governo, com o objetivo de ferir de morte o governo Lula, como repetição muito similar à crise de 1954, que terminou com o suicídio de Getúlio. Dois então membros da equipe do Lula chegaram – conforme entrevista posterior de Gilberto Carvalho – a ir ao Lula, levando a proposta opositora: todas as acusações seriam retiradas, inclusive o suposto impeachment, contanto que Lula renunciasse a se candidatar à reeleição.

Tinham receio de propor impeachment, pelas repercussões populares que poderia ter, então preferiam usá-lo como ameaça. O tiro saiu pela culatra. Lula reagiu dizendo que sairia às ruas para defender seu mandato, convocava os movimentos populares a reagir à tentativa de golpe branco.

A oposição, depois da cassação do Zé Dirceu, jogava, partindo do que considerava evidências contra o governo, com a vulnerabilidade do governo, alegando que Lula sabia dos fatos. Não foi o que aconteceu. Conseguiram várias cassações, conseguiram diminuir o apoio do Lula mas, principalmente, deram a pauta política do país.

O caso permitia desqualificar o Estado, o governo Lula, o PT. O Estado, por definição, para a direita, é corrupto ou corruptível. O governo Lula, o PT e os sindicatos teriam “tomado de assalto ao Estado” e imposto seus interesses particulares. O diagnóstico foi retirado diretamente do arsenal neoliberal.

Os governos de esquerda no Brasil – Getúlio, Jango, Lula – não terminariam seus mandatos. Fracassado o governo Lula, se cumpriria o prognóstico de um ministro da ditadura: “Um dia o PT vai ter que ganhar, vai fracassar, aí vamos poder dirigir o país com tranquilidade”.

Sob a forma do impeachment ou da renúncia de Lula a disputar um segundo mandato ou, ainda, com sua eventual derrota, asfixiado pela oposição – que já havia dito que sangraria o governo, até derrotá-lo nas eleições de 2006 -, se daria um golpe branco e a esquerda estaria desmoralizada e derrotada por um longo período.

Mas não contavam com a capacidade de reação de Lula e com os efeitos das políticas sociais, já em marcha. O povo, com a consciência de que era o seu governo e que sua eventual derrubada faria com que ele, povo, pagasse o preço mais alto da operação da direita, reagiu. A oposição foi pega de supresa pelas reações, que levaram à derrota da tentativa de derrubar o governo. Mais do que isso, levaram à derrota do candidato da oposição – o duro e puro neoliberal Alckmin –, porque a oposição também foi vitima da sua própria campanha.

Como esbravejava o Otavinho, na primeira reunião do comitê de direção da sua empresa: – Onde é que nós erramos?

Erraram porque acreditaram que eram onipotentes. Afinal foi a mídia golpista que levou o Getúlio ao suicídio, que promoveu o golpe militar que derrubou o Jango e que, acreditavam, levaria o governo Lula à derrota e a esquerda à desmoralização.

Foram derrotados em 2006, em 2010 e tem todas as possibilidades de serem derrotados de novo em 2014. Mais do que isso, tiveram que reconhecer que o prestígio do governo vem de suas politicas sociais, que transformaram democraticamente o Brasil. Que seu poder de fogo como cabeça da oposição é decrescente, que entraram em decadência irreversível.

Agora, sete anos depois, tentam ainda explorar o sucesso de marketing, espremendo tudo o que podem, raspando o tacho da panela, buscando voltar a pautar o país em torno do seu sucesso de marketing. Não se dão conta que o país mudou, que desde então perderam duas eleições presidenciais, que o Estado brasileiro reconquistou legitimidade por suas políticas sociais e pela sua ação de resistência à crise internacional? Que as mídias alternativas ganharam um poder de esclarecimento da opinião publica, que não tinham naquele momento?

Mas não lhes restam outras armas, senão a de explorar o embolorado tema do “mensalão”, para recordar como já foram bem mais poderosos no passado. Seus outros argumento naufragaram: o Estado mostra eficiência na condução do país, o livre mercado levou o capitalismo internacional à sua pior crise em 80 anos, o povo reconhece que melhorou suas condições de vida, apoia e vota no governo, as alianças internacional da política soberana do Brasil projetam o país no plano internacional como nunca antes, ao mesmo tempo que se mostram muito mais eficazes do que o Tratado de Livre Comércio e a Alca que a direita pregava.

Em suma, a história avançou desde 2005 e na direção da derrota da oposição, da criação de uma nova maioria politica no pais. A permanência do monopólio antidemocrático dos meios de comunicação é a arma principal de que a direita dispõe e está disposta a usá-la até o fim, na sua derradeira encenação: o julgamento do “mensalão”.

Mas a história e a vida não se fazem com marketing. Nem mesmo mais vender os produtos da sua mídia mercantil eles conseguem. Lula os derrotou, demonstrando que se pode – e se deve – governar o país sem almoçar e jantar com os donos da mídia. Porque Lula não teve medo da mídia, condição –nas suas palavras – para que haja democracia no Brasil.

A primeira vez a encenação teve ares de tragédia – não consumada pela oposição. Esta segunda tem ares de farsa.

Eles passarão, nós passarinhos.