quinta-feira, 31 de julho de 2014

Aécio Neves admite que usou o aeroporto construido nas terras do tio com dinheiro público


Fonte: Brasil 247

O candidato do PSDB à presidência da República, Aécio Neves (PSDB-MG), reconheceu nesta quarta-feira que utilizou o Aeroporto de Cláudio (MG), cuja pista ainda não se encontra homologada pela Agência Nacional de Aviação Civil.

“Não tenho absolutamente nada a esconder. Esse aeródromo já usei várias vezes antes dessa pista ser asfaltada nos últimos 30 anos desde a minha juventude, que ele era usado por empresários, fazendeiros, pessoas da região. E depois da conclusão da obra, quando eu já não era mais governador do Estado, pousei ali algumas poucas vezes em avião da minha família, para ser mais específico do Gilberto Faria, que era casado com a minha mãe", disse ele.

"Se algum equívoco houve, certamente eu posso reconhecer e não ter me preocupado em examinar em que estágio o processo de homologação está. Este é um equívoco e eu quero reconhecer.”

Gilberto Faria, proprietário da aeronave utilizada por Aécio, foi dono do Banco Bandeirantes e irmão de Aloysio Faria, ex-dono do Real, que foi vendido ao ABN-Amro.

Com a declaração, Aécio tenta estancar a crise aberta em sua campanha desde a denúncia da Folha, ocorrida há dez dias.

Em entrevista ao Globo, o ministro Gilberto Carvalho afirmou que o aeroporto de Cláudio (MG) é a "ponta do iceberg" relacionada a Aécio, o que provocou indignação no PSDB. O deputado Carlos Sampaio retrucou dizendo que Carvalho tem um "iceberg inteiro chamado Celso Daniel" e avisou que irá processá-lo.

Candidato do PT em Minas, Fernando Pimentel afirma que o aeroporto de Cláudio "é clandestino".

As próximas pesquisas sobre sucessão presidencial medirão o impacto real da denúncia.

Preocupação seletiva: apenas variação do patrimônio dos deputados é problema para RBS

Existe algumas matérias que são certas que serão publicadas em determinados períodos. Entre as reportagens que sempre aparecerão está a dos patrimônios dos candidatos a cargos eletivos. Desde que a justiça eleitoral começou a exigir, e a dar publicidade, a essa informação, isso virou pauta certa.

Na maioria das vezes o tema é tratado de maneira superficial. Foi o que fez o grupo RBS, novamente, esse ano. A editoria de política ficou mais preocupada com a evolução do patrimônio dos candidatos a deputado e "esqueceu" de analisar o patrimônio dos candidatos a Governador e a Senador.

O Polenta News, diferente da RBS, apontou que o patrimônio da candidata Ana Amélia Lemos (PP) dobrou seu patrimônio (veja aqui). A senadora dobrou seu patrimônio. O candidato do PMDB a governador, José Ivo Sartori, aumentou em 98%, tudo bem que foi em 8 anos, mas como o sistema do TSE é falho não é possível verificar o quanto foi durante o período em que foi prefeito e quanto foi depois.

No caso da reportagem do Pioneiro a discrepância entre os exemplos não é nem salientada. Assis Melo (PCdoB) apesar de ter aumentado seu patrimônio em 252%, aumentou de R$ 56 mil para R$ 199 mil. A diferença? Um apartamento. Já Maria Helena Sartori (PMDB), esposa de José Ivo Sartori, teve um crescimento de apenas 178%!. Em porcentagem é menor, mas em valores é 7 vezes maior. Seu patrimônio aumentou R$ 700 mil! Foram dois apartamentos novos, uma sala comercial e um terreno. Essa relação é tratada de maneira desigual pelo jornal.

Se é tratada de maneira desigual ela induz ao erro. Seja pela falta de análise, seja por reproduzir, de maneira equivocada uma informação. Que serviço a boa política esse tipo de matéria traz? Nenhum.

Ainda ficamos sem saber por que a RBS não comentou nada sobre a evolução patrimonial da Senadora Ana Amélia. Talvez porque ela foi muitos anos funcionária da casa.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Lattuff debate em Caxias sobre conflito Israel x Palestina

A noite desta terça-feira (29/07) trouxe aos caxienses uma bela palestra com o cartunista Carlos Latuff, que aconteceu no auditório do Sindiserv. Ele falou sobre os conflitos no Oriente Médio envolvendo o povo palestino e Israel.

Latuff há bastante tempo faz charges para sindicatos e movimentos de esquerda. Há alguns anos comprou a causa palestina e, através de seus cartoons exprime as barbáries que acontecem na “Terra Santa”.

O bate-papo com o cartunista foi leve e ao mesmo tempo esclarecedor para quem não sabia nada do assunto e até para quem achava que sabia.

Latuff ressaltou a forma como a mídia noticia os conflitos, apresentando os palestinos como terroristas. Citou como exemplo que o primeiro atentado terrorista foi cometido por Israel quando explodiu um caminhão em terras palestinas e o próprio Estado de Israel foi fundado por três grupos terroristas.

Lembrou que o Hamas não é simplesmente uma bando de loucos fundamentalistas, mas é o governo eleito pelo povo palestino que tenta defender seu povo contra a invasão de israelenses em seu território. Mas, o que ocorre na verdade, é um verdadeiro genocídio de um povo que não tem exército, não tem aeronáutica, nem armas para combater o poderio bélico de Israel. O Hamas foi isolado politicamente por Israel, pelos Estados Unidos e pelo restante dos países do Oriente Médio.

Quando perguntado sobre manifestações contrárias do povo de Israel aos ataques contra o povo palestino, Latuff passou a triste notícia de que a população apoia o Governo. Quem se manifesta de forma contrária é achincalhado. Em algumas cidades, os israelenses assistem aos a ataques e vibram quando as bombas atingem o lado inimigo.

Não se trata de rotular israelenses e palestinos em bons e maus. Mas é muito importante sabermos o que realmente acontece por lá. Saber informações que vão além do que a imprensa “parcial” nos oferece. Saber que os Estados Unidos apoiam essa guerra, apoiam Israel e todas as barbaridades que acontecem por lá. São mais de 1.000 mortos palestinos (em sua maioria civis) contra cerca de 50 baixas do lado de Israel (em sua maioria militares). A desproporcionalidade é gritante. Mas, a guerra é vantajosa para quem ataca. A paz não traz lucro.

O que fazer? A nós cabe protestar contra essa desumanidade, mas também pressionar o governo brasileiro para que boicote comercialmente Israel e se posicione firmemente contra o genocídio do povo palestino.

Ao final da palestra de ontem Latuff destacou que a saída para o conflito não é militar, mas sim a tentativa de um convívio pacífico entre esses povos. Também foi aprovada uma carta de apoio à Palestina Livre, que foi assinada pelos presentes.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Como ludibriar trabalhadores para conseguir cada vez mais lucros

Atualização: Nessa quinta feira (31) a Justiça do Trabalho suspendeu a flexibilização da jornada de trabalho. A Randon tem 5 dias para explicar os motivos para tal atitude.  

A história é sempre a mesma. Ou os trabalhadores garante o lucro com sua força de trabalho, ou mantém, os lucros sendo obrigados a reduzir salários.

Qualquer economista inteligente tem certeza que a elite econômica brasileira é burra. Critica o Estado, mas todo o investimento de infraestrutura é sempre bancado pelo Estado, além de exigir, sempre, garantias para que seus negócios sejam protegidos.

Ontem a Randon colocou em prática, novamente, essa regra do empresariado brasileiro. A empresa propôs, aos trabalhadores, um acordo leonino. Ou aceitavam reduzir a jornada de trabalho com redução de salários, ou haveriam demissões. Com a espada na nuca 7 mil trabalhadores votaram (o resultado sai hoje).

O Sindicato dos Metalúrgicos não acompanhou a votação. A posição do sindicato é de que a votação é ilegal porque não há uma convenção coletiva aprovada (por falta de acordo entre as partes o dissídio foi parar na justiça).

A Randon será a primeira a flexibilizar jornada e salário mas não será a única. Por trás disso está a construção de um discurso que foi fabricado.

Primeiro, nas vésperas do dissídio da categoria, a indústria começa a demitir. Isso começa a criar um clima de insegurança na categoria.

Segundo, o jornalismo econômico, que prevê uma crise todo ano e ela nunca chega, corre para dizer que estamos em recessão, que as coisas vão piorar. Exemplo claro desse terrorismo é a abertura da notícia sobre a Randon no Pioneiro de hoje: "A estratégia busca adequar a produção ao momento de dificuldade econômica que afetou o setor automotivo no primeiro semestre e dá sinais de aprofundamento nos próximos meses, o que deve gerar demissões". A vida real contrapõem esse quadro. As demissões começaram somente nos dois últimos meses. Os quatro primeiros meses do ano foram de saldo positivo nas criação de postos de trabalho.

Terceiro, aproveite-se de um momento eleitoral e faça tudo que puder para beneficiar seu candidato ou prejudicar seu adversário.

A Randon pouco tem que se queixar de crise. A indústria de Caxias tão pouco. Durante anos foi beneficiada por fortes reduções de impostos e incentivos fiscais. Ainda teve um forte investimento em compras diretas do governo federal ou de pessoas e empresas via programas federais. A Marcopolo produziu milhares de ônibus escolares, adquiridos pelo Governo Federal, e distribuído para prefeituras. A Randon, igualmente, forneceu carrocerias para caminhões adquiridos em outro programa federal e distrubidos para 5 mil municípios.

Como o Governo Federal não pode mais, por conta da legislação eleitoral, ordenar despesas, o afã do lucro não diminui e quem garantirá o lucro é o trabalhador.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Alinhada ao assassino, Veja condena Itamaraty


Fonte: Brasil 247

Responsável pelo primeiro voto, em 1947, pela criação de Israel, o Brasil sempre foi um aliado da causa judaica. No entanto, a política externa do Itamaraty também sempre foi pautada pela defesa dos direitos humanos. Foi exatamente neste contexto que o chanceler Luiz Alberto Figueiredo divulgou uma nota em que condenava "energicamente" a ação desproporcional de Israel no conflito da Palestina, que, em menos de vinte dias, matou mais de mil pessoas.

Neste período, o governo do chanceler Benjamin Netanyahu assassinou mulheres, crianças e foi capaz até de bombardear um hospital e uma escola da Organização das Nações Unidas, levando o secretário Ban-Ki-Moon a se dizer "estarrecido". De acordo com as Nações Unidas, Netanyahu deve ser investigado por "crimes de guerra" e até mesmo o maior aliado de Israel, o governo dos Estados Unidos, tem se mostrado desconfortável com o banho de sangue. Ontem, o secretário de Estado, John Kerry, pediu uma trégua que impedisse a continuidade da matança.

No entanto, Netanyahu tem, a seu lado, a família Civita, que edita a revista Veja, cuja capa desta semana se dedica a a apontar o que seria o "apagão na diplomacia" e a "falência moral da política externa do governo Dilma". Internamente, a revista aponta o que seriam sinais de "nanismo" do Itamaraty. Um desses, curiosamente, seria até a declaração do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, numa reunião do G-20, quando chamou o ex-presidente Lula de "o cara". Ou seja: na lógica de Veja, um elogio de Obama no G-20, organismo que deve muito ao Brasil, diminuiria o País.

Com a capa desta semana, Veja se coloca à extrema direita e se isola até de mesmo seus leitores. Responsável pela formulação da política externa do candidato Aécio Neves (PSDB-MG), o embaixador Rubens Barbosa concordou com a posição adotada pelo Itamaraty. Neste sábado, a jornalista Mônica Bergamo também informa que o presidente da Confederação Israelita Brasileira, Claudio Lottenberg, se disse indignado com a grosseria do porta-voz Yigal Palmor, que chamou o Brasil de "anão diplomático". Em editorial, o jornal Estado de S. Paulo condenou o que chamou de "baixaria israelense".

Veja, assim, se isola, assim como o carniceiro Benjamin Netanyahu. Os dois, na verdade, se merecem.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Pérolas de Mauro Pereira Parte (já perdemos a conta)

Espaço ocupado pelo Camelôdromo não virou mais praça,
virou mais rua. A população perde, os carros ganham
Com informações da Assessoria de Comunicação da Câmara de Vereadores

Mauro Pereira (PMDB) é o vereador que gosta de se posicionar sobre tudo. Na maioria das vezes fala enormes bobagens por, simplesmente, não conhecer o assunto. Na sessão de ontem da Câmara de Vereadores, além de falar bobagem, conseguiu convencer outros 10 vereadores a lhe seguir.

A pérola da vez foi uma moção contrária a paralisação das obras da Praça da Bandeira. A interrupção da reforma na área foi solicitada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que pediu ao município um estudo arqueológico do subsolo da praça. Há manifestações de historiadores da cidade, como João Spadari Adami, indicando que tribos de índios teriam vivido na região.

Mauro Pereira defendeu que as obras não devem ser paralisadas pois, "há grande fluxo de veículos e, nas horas de pico, ocorrem engarrafamentos", como escreveu em sua moção. Sobre a possível presença de restos arqueológicos no local, Mauro dispara: "já foram feitas sondagens no local por uma empresa especializada, a uma profundidade de 12, 13 metros, e nenhum vestígio de presença indígena foi encontrado"!!!! Para o vereador Mauro Pereira pesquisa arqueológica se faz com retroescavadeira! Na verdade por desleixo da prefeitura de Caxias do Sul é possível que um parte da história tenha sido destruída.

Nada que já é ruim não pode ficar pior. Principalmente quando outros tentam dar pitaco. O líder do governo na Câmara, Pedro Incerti (PDT) sugeriu a construção de um monumento lembrando que aquele local pode ter sido ocupado por indígenas. Para Incerti tudo bem se trocarmos a história de nossa cidade por uma placa.

Jaison Barbosa (PDT) foi outro a apoiar o texto de Mauro Pereira. Paradoxalmente Jaison propôs, e presidiu, uma Comissão Especial da Câmara de Vereadores para a preservação do prédio da Maesa. Parece que o vereador pedetista não viu nenhuma contradição entre preservar um prédio antigo e não preservar uma área indígena (talvez, justamente, por ser indígena).

Contrário ao texto de Mauro falou Rodrigo Beltrão (PT):  "As escavações não vão atrapalhar e a análise será técnica. Obras precisam ser construídas, mas com preservação da história. Dá para conciliar as duas coisas. Esse é o desafio: o desenvolvimento do concreto com respeito à cultura e à história", frisou Beltrão. Nessa linha da preocupação com a memória e com os registros históricos e divergindo do conteúdo da moção, se posicionaram os parlamentares Rafael Bueno e Henrique Silva (PCdoB), Denise Pessôa (PT), Virgili Costa (PDT), Zoraido Silva (PTB), Guila Sebben (PP) e Renato Nunes (PRB).

A chamada revitalização da Praça da Bandeira, na realidade é a retirada de espaço da praça para estacionamento e alargamento da Moreira Cesar. O trânsito na região está saturado, principalmente, pelo descontrole no fornecimento de alvara de funcionamento para a FSG. A Faculdade tem se expandido na região e não tem feito nenhuma medida compensatória, que deveria ser exigida para grandes empreendimentos, para diminuir o impacto que ela causa no trânsito. Ao invés disso os cidadãos caxienses perdem um pedaço de uma praça a o trânsito fica mais caótico na região.

Veja abaixo como votaram os vereadores. Quem votou SIM votou favorável ao texto de Mauro Pereira.

ARLINDO BANDEIRA PP Sim

CLAIR DE LIMA GIRARDI PT Não

DANIEL ANTONIO GUERRA PRB Não

DENISE DA SILVA PESSÔA PT Não

EDI CARLOS PEREIRA DE SOUZA PSB Sim

EDSON DA ROSA PMDB Sim

FELIPE GREMELMAIER PMDB Sim

FLÁVIO GUIDO CASSINA PTB Sim

FLÁVIO SOARES DIAS PTB Sim

GUILHERME GUILA SEBBEN PP Não

GUSTAVO LUIS TOIGO PDT Presidente

HENRIQUE SILVA PCdoB Não

JAISON BARBOSA PDT Sim

JOÃO CARLOS VIRGILI COSTA PDT Não

MAURO PEREIRA PMDB Sim

NERI ANDRADE PEREIRA JUNIOR SDD Sim

PEDRO JUSTINO INCERTI PDT Sim

RAFAEL BUENO PCdoB Não

RAIMUNDO BAMPI PSB Sim

RENATO DE OLIVEIRA NUNES PRB Não

RODRIGO MOREIRA BELTRÃO PT Não

WASHINGTON STECANELA CERQUEIRA PDT Não Votou

ZORAIDO DA SILVA PTB Não

Onde estão as fotos do governo Yeda?

Por Cleber Dioni Tentardini - Jornal Já


O acervo fotográfico do Palácio Piratini produzido durante o governo de Yeda Crusius (2007/2010) continua sumido.

Pela lei, deveria estar à disposição do público no Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa. Não estão.

A jornalista Ana Jung, ex-assessora de imprensa no Piratini, diz que as fotos estão armazenadas em um HD de posse da própria Yeda Crusius. A ex-governadora mantém silêncio sobre o assunto.

O presidente do Sindicato dos Jornalistas RS, Milton Simas, lamenta a posição de Yeda Crusius: “Essas fotos são documentos públicos, de conteúdo histórico, e os profissionais da fotografia que trabalharam na gestão da ex-governadora estavam a serviço do Estado, utilizaram verba pública, portanto esse acervo já deveria estar à disposição da população no Museu de Comunicação”, diz Simas.

O presidente da Arfoc/RS – Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Rio Grande do Sul, Itamar Aguiar, que trabalhou na gestão tucana, não sabe o que aconteceu com os arquivos: “Essas fotos são instrumento do Poder Público, têm que estar lá no Museu. As do governo Rigotto, eu e o Paulo Dias levamos pessoalmente para o Hipólito, mas as do período Yeda ficaram sob a responsabilidade do pessoal da retaguarda lá do setor no Piratini.

O jornalista e professor, Mario Rocha, considera que a produção em imagem (fotos e filmes), bem como em áudio (programas de rádio), inclusive com disponibilização através pela internet, evidencia o desempenho de gestão (municipal, estadual ou federal) e constitui patrimônio da sociedade e fonte de referência para pesquisadores. “Independente de eventual exigência legal, parece-me evidente que todos os governantes tenham especial interesse na preservação de tal legado”, afirma.

O Museu é subordinado à Secretaria de Estado da Cultura. Foi criado através de decreto em 10 de setembro de 1974 com a finalidade de guardar, preservar e difundir a memória dos meios de comunicação no Rio Grande do Sul.

Seu Setor de Fotografia preserva o acervo oficial, como os da assessoria de imprensa do Palácio Piratini, além de trabalhos de colecionadores particulares, como dos gaúchos Miguel Castro (1924) e Salomão Scliar (1925-1991), e retratos de estúdios famosos da cidade, como Otto Shönwald, Irmãos Ferrari e Vírgilio Calegari.

As imagens sobre Porto Alegre e o Rio Grande do Sul abrangem o período desde 1880 até os dias atuais.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Jeferson Monteiro esclarece a retirada do perfil da Dilma Bolada do ar

Fonte: Pragmatismo Político

A página do personagem satírico sobre a presidente Dilma Rousseff, a Dilma Bolada, saiu do ar na última quarta-feira (23). E quem retirou foi o próprio dono do perfil, Jeferson Monteiro.

Monteiro publicou em seu perfil pessoal no Facebook, no iníco da tarde de ontem, um post confirmando ter desativado o perfil de Dilma Bolada. “Pra todos que estão perguntando: tirei a Dilma Bolada do ar, ok? Sem drama e sem mimimi [...] Eu falei sem drama justamente porque vou explicar depois. Só avisei porque tinha um monte de gente perguntando”.

No início da noite, Monteiro voltou a se explicar sobre porque desativou o perfil de Dilma Bolada. “Entramos no período eleitoral e esse ano não vai ser mole. Há alguns dias foi liberada a campanha e é muito ruim saber que você pode fazer a diferença mas ver que está quase sozinho no meio de uma tormenta que é a internet, e que tem tudo para piorar conforme 05/10 se aproximar”.

Ele disse que prevê um território hostil na internet durante a campanha presidencial e que isso pode expô-lo demais. E afirmou: “chega a ser imoral a forma como aqueles que lutam contra a Dilma estão se portando e planejando se portar nas redes”. Monteiro não informou quando e se a página voltará ao ar.

Leia o texto na íntegra:


Ontem (terça-feira) à noite retirei a página da Dilma Bolada do ar por ora porque preciso de fato pensar um pouco sobre os tempos difíceis que estão por vir.

Entramos no período eleitoral e esse ano não vai ser mole. Há alguns dias foi liberada a campanha e é muito ruim saber que você pode fazer a diferença mas ver que está quase sozinho no meio de uma tormenta que é a internet, e que tem tudo para piorar conforme 05/10 se aproximar. Chega a ser imoral a forma como aqueles que lutam contra a Dilma estão se portando e planejando se portar nas redes. É abominável as estratégias dos hipócritas que falam em “campanha limpa” mas que na realidade, têm suas equipes arquitetando para recrutar pessoas simpáticas seus partidos, além de influenciadores, blogueiros e páginas na internet para difamarem Dilma. Esse tipo de coisa é desanimador.

Diferente do que alguns analfabetos digitais dizem, não há nenhum “submundo da rede” onde as pessoas inventam boatos. A internet é um território livre em que há pessoas bem e mal intencionadas. E acho que todos devem ter conhecimento de que veremos a intensificação da guerra da desinformação que já corre solta pela web. Torço para que os boatos e mentiras sejam combatidos e que os esforços de todos sejam concentrados para mostrar a verdade e trazer os pontos fortes de seus candidatos e os pontos fracos dos opositores(sem mentiras).

Enfim, diante do que foi dito, creio que teremos um ambiente ainda mais hostil e que há algum tempo já venho sendo exposto. A decisão se continuo ou não, cabe única e exclusivamente a mim. A Dilma Bolada hoje possui, em números absolutos, mais de 2 milhões de seguidores, em sua grande maioria pessoas que passaram a simpatizar mais com Dilma e saber muitas ações do Governo depois que passaram a acompanhar a personagem. Antes não, mas hoje tenho a plena noção da dimensão do que ela se tornou. Por isso preciso avaliar qual será meu papel em todo esse processo.

Todos sabem o quanto eu gosto, admiro, acredito e respeito a Dilma. Sempre a vi como uma mulher íntegra e nas duas oportunidades que tive de estar com ela, se mostrou uma pessoa extremamente gentil e carinhosa. Reitero que eu irei decidir o que deve ser feito. E já adianto que caso a Dilma Bolada não volte, estarei tranquilo e com sensação de dever cumprido. Mas caso volte, continuará sendo o que sempre foi, ainda mais forte e mais presente e o choro vai ser livre!

Abraços”.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

TRE-RS nega pedido do PP de Ana Amelia de censurar as redes sociais da ANPM

Fonte: www.anpm.com.br

A Associação Nacional dos Procuradores Municipais (ANPM) obteve nova vitória na Justiça Eleitoral na tentativa do Partido Progressista do Rio Grande do Sul (PP-RS) de censurar o site e a página do facebook da ANPM. Desta vez, foi o Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS), que, por 6 votos a 1, rejeitou recurso do PP-RS e garantiu o direito à livre manifestação da ANPM em sua defesa da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 17/2012.

O partido alegava que as críticas à atuação da senadora Ana Amélia (PP-RS) na tramitação da PEC 17 tratavam-se de propaganda negativa antecipada da senadora, hoje, candidata ao governo do Rio Grande do Sul. A Justiça, contudo, tem considerado o pedido sem fundamentos e amparo legal.

Nas palavras da relatora do recurso, desembargadora Liselena Schifino Robles Ribeiro, “na referida veiculação inexiste alusão à futura candidatura da senadora na eleição que se avizinha, bem como ao cargo para o qual pretende concorrer". "Ademais, destaco que a matéria impugnada não traz críticas à pessoa, mas sim à atuação parlamentar da senadora, não configurando, portanto, propaganda eleitoral extemporânea negativa”, escreveu a magistrada. Foram acolhidos, assim, os argumentos da Procuradoria Regional da República da 4ª Região, contrários à pretensão do PP gaúcho.

Nos últimos anos, a ANPM atuou fortemente para aprovação da PEC 17, que prevê a obrigatoriedade de concursos públicos para o cargo de procurador municipal. Mas a emenda Ana Amélia restringe os efeitos da PEC 17 às cidades com mais de 100 mil habitantes, tornando-a praticamente nula. Nesse sentido, a ANPM promove uma campanha contra o coronelismo, a corrupção e o patrimonialismo, esclarecendo a importância da PEC 17 para a moralidade pública e a defesa da municipalidade.

Após a ação do PP-RS, a ANPM tem se posicionado publicamente também a favor da liberdade de expressão e contra qualquer tentativa de censura.

Em primeira instância, já havia sido rejeitada a ação do PP-RS. Por decisão da desembargadora Fabianne Breton Baisch, foram preservadas as "garantias constitucionais de livre manifestação do pensamento e informação". "As fotografias da senadora levam a textos que reproduzem as notícias de irregularidade, informam sobre a emenda oferecida pela parlamentar e posicionam-se contrariamente a tal medida, destacando a importância da realização de concurso público para a nomeação de procuradores municipais. (...) Alie-se a tais fundamentos o fato de que as notícias e as imagens de Ana Amélia não fazem qualquer alusão à futura eleição", decidiu a magistrada.

Valorização do funcionalismo estadual: recuperação de anos de abandono

Os servidores estaduais do Rio Grande do Sul há muito tempo não viam tantos avanços em suas carreiras. Apesar das dificuldades financeiras por que passa o Estado, o Governador Tarso Genro valorizou muito seus servidores. Foram reajustes salariais significativos, criação e reestruturação de planos de carreiras que estavam defasados há décadas.

Veja as principais conquistas do funcionalismo estadual:

  • Criação e reestruturação de 32 planos de carreiras (entre eles, Detran, FASE, PGE, Uergs, Sefaz...);
  • Reajustes acima da inflação para diversas categorias (ex: 40% para Detran, 81,19% para Técnicos Científicos, 20% para o Daer, 27% para Saúde)
  • Valorização dos servidores da Segurança Pública: reajuste de 103,60% para a Polícia Civil; 78,50% para a Brigada Militar; 139,50% para a Susepe e 73,90% para o IGP;
  • Reajuste de 76,68% para o Magistério, o que representa 50% de ganho real. O salário médio dos professores estaduais passará de R$ 2.767,00 para R$ 4.885,00;
  • Nomeação de 21 mil novos servidores;
  • 16 novos concursos públicos no ano de 2013;
  • Aposentadoria especial para servidores da Polícia Civil, Susepe e IGP (os trabalhadores da área da segurança poderão se aposentar com 30 anos de serviço, desde que 20 deles no exercício do cargo);
  • Atendimento de diversas reivindicações de várias áreas do funcionalismo, com a criação de gratificações, abonos e incentivos.

Tarso cumpriu o dever de casa, atendendo a diversas reivindicações históricas de servidores já desesperançosos com suas carreiras. Por exemplo, para o Magistério Estadual, o último reajuste significativo foi no Governo Olívio Dutra, quando os professores receberam 82,11%, sendo 38,77% de ganho real).

São os servidores que fazem os serviços públicos funcionarem. Funcionário valorizado é sinônimo de serviço bem prestado.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Tucano Aécio Neves gasta R$ 14 milhões de recursos públicos para construir aeroporto dentro da fazenda de seu tio

Candidato a presidente da república pelo PSDB, Aécio Neves, está rebolando para explicar o injustificável: O governo do estado de Minas Gerais, quando ele era governador, gastou R$ 14 milhões para a construção de um aeroporto nas terras de seu tio.

Construído no município de Cláudio, a 150 km de Belo Horizonte, o empreendimento ficou pronto em outubro de 2010 e seria administrado por Múcio Guimarães Tolentino, tio-avô do senador e ex-prefeito de Cláudio.

De acordo com a publicação, para pousar no local, é preciso pedir autorização aos filhos de Múcio. Segundo um dos filhos de Múcio, Fernando Tolentino, seu primo Aécio Neves usa o aeroporto "seis ou sete vezes" por ano, em visita a cidade ou a Fazenda da Mata, a 6 km do aeroporto.

A pista tem 1Km de extensão (foto) e condições de receber aeronaves de pequeno e médio porte, com até 50 passageiros. O local não tem funcionários e sua operação é considerada irregular pela ANAC. Apesar disso a foto do Google Earth mostra uma aeronave estacionada.

Um jornalista da Folha de São Paulo foi até a Prefeitura de Cláudio e se passou por uma pessoa interessada em usar o aeroporto da cidade. O Chefe de gabinete do prefeito, José Vicente de Barros, disse que Múcio Tolentino (tio de Aécio), deveria ser procurado. "O aeroporto é do Estado, mas fica no terreno dele".

Ao mostrar as instalações para um possível usuário, Tolentino foi questionado se seria necessário o pagamento de alguma taxa. "Não, o trem é público, vai cobrar como?", afirmou.

A obra foi executada pelo Departamento de Obras Públicas do Estado [de Minas Gerais] e fez parte de um programa lançado por Aécio para aumentar o número de aeroportos de pequeno e médio porte em Minas.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Disputa pelo Senado está empatada, segundo Ibope

A pesquisa Ibope/RBS mostra que a disputa para o Senado será acirrada e, será polarizada. A entrada do ex-governador Olívio Dutra (PT) na disputa chacoalhou o quadro da disputa do Senado que estava monopolizado pelo neo pedetista, Lasier Martins (PDT).

O Ibope, desse final de semana, mostra um empate técnico entre Lasier Martins, que teria 31% das intenções de votos e Olívio Dutra com 28%. Como a margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos, os dois candidatos estão empatados.

Bem mais para trás vem Beto Albuquerque (PSB) com 10%, seguido de Simone Leite (PP) com 3%; Júlio Flores (PSTU), com 2%; Ciro Machado, com 1% e Rubens Goldenberg (PRP) que aparece sem intenções de voto. Ainda houveram 9% dos eleitores que declararam votar em branco ou nulo e 16% declararam que não sabem em quem vão votar.

Lasier Martins acreditava que sua eleição estava garantida, mesmo com a possibilidade de Pedro Simon (PMDB) concorrer a reeleição. E, realmente estava garantida. Isso é o que mostrava a pesquisa de abril desse ano. Dependendo o cenário, Lasier tinha de 38% a 45% das intenções de votos (veja aqui). O segundo melhor colocado era Simon, seguido de Emília Fernandes (PCdoB). Com a troca de Emília por Olívio a intenção de votos em Lasier despencou e deixou o quadro em aberto.

Outro fator é que a intenção de votos tanto em Olívio quanto em Tarso (31% segundo o Ibope) são muito parecidas, ou seja, uma campanha está puxando a outra. Bem diferente da campanha para governador do PDT, onde Vieira da Cunha tem 2% - o candidato ao Senado não puxa voto para governador.

A mesma coisa acontece em relação a Ana Amélia e sua candidata ao Senado, Simone Leite. Enquanto Ana Amélia tem 38% das intenções, Simone tem 3%.

Esses dados reforçam a ideia de que, tanto os eleitores de Tarso, quanto os de Olívio, são mais fieis e seriam menos propensos a mudar de voto. Quando a propaganda eleitoral no rádio e televisão começar o quadro pode mudar, e muito.

sábado, 19 de julho de 2014

Ana Amélia e Tarso Genro polarizam a disputa para o governo do Estado

Mais de três meses depois da última pesquisa Ibope/RBS e o cenário da disputa do Piratini não mudou. Ana Amélia (PP) e Tarso Genro (PT) lideram a disputa com uma distância gigantesca em relação aos demais concorrentes.

Na pesquisa estimulada, Ana Amélia teria 37% das intenções de voto enquanto Tarso Gerno teria 31%. Bem atrás vem José Ivo Sartori (PMDB), com 4%, Vieira da Cunha (PDT) com 2%, João Rodrigues (PMN) e Roberto Robaina (PSOL) com 1% e Edson Estivalete (PRTB) e Humberto Carvalho (PCB) não pontuaram. Para 9% dos entrevistados o voto seria branco ou nulo, um número muito mais baixo que a média nacional. Ainda 15% das pessoas não sabem ou não opinaram.

Em comparativo com a pesquisa anterior (veja aqui) praticamente não há variação. Ana Amélia e Sartori cairam 1 ponto, tudo dentro da margem de erro. A surpresa, se é que podemos chamar assim são os índices inexpressivos de Sartori e Vieira da Cunha. Os dois candidatos fizeram esforços enormes para serem indicados por seus partidos e, até agora, ainda não mostraram potencial nenhum. Sartori contará com uma ajuda, em agosto, quando começar o horário de propaganda eleitoral na TV e Rádio. Sua coligação conta com o segundo maior espaço. Se ele crescer em cima dos votos de Ana Amélia a eleição poderá, novamente, ser decidida no primeiro turno.
Apesar da vantagem da Senadora a maior parte dos entrevistados acha que quem vai ganhar a eleição é Tarso Genro. Para 37% dos entrevistados o petista será o nome governador, enquanto 32% das pessoas apostam em Ana Amélia.

Outro dado apontado pela pesquisa Ibope é o sentimento dos gaúchos em relação ao seu futuro. 55% dos entrevistados estão otimistas ou muito otimistas em relação ao futuro. Os pessimistas são apenas 15%.

Quando o entrevistado era questionado sobre a comparação de sua vida atual em relação há 5 anos atrás, 46% acham que suas vidas melhoraram, 15% afirmam que piorou e 39% que ficou igual. Um claro sinal de que o humor do gaúcho não anda tão amargo assim.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Não está fácil a vida de Lasier Martins no PDT

Quando o porta voz do grupo RBS decidiu ser candidato a Senador (e afirmou que não iria concorrer a mais nenhum outro cargo a não ser esse), Lasier Martins (PDT) até podia achar que a vida, do outro lado das câmeras iria ser difícil, mas com certeza não achou que seria tanto.

Sem poder usar um microfone para distribuir a sua verdade pelo estado o candidato pedetista tem que enfrentar a oposição, de igual para igual com os adversários e ainda enfrentado resistência dentro do próprio partido.

Na última segunda feira uma reunião do PDT decidiu sobre a posição do partido, no Rio Grande do Sul, sobre a eleição presidencial. A decisão tomada foi que o PDT do estado ficará neutro em relação a eleição nacional mesmo que o PDT integre a aliança de apoio a Dilma Rousseff (PT).

Nessa reunião Lasier teria dito que, caso eleito, seria independente do partido e disse mais. Segundo Gilson de Brum, ex prefeito de Jacuizinho, que estava na reunião Lasier afirmou que quem quisesse votar nele que votasse, quem não quisesse que ele não estava nem aí. E que se quisessem expulsá-lo, podiam expulsar.

Lasier ainda afirmou que o prefeito de Caxias, Alceu Barbosa Velho (PDT), apoiava Dilma porque recebeu algumas coisinhas do governo federal. Essa última fala gerou cobrança, pessoalmente, por parte de Alceu no dia de ontem. Lasier e Vieira da Cunha, candidato a governador pelo PDT, visitaram o prefeito Alceu. Nesse momento o prefeito cobrou da Lasier a sua fala durante a reunião do partido e emendou:

"Eu apoio Dilma por convicção. Não é gratidão. É reconhecimento. O governo federal investiu mais de R$ 500 milhões em Caxias", afirmou o prefeito.

Preso em uma saia justa, Lasier tentou escapar dizendo que o jornalista, do Correio do Povo, havia interpretado errado sua frase, justamente a mesma explicação que ele ironizava quando trabalhava na RBS TV.

Além de tudo isso, uma grande parte do pedetistas, e brizolistas de um modo geral, não conseguem engolir o fato de um representante da grande imprensa, afiliada a Globo (empresa que o Brizola travou inúmeras batalhas) seja o representante do partido na eleição para o Senado. A faixa, que ilustra essa matéria, mostra muito bem isso.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Governo do Estado vistoria obras e instala sala de gestão na Serra Gaúcha

Secretário de Infraestrutura e comitiva vistoriaram obras
de pavimentação na Rota do Sol - Foto: Claudio Fachel
O secretário de Infraestrutura e Logística, João Victor Domingues, está em roteiro pela Região da Serra nesta quinta e sexta-feira (17 e 18). A agenda iniciou com vistoria às obras da Rota do Sol entre os quilômetros 171 ao 173, onde representantes do Governo do Estado foram recebidos pelos responsáveis técnicos pela execução do trecho. A comitiva conferiu o andamento da pavimentação do primeiro trecho, que terá 25 quilômetros de estradas recuperadas, e que tem previsão de término para o mês de setembro. No total, serão 95 quilômetros de obras na região serrana, sendo 53 km na Rota do Sol (ERS 453) e mais 39 km no trecho entre Antônio Prado e Vacaria (ERS 122).

Os investimentos, com recursos do Banco Mundial (Bird), serão de cerca de R$ 70 milhões. “Estamos atacando um problema antigo. Esperamos que para o próximo veraneio, como as estradas são muito utilizadas pelos moradores para ir ao litoral, esteja tudo pronto”, ressaltou o titular da Seinfra.

Conforme o responsável técnico da obra da Rota do Sol, Jeferson Couto, nos dias sem chuva aproximadamente um quilômetro de estrada é recapeado diariamente. Apesar das fortes chuvas que aconteceram entre o final de junho e o início de julho, a previsão é de entregar o trecho no prazo previsto. “Estamos trabalhando com um grande número de funcionários e maquinário, e mesmo com as condições climáticas adversas, acreditamos que entregaremos tudo no prazo previsto”, avaliou Couto.

Ainda no início da tarde desta quinta-feira, na Câmara de Indústria e Comércio de Caxias do Sul, o secretário João Victor Domingues recebeu da entidade o relatório do Seminário de Infraestrutura e Logística, realizado no início de junho.

Sala de Gestão

Em Bento Gonçalves, na sede da Superintendência Regional do Daer, às 16h30, o titular da Seinfra instala a Sala de Gestão da Serra, um grupo de trabalho composto com técnicos da secretaria, da Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), superintendentes do Daer da região e responsáveis das empresas Magna Engenharia, Ecopav, Bourscheid e Traçado. O objetivo é monitorar o andamento das obras na Serra. “Com esta sala de gestão, poderemos acompanhar o andamento e a qualidade dos serviços mais de perto, e auxiliarmos naquilo que for necessário tanto para os empreiteiros como para os municípios da região”, explicou Domingues.

Na sexta-feira (18), a agenda inicia com visita ao quilômetro 13,5 da ERS-431, entre Bento Gonçalves e Guaporé, trecho que sofreu uma intervenção de engenharia já concluída, após um desmoronamento em novembro do ano passado. Na sequência, no município de Serafina Corrêa, o secretário se reúne com 33 prefeitos que integram a Associação dos Municípios da Encosta Superior Nordeste (Amesne), na Câmara Municipal de Vereadores (Avenida Arthur Oscar, 1509), a partir das 11h, para ouvir as demandas da região.

Lei garante piso nacional para agentes comunitários de saúde

Uma luta antiga dos trabalhadores da área da saúde chegou ao fim: a Presidenta Dilma sancionou em 18 de junho a Lei nº 12.994/2014, que define o piso salarial dos agentes comunitários de saúde e de combate às endemias. A lei garante o valor mínimo de R$ 1.014 aos trabalhadores que cumpram jornada de 40 horas semanais. Porém, por divergências entre os parlamentares, não houve regramento sobre como se darão os reajustes salariais.

O novo valor já deve ser aplicado por todos os entes da federação. De acordo com a lei, a União deverá prestar assistência financeira complementar aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios, para cumprimento do piso, o que representa 95% do valor a ser pago. Geralmente são os municípios que tem sob seus cuidados os serviços dos agentes comunitários e de endemias, pois eles trabalham diretamente com a população, sendo um importante instrumento de saúde preventiva.

Atualmente, em Caxias do Sul, os agentes comunitários recebem R$ 792 e os de endemias R$ 762. Em junho eles não receberam qualquer reajuste salarial e para o mês de julho também não há previsão de cumprimento do novo piso. A Secretaria da Saúde informou que para realizar os pagamentos depende do repasse de verbas do Governo Federal.

Mas quais as funções desses profissionais?

Agente Comunitário de Saúde: exerce atividades de prevenção de doenças e promoção da saúde, mediante ações domiciliares ou comunitárias, individuais ou coletivas, desenvolvidas em conformidade com as diretrizes do SUS. Eles estão vinculados a uma determinada região onde residem e estimulam a participação da comunidade nas políticas públicas voltadas para a área da saúde, realizam visitas domiciliares, promovem ações que fortaleçam os elos entre o setor saúde e outras políticas que promovam a qualidade de vida.

Agente de Combate às Endemias: exercem atividades de vigilância, prevenção e controle de doenças e promoção da saúde, desenvolvidas em conformidade com as diretrizes do SUS e sob supervisão do gestor de cada ente federado.

O Projeto de Lei que estabeleceu o reajuste estava tramitando no Congresso Nacional desde 2006. São cerca de 300 mil agentes de saúde e de endemias no Brasil que estavam aguardando ansiosamente por esta boa notícia.

terça-feira, 15 de julho de 2014

Data Folha: Copa é aprovada por 83% dos estrangeiros

Não deu caos aéreo, não deu apagão elétrico, não faltou transporte público, os protestos foram inexpressivos e nunca estivemos tão seguros. A seleção brasileira pode não ter ganho em campo mas o país ganhou fora dele. Provamos que conseguimos realizar o maior evento esportivo do planeta. Para desgraça dos coxinhas. 

Recente pesquisa Datafolha comprova o sucesso da Copa do Mundo no Brasil diante dos visitantes estrangeiros. A organização do Mundial foi avaliada como ótima/boa por 83% dos estrangeiros; contra 12% dos que acharam regular; e apenas 3% que consideraram ruim/péssima. Uma maioria de 51% achou o desempenho do evento melhor do que a esperada.

A aprovação chegou quase à unanimidade (92%) em quesitos como o conforto e a segurança. A hospitalidade dos anfitriões da Copa foi o grande destaque: 95% dos estrangeiros avaliaram a recepção como ótima ou boa. A qualidade do transporte até as arenas do Mundial também foi aprovada por 76% dos entrevistados.

Até pontos questionados antes da bola rolar, como segurança e mobilidade, superaram as expectativas com aprovação de 60% e 46%, respectivamente.

Em contrapartida, 29% consideraram ruim/péssimo o custo de vida; e o preço dos hotéis, 27%.

A pesquisa ouviu 2.209 estrangeiros de mais de 60 países nos aeroportos de São Paulo, Rio e Brasília e em Fan Fests e locais de grande concentração nas cidades de Belo Horizonte, Salvador e Fortaleza, além de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília entre os dias 1º e 11 deste mês

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Governo prometeu albergue para imigrantes. Não cumpriu.

Há mais de um ano o Governo Municipal prometeu para as associações que trabalham no atendimento de migrantes que construiria um albergue para acolhimento dos migrantes.

Porém, até agora não há sinais de que o “projeto” sairá do papel ou de que foi incluído no orçamento. Promessas e mais promessas. Enquanto isso, as ONG's e associações dão conta da maior parte do verdadeiro serviço social no município.

O Prefeito Alceu disse que 54% da Receita Municipal é investida no”social”. Só se incluir a saúde e educação, porque o orçamento da FAS é ínfimo perto do que realmente a cidade precisa.

Após as declarações xenófobas de Alceu não há muito o que esperar da FAS a não ser doações de alimentos. Assistencialismo barato. Um grande problema social que se desenha com a chegada de tantos estrangeiros à cidade, sem previsão e sem planejamento.

Os motivos que trazem tantos migrantes à cidade devem ser investigados urgentemente. Certamente algum tipo de aproveitamento e vantagem alguém deve estar tendo. Apenas a propaganda de que Caxias é uma boa cidade para se viver e repleta de empregos não mobilizaria centenas de estrangeiros a chegarem em grupo de uma só vez na cidade. Não faz sentido. São vidas rifadas e jogadas à própria sorte em um país que fala outra língua, com outra cultura e outra religião.

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Estagiários da Prefeitura receberão reajuste

Teve sucesso a mobilização organizada pelos estagiários da Prefeitura. Nesta sexta-feira (11/07), a comissão de estagiários se reuniu com representantes do Governo. A oferta, apesar de um tanto aquém do que estava sendo reivindicado, agradou os jovens estudantes.  
 
A partir do mês de agosto a bolsa-auxílio passa de R$ 520,00 para R$ 650,00 e o vale-transporte de R$ 85,00 para R$ 120,00. O total, para os estagiários de ensino superior será de R$ 770,00 - R$ 165,00 de aumento. Os reajustes serão aplicados na Prefeitura, no Ipam, FAS e Samae.
 
Também ficou acertado que no Decreto constará que quando houver reajuste do valor das passagens de ônibus, será repassado o mesmo percentual para os estagiários. 

Uma comissão permanente de estagiários pretende continuar debatendo os problemas enfrentados no ambiente de trabalho.

Os estagiários da Prefeitura não tinham reajuste na bolsa-auxílio desde 2012. A conquista foi mais que merecida e mostrou que vale a pena lutar por aquilo que se acredita.

Maioria dos vereadores arquiva representações por quebra de decoro

O plenário da Câmara de Vereadores, na quarta feira (9), arquivou definitivamente 3 ações por quebra de decoro parlamentar.

Uma das representações era contra o vereador Guila Sebben (PP) que era acusado de utilização indevida, do site da Câmara de Vereadores. Guila publicou no espaço "Gabinetes de Vereadores" notícias de atividades de sua pré campanha para deputado estadual. A atitude do vereador gerou uma representação do Tribunal Regional Eleitoral que o multou em R$ 10,3 mil (veja aqui). O também vereador Mauro Pereira (PMDB) também foi multado pelo TRE pelo mesmo caso, recebeu a mesma punição, porém não foi denunciado à comissão de ética da Câmara de Vereadores. Por 18 a 2 Guila foi inocentado da acusação pelos vereadores.

Rafael Bueno (PCdoB) foi o relator do caso. Segundo seu parecer "não houve comprovação de dolo ou má-fé". Bueno argumentou, também, que a comissão encaminhou uma advertência à Guila para que ele tenha mais cuidado com relação à imagem da Câmara.

A representação foi feita pela bancada do PRB. Veja abaixo como os vereadores votaram nesse caso. Votar SIM era votar favorável ao relator, ou seja, pelo arquivamento do caso.

ARLINDO BANDEIRA (PP) Sim

CLAIR DE LIMA GIRARDI (PT) Sim

DANIEL ANTONIO GUERRA (PRB) Não

DENISE DA SILVA PESSÔA (PT) Sim

EDI CARLOS PEREIRA DE SOUZA (PSB) Sim

EDSON DA ROSA (PMDB) Sim

FELIPE GREMELMAIER (PMDB) Sim

FLÁVIO GUIDO CASSINA (PTB) Presidente

FLÁVIO SOARES DIAS (PTB) Sim

GUILHERME GUILA SEBBEN (PP) Não Votou

GUSTAVO LUIS TOIGO (PDT) Não Votou

HENRIQUE SILVA (PCdoB) Sim

JAISON BARBOSA (PDT) Sim

JOÃO CARLOS VIRGILI COSTA (PDT) Sim

MAURO PEREIRA (PMDB) Sim

NERI ANDRADE PEREIRA JUNIOR (SDD) Sim

PEDRO JUSTINO INCERTI (PDT) Sim

RAFAEL BUENO (PCdoB) Sim

RAIMUNDO BAMPI (PSB) Sim

RENATO DE OLIVEIRA NUNES (PRB) Não

RODRIGO MOREIRA BELTRÃO (PT) Sim

WASHINGTON STECANELA CERQUEIRA (PDT) Sim

ZORAIDO DA SILVA (PTB) Sim

"Carteiraço" também foi arquivado

Outra representação votada no mesmo dia foi da bancada do PT contra o vereador Washington Cerqueira (PDT) que, durante um blitz, teria dado um carteiraço para escapar da apreensão da carteira por tem bebido antes de dirigir (veja aqui).

Para o relator do caso, vereador Flávio Dias (PTB), a representação contra o vereador é ilegítima pois quando o fato aconteceu ele estava licenciado da Câmara cumprindo tarefa como Secretário de Esportes do município. 

Apesar de ter sido inocentado, pelos colegas, (o placar da votação foi 16 a 5) a atitude de Washington está sendo analisada pelo Ministério Público que recebeu várias denuncias de testemunhas que viram o "carteiraço" do vereador. Washington inicialmente desmentiu, inclusive, que houvesse saído de casa naquele dia, mas teve que voltar atrás e confirmar que foi parado em uma blitz (veja aqui).

Veja como foi a votação sobre esse caso. Votar SIM significa votar pelo relator, ou seja, pelo arquivamento.

ARLINDO BANDEIRA (PP) Sim

CLAIR DE LIMA GIRARDI (PT) Não

DANIEL ANTONIO GUERRA (PRB) Não

DENISE DA SILVA PESSÔA (PT) Não

EDI CARLOS PEREIRA DE SOUZA (PSB) Sim

EDSON DA ROSA (PMDB) Sim

FELIPE GREMELMAIER (PMDB) Sim

FLÁVIO GUIDO CASSINA (PTB) Sim

FLÁVIO SOARES DIAS (PTB) Sim

GUILHERME GUILA SEBBEN (PP) Sim

GUSTAVO LUIS TOIGO (PDT) Presidente

HENRIQUE SILVA (PCdoB) Sim

JAISON BARBOSA (PDT) Sim

JOÃO CARLOS VIRGILI COSTA (PDT) Sim

MAURO PEREIRA (PMDB) Sim

NERI ANDRADE PEREIRA JUNIOR (SDD) Sim

PEDRO JUSTINO INCERTI (PDT) Sim

RAFAEL BUENO (PCdoB) Sim

RAIMUNDO BAMPI (PSB) Sim

RENATO DE OLIVEIRA NUNES (PRB) Não

RODRIGO MOREIRA BELTRÃO (PT) Não

WASHINGTON STECANELA CERQUEIRA (PDT) Não Votou

ZORAIDO DA SILVA (PTB) Sim

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Declaração de bens dos candidatos da governador mostra que Ana Amélia é quem mais cresceu o patrimônio

As declarações de bens dos candidatos a governador do Rio Grande do Sul mostraram que a candidata Ana Amélia Lemos (PP) teve o maior crescimento de patrimônio entre todos os candidatos. Entre 2010 e 2014 o patrimônio da candidata aumentou em quase R$ 1,3 milhões, um crescimento de 102%. Seguindo a lista dos que mais aumentaram o patrimônio está o candidato do PCB que aumentou seu patrimônio em 86,51%.

O caxiense José Ivo Sartori (PMDB) aumentou seu patrimônio em 98,3%, porém o dado anterior tinha sido publicado em 2008 quando ele concorreu a reeleição para a prefeitura de Caxias do Sul. Vieira da Cunha (PDT) foi o que menos aumentou seu patrimônio. Foram apenas 4,73%, muito menos do que a inflação nos últimos 4 anos.

Houve quem reduziu seu patrimônio. Roberto Robaina (PSOL) e Tarso Genro (PT) declararam valores menores em 2014 do que em 2010. O patrimônio de Robaina encolheu 0,3% e o de Tarso, 8,2%.

Para finalizar, Estivalete (PRTB) não havia declarado bens em 2010 e agora declarou R$ 331.500,00 e João Rodrigues (PMN) declarou, tanto em 2010 quanto 2014, não tem nenhum bem.

Veja abaixo o comparativo das declarações de bens dos candidatos:

Candidato 2010 2014
Ana Amélia Lemos (PP) R$ 1.262.198,00 R$ 2.550.086,69
Vieira da Cunha (PDT) R$ 454.494,00 R$ 475.998,49
Tarso Genro (PT) R$ 2.972.627,05 R$ 2.731.057,40
José Ivo Sartori (PMDB) R$ 573.644,35* R$ 1.138.060,01
Humberto Carvalho (PCB) R$ 675.000,00 R$ 1.259.000,00
Estivalete (PRTB) R$ ----- R$ 331.500,00
João Rodrigues (PMN) R$ ----- R$ -----
Roberto Robaina (PSOL) R$ 149.300,00 R$ 149.000,00
*valores declarados em 2008

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Vexame dentro de campo, mas um show fora dele!

Hoje a maioria dos brasileiros acordaram com um aperto no peito. Quem não ficou chocado com a derrota fragorosa para a Alemanha por 7 a 1? Esse “vexame” pegou a todos de surpresa porque afinal, somos o país do futebol. Pentacampeões. Jogamos em casa.

Foi triste, vergonhoso, decepcionante., humilhante. Mas o que fica daqui para frente? Não precisamos macular esta Copa unicamente com a maior de todas as derrotas já sofridas por nossa seleção. Claro, o episódio vai marcar esse Mundial inevitavelmente e nunca mais será esquecido. Contudo, o que deve sempre permear nossas mentes é que presenciamos em nosso país a Copa das Copas. Sim. Até mesmo os mais pessimistas críticos da Copa se deixaram contagiar com o clima alegre da competição. Os Black blocs paravam durante as manifestações para assistir aos jogos do Brasil. E torciam! E vibravam! Todo mundo entrou no clima da Copa.

A organização do Mundial foi de primeira. Os estádios ficaram lindos. Nosso país ficou repleto de turistas que só teceram elogios ao nosso povo e à nossa terra. Sentimos verdadeiramente orgulho de ser brasileiro. Orgulho que transbordou do nosso bom futebol para nossa gente, nosso país, nossa comida, nossa cultura.

Não apenas encantamos estrangeiros. Nos reencantamos com nós mesmos. Descobrimos que somos ricos em muitas coisas. Pobres são aqueles que só viram coisas ruins, que agouraram o evento, que misturaram política com futebol.

Quanto ao fiasco do jogo, cada um fará sua avaliação. Mas era evidente a seleção brasileira era inferior. O Felipão, infelizmente, é o maior responsável por esse vexame. Foi cabeça dura, prepotente. Escalou mal os jogadores, escolheu uma péssima tática de jogo e ainda contou com a obra do destino que deixou os atletas atordoados por longos 6 minutos e 4 gols.

Para a seleção, infelizmente a situação ainda pode ficar pior (podemos ficar com o 4º lugar e, pior, perder para a Argentina). Mas nada. Absolutamente nada apagará nossa história. Ainda somos pentacampeões. Ainda temos, reconhecidamente, um bom futebol. Depois desta Copa, teremos também a fama de ser um povo alegre, acolhedor, que vive em um país de dimensões continentais que tem muito a oferecer aos turistas que vêm nos conhecer.

Ficam também diversos aprendizados. Não duvidaremos mais de nossa competência em sediar e organizar eventos deste porte. Não mais subestimaremos nosso povo e nosso país. O sonho do hexa ficará pra próxima, quando chegaremos na Rússia, com menos salto alto e mais humildade, reconhecendo que sim, outros países também podem dar um banho de bom futebol. Não somos melhor nem pior que ninguém.

Temos, acima de tudo, muito orgulho de ser brasileiros e brasileiras. Orgulho do Brasil!

terça-feira, 8 de julho de 2014

Primeiro debate foi morno. Destaque só para as gafes da produção


No último domingo, 6, primeiro dia oficial da campanha eleitoral, a Rádio Gaúcha e a TV Com realizaram o primeiro debate com os candidatos ao governo do estado. No geral o debate foi morno, sem grandes polêmicas e com mínima apresentação de propostas.

A participação dos 8 candidatos ao governo serviu para deixar uma dúvida: Por que cargas d'água alguns são candidato?

A turma dos pequenos, para não chamar de nanicos, dois candidatos chamaram atenção. Muito mais pela bizarrice do que pelas propostas. Estivalete (PRTB) se apresentou pilchado, segundo ele próprio, porque o último político que sempre estava pilchado era Getúlio Vargas. De onde ele tirou a bota amarela e o lenço verde é o que mais intrigou aos que assistiram o debate pela TV Com. Talvez a indumentária tenha sido uma homenagem à Copa, vai saber. João Rodrigues (PMN) se desculpou com os ouvintes pois estava com a voz grogue devido a uma soma de medicamentos. Ele disse que achava que o debate era importante e por isso veio, mesmo doente. Pena que não trouxe propostas junto com ele. Completando a turma que tem menos de 1% das intenções de voto o comunista Humberto Carvalho (PCB) em alguns momentos parece que não estava prestando atenção no debate não fazia a mínima ideia para quem deveria fazer as perguntas.

Tanto Robaina (PSOL) quanto Vieira da Cunha (PDT) optaram pela estratégia de que a melhor defesa é o ataque. Robaina mirou tanto em Tarso Genro (PT) e em Ana Amélia (PP). Contra o petista Robaina tentava mostrar contradições entre o discurso e o programa do partido já para Ana Amélia o objetivo era vincular a senadora com a gestão de Yeda Crusius (PSDB) que faz parte da sua coligação. Foi entre Ana Amélia e Robaina que o clima do debate ficou mais quente. Quando o candidato do PSOL pediu que Ana Amélia falasse da gestão de Yeda, da qual o PP fez parte, e logo em seguida classificou esse governo de neoliberal, a progressista falou a frase do debate: "o mundo não está mais dividido entre direita e esquerda, mas entre rápidos e lerdos". De longe essa foi a afirmação mais forte do debate e que recebeu o maior número de questionamentos nas redes sociais. O que significava ser "rápido" seria um novo termo para quem "leva vantagem em tudo"?

Vieira da Cunha resolveu se concentrar em Tarso. Em um momento chegou a falar que o petista falava sobre um estado que não existe já que, segundo Vieira, o Rio Grande do Sul tem muitos problemas. Tarso lembrou que o PDT era governo até pouco tempo e falou que mesmo com as mazelas herdadas dos governos anteriores deu os maiores reajustes salariais da história para professores e brigadianos e ainda investiu na infraestrutura do estado. Em outro momento Vieira disse que se sentia envergonhado com a situação do Presídio Central. Tarso retrucou dizendo que a vergonha de Vieira iria diminuir já que a transferência de presos do Central para outras penitenciárias já havia começado.

No grupo dos melhores colocados nas pesquisas, Sartori (PMDB) optou pelo discurso de conciliação. Chegou a elogiar, em dois momentos, os programas implementados pelo governo Tarso. Foi o candidato que mais citou a sua chapa e falou que governaria para todos, claramente buscando a mesma estratégia que elegeu Germano Rigotto 12 anos atrás. Sartori defendeu a participação popular dizendo que havia instituído o Orçamento Comunitário. Ele esqueceu, porém, que o Orçamento Comunitário substituiu o Orçamento Participativo, criando no governo Pepe Vargas (PT) e que segundo o movimento comunitário funcionava melhor que o modelo atual.

Ana Amélia evitou o máximo o confronto. Suas propostas sempre foram as mais genéricas e se limitaram a dizer que iria se focar na gestão. Nas entrelinhas, Ana Amélia, propôs algo bem conhecido e já aplicado no governo que ela tenta não se vincular. É o famoso choque de gestão utilizado pela ex-governadora Yeda (PSDB). Ana Amélia fala que vai cortar gastos com secretárias mas não diz quais! Essa medida é muito mais popularesca do que efetiva já que representa uma parcela minúscula do orçamento do estado.

Tarso Genro tentou por duas vezes fazer pergunta para Ana Amélia. Na primeira vez, mesmo podendo o mediador "errou" e disse que o petista não poderia perguntar para a senadora. Numa segunda tentativa novamente não era possível pois ela já havia respondido uma pergunta. Tarso apresentou as realizações de seu governo. Foi firme e dialogou com contundência com Vieira da Cunha e Robaina. Com o candidato do PSOL, Tarso afirmou que seu ideal de mundo é muito maior do que um governo, mas que se governa na vida real coisa, que segundo o governador, o PSOL falha ao se fixar apenas na disputa programática.

Em resumo o debate de 2 hora e meia teve pouco significado para o debate de propostas. A RBS foi a principal culpada disso. O formato do debate é tedioso, o moderador estava atrapalhado e as perguntas previamente elaboradas pela produção do grupo jornalístico eram simplórias e simplificadoras. Formatos muito mais inteligentes são as entrevistas, o ruim é que nesse caso não há o confronto, mas também não há jogada ensaiada, ou não.


Estagiários da Prefeitura realizam nova mobilização


Os estagiários da Prefeitura de Caxias do Sul e da Administração indireta do município realizam nova mobilização no Centro Administrativo nesta quarta-feira (09/07) às 14 horas. A primeira mobilização ocorreu em junho, reunindo cerca de 50 estagiários de várias secretarias, do Samae, Ipam e FAS. Na ocasião, uma comissão foi recebida pelo então Prefeito em Exercício, Gustavo Toigo e pela Secretária de RH, Jaqueline Bernardi. Os representantes da Administração prometeram um retorno ao grupo e providências, porém até o momento não houve qualquer retorno aos jovens manifestantes.

Os estagiários do município não recebem reajuste em suas bolsas-auxílio desde 2012. Hoje o valor da bolsa é de apenas R$ 520,00. Mão de obra barata e qualificada. São centenas de estudantes do ensino superior substituindo muitas vezes servidores que não foram nomeados.

Mais consideração com os universitários por parte do Governo Alceu seria interessante. Porque se os estagiários resolverem parar de verdade, muitos serviços públicos param também.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Falta de planejamento e omissão da FAS com os migrantes

Na semana passada, dezenas de ganeses, a exemplo de outras centenas de haitiano e senegaleses, chegaram à cidade. Sem organização e assim de repente, chegaram à nossa cidade à procura de melhores perspectivas do que aquelas que seu país oferece. São seres humanos querendo, assim como nós, ter uma vida digna e feliz.

Eles chegaram sem avisar e coube à Igreja católica acudi-los, pois a FAS (Fundação de Assistência Social ) não teve capacidade de direcioná-los a nenhum local de acolhimento, mesmo que paliativo. O CAM (Centro de Atendimento ao Migrante), entidade ligada à Igreja, teve de se responsabilizar totalmente pelo atendimento dessas pessoas. O Bispo deixou que eles ficassem em um ginásio da Igreja. A FAS lavou as mãos e não mandou ninguém para ajudar na recepção dos migrantes. Alguns ganeses dormiram na praça, outros na rodoviária.

E se a Igreja não tivesse intervindo? Onde estariam essas pessoas? Na rua. E então elas voltariam para o local de onde nunca deveriam ter saído, pensariam alguns... Parece que a FAS também pensa assim, pois nos próximos dias mais migrantes devem chegar e não há qualquer perspectiva de atendimento efetivo por parte do município.

Quem também tomou a responsabilidade para si, foi a Comissão de Direitos Humanos da Câmara que, juntamente com o CAM, está recepcionando os migrantes na Câmara de Vereadores (apesar da contrariedade do Presidente Gustavo Toigo). Nenhum funcionário da FAS está lá para ajudar.

Agora, muito provavelmente, essas pessoas farão parte também da população caxiense e merecem toda a atenção da assistência social de que a cidade infelizmente não dispõe. Não há atendimento adequado para eles nem para os que sofrem com outras mazelas, como violência, desabrigamentos, desemprego. Falta planejamento. Sobra omissão.

Muito provavelmente a FAS, como tem o costume de fazer, deixará o problema para a Igreja cuidar. Essa é a realidade da assistência social no município: parcerias e convênios com entidades, enquanto a própria fundação fecha serviços de prestação direta de atendimento.

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Para que a Banda do Cristóvão nunca mais precise fazer pedágio

Persistência foi determinante para que a escola fosse contemplada
O Instituto Estadual de Educação Cristóvão de Mendoza é uma das 51 escolas que receberão 70 instrumentos musicais adquiridos pelo Governo Tarso.

O investimento total foi de R$ 1 milhão, através da secretaria estadual de Educação, e  as escolas escolhidas foram as que tinham projetos de música estruturados, como bandas escolares.

Segundo o secretário estadual de educação, José Clovis de Azevedo, está é uma ação inédita na rede estadual e exigiu um processo licitatório que foi bastante complexo. O governo do estado precisou justificar, aos órgãos de controle de contas, que a aquisição de instrumentos tinha uma função pedagógica.

"Além dos instrumentos, a Seduc destinará professores de música para as escolas contempladas com o projeto. A ação é mais uma iniciativa no atendimento da lei que prevê a obrigatoriedade do conteúdo de música na educação básica", afirma o secretário.

Apesar de não ser diretamente destinados a banda, os novos instrumentos qualificarão, em muito, o trabalho já desenvolvido na escola. É bom lembrar que por muitos anos os integrantes da banda fizeram pedágios nas esquinas de Caxias do Sul para poder manter o projeto. Essa foi, talvez, a primeira vez que a iniciativa ganhou apoio do poder público.

A escola receberá 1 piano eletrônico; 10 violões; 10 violinos; 1 viola; 1 violoncelo; 1 contrabaixo elétrico; 10 flautas doce soprano barroca; 4 flautas doce contralto barroca; 2 guitarras; 1 amplificador de contrabaixo; 1 amplificador de guitarra; 1 bateria; 10 estantes de partitura 2 escaletas; 10 pandeiros; 2 triângulos; 1 ganza de platinela; 2 bumbos com talabarte baqueta; 2 taróis; 1 reco-reco; 1 microfone; 2 pandeiros meia lua e 3 afinadores.

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Maesa: melhor que a encomenda

Após intensas negociações entre a Prefeitura e o Governo Estadual, ontem saiu o resultado das tratativas sobre a Maesa. O Estado passará a propriedade de todo o complexo gratuitamente ao Município. Sem custo algum. Estamos falando de uma área gigantesca, próxima do centro da cidade e de valor histórico inestimável.  O Pioneiro chegou a declarar que se trata do legado de Tarso para Caxias.

A Prefeitura fez, há cerca de um mês, três propostas para que a Maesa viesse para o patrimônio do Município (veja aqui), todas contendo contrapartidas por parte da Prefeitura.

Aguardava-se, de qualquer forma, que houvesse algum tipo de contrapartida da cidade, o que até agora não apareceu.

Por coincidência, ontem mesmo, o Procurador Geral do Município, Victório Giordano, declarou à imprensa que a Prefeitura colaboraria com a colocação de semáforos na estrada estadual de Monte Bérico, apesar de “não ter nada a ver com a história”.

De certo agora, o Município vai tentar ser mais “legal” com o Estado e deixar de lado a política do toma lá da cá.

terça-feira, 1 de julho de 2014

Marloney defende mais uma vez a terceirização da saúde em Caxias

Não bastassem os altos salários para uma maioria que não cumpre horário, os médicos mais uma vez querem se dar bem (bem melhor que os outros).

Desta vez, o Dr. Marloney, presidente do Sindicato dos Médicos, quer ressuscitar uma velha ideia privatista: criar uma fundação de direito privado para gerir a saúde em Caxias do Sul.

Apesar de ter algumas prerrogativas e limitações do poder público, criar uma fundação para gerir a saúde na cidade parece, no mínimo uma ideia mal intencionada. Afinal, qual o sentido de se fazer isso se não privilegiar uma categoria que já é privilegiada? Uma fundação dos médicos, para os médicos, reforçando seu corporativismo virulento.

Saúde é serviço público essencial e deve ser administrada diretamente pelo município, para que possa ser controlada e fiscalizada de perto. Claro que as desculpas e promessas iniciais são outras, mas pelo histórico da classe médica, já podemos esperar segundas e terceiras intenções.

Com a desculpa de que não consegue administrar a saúde, muitas vezes o poder público atesta a sua incompetência terceirizando e privatizando. Aceitar passivamente a simples substituição do trabalho público pelo trabalho privado via fundação é inadmissível, pois historicamente existe em nossa Constituição o princípio que garante a seus servidores regime jurídico único e plano de carreira para os servidores.

Infelizmente, os sinais que a Secretária da Saúde, Dilma Tessari, tem dado, indicam que ela pensará seriamente na implementação da ideia, já que há boatos que a UPA da Zona Norte será toda terceirizada.

Top 5 Polenta News - Junho 2014

Primeiro semestre de 2014 se despede e o Polenta News comemora o segundo melhor índices de visitantes de nossa história. Nosso blog, em junho de 2014, só teve menos acessos do que setembro de 2010, véspera das eleições municipais.

Veja abaixo as 5 matérias mais lidas nesses mês:

(1) Caxiense poderá responder processo por discriminação racial e apologia ao crime 

(2) Coincidências na contratação de empresa para elaborar o plano de carreira do funcionalismo municipal 

(3) Mudança editorial: Pioneiro escancara problemas em obras de Caxias do Sul 

(4) Condomínio no Centro se acha no direito de mudar parada de ônibus 

(5) Estagiários realizam mobilização na Prefeitura