quarta-feira, 31 de julho de 2013

Folha de Caxias dá "escorregada" em análise econômica


A Folha de Caxias deu uma bela escorregada à direita ontem em sua "responsável" análise sobre a economia brasileira.

Claudio Scherer, que assina a coluna "Livre Expressão", saiu com essa:

"Acho que aos poucos se chega à conclusão de que não há mais o que esconder. O Brasil vive uma crise econômica terrível, talvez sem precedentes. Até o momento o Governo tenta, com unhas e dentes, maquiar a situação, com paliativos aqui e acolá, mas ao que tudo indica, os dias para isso estão contados."
Depois de profetizar a desgraça econômica brasileira, quando o país é um dos poucos que se encontra longe da crise e possui níveis de emprego superiores aos dos países europeus, encontramos a seguinte nota no mesmo dia e no mesmo jornal:

"Micro e pequenas empresas apuraram, em junho, a primeira queda de pontualidade de pagamentos em sete anos na comparação com maio. Ainda assim, a inadimplência é baixa, pois os atrasos acima de sete dias representam 4,3% do total. De acordo com os economistas do Serasa Experian, o recuo é reflexo do impacto adverso dos protestos sobre o ritmo dos negócios e da elevação das taxas de juros, encarecendo o custo financeiro das empresas."

Essa análise foi escrita por Roberto Hunoff, na coluna Livre Iniciativa.

 Pelo jeito, nem mesmo a redação do jornal tem controle sobre seus colunistas, já que em uma mesma edição, um contrapôs o outro.

Está faltando ao jornal responsabilidade em suas publicações, principalmente quando propagandeia teorias conspiratórias do caos econômico sem qualquer embasamento técnico.

Caxias tem, proporcionalmente, 6 vezes mais CCs que o Governo Federal


O "trenzinho da alegria" dos CC8

O número de CCs (Cargos de Confiança) cresceu 127% durante o governo José Ivo Sartori. Do total de CCs criados, 301, o atual governo preencheu 288. Proporcionalmente Caxias do Sul tem um CC para cada 1,5 mil habitantes. No Governo Federal há um CC para cada 8,6 mil brasileiros.

Os números até poderiam passar desapercebidos e sem muita importância se não fosse a hipocrisia generalizada dos líderes do governo municipal ao criticar o número de cargos de confiança dos governos estaduais e federal e até o número de ministérios. Recentemente o vice prefeito, Antônio Feldmann criticou, no seu twitter, considerou uma fala do ex-presidente Lula, que dizia que o número de ministérios até poderia aumentar de "Blasfêmia, zombaria". Feldmann, obviamente sofre de um processo de crítica seletiva e esquece de olhar para o seu próprio governo.

Outro caso de mentiroso patológico ou de incompetência crônica vem o chefe de gabinete do Governo Alceu, Manoel Marrachinho, ele questionou os números apontados pelo IBGE e demonstrou que conhece muito pouco o governo que ele mesmo faz parte.

O número alarmante de CCs não é novidade na administração municipal. Nem a sua forma de preenchimento. Para garantir uma "ampla base de apoio" o governo Sartori contemplou cada novo partido que entrava na coligação com um CC. Durante a campanha eleitoral, em um jantar (que ficou muito famoso) o atual prefeito prometia um CC8 (no valor de mais de R$ 8 mil ao mês), no mínimo, para cada partido que lhe apoiasse (veja aqui).

Essa promessa foi cumprida e num levantamento em março desse ano haviam de 54 a 59 CCs 8 na prefeitura de Caxias do Sul (veja a lista). Uma boa parte dos partidos "aliados" são compostas apenas pelo seu "fundador" e por mais um pequeno grupo de pessoas, com a única intenção de garantir o emprego a um apadrinhado ou dois.

Outro dado apresentado pelo IBGE é de que há 893 estagiários trabalhando na prefeitura. Com um total de 9.217 servidores há um estagiário para cada 10 servidores. Demonstrando, muito claramente, que há muitos, mas muitos estagiários mesmo fazendo funções de servidores públicos. Ainda há o caso onde esses estágios são destinados a filhos, sobrinho, correligionários ou até netinhas de CC, como esse caso aqui que aconteceu no governo Sartori.

terça-feira, 30 de julho de 2013

Araucárias desmatadas do Marrecas finalmente foram vendidas

Por pouco mais de R$ 200 mil reais e com 70% das toras podres a madeireira Mercaserra adquiriu o lote de araucárias que foram cortadas para a formação do lago da barragem do Marrecas. A venda foi concretizada na metade desse mês para a empresa que ofereceu o melhor valor na segunda licitação realizada pelo Samae.

A constatação do comprometimento dos troncos foi feito pelos técnicos do Departamento de Florestas e Áreas Protegidas (Defap) que, a pedido do Samae realizaram um laudo. Além das madeiras que ficaram meses ao relento ainda houve roubo de madeira pois não havia qualquer segurança no local (veja aqui).

Para conseguir apoio ao corte impopular das árvores o procurador geral do município do Governo Sartori, Lauri Romário Silva, chegou a afirmar em 2012 que seria "aberta uma licitação para o beneficiamento da madeira para o posterior aproveitamento na Habitação" (veja aqui). Passado um ano "chegou-se" a conclusão de que a madeira não poderia ter esse destino pois a prefeitura não poderia beneficiar a madeira.

As licitações para a venda da madeira só começaram a ser feitas com a posse do novo prefeito. Além das araucárias, onde a maior parte foi perdida, não se sabe o destino do restante da madeira retirada também. Algumas pessoas juram de pé junto que para que a obra ficasse pronta para ser inaugurada pelo Sartori elas foram enterradas no local mesmo. Há muita coisa inundada pelo lago do Marrecas que já mais saberemos.

Igreja derruba 334 árvores de Mata Atlântica para montar estrutura para missa campal

Corte ilegal de árvores para abrir espaço para uma missa
gerou multa
Exatas 334 árvores foram derrubadas para montar a estrutura para uma missa campal nas proximidades do Parque Estadual Serra da Tiririca, na cidade de Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro. Algumas árvores eram centenárias, foram retiradas do local por conta de um evento da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que recebeu o Papa Francisco.

Os responsáveis pelo desmatamento que dizimou 30 diferentes espécies de Mata Atlântica foram os líderes da Capela de São Sebastião de Itaipu, uma das mais antigas do estado. O objetivo era abrir espaço para a realização de uma missa durante a JMJ.

De acordo com a secretaria municipal de Ambiente de Niterói, um decreto municipal de nº 2602/2008 determina que a retirada e a poda de árvores sejam precedidas de autorização da pasta. Os representantes da igreja, no entanto, derrubaram a vegetação sem autorização. “Se a igreja tem o papel de educação ambiental, não pode cometer uma supressão desse tamanho”, afirmou o secretário Daniel Marques.

Por conta da derrubada, a igreja foi multada em R$ 10 mil reais e deverá fazer reflorestamento de plantas nativas da Mata em até 60 dias. 

Em Guaratiba lamaçal e degradação ambiental


Vista área do Campus Fidei antes da chuva
Em outro local do Rio de Janeiro as fortes chuvas que atingiram a região a partir da quarta feira transformaram o terreno do Campus Fidei em um verdadeiro lamaçal e obrigou a organização do evento a cancelar as atividades que iriam acontecer no local.

No local foi feita a dragagem de um rio e três canais que custaram R$ 6 milhões. O palco, que não foi utilizado, consumiu R$ 5 milhões. Ainda houveram gastos com a urbanização de diversas ruas e instalação de sinalização.

Como ficou depois da chuva
Segundo moradores do local a área é naturalmente "alagável". O prefeito Eduardo Paes (PMDB) só tomou a decisão de cancelar as atividades no local quando técnicos disseram que havia sério risco para os jovens, não só de saúde, mas também de acidentes.

O Campus Fidei é uma área de 1,362 milhão de metros quadrados, onde foi montada uma estrutura completa para receber os peregrinos da Jornada Mundial da Juventude, incluindo lanchonetes, banheiros, torre de vigilância e bebedouros. A preparação começou em 2011, logo após a confirmação de que o Rio sediaria o evento.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Paralisação dos médicos nesta terça e quarta: direito de espernear




Nestas terça e quarta (30 e 31) o Brasil vai enfrentar mais uma paralisação dos médicos. No Rio Grande do Sul, a paralisação acontece nos dois dias, em outros estados apenas na quarta. É o que se chama no direito de jus sperniandi (direito de espernear). Os médicos estão no seu direito de reclamar e manter aquilo que mais presam em sua profissão: o corporativismo e a reserva de mercado. Afinal, no Estado democrático de direito, todos podem e devem ter voz e lutar por aquilo que acham correto.

Porém, quem mais sofre com as paralisações, infelizmente, é a população. Mas, para quem enfrenta o dia a dia do SUS, uma paralisação a mais ou a menos, não faz grandes diferenças. O povo já está “acostumado” a longas filas, longos períodos de espera, ao mal atendimento.

No site do Conselho Federal de Medicina consta: “O Brasil vai às ruas contra a medida”. Eles se referem ao Programa Mais Médicos do Governo Federal. O Programa divulgado pelo governo tenta atender uma das principais mazelas brasileira: a saúde. Assim, como medidas para a solução do problema está a criação de mais vagas na graduação e residência médica, a importação de médicos estrangeiros para atendimento no interior do Brasil, onde médico nenhum quer trabalhar e a atuação no SUS desses profissionais por dois anos após sua formatura em universidade pública. O Governo apresentou aquilo que a população anseia há muito tempo.

Então, não adianta os médicos quererem convencer que essas medidas vão prejudicar a população ou a sua sagrada profissão, porque o povo está saturado. CHEGA!

1001 POSTAGENS

Queríamos ter celebrado a postagem 1000!

Mas, ops, passou.

Então celebramos a 1001 mesmo.

Agradecemos a todos os leitores e leitoras que nos aturaram até aqui e prometemos muitas outras 1001 postagens.


sábado, 27 de julho de 2013

Após ser afastada por discordar de livro “pró-ditadura”, professora ganha direito de dar aulas

Fonte: Revista Fórum

Professora do Colégio Militar de Porto Alegre recusou-se a adotar obras da Coleção Marechal Trompowsky, que explica o golpe militar de 1964 como necessário diante do avanço do comunismo no governo de João Goulart 


Uma professora de história do Colégio Militar de Porto Alegre conseguiu na Justiça Federal o direito de retomar suas atividades na escola depois de ser afastada por discordar do uso em sala de aula de um livro didático pró-ditadura.
Silvana Schuler Pineda, de 50 anos, se recusou a adotar em classe obras da “Coleção Marechal Trompowsky”, em que, segundo ela, são omitidas violações aos direitos humanos, assassinatos e tortura promovidas pelas Forças Armadas durante o regime militar (1964 – 1985).
Os livros da série são editados pela Biblioteca do Exército. De acordo com Silvana, o golpe de 1964 é explicado como necessário para resguardar a democracia no país diante do avanço do comunismo no governo de João Goulart.
A professora, que integra o quadro de servidores civis da instituição, foi afastada em abril das aulas do nono ano e realocada em um curso preparatório, de frequência opcional, e também em tarefas de planejamento.
Antes disso, ela afirma ter feito críticas ao livro em uma reunião de professores, na qual mencionou que a Associação Nacional de História contesta o uso da obra nas escolas.
A decisão que determinou a volta ao trabalho original foi tomada no início do mês, mas ela só voltará as aulas após o fim do recesso escolar de julho. O juiz federal Gabriel von Gehlen escreveu em despacho que o afastamento foi uma “sanção velada”.
Com informações da Folha de S.Paulo.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Humor: Lição das Ruas

Diretamente do Blog do Kayser

Aulas sobre política são urgentes e necessárias para os colunistas do Pioneiro

É sério! O Pioneiro precisa ministrar urgentemente aulas de conceitos básicos de políticas para seus colunistas, principalmente aqueles que escrevem sobre, política. A pérola de hoje, 26, da coluna Mirante é essa abaixo:

O comentarista resumiu democracia ao simples fato de eleger representantes. Isso não é verdade. Pior, é uma simplificação das mais imperfeitas pois o sistema de representação existe até quando não existe democracia. No Brasil, entre, 1964 a 1985, em plena ditadura militar, o Congresso, Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores funcionaram quase que ininterruptamente. Até havia mais de um partido!

Uma simples digitação no Google do termo "democracia" daria milhões de resultados. Escolhemos um, a Wikipédia. Lá está escrito:

Democracia ("demo+kratos") é um regime de governo em que o poder de tomar importantes decisões políticas está com os cidadãos (povo), direta ou indiretamente, por meio de representantes eleitos — forma mais usual. Uma democracia pode existir num sistema presidencialista, parlamentarista, monárquico constitucional e republicano.

As Democracias podem ser divididas em diferentes tipos, baseado em um número de distinções. A distinção mais importante acontece entre democracia direta (algumas vezes chamada "democracia pura"), quando o povo expressa a sua vontade por voto direto em cada assunto particular, e a democracia representativa (algumas vezes chamada "democracia indireta"), quando o povo expressa sua vontade por meio da eleição de representantes que tomam decisões em nome daqueles que os elegeram.
Esses dois parágrafos mostram claramente que a democracia não existe apenas pela representação. Nossa maior preocupação não é que esse "escorregão" seja por desconhecimentos, o pior é que pode ser deliberado para tentar reforçar no imaginário popular que só há democracia via representação, que como se sabe é mais fácil para a RBS defender seus interesses manipulando alguns poucos deputados, ou elegendo seus ex-funcionários como Ana Amélia Lemos, ...

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Venda institucional favorece mais de 2 mil produtores de uva na Serra Gaúcha

Foto: Andrea Farias/MDA
A compra de 5,5 milhões de litros de suco de uva por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), do Governo Federal, beneficiará 2.066 agricultores familiares da região da Serra Gaúcha. O contrato de R$ 16,5 milhões vai ajudar no escoamento dos excedentes de produção da Serra Gaúcha e regiões próximas. Na localidade, maior produtora de uva do país, são produzidos cerca de 300 milhões de litros de vinho e mostos por safra.

O contrato, em execução desde janeiro, inclui oito cooperativas, cadastradas no PAA, das cidades de Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Garibaldi, Flores da Cunha, Antônio Prado, Farroupilha, Santa Tereza, Monte Belo, Pinto Bandeira, Nova Pádua, Ipê e Nova Roma. O produto está sendo doado para entidades assistenciais – nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná –, determinadas pelo Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), responsável pela compra.

Resultados para o produtor

Entre os agricultores beneficiados com o contrato, está Edgar Sinigaglia, 58 anos. É a primeira vez que o gaúcho participa de uma venda institucional para o PAA. Para ele a experiência está sendo muito positiva. “É uma maneira de garantir o fluxo da produção, dar um destino às frutas”, afirma.

Na propriedade que administra em Bento Gonçalves (RS), ele produz cerca de 60 toneladas de uvas por ano. Em algumas ocasiões, como na última safra, não consegue vender toda a produção, o que compromete o espaço que ele tem para armazenamento. “Se a área não for liberada, prejudica a safra seguinte”, conta. Com a venda para o PAA, o problema foi resolvido e a próxima safra poderá ser cultivada normalmente.

Nascido e criado em colônia de agricultores, Edgar aprendeu ainda criança a lidar com a terra. Para ele, sair do meio rural não é uma opção, principalmente porque nos últimos anos ficou mais fácil permanecer no campo. “Hoje você tem muito mais alternativas. O governo nos dá inúmeras oportunidades para adquirir maquinários e fazer financiamentos com longo prazo e custo mais baixo”, aponta.

Entre os principais aliados do agricultor, está o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). As linhas de investimento e custeio são acessadas com frequência para o cultivo e para melhorar a infraestrutura de produção. “Acho que não daria para viver se não fosse isso. Se tivesse de pagar juros altos, não vejo como o agricultor familiar poderia sobreviver. Com certeza as coisas estão facilitadas”, analisa.

A perspectiva agora é aumentar a produção, pois há uma tendência de crescimento no mercado. Além de produzir uvas e vender mudas de parreira, ele planta maçãs e caquis. Técnico em agricultura, com pós-graduação em ciência ambiental, Edgar é a inspiração dos filhos que cursam agronomia e enologia* e pretendem dar continuidade ao trabalho desenvolvido na propriedade.

Fonte: Assessoria Comunicação Ministério do Desenvolvimento Agrário

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Governo do Estado apresenta resultados de consulta pública sobre reforma política

Após 16 dias de mobilização, mais de 180 mil votos e 242 propostas cadastradas, os resultados da consulta pública sobre #reformapolítica realizada pelo Gabinete Digital foram sistematizados em um relatório, entregue pelo secretário-geral de Governo, Vinícius Wu, ao governador Tarso Genro no fim da tarde desta segunda-feira (22).

Wu apresentou os resultados e apontou tendências identificadas ao término do processo de participação. Entre elas, a eliminação de “privilégios” aos parlamentares e a busca por mais e melhores mecanismos de participação e transparência. “Esse tipo de experiência através da consulta pública pelo poder público ainda é uma novidade e consideramos um resultado muito positivo”, afirmou.

A consulta consistiu em duas perguntas. A primeira propôs o questionamento sobre a forma como deve ser encaminhada a reforma política no país. A segunda buscou colher propostas e hierarquizá-las com base num sistema de votação por pares. Assim, foi gerado um “ranking” com as dez propostas priorizadas pela população. Ideias semelhantes foram agrupadas no relatório final.

Os resultados devem servir de insumo para o processo em condução pelo Congresso Nacional, que criou um Grupo de Trabalho para discutir o tema da Reforma Política. Mas o debate deve continuar. O Gabinete Digital prepara, para setembro, um seminário sobre Crise da Representação e Renovação da Democracia no século XXI. A intenção é promover um amplo debate sobre as perspectivas para a renovação das instituições democráticas no Brasil e no Mundo, na esteira das mobilizações que tomaram as ruas do país no último mês.

Confira os resultados:

Questão 1. “Como deve ser feita a reforma política no Brasil?

80% dos participantes preferem que a reforma política seja conduzida por uma constituinte exclusiva

20% acreditam que a reforma política deve ser conduzida pelo atual Congresso

Questão 2. “Na sua opinião, quais devem ser as prioridades da reforma política?”

1. Fim do voto secreto no Congresso Nacional e demais instâncias legislativas

2. Impedimento do uso da renúncia como artifício para escapar dos processos de cassação

3. Fim do foro privilegiado e da imunidade parlamentar

4. Redução do número de deputados federais, estaduais e vereadores

5. Afastamento do cargo para pessoas sob investigação por crime de improbidade e corrupção. Tipificação da corrupção enquanto crime hediondo.

6. Ampliação dos canais diretos de participação da população. Maior participação popular em todos os níveis, através de instrumentos como plebiscitos, referendos e uso de novas tecnologias. Democracia deliberativa em todo o Brasil, com discussões municipais, regionais e estaduais sobre temáticas de interesse público.

7. Maior transparência nos gastos governamentais. Prestação de contas disponível na internet. Criação de instrumentos de transparência e controle social sobre os partidos.

8. Adoção do “Recall”, possibilitando ao eleitor que abrevie o mandato do político que não corresponder às expectativas e não cumprir seu programa de governo. Fiscalização permanente do cumprimento de metas e propostas.

9. Fim das emendas de parlamentares ao orçamento da União.

10. Priorização nos Parlamentos para votações de Projetos de Lei de Iniciativa Popular, bem como agilizar e capacitar os cidadãos para isso. Adoção de petições pela internet para apresentação de projetos de lei de iniciativa popular.

Clique aqui para baixar o relatório completo.

Fonte: 

Curso de Cooperativas de Habitação em Caxias

Nunca esteve tão acessível, ao trabalhador, o sonho da casa própria. Desde a criação do programa Minha Casa, Minha Vida, em 2009, alcançou 2,5 milhões de famílias em abril desse ano. Porém um dos problemas do programa é a especulação das construtoras que transformaram o teto do programa em valor mínimo.

Com o objetivo de oportunizar que as pessoas possam adquirir moradia de qualidade por um preço justo a Cooperativa Habitacional Central do Brasil, Coohabras, estará realizando um curso que ensina como funcionam as cooperativas habitacionais autogestionárias.

O curso se destina a formação de Educadores Populares que terão o papel de auxiliar na construção das cooperativas, sendo cooperativados ou não. Não é necessário ser professor e/ou educador para participar do curso.

Nele serão discutidos:
  • Como funciona uma cooperativa autogestionária
  • Orientar pessoas a adquirirem moradia coletivamente
  • Formação pedagógica e técnica (sobre documentação, trâmites, financiamentos etc.)

O curso é gratuito e tem vagas limitadas. As inscrições devem ser feitas até sexta feira, dia 26, pelo endereço suporte@coohabras.org.br. Os participantes receberão certiifcado se participarem dos quatro turnos. Deve-se trazer apenas material para anotações. Quem quiser almoçar no local o valor será de R$ 15,00 por almoço (bebida não está incluída).

Serviço:


Dias 27 e 28 de julho – sábado e domingo, manhã e tarde (das 9h às 12h e das 13h30 às 17h30)

Local do curso: Sede da UAB – União das Associações de Moradores de Bairros (Rua Luiz Antunes 80 – Bairro Panazzolo)

Realização: Coohabras

Apoio: DVN Comunicação, UAB – União das Associações de Moradores de Bairros de Caxias do Sul e Zarabatana Café Bar

A Coohabras incentiva e orienta a formação de cooperativas habitacionais autogestionárias em todo Brasil, e as reúne sistematicamente para trocarem experiências. Vem propondo e elaborando, junto ao Governo Federal, modalidades de financiamento adequado a elas. Participa da Unisol Brasil - Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários, e é parceira da ONU-Habitat – Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos.

Abaixo veja um vídeo sobre sobre as cooperativas de Bento Gonçalves.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Finalmente o Paradão da Bento será reformado


Depois de 3 anos de improvisos e mais 4 meses de espera desde o anúncio da obra, o Paradão da Bento começou a ser reformado essa semana. Em março desse ano o chefe de gabinete do prefeito Alceu Barbosa Velho (PDT), Manoel Marrachinho, anunciou que os projetos estavam prontos e iriam para a licitação (leia aqui). Passados quatro meses e no meio de um rigoroso inverno as obras começaram nessa segunda feira.

Os usuários do ônibus da Zona Norte terão que conviver mais um pouco com os improvisos. O que são mais alguns meses para quem já viveu tanto descaso?

As reformas nessa parada e em mais quatro paradas menores garantirão conforto e segurança para os usuários do transporte público. Essas estações, juntamente com as outras que já existem, serão importantes quando as estações de transbordo começarem a operar (inicialmente as estações Imigrante e Floresta).

Além do Paradão da Bento estarão em reformas as paradas da rua Dr. Montaury, na rua Bento Gonçalves com Marechal Floriano, Feijó Jr. com Av. Júlio de Castilhos, além da Av. Júlio de Castilhos com Humberto de Campos. O prazo de conclusão da obra é de 180 dias.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Ultima semana para se inscrever no ProUni/RS

Vai até sexta feira as inscrições para o programa ProUni/RS. São oferecidas 115 vagas, em três instituições de ensino superior, a UCS é uma delas. O ProUni/RS é um programa do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, criado em 2011, através do Pacto Gaúcho pela Educação Profissionalizante, Técnica e Tecnológica, que concede bolsas de estudo integrais para cursos de nível superior de tecnólogo em áreas estratégicas para o desenvolvimento do Estado. O objetivo é gerar oportunidade de formação no ensino superior aliada ao ingresso no mercado de trabalho.

Para concorrer a uma bolsa do ProUni RS, o estudante deve atender aos seguintes requisitos:
  • Ser egresso do ensino médio da rede pública ou de rede particular na condição de bolsista integral;
  • Ser brasileiro, residir no Estado do Rio Grande do Sul há no mínimo dois anos, contados da data de inscrição no Programa;
  • Não possuir diploma de graduação;
  • Possuir renda familiar per capita de até 1,5 salário mínimo regional;
  • Ter realizado o exame do Enem em um dos anos citados: 2008, 2009, 2010, 2011 ou 2012, e ter obtido o mínimo de quatrocentos pontos na média das cinco notas obtidas nas provas do exame. É preciso, ainda, ter obtido nota superior a zero na redação.
Para esse edital as universidades e cursos selecionados são:

Feevale:

Gestão Ambiental – 20 vagas

Sistemas para Internet – 20 vagas

Gestão de Produção Industrial - 20 vagas

Universidade Passo Fundo (UPF):

Análise e Desenvolvimento de Sistemas - 20 vagas

Fabricação Mecânica - 20 vagas


Universidade de Caxias do Sul (UCS):

Automação Industrial - 15 vagas

As inscrições são gratuitas e realizadas nas Instituições de Ensino Superior aptas a ofertarem as bolsas

Denúncia: médico cobra paciente após cirurgia feita pelo SUS

O Polenta News recebeu uma denúncia de que um usuário do SUS que fez, há cinco meses, uma cirurgia no olho para colocação de lentes.

Na semana passada ele recebeu uma ligação de uma clínica oftalmológica, onde trabalha o médico que lhe operou, dizendo que ele precisava ir à clínica para fazer uma revisão.

Inocentemente, o paciente, que é pessoa humilde e idosa, foi até a Clínica, que fica na Rua Os 18 do Forte, fez a tal revisão, e teve de pagar R$ 300 pelo procedimento. Logicamente, não recebeu nenhum recibo de pagamento.

Quando chegou em casa e comentou com vizinhos e parentes, percebeu que não deveria ter feito o pagamento e que levou um golpe.

Certamente o médico que lhe atendeu precisava muito desses R$ 300, afinal, o salário dos médicos anda muito
baixo!

domingo, 21 de julho de 2013

Vinda do Papa ao Brasil custará R$ 350 milhões, a maior parte é de recursos públicos

A vinda do Papa Francisco para participar da 26ª Jornada Mundial da Juventude terá aplicação de fartos recursos públicos, que superam as exigências que seriam dispensadas a um Chefe de Estado estrangeiro.

Do total de gastos mais da metade deles será de recursos da União, do Estado e da Prefeitura do Rio de Janeiro. Estão incluídos os gastos com segurança, obras (em um terreno privado) e logística. Mas também estão incluídos, na conta do poder público, gastos acessórios como as 4 milhões de hostias que serão distribuídas aos fiéis, como foi divulgado pelo O Globo.

E a cada momento a conta aumenta. Um custo extra de R$ 7,8 milhões para a contratação de serviços de saúde privado, para atender as pessoas que irão ao evento e que seriam custeados pela Igreja Católica, estão sendo repassados para o município do Rio. O Ministério Público do Rio de Janeiro abriu investigação sobre essa conta que chegou apenas agora.

Da parte que ficaria de responsabilidade da Igreja Católica, os recursos virão da venda de produtos licenciados, arrecadação de doações voluntárias e de patrocínios. Entre as empresas patrocinadoras, estão o Bradesco, Itaú, Santander, Nestlé, Ferrero, Estácio e McDonald’s, além das agências TAM Viagens e Havas.

A arrecadação desses valores dependerá em muito do número de pessoas presentes e do consumo delas desses produtos ou das doações. Nesse ponto a conta pode não fechar. A previsão inicial de 2 milhões de participantes pode não se concretizar declarou o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi."Não sabemos. Nós nos preparamos para 1 milhão ou 1 milhão e pouco. E, em alguns locais, podemos chegar a ter 2 milhões."

Para se ter uma ideia do volume de recursos usados nesse evento, somente a parte que cabe aos poderes públicos poderiam construir 219 Unidades Básicas de Saúde padrão 4 (o maior projeto do Ministério da Saúde). Não é a toa que atos acontecerão, a exemplo da Copa das Confederações, por todo o país. Durma-se com um barulho desses. 

Não é piada! O PIB cresce 4% ao ano

Por Francisco Lopes, publicado originalmente no Valor Econômico


O título deste texto não é uma piada, nem uma projeção, nem mesmo a expressão de um desejo. É apenas a constatação de um fato: os últimos números publicados para o Índice de Atividade do Banco Central, o IBC-BR, que pode ser considerado uma aproximação em base mensal para o PIB trimestral do IBGE, indicam claramente que no segundo trimestre de 2013 a economia brasileira estava crescendo ao ritmo de 4% ao ano.

Mas espere um momento! Não foram esses números que repercutiram de forma tão negativa na imprensa, sugerindo até que estamos novamente a caminho da recessão? Basta olhar os títulos de algumas das matérias publicadas: Indicador do BC mostra país na rota da recessão; Economia tem maior retração desde 2008; Cada vez mais difícil decolar; Bancos oficiais já prevêem crescimento abaixo de 2%; IBC-BR reforça sinais da lenta perda de gás da economia em 2013; Pibinho de inverno.

É no mínimo temerário extrair qualquer sinal de direção de movimento com base na observação de um único mês

Na realidade, a única coisa que fica clara aqui é que a mídia especializada e a grande maioria dos analistas da economia parecem sofrer atualmente de um pessimismo obsessivo. De fato a leitura que foi feita dos números do BC configura um caso clássico do que a psicologia cognitiva denomina de viés de confirmação (confirmation bias), que ocorre quando as pessoas só são sensibilizadas por informações que pareçam confirmar suas crenças ou hipóteses, ignorando qualquer evidência em sentido contrário.

Todo esse pessimismo foi produzido apenas pela observação de que a variação percentual de maio sobre abril do IBC-BR com ajuste sazonal foi de menos 1,4%. Acontece, porém, que essa série de variação mensal tem muito ruído. É no mínimo temerário extrair qualquer sinal de direção de movimento com base na observação de um único mês. Além disso, quando usamos dados mensais a introdução do ajustamento sazonal não aumenta muito o poder informativo de uma observação isolada. No dado mensal o padrão de sazonalidade pode variar muito ao longo do tempo em resposta a uma serie de fatores, como feriados, greves, paralisações ou mudanças institucionais. Sabemos que não existe técnica perfeita de ajuste sazonal, mas com dados mensais as dificuldades ficam ainda maiores.

Se quisermos ter uma ideia precisa do que está acontecendo com uma economia, o caminho mais seguro é trabalhar com variações em doze meses. Mesmo assim uma observação mensal isolada tem que ser vista com cautela. Por exemplo, a variação em doze meses do IBC-BR até maio de 2013 (portanto sobre maio de 2012) foi de 2,28%, mostrando sem dúvida uma desaceleração importante em relação à variação em doze meses de 7,3% até abril. Note-se, porém, que esse excepcional resultado de abril foi simplesmente ignorado tanto pela imprensa como pela maioria dos analistas de economia. Por outro lado, a variação em doze meses de maio significou aceleração em relação às variações de 1,16% até março e de 0,44% até fevereiro. Que direção de movimento estaria sendo sinalizada aqui?

Existe amplo consenso de que a forma mais segura para se analisar o movimento do PIB é usar dados trimestrais. Não é por outra razão que contas nacionais em toda parte são sempre elaboradas em base trimestral, como acontece também com o nosso IBGE. O que então pode ser concluído quando os dados do IBC-BR são transformados por média para uma base trimestral? Se compararmos o trimestre composto pelos meses de março a maio de 2013 com o mesmo período de 2012 obtemos uma variação de 3,74%. Podemos notar também que ao longo do ano essa variação em doze meses calculada para grupos sucessivos de três meses só aumentou: 1,55% até janeiro. 1,71% até fevereiro, 2,86% até março, 3,5% até abril e 3,74% até maio.

Para calcular a variação em doze meses do segundo trimestre de 2013 precisaremos ter também uma estimativa para o IBC-BR de junho. Para ser bem conservador, vamos admitir que o número de junho fique 2,5% abaixo do número de maio, repetindo um comportamento observado em 2012. Isto significa um número de junho 5,6% abaixo do de abril. Nesse caso a variação em doze meses para o PIB do segundo trimestre será de 3,95%. Ou seja, parece grande a probabilidade de que a taxa de crescimento em quatro trimestres do PIB do segundo trimestre fique muito próxima de 4%.

Se isso for também confirmado pelo IBGE (e é difícil imaginar porque não seria), poderemos estar falando de uma variação trimestral na serie com ajuste sazonal do PIB superior a 1%, talvez até próxima de 1,5%. Vai ser bem mais difícil sustentar o pessimismo quando esses números forem publicados em agosto. Ainda assim, é importante insistir de imediato numa leitura mais precisa dos dados da economia. Afinal ninguém pode razoavelmente desejar que o pessimismo de hoje venha a afetar negativamente decisões empresariais de produzir e investir, comprometendo nosso crescimento futuro.

Francisco Lafaiete Lopes - PhD por Harvard, sócio da consultoria Macrométrica e ex-presidente do Banco Central (BC).

sábado, 20 de julho de 2013

Aprovado pedido de informações sobre profissionais da Secretaria Municipal da Saúde

A prefeitura municipal deverá prestar informações à Câmara Municipal a respeito dos profissionais que atuam na Secretaria Municipal da Saúde. Entre outros questionamentos, está a quantidade de médicos na pasta. O pedido, de autoria do vereador Daniel Guerra (PSDB), foi aprovado por unanimidade na sessão ordinária desta quarta-feira, 17.

O documento que solicita as informações propõe que sejam esclarecidos detalhes sobre a contratação dos médicos, os locais em que há carência de profissionais e quantos médicos contratados ou concursados atuam na docência do curso de Medicina da Universidade de Caxias do Sul (UCS). Também pede a apresentação de uma planilha com a demanda reprimida de consultas e exames especializados da Central de Consultas Especializadas, e de cirurgias e exames especializados do Departamento de Avaliação, Controle, Regulação e Auditoria (DACRA).

Daniel Guerra afirmou que faltam adjetivos para os maus-tratos e para o desrespeito para com a comunidade, no que se refere à saúde. Afirmou que, em poder de dados oficiais, é possível dialogar sobre a matéria e apresentar sugestões de melhoria. "Espero que sejam acolhidas essas questões para poder dar uma resposta efetiva e entender, de forma oficial, o que está acontecendo na saúde da população", completou.

O sindicato médico de Caxias do Sul ainda mantêm um "estado de greve" há 1202 dias. A situação do reajuste salarial ainda não foi plenamente resolvida e se o sindicato não estivesse mais preocupado com a pauta nacional (revalida, programa Mais Saúde, etc), provavelmente voltaria sua mobilização para a prefeitura de Caxias do Sul. O requerimento é oportuno já que a situação da saúde na nossa cidade não tem melhorado com o passar dos anos.

Com informações da Assessoria de Comunicação da Câmara de Vereadores

sexta-feira, 19 de julho de 2013

A esquizofrenia da velha mídia


A esquizofrenia atingiu em cheio as redações dos jornalões gaúchos. A sucursal da RBS Mente de Caxias do Sul, carinhosamente apelidado de Burgueseiro, esqueceu que por muito e muito tempo tenta desconstruir o poder legislativo taxando suas discussões de irrelevantes, de ser um poder que não produz para a sociedade, que só aprova nome, que está cheio de cargos de confiança e que deveria ter seu tamanho reduzido a metade, senão menos, ou até ser extinto.

Essa semana os "colonistas" da RBS Mente começaram a dizer que o parlamento é importante para a democracia. Por quê? Porque uma multidão ocupou a câmara de vereadores de Porto Alegre e fez projetos importantes terem visibilidade entre eles o que abre as contas das empresas de ônibus.

O "colonlista" local acha que isso é uma afronta ao poder, que ele sempre detona, é quer manifestantes silenciosos, embora em sua coluna os detone. Claro ele não quer é perder o protagonismo de ser o único que tem o direito de criticar.

Eles querem, não os manifestantes, a RBS Mente, pautar a política gaúcha e, obviamente, não aceitam concorrência. Para isso não se importam de negar o que sempre disseram. É bom lembrar que o Burgueseiro conduziu publicamente campanhas contra o aumento do número de vereadores, inclusive manipulando a verdade ao não informar corretamente o que estava sendo discutido na época.

Boa parte dessa indignação, às vezes violenta por parte dos manifestantes, foi construída por anos e anos de campanha contra a política que é feita pelo grupo RBS Mente e seus comparsas. Por trás disso não está a negação da política como um todo está a tentativa de impedir que setores populares tenham representantes nos parlamentos para disputar com os representantes eleitos pela empresa.

GloboLeaks: Por que mídia e Ministério Público abafam caso

Por Rodrigo Vianna, em seu blog O Escrevinhador

O silêncio dos (ex) jornalões diz tudo: o caso de sonegação da Globo tem um potencial muito mais explosivo do que as relações carnais entre o bicheiro Cachoeira e a redação da Veja. A Globo é acusada de sonegar 187 milhões de reais. Acusada por um auditor fiscal. Processo oficial na Receita Federal. A Globo recorreu e perdeu em instância administrativa. Com multa e juros, o valor a pagar passava dos 600 milhões de reais. Isso em 2006! Hoje, seria mais de um bilhão de reais! São vários mensalões…

O caso foi trazido à tona pelo blog O Cafezinho, de Miguel do Rosário. Na sequência, blogueiros saíram atrás de mais detalhes. O Tijolaço mostrou as relações entre o caso global e as acusações contra Ricardo Teixeira e a FIFA. Este Escrevinhador contou no domingo que o processo da Globo por sonegação havia simplesmente desaparecido. Muitos internautas reagiram com incredulidade: lá vêm os blogueiros com teoria conspiratória… E não é que a conspiração era verdadeira? Na sequência, o VioMundo de Azenha trouxe a informação completa: uma funcionária da Receita foi processada e chegou a ser presa por retirar o processo de dentro do escritório da Receita Federal no Rio. A funcionária escapou da prisão graças a um Habeas Corpus no STF (cujo relator foi ele mesmo: Gilmar Mendes).

O círculo vai-se fechando. Fica cada vez mais claro que o problema da Globo não é com o valor sonegado nem com a multa. Não. O problema é o conteúdo do processo. O incansável Amaury Ribeiro Jr revela que até doleiros utilizados por esquemas mafiosos no Rio estariam citados no processo.

Vinte anos atrás, durante o impeachment de Collor, a sequência de apuração foi outra: Pedro Collor falou à Veja, a Folha e o Estadão completaram a investigação, e o tiro de misericórdia veio com o motorista Eriberto, na Istoé. Veja, Istoé, Folha e Estadão permanecem em silêncio agora, no caso Globo. A investigação passa por outro caminho: “O Cafezinho”, “Tijolaço”, “VioMundo”, “ConversaAfiada”, Stanley Burburinho e tantos outros nomes…

Se o governo tem medo de enfrentar a Globo, os blogueiros e ativistas sociais correm pra revirar as entranhas do monstro e expô-las em público. Restam várias perguntas. E a mais óbvia é a que qualquer detetive de filme B costuma fazer: a quem interessava o sumiço do processo da Globo? A funcionária que o surrupiou agiu sob encomenda. Quem pagou?

O processo, garante-me o “garganta profunda” que viu o papelório, é uma bomba atômica contra a Globo e seus donos. José Roberto Marinho não é o único citado. Os outros irmãos também estariam lá. A volumosa investigação apresentaria, com didatismo, o “modus operandi” das “Organizações” Globo.

Mesmo sem uma linha publicada nos jornais e revistas (que costumam impor sua pauta a país), o Ministério Público Federal sentiu-se pressionado e soltou uma nota sobre o caso. Nota estranha, que finge explicar tudo mas não explica o principal: por que o MPF fez toda a investigação sobre o sumiço do processo da Globo em “sigilo”? Ninguém está pedindo que o MPF quebre o sigilo fiscal da Globo, mas trata-se de uma instituição que deve primar pela transparência, não pode agir no subterrâneo!

O MPF tinha obrigação de ter informado o país sobre o desaparecimento do processo (ocorrido há 6 anos). Não o fez. O MPF de Gurgel queria proteger a quem?

O MPF se diz “consternado” com o vazamento de informações. Não se mostra “consternado” com a sonegação de 600 milhões. Nem com o fato de a funcionária da Receita ter sido punida sozinha, sem que se aferisse quem encomendou o sumiço do papelório. A quem interessava sumir com processo que mostrava contas da Globo em paraíso fiscal?

Os blogs sujos declaram, “consternados”, que não possuem redações com editores e apuradores, nem verba para viagem, nem tampouco recursos para deixar repórteres semanas a fio debruçados sobre o caso. Mas possuem uma rede informal (e infernal, para desgosto dos poderosos do Jardim Botânico) de apuradores. As informações fluem pelas redes, há milhares de “repórteres” informais ajudando a apurar essa história. São brasileiros que já não suportam a arrogância da Globos e de seus jabores, kamels e mervais amestrados.

O povo gosta das novelas, reconhece a qualidade técnica da Globo, e sabe mesmo dar valor aos bons jornalistas que tentam cumprir seu papel na gigante da Comunicação brasileira. Mas o nosso povo está cansado de ser enganado e pautado pela Globo. Tudo isso sob o silêncio cúmplicede instituições como o MPF.

A história – completa – virá à tona. É questão de dias. O império midiático ficará nu.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Promotora entrega à Chefia do MP reivindicação de movimento que ocupou Câmara de Porto Alegre

Fonte: Ministério Público RS

Juiza, promotora, vereadores e manifestantes fazem vistoria
após a desocupação. [foto:Cristina Oliveira]
Depois de mediar as negociações que garantiram acordo para desocupação da Câmara de Vereadores de Porto Alegre, a Promotora de Justiça Maria Cristina Santos de Lucca levou nesta manhã de quinta-feira, 18, à Chefia do Ministério, parte das reivindicações do movimento Bloco de Luta Pelo Transporte Público, conforme ficou definido na audiência de conciliação, ocorrida ontem no auditório do Foro Central da Capital. “Durante as negociações, o Ministério Público se responsabilizou por encaminhar às Promotorias Especializadas representação para fiscalização das contas das empresas de ônibus municipais”, explicou a Promotora ao Procurador-Geral de Justiça, Eduardo de Lima Veiga, e ao Subprocurador de Justiça para Assuntos Institucionais, Marcelo Dornelles. O documento será encaminhado à Promotoria de Defesa do Patrimônio Público.

A audiência de conciliação para desocupação da Câmara Municipal aconteceu devido a ação de reintegração de posse ajuizada pelo Presidente do Legislativo municipal, Dr. Tiago Duarte, na 1ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre. Na segunda-feira, a Justiça adiou o cumprimento da reintegração de posse, por entender que "a medida drástica de retirada forçada desses cidadãos não é o melhor caminho, neste momento". Para tentar resolver o impasse, uma audiência foi marcada para a tarde desta quarta-feira.

De acordo com os Vereadores, a presença do Ministério Público foi fundamental para que o acordo fosse firmado depois de mais de três horas de negociação. “Ficou definido que metade dos ocupantes sairia após a assinatura do acordo, fato que aconteceu ontem, depois das 23 horas. O restante dos ocupantes deixaria às dependências da Câmara depois que fossem protocolados os projetos para abertura das contas das empresas de ônibus e implantação do passe livre para estudantes e desempregados”, conta Maria Cristina de Lucca.

Na manhã desta quinta-feira, manifestantes e Vereadores cumpriram o acordo. E para garantir que a desocupação transcorresse com tranquilidade, a Promotora e a Juíza da 1ª Vara da Fazenda Pública, Cristina Marquesan, acompanharam todo o processo de desocupação, incluindo a vistoria feita pelos Oficiais de Justiça no interior do prédio do Legislativo municipal.

Os manifestantes do Bloco de Luta Pelo Transporte Público permaneceram acampados no plenário da Câmara de Vereadores de Porto Alegre por 8 dias. A desocupação total do local ocorreu no fim da manhã de hoje.

Humor: Da Roma Antiga para a Caxias do Século XXI

Postagem no Facebook. Não precisa de maiores explicações

Caberlon: Sob o sol da Toscana

O ex-diretor-presidente do Samae, Marcus Vinícius Caberlon, comandou a autarquia durante os 8 anos de governo Sartori. A milionária obra do Marrecas, que teve seus custos quase dobrados (R$ 330 milhões), foi realizada sob sua gestão.



Pois é... Caberlon, que também era diretor do S.E.R Caxias, deixou o país. Informações extraoficiais dão conta de que ele foi morar com a família em Toscana, na Itália.


A cidade de Toscana é conhecida pela paisagem bucólica, com arquitetura medieval bem preservada e ladeado por lindíssimas colinas. Também é conhecida pelo alto custo de vida. Haja dindim!

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Movimento Caxias Acordou entrega reivindicações ao prefeito


Foto: ANDRÉIA COPINI
O movimento Caxias Acordou entregou, na manhã da terça-feira, 16, para o prefeito Alceu Barbosa Velho, um conjunto de reivindicações que foram apontadas durante o manifesto ocorrido no dia 5 de julho.

As duas principais pautas do movimento são:

# Transporte Público e Mobilidade Urbana de Qualidade (R$ 2,50 na passagem e Contra o Monopólio da Visate)

# Horário das Sessões da Câmara de Vereadores deve ser às 18h (pela participação popular)
Além disso o encontro falou sobre reforma política, maior participação e envolvimento da comunidade nos debates como no Fórum dos Usuários do Transporte Coletivo e em conselhos municipais.

O Prefeito disse que as manifestações são justa, oportunas. Que seu gabinete está de portas abertas, etc, etc, etc.Mas de concreto falou muito pouco. Para o prefeito o problema não é com ele. É sempre problema do governo federal, ou do governo estadual ou dos impostos. Porém ele não apresenta nada de objetivo no quesito revisão dos lucros da Visate, abertura das planilhas ou mesmo democratização dos conselhos.

É bom lembrar que em março, antes de começarem os primeiros protestos na capital, o prefeito disse que era impossível baixar o valor da passagem de ônibus. Quando os protestos começaram ele baixou rapidinho o valor para tentar evitar ser alvo dos protestos. Não adiantou e a prefeitura foi lembrada nas duas grandes manifestações que houveram.

Agora que o movimento perde a força nas ruas o prefeito aproveita para dar uma curva na gurizada. Será que ele dará alguma resposta aos manifestantes? Todos os governantes, em todas as esferas de poder, por todo o país fizeram algo para ouvir a "voz das ruas" (mesmo que isso não tenho contentado a todos), menos o prefeito de Caxias.

Reforma Política: grandes chances de terminar em pizza!

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), colocou à frente do grupo de trabalho que discutirá a reforma política o Deputado Candido Vaccarezza (PT). Resultado: grandes possibilidades de tudo acabar em pizza..

Por quê? Porque um dos nomes mais qualificados da Câmara para assumir tal posição era o do deputado gaúcho Henrique Fontana (PT). Ele vem acompanhando há muito tempo as discussões de reforma política e relatou vários projetos de mudança no sistema político do país. Fontana acabou saindo da Comissão depois da decisão de Alves.

Já Vacarezza vem se mostrando um grande aliado dos fisiologistas do PMDB e não demonstra intenções de defender propostas de reforma política que realmente mudem as estruturas vigentes de forma a reduzir a corrupção e permitir que o sistema fique mais democrático. Pelo contrário, Vaccarezza é um grande amigo dos empresários, da mídia golpista e é movido por interesses privados.

Uma pena. Mais uma vez, o cheiro de pizza rola no ar. Dentro de 90 dias, quando os trabalhos do grupo terminarem, constataremos a que veio essa comissão. Afinal, faz mais de dois anos que a Câmara tenta debater as propostas de reforma política sem sucesso. Se, porém, as mudanças forem para manter o status quo e não radicalizarem na transformação do sistema vigente, de nada vai adiantar esse teatro montado por causa das mobilizações de junho.

terça-feira, 16 de julho de 2013

Ocupação na Câmara de Vereadores de Porto Alegre discute limite da participação

A ocupação na Câmara de Vereadores de Porto Alegre pelo Bloco de Lutas pelo Transporte Público completou nessa terça feira seis dias. Segundo os manifestantes nunca se trabalhou tanto naquele espaço. Em parte os manifestantes tem razão. Diferente de outros processos de ocupação as cerca de 400 pessoas que estão fixas no local (e outras centenas que passam por lá), produziram dois projetos de lei, seminários (saúde pública, transporte público), oficinas artísticas, entre outras atividades. Esse imenso grupo de pessoas está organizado em grupos de trabalho que cuidam da segurança, limpeza, comunicação, jurídico. Tudo é discutido em assembleias. A maior parte é trasmitida ao vivo, para ver clique aqui (as vezes é preciso aguardar um pouco a exibição de um vídeo).

O ambiente de democracia contrasta com o radicalismo da maioria dos vereadores. O presidente da Câmara, Thiago Duarte (PDT), que fechou um acordo com os manifestantes para a desocupação nessa segunda feira, rompeu o acordo e entrou com o pedido de reintegração no sábado a tarde. A sentença favorável a reintegração, por outro lado, não contentou o presidente já que ela só poderia ser executada na segunda feira após às 6 da manhã. Isso não agradou ao presidente que se reuniu com uma parcela dos vereadores numa churrascaria “5 estrelas” de Porto Alegre onde decidiram que não haveria expediente na Câmara na segunda feira.

O acordo feito com os manifestantes era que haveria funcionamento normal para serem protocolados os projetos de lei escritos pelos manifestantes. Na segunda feira, dia 15, um oficial de justiça chegou na Câmara de Vereadores às 15 horas, ficou no local por uma hora e meia e constatou que a ocupação contava com um número expressivo de pessoas, que havia a intenção de resistir a desocupação e que seria necessário achar uma saída negociada com os manifestantes. No final da tarde a juíza Cristina Luisa Marquesan da Silva, num despacho que pode ser considerado inédito (leia ele na íntegra no final da matéria) escreveu: “Nesse instante, penso que existe a necessidade de se encontrar uma mecanismo, uma forma de dialogar para diminuir o impacto de uma retirada violento dos manifestantes que se encontram no local”. Com essa decisão ela chamou uma audiência de conciliação para o dia 17 e revogou, provisoriamente, a desocupação do plenário.

Na tarde de ontem o presidente da Câmara juntamente com vereadores de vários partidos com exceção do PT e PSOL, ao invés de buscarem alguma solução para o impasse foram até a Assembleia Legislativa tentar partidarizar o movimento. Eles alegavam que era impossível entrar nas dependências da Câmara e que só quem os manifestantes queriam tinha acesso. Isso foi desmentido pelo vereador Delegado Cleiton do mesmo partido de Thiago que disse não ter tido problemas em abrir seu gabinete. “Fui eleito democraticamente para trabalhar e aqui estou. Gostaria que meus pares também estivessem aqui para discutir os projetos”, afirmou o pedetista ao jornal Correio do Povo.
Os manifestantes também refutam a ideia de que os servidores estaria amedrontados. “Cumprimentamos e conversamos com os funcionários da Guarda Municipal todos os dias, sem hostilidade. Os vereadores que querem circulam pela Casa”, informou os manifestantes por meio de nota.

O absurdo de tudo isso é que assim que houver a saída dos manifestantes os vereadores entrarão em recesso parlamentar. Na contramão do que pediram as manifestações durante o mês de junho e o que pedem os manifestantes que ocupam o plenário, o presidente da Câmara quer entrar na casa para decretar feriado!

Pode?

Decisão que derrubou a reintegração da Câmara de Vereadores de Porto Alegre

 Número do Processo: 11301847551
Julgador: Cristina Luisa Marquesan da Silva

Despacho:

Vistos. Considerando o certificado pelos Oficiais de Justiça que compareceram à Câmara de Vereadores e verificaram a presença de mais de 400 pessoas, inclusive, crianças, em uma ocupação pacífica e organizada. Também, não há indícios de depredação do patrimônio público pelos manifestantes. Dessa sorte, entendo que a medida drástica de retirada forçada desses cidadãos não é o melhor caminho, neste momento. Ademais, há um pedido de inspeção judicial no local feito pelo Diretório Central de Estudantes da PUCRS para que haja uma solução conjunta, negociada com todos os participantes, a fim de evitar o uso da força física e do aparato militar e danos maiores à integridade física dos manifestantes (fl. 33). Além disso, houve interposição de agravo de instrumento, postulando a revogação da medida liminar, ao qual não foi concedido efeito suspensivo. Porém, está pendente de análise o pedido de reconsideração desta decisão junto ao Relator. Nesse instante, penso que existe a necessidade de se encontrar um mecanismo, uma forma de dialogar para diminuir o impacto de uma retirada violenta dos manifestantes que se encontram naquele local. Assim, por ora, suspendo o imediato cumprimento da medida liminar e designo audiência de conciliação para o dia 17/07/2013, às 15 horas. Intimem-se, inclusive, o MP. Cadastre-se o Diretório Central de Estudantes da PUCRS como terceiro interessado.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Anonymous se divide no Brasil para manter ideologia

"Você não precisa de um lider
Você nunca precisou. O Sistema faz você acredita
que precisa de líderes
Autoeduque-se. Sem mais regras"
Com informações de Nerdices.com.br

Nos últimos dois meses vem acontecendo, no interior e entre os diversos grupos ou células que compõem o Anonymous no Brasil diversas disputas. Estas disputas se devem a divergências entre seus integrantes.

O grupo ficou conhecido no Brasil ao se tornar uma das principais referências nas manifestações, principalmente após o dia 20 de junho. Acontece que esse movimento não é unitário (o que é previsível pelo que prega) e também não é imune a influência, nem a ser clonado por outros setores.

O maior grupo Anonymous, pelo menos no Facebook, é o Anonymous Br4sil, cuja fan page tem mais de 1.100.000 curtidas.

Outra célula muito expressiva e ativa é o Anonymous Rio. que tem uma atuação junto aos movimentos sociais cariocas.

Uma terceira célula, saída do interior do Anonymous Br4sil é a FUEL – Frente Unificadora de Emancipação e Libertação Nacional, que se destaca por buscar construir um perfil mais ideológico para os diversos grupos Anonymous no país.

Também são expressivas as fan pages Anonimos BR e Anonymous Brasil, ambas com um perfil definido de oposição ao governo Dilma e ao PT.

As células Anonymous buscam, sempre que possível – e quase sempre é possível – trabalhar em conjunto. Afinal, o lema usado por eles é “unidos como um, dividido por zero”.

Práticas estranhas aos anons

Não é de agora que células anons dirigem uma série de críticas a outras células anons, principalmente à Anonymous Br4sil e Anonymous BR, que volta e meia publicam posts com conteúdos homofóbicos, preconceituosos e de tonalidades tucanas (PSDB). Há quem diga que essas células são “controladas” pela juventude do PSDB, e seriam ligadas a um senador tucano. Verdade ou mentira, logo saberemos, pois as eleições se aproximam e veremos como se comportarão.

O fato é que vários anons que divergiram da forma como as coisas estavam sendo encaminhadas na Anonymous Br4sil acabaram sendo excluídos do gerenciamento da fan page.

Os anons excluídos relatam uma prática centralizada, autoritária e atitudes auto-promocionais. Como é sabido, no Anonymous não se deve buscar notoriedade, “aparecer” ou qualquer tipo de crédito ou mérito. Se age por uma causa que beneficie a quem esteja sendo oprimido, seja por uma empresa, uma organização, um governo. Assim tem sido a história do Anonymous.

Ninguém representa o Anonymous


Ao contrário do grupo anons caxiense que tem uma forte tendência ao personalismo o movimento Anonymous não tem representantes, não tem portavozes e não tem líderes. O vídeo abaixo, inclusive, refuta a autoria da vídeo que propôs as "5 Causas" que foi amplamente divulgado pela internet.

Então como ter certeza de qua algum conteúdo é do Anonymous? Só tem um jeito: você conhecer a história, conhecer a Ideia.

Desconfie de vídeos sensacionalistas. O sensacionalismo não é uma característica dos anons. Desconfie de vídeos com um discurso senso-comum. O Anonymous busca exatamente tirar as pessoas do senso-comum. Desconfie de vídeos com discurso igual ao do PSDB ou igual ao do PT. Anons fazem críticas a estes dois partidos e seus governos, pois o compromisso do Anonymous é com os fatos, com a verdade, não importando se vai com isso comprar inimizades com partido ou governo A ou B.


sábado, 13 de julho de 2013

Médicos se mobilizam na internet para atrasar programa Mais Médicos

Médicos brasileiros se mobilizam na internet para atrasar o cronograma do governo com a importação de estrangeiros. A ideia é fazer com que todos os profissionais se inscrevam no programa Mais Médicos, lançado pelo governo federal na última terça-feira (8/7). Os médicos não dariam prosseguimento às outras etapas da seleção.

A mensagem abaixo foi postada compartilhada no Facebook por uma médica que trabalha em uma UPA.


A estratégia seria de que os profissionais da saúde fazer o cadastro no programa, e boicotar as etapas posteriores.  O atraso faria com que o Conselho Federal de Medicina (CFM), ganhasse mais tempo para conseguir uma liminar na justiça e barrar a importação dos médicos estrangeiros.

Obviamente o Conselho Federal de Medicina está negando a autoria da nota, bem como diz que não estimulou a ação. Independente de confirmar ou não, isso demonstra o grau de desrespeito que uma parcela, infelizmente, expressiva, da categoria tem com a população. Isso pode ser resumido com a ultima frase da nota "então somos nós que podemos nos foder com esse pessoal".  O objetivo é claro, criar uma reserva de mercado para garantir privilégios para alguns.

Felizmente essa visão não é compartilhada por toda a categoria e esses atos de radicalismo estão causando indignação em alguns médicos.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Portal Terra: UGT teria pago R$ 50,00 por pessoa para participar da passeata em São Paulo


Grupo recebe R$ 50 por ter participado de 
manifestação na avenida Paulista, nesta quinta-feira
Foto: Marina Novaes / Terra
A reportagem do Portal Terra flagrou um grupo de pelo menos 100 manifestantes recebendo dinheiro para participar da manifestação realizada nesta quinta-feira, 11, na avenida Paulista, em São Paulo, mobilizada pelas centrais sindicais e movimentos sociais. Segundo alguns manifestantes que confirmaram ao Portal, o pagamento teria sido feito pela União Geral dos Trabalhadores (UGT).


O Terra flagrou o grupo recebendo o pagamento, em uma rua ao lado do Masp, onde ocorreu o maior protesto da Greve Geral, em São Paulo. Segundo alguns manifestantes, que preferiram não revelar seus nomes, a UGT teria pago R$ 50,00 por pessoa, para que eles participassem da passeata que começou na rua 25 de Março, no centro.

"Eles pagaram R$ 50 e deram uma pulseirinha", disse uma jovem, que não quis gravar entrevista, mas que afirmou não ser sindicalizada - outros manifestantes que receberam o pagamento também não eram sindicalizados.

Não é de hoje que se suspeita de pessoas que são pagas ou para fazer volume, como foi o caso de São Paulo, ou para causar tumultos, como aconteceu em diversas ocasiões durante os últimos 30 dias.

A UGT tem suas lideranças ligadas, principalmente, ao PPS, DEM, PV e PSDB. Obviamente a diretoria da entidade negou a contribuição e a atribui a "sindicatos independentes".

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Dilma sanciona Ato Médico com vetos

Thais Leitão
Repórter da Agência Brasil


A lei que regulamenta o exercício da medicina, o chamado Ato Médico, foi sancionado pela presidenta Dilma Rousseff, com vetos. O texto aprovado, que estabelece atividades privativas dos médicos e as que poderão ser executadas por outros profissionais de saúde, está publicado na edição de hoje (11) do Diário Oficial da União.

O Artigo 4º, considerado o mais polêmico e que motivou protestos de diversas categorias da saúde, como fisioterapeutas, enfermeiros e psicólogos, teve nove pontos vetados, inclusive o Inciso 1º, que atribuía exclusivamente aos médicos a formulação de diagnóstico de doenças. A classe médica considera que esse ponto era a essência da lei. Já para as demais categorias o trecho representava um retrocesso à saúde.

Pela lei, ficou estabelecido que caberá apenas às pessoas formadas em medicina a indicação e intervenção cirúrgicas, além da prescrição dos cuidados médicos pré e pós-operatórios; a indicação e execução de procedimentos invasivos, sejam diagnósticos, terapêuticos ou estéticos, incluindo acessos vasculares profundos, as biópsias e as endoscopias. Também será de exclusividade médica a sedação profunda, os bloqueios anestésicos e a anestesia geral.

Já entre as atividades que podem ser compartilhadas com profissões da área da saúde não médicas estão o atendimento a pessoas sob risco de morte iminente; a realização de exames citopatológicos e emissão de seus laudos; a coleta de material biológico para análises laboratoriais e os procedimentos feitos através de orifícios naturais, desde que não comprometa a estrutura celular.

Ontem, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, ressaltou a regulamentação da atividade, mas defendeu a manutenção do "espírito de equipes multiprofissionais, com outros conhecimentos e competências, que são o conjunto das profissões de saúde".

Interrupção dos transporte coletivo garante paralisação total em Caxias do Sul

Na madrugada desta quinta-feira, 11/07, o movimento sindical, acompanhado de outros movimentos populares, fechou os portões da Visate em Caxias do Sul. Por volta das 4 horas os manifestantes já se encontravam em frente da empresa para não permitir a saída dos ônibus urbanos. A liberação só aconteceu por voltas 8 horas.

Além do movimento sindical, representado por sindicatos da CUT e da CTB, também estavam presentes o movimento estudantil, com bandeiras da UNE, UEE Livre e DCE UCS, além de representantes do movimento comunitário.

Os trabalhadores da Visate ficaram do lado de fora da empresa e receberam o material distribuído pelo movimento, que tem como principais pautas as lutas pelos direitos dos trabalhadores (fim do fator previdenciário, redução da jornada de trabalho, luta contra a terceirização...).

Após a liberação dos coletivos da Visate, os manifestantes se dirigiram para o centro, onde haverá um manifesto na Praça Dante Alighieri durante a maior parte do dia

Também serão fechadas as principais agências bancárias da cidade, movimento articulado com o sindicato dos bancários.

Com o atraso na saída dos ônibus o comércio e serviços também são afetados. Escolas e universidades também estarão fechadas.


Parece que realmente hoje a cidade vai parar!

Para desespero dos setores conservadores isso é um fato. Apesar de Caxias do Sul ter tido poucos protestos nesse último mês, a paralisação no dia de hoje e as horas a menos trabalhadas durante os protestos anteriores geram prejuízo nos bolsos dos empresários. Num primeiro momento esse setor se mostrou totalmente patriótico e chegou a confeccionar bandeiras do Brasil, pagar faixas e cartazes com as suas pautas. Agora a situação já é outra. Com a continuidade das manifestações, com a ameaça constante de depredações  e como não conseguiram inserir a contento suas pautas já tem empresário dizendo que vai descontar o dia parado, que vai descontar as horas de atraso e por aí vai. É bom o movimento sindical ficar atento para os direitos dos trabalhadores.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Movimento sindical e popular realizarão manifestação amanhã

Um ato público nacional, convocado pelas Centrais Sindicais e por organizações do movimento popular, dará visibilidade a um conjunto de pautas sindicais e sociais que ficaram um pouco afastadas dos movimentos que aconteceram durante o mês de junho no Brasil.

A Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), a Força Sindical, a União Geral dos Trabalhadores (UGT), a Central Sindical e Popular (CSP) Conlutas, a Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), a Central dos Sindicatos do Brasil (CSB) e a Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NCST), definiram um conjunto de pautas em comum. São elas:

• Redução da Jornada de Trabalho para 40h semanais, sem redução de salários;
• Contra o PL 4330, sobre Terceirização.
• Fim do fator previdenciário;
• 10% do PIB para a Educação;
• 10% do Orçamento da União para a Saúde;
• Transporte público e de qualidade;
• Valorização das Aposentadorias;
• Reforma Agrária;
• Suspensão dos Leilões de Petróleo.

Além dessas cada Central está apresentando outras pautas específicas. No caso da CUT é a Reforma Política.

Em Caxias do Sul a tendência é de que a circulação dos ônibus da Visate seja comprometida nos primeiros horários da manhã. Há possibilidade de bloqueios na frente da garagem da empresa na madruga de amanhã. Além disso, durante o dia, outras ruas, principalmente as centrais podem sofrer bloqueios.

Escolas, comércio e universidades podem aderir ao ato, muito menos por convicção é muito mais por medo de represálias ou que os estudantes não consigam chegar por conta dos atrasos no transporte público. Orientações oficiais valem de muito pouco numa hora dessas.

Um fato que se destaca é que a Brigada Militar não deve impedir os bloqueios, pelo menos não nos primeiros momentos. Essa atitude seria inimaginável há 1 mês atrás onde qualquer manifestação, com públicos muito maiores do que as das ultimas semanas, era fortemente reprimida.

A batalha digital já começou

O esquema de espionagem denunciado pelo ex-técnico da CIA, Edward Snowden, está gerando uma séria crise diplomática entre os Estados Unidos e o Brasil. As espionagens americanas atingem a rede mundial de computadores, interceptações telefônicas e informações tecnológicas. Além do Brasil, também eram (ou melhor, são) espionados outros países latino-americanos.

A rede de espionagem delatada por Snowden, que hoje se refugia na Rússia e em breve deve se asilar na Venezuela, indicam o prelúdio do que serão as guerras digitais em um futuro não muito distante. A tecnologia avança e as informações alheias, sejam elas de países aliados ou não, são o grande alvo desse poderoso esquema que se desenvolve disfarçadamente.

Snowden falou que decidiu revelar as informações secretas porque os excessos cometidos pela agência de segurança nacional estavam comprometendo a liberdade das pessoas.

Pois é... A massa de dados que trafega na Internet é tão grande, que em breve não se terá mais controle sobre ela. Tudo aquilo que vai para a rede, mesmo que seja apagado, pode não ser mais passível de esquecimento, pois em algum lugar, fica registrado. Isso afetará a vida pessoal e profissional da população e, logicamente, a soberania dos países.

Em livro recentemente lançado, The New Digital Age, dois executivos do Google já começaram a fazer previsões nada otimistas. Os conflitos digitais que deverão surgir estarão repletos de sabotagens, espionagens, provocações, podendo vir a desencadear, inclusive, ataques terroristas.

Na realidade, a batalha digital já começou. Não é incomum que os computadores norte-americanos sejam invadidos pelos chineses. Isso acontece com frequência. Então, imagine-se quando os hackers de um governo inimigo decidirem invadir o sistema de tráfego aéreo, a comunicação e até mesmo os centros de pesquisas tecnológicas de outro país.

É esperar para ver e crer. Possivelmente, essa rede de espionagem dos Estados Unidos que veio à tona é apenas a ponta do iceberg das guerras frias digitais que já estão eclodindo aqui e ali...