sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Multa contra a Prefeitura por poluição do Tega é irrisória

Tega sofre com descarte irregular de dejetos
A Fepam (Fundação Estadual de Proteção Ambiental) multou a Prefeitura pela poluição do Arroio Tega ocorrida no início do mês de julho. A Prefeitura não fiscalizou corretamente o transporte do chorume do Aterro São Giácomo até a Estação de Tratamento de Esgoto do Tega.

No meio do caminho, milhares e milhares de chorume - líquido altamente tóxico originado pela decomposição do lixo orgânico - foram desviados de seu caminho e despejados no Tega.

Foi um desastre que dificilmente será recuperado em curto ou médio prazo. O mais famoso arroio da cidade, que já era poluído, agora recebeu ajuda da própria Prefeitura pra ficar ainda pior.

O que deixa todos mais consternados é a irrisória multa aplicada pela Fepam na Prefeitura: R$ 35,7 mil. Para despoluir o Tega seriam necessários milhões de reais e uma vontade política muito maior do que apenas lamentações.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

TSE impugna candidatura de Arruda

Condenado pelo Mensalão do DEM, Arruda liderava as
pesquisas no DF
Fonte: TSE

O Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou por maioria de votos, na sessão desta terça-feira (26), recurso de José Roberto Arruda (PR) que buscava o deferimento de sua candidatura a governador do Distrito Federal. O Tribunal considerou Arruda inelegível com base na Lei da Ficha Limpa (LC nº 135/2010), por ter sido condenado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), no dia 9 de julho, por improbidade administrativa, dano ao patrimônio público e enriquecimento ilícito. Com isso, o TSE manteve a decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) sobre o caso.

O TRE declarou Arruda inelegível com base na alínea “L” do artigo 1º da Lei nº 64/90 (Lei de Inelegibilidades), nela incluída pela Lei da Ficha Limpa. Tal alínea estabelece que são inelegíveis, desde a condenação ou o trânsito em julgado até o curso do prazo de oito anos após o cumprimento da pena, aqueles que forem condenados à suspensão dos direitos políticos, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, por ato doloso de improbidade administrativa que importe lesão ao patrimônio público e enriquecimento ilícito.

Tese fixada

Durante o julgamento, por decisão majoritária, os ministros do TSE fixaram tese segundo a qual as inelegibilidades supervenientes ao requerimento de registro de candidatura poderão ser analisadas pelas instâncias ordinárias no respectivo processo de registro, desde que garantidos o contraditório e a ampla defesa.

Voto do relator

Ao negar o recurso de Arruda, o relator, ministro Henrique Neves, afirmou que, embora no momento do pedido de registro (4 de julho) não pesasse contra o candidato a condenação pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal, atualmente Arruda encontra-se inelegível por força de fato superveniente ao registro, no caso a condenação por improbidade administrativa pelo TJDFT no dia 9 de julho. “Tenho como clara e suficientemente demonstrada a incidência da inelegibilidade descrita no artigo 1º, inciso I, alínea L, da Lei Complementar 64”, ressaltou o relator.

Segundo o relator, a questão dos autos é peculiar e não foi abrangida por precedentes do TSE. Ele afirmou que a hipótese não é similar “aos casos em que, nas eleições passadas, afirmou-se, muitas vezes por maioria, que as causas de inelegibilidades supervenientes não poderiam ser tratadas no registro de candidatura”. “No presente feito a situação é diversa”, destacou.

Seguiram o voto do relator os ministros Admar Gonzaga, Luiz Fux, Laurita Vaz, João Otávio de Noronha e o presidente, ministro Dias Toffoli.

Divergiu do voto do relator o ministro Gilmar Mendes. Segundo ele, as condições de elegibilidade e causas de inelegibilidade devem ser aferidas no momento do pedido de registro de candidatura, não podendo ficar o registro a mercê de eventuais causas de inelegibilidade surgidas posteriormente.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Avião fantasma do PSB tem até peixaria falsa


Fonte: Pernambuco247

Começam a surgir os proprietários do Citation PR-AFA no qual o presidenciável Eduardo Campos e mais seis pessoas morreram 13 dias atrás, em acidente em Santos. O problema é que os donos que vão surgindo são personagens fantasmas.

Inquérito da Polícia Federal já apurou que pelo menos 16 transferências de recursos, feitas por 6 CNPJs – o registro de pessoa jurídica – diferentes para a usina AF Andrade, que seria a dona original do aparelho. Nesse rol de pagantes há empresas fantasmas, com endereços falsos e propriedade não definida.

Uma delas é a Geovane Pescados. O que deveria ser uma peixaria com sede na periferia de Recife, conforme os documentos em poder da PF, na verdade é apenas a casa de um homem chamado Geovane.

- Rapaz, eu estou até desnorteado. Como é que eu tenho uma empresa sem eu mesmo saber. E se tivesse uma distribuidora de peixes, você acha que eu estaria nesta situação?, disse o rapaz, indicando a moradia humilde, para o Jornal Nacional, da Rede Globo.

O maior volume de recursos transferidos para a usina AF Andrade foi da parte da Leite Imobiliária, também com sede no Recife, de propriedade do empresário Eduardo Ventola. Ele é conhecido em Pernambuco como dono de uma movimentada factoring.

O uso de aviões que não sejam locados de empresas especializadas na prestação de serviços de aviação contrária a Lei Eleitoral. A candidata Marina Silva também se deslocou, em campanha, na aeronave alvo de negócios que envolvem empresas fantasmas. A depender da conclusão do inquérito, ela pode sofrer processo de impugnação de candidatura.

Aprovado projeto que muda nome da Castelo Branco para Avenida da Legalidade

Foto: Leonardo Contursi
Fonte: Câmara de Vereadores de Porto Alegre

O projeto de lei que altera o nome da Avenida Presidente Castelo Branco para Avenida da Legalidade e da Democracia foi aprovado, na tarde de hoje (27/8), na Câmara Municipal de Porto Alegre. A proposta, aprovada por 21 votos a favor e 5 contrários, é assinada pelos vereadores Pedro Ruas e Fernanda Melchionna, ambos do PSOL. Quatro vereadores estavam ausentes e outros cinco não votaram. Para tornar-se lei, o projeto aprovado ainda depende da sanção do prefeito José Fortunati.

"Entre outros atos contrários ao Estado Democrático de Direito brasileiro, o presidente Castelo Branco determinou o fechamento do Congresso Nacional em outubro de 1966 e editou o Ato Institucional nº 2 - que extinguiu os partidos políticos e cassou os seus registros - e a Lei de Segurança Nacional, que possibilitava julgamentos de civis por militares. A alteração do nome da Avenida Presidente Castelo Branco para Avenida da Legalidade garantirá, no mínimo, uma reflexão da sociedade sobre as violações perpetradas pelo regime civil-militar", dizem os autores.

O novo nome proposto por Ruas e Fernanda é uma homenagem ao movimento liderado pelo ex-governador Leonel Brizola em 1961. "Sob a liderança do saudoso governador Leonel Brizola, o movimento permitiu a posse de João Goulart na presidência da República. Naquele período, forças militares, apoiadas por aliados estrangeiros, almejavam usurpar o poder legalmente constituído pelo povo brasileiro, impedindo a posse do vice-presidente eleito João Goulart após a renúncia do presidente Jânio Quadros. Diante dessa grave ameaça à ordem democrática, o povo gaúcho fez um verdadeiro levante popular de resistência em favor da legalidade constitucional, que foi, no Brasil, o ato propulsor da manutenção dos ditames democráticos vigentes à época", lembram os vereadores.

Em Tempo: Caxias poderia seguir o exemplo, não?

Veja como foi a votação:

Airto FerronatoPSBNão votou
Alberto KopittkePTSim
Alceu BrasinhaPTBNão votou
Any OrtizPPSSim
Bernardino VendruscoloPROSNão votou
Cassio TrogildoPTBSim
Delegado CleitonPDTSim
Dr. ThiagoPDTNão votou
Elizandro SabinoPTBSim
Engº ComassettoPTSim
Fernanda MelchionnaPSOLSim
Guilherme Socias VillelaPPNão
Idenir CecchimPMDBSim
João Carlos NedelPPNão
João DerlyPCdoBAusente
Jussara ConyPCdoBSim
Kevin KriegerPPAusente
Lourdes SprengerPMDBAusente
Marcelo SgarbossaPTSim
Márcio Bins ElyPDTSim
Mario FragaPDTSim
Mario ManfroPSDBNão
Mauro PinheiroPTSim
Mônica LealPPNão
Nereu D'AvilaPDTAusente
Paulinho MotoristaPSBSim
Paulo BrumPTBSim
Pedro RuasPSOLSim
Professor GarciaPMDBNão votou
Reginaldo PujolDEMNão
Séfora MotaPRBSim
Sofia CavedonPTSim
Tarciso Flecha NegraPSDSim
Valter NagelsteinPMDBSim
Waldir CanalPRBSim

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Pesquisa Ibope mostra Dilma e Marina muito distantes de Aécio

A pesquisa Ibope, divulgada agora a pouco (26), mostra um cenário mais acirrado na disputa presidencial. Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB) lideram o levantamento com uma diferença de 5 pontos percentuais entre elas. Dilma teria 34% das intenções de votos e Marina teria 29%. Atrás, bem atrás, aparece Aécio Neves com 19% das intenções de votos. Muito mais atrás com 1% cada aparecem Luciana Genro (PSOL) e Pastor Everaldo (PSC). Outros seis candidatos: José Maria (PSTU), Eduardo Jorge (PV), Rui Pimenta (PCO), Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB) e Mauro Iasi (PCB) soman, juntos, menos de 1% das intenções de votos.

Em comparação com a pesquisa anterior, do Data Folha, pouca coisa mudou para Dilma e Aécio, por incrível que isso possa parecer a primeira vista. Dilma e Aécio variaram dentro da margem de erro 2% e 1%, respectivamente. Quem mais perdeu foi Pastor Everaldo que estava com 4% e agora está com 1%.

Dilma também lidera na espontânea com 27%, seguida de Marina com 18% e Aécio com 12%. Os dados da espontânea podem mostrar o percentual de votos consolidados por cada um dos candidatos.

É com os dados de um possível  segundo turno que vai deixar felizes os aliados da ex-senadora. Nessa simulação Marina teria 45% e Dilma 36%. 

A subida meteórica de Marina deu-se pela diminuição drástica dos votos indecisos e até de um pouco dos brancos e nulos. Esse votos, obviamente são bastante voláteis e o desafio de Marina é consolidá-los. 

A pesquisa também avaliou o desempenho do governo Dilma. Pelo terceiro levantamento seguido o índice de bom e ótimo vem crescendo. Hoje a presidenta é bem avaliada por 36% dos eleitores. Os que acham regular são 34% e os que acham ruim ou péssimo (que também vem caindo) são 27%

PSB não consegue explicar de quem era o avião que se acidentou em Santos

A queda do avião, que levava Eduardo Campos e mais 6 pessoas, levantou muito mais dúvidas do que só as relacionadas com o acidente. Uma delas diz respeito a de quem era o dono da aeronave e por qual motivo os custos relativos a ela não apareceram na prestação de contas.

Reportagens da Folha de São Paulo e do O Globo levantaram essa questão. Existe uma forte suspeita de que foi usado Caixa 2 para pagar essa despesa.

A história do avião em sí é relativamente simples. O antigo dono da aeronave, um usineiro falido, repassou o jatinho a amigos de Eduardo Campos, que assumiram o pagamento de algumas parcelas do leasing. Tais empresários, sem capacidade financeira para comprar um jato de R$ 18,5 milhões, foram recusados pelo cadastro da Cessna, fabricante da aeronave.

Sem dono declarado, caso não consiga demonstrar de quem é o avião em que o ex-governador de Pernambuco morreu e como ele era pago pela campanha, o partido estará sujeito à impugnação de sua candidatura.

Mas a sigla acredita ter encontrado um meio de distanciar Marina do caso. A responsabilidade pelos esclarecimentos será do comitê financeiro de Campos, que tinha CNPJ próprio e foi desativado logo após a sua morte.

Um novo comitê financeiro, com outro CNPJ, foi registrado no nome de Marina. Mas até agora ninguém disse de onde saiu o dinheiro para pagar os custos da aeronave. O deputado Marcio França (PSB/SP) tentou dar uma explicação que quase soa como deboche. Ele disse que os documentos estavam no avião e foram destruídos no acidente! Qualquer dono de veículo sabe que existe mais de uma cópia dos documentos de seu carro. Logo a explicação é completamente estapafúrdia.

A não identificação do(s) dono(s) da aeronave não traz só consequências para a disputa eleitoral. Sem a definição da propriedade as vítimas do acidente, seja os que perderam seus imóveis em Santos (SP) ou os parentes dos ex-colaboradores de Campos que perderam a vida, tendem a ficar sem direito a reparações e indenizações.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

O terceiro choque de Lasier

Lasier Martins, candidato ao Senado pelo PDT, levou o terceiro choque de sua vida na noite de domingo. O primeiro, mais famoso foi durante a Festa da Uva, ao vivo, quando mostrava uma exposição de uvas. Os outros dois foram na sua curta vida política.

Lasier achava que a eleição para o Senado já estava decidida e ele seria eleito. Não contava, porém, com as casualidades da vida e da política. O segundo choque de Lasier foi quando a Frente Popular troca a candidata Emilia Fernandes (PCdoB) por Olívio Dutra (PT) na disputa pelo Senado. Lasier que tinha muita vantagem sobre os concorrentes vê, na última pesquisa, um empate com o ex governador petista.

Mas a vida, que já estava difícil, ia piorar ainda mais para Lasier. Na noite de domingo, Pedro Simon (PMDB) resolveu assumir a vaga deixada por Beto Albuquerque (PSB) na disputa pelo Senado. Beto é o novo vice de Marina Silva.

Simon relutou muito em aceitar concorrer mas acabou aceitando para tentar resolver, em parte, a lambança que ele mesmo criou. Simon havia declarado que não concorreria mais. Ao invés passar a tarefa para uma liderança de prestígio, dentro do PMDB, como Rigotto ou Fogaça, Simon resolveu "fritar" os dois por classifica-los como aliados da presidenta Dilma. Simon que levou o PMDB ao barca furado da campanha de Eduardo Campos (por que a maioria do PMDB está fazendo campanha ou para Aécio ou para Dilma), preferiu indicar Beto Albuquerque para a disputa.

Agora Simon volta. Volta para, provavelmente, não ganhar a eleição. Na última pesquisa em que ele aparecia, e sem Olívio, Simon tinha 18% das intenções de voto e Lasier 35%. A entrada de Simon pode fazer Lasier cair mais pontos na intenção de votos e com isso garantir a vitória de Olívio? Só o tempo dirá.

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Começam as mudanças no trânsito no centro da cidade

Infográfico elaborado pelo Jornal Pioneiro
Iniciaram hoje as mudanças no trânsito, no centro da cidade, que fazem parte do SIM (Sistema Integrado de Mobilidade) que alterará, radicalmente, o modo como o caxiense se desloca no centro.

A primeira etapa prevê a proibição da conversão, à esquerda, nas esquinas da Júlio de Castilhos com a Garibaldi e Dr. Montaury, no sentido Centro-São Pelegrino e na Júlio de Castilhos com Visconde de Pelotas e Marquês do Herval, também a esquerda no sentido São Pelegrino-Centro. Na Sinimbu será proibida a conversão à direita nas esquinas com a Garibaldi e Dr. Montaury.

Além disso serão remajedas 249 vagas de estacionamento na Sinimbu, Pinheiro Machado e Avenida Rio Branco. A criação de novas vagas, para o preechimento destas será feito com a ampliação da Zona Azul e Verde. 

A proposta inicial do governo Alceu Barbosa Velho é valorizar a segurança do pedestre, desafogar o trânsito na área central e melhorar o serviço de transporte público.

Isso só será possível quando um conjunto de obras estiverem prontas. Entre elas a pista dupla do corredor de ônibus na Sininbu e Pinheiro Machado. Recursos via PAC Mobilidade Urbana, do governo federal, já estão destinados para essas obras. 

Aliado a isso a implantação da troncalização, que inicialmente será apenas no sentido Leste-Oeste, será fundamental para a melhora do trânsito, nos corredores de ônibus. 

Para ser realmente efetiva serão necessários superar dois desafios. O primeiro é cultural. Será necessário convencer os motoristas caxienses a respeitarem o espaço dos ônibus, ter que caminhar um pouco mais para estacionar e dar uma volta maior para chegar na porta de casa. A outra mudança é no planejamento. A última mudança no trânsito da Sinimbu, durante do governo Sartori, foi puramente estética sem melhorar em nada o trânsito de Caxias. 

Dar mais espaço para o pedestre é ampliar o espaço das calçadas o que é exatamente o contrário do que se fez com a abertura da Júlio de Castilhos onde existia o Calçadão. 

Melhorar o transporte público também é exigir, que o poder público, cobre da Visate a redução dos atrasos, novos e maiores grades de horários e preços de passagens mais justos. 

São muitos desafios. Recursos existem, vamos ver como as coisas andarão. 

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Beto Albuquerque será o vice de Marina Silva

O candidato ao senado gaúcho, Beto Albuquerque (PSB), será o vice presidente de Marina Silva (PSB), que substituirá Eduardo Campos, morto em um acidente aéreo.

A decisão foi tomada, no dia de hoje (19) e passará por aprovação da direção do partido amanhã.

Com isso Beto deixará uma vaga na chapa majoritária de José Ivo Sartori (PMDB), que deverá, ou não, ser preenchida por uma candidato da coligação.

Esse é mais um problema para a campanha de Sartori. O candidato já vem sofrendo com falta de recursos para a sua campanha (foi um dos que menos arrecadou) e também vem sendo "boicotado" pelos candidatos proporcionais da legenda. A opção de Sartori por apoiar Eduardo Campos o deixou em situação minoritária dentro do partido. Uma parte do PMDB, ligada ao agronegócio, já não topava Marina como vice, agora como candidata a presidenta esse grupo, que já fazia campanha para Aécio (PSDB), vai reforçar ainda mais sua posição. Um outro setor, ligado ao vice presidente Michel Temer, era favorável a candidatura de Dilma (PT). Esse grupo também continuará defendendo a posição nacional da sigla.

Para Sartori sobra um dilema. Lançar candidato ao Senado ou apoiar, desde já um outro candidato. Será muito difícil encontrar algum candidato, expressivo, que resolva concorrer a senador faltando menos de 45 dias para a eleição.

Simon se aposentou e fritou Rigotto. Ibsen Pinheiro é candidato a deputado estadual, Fogaça também. As opções são pequenas. Sobram os suplentes, Antonio Hohlfedt e Rejane Carvalho

O PSB pode continuar exigindo a indicação do candidato ao Senado embora tenha muito menos nomes qualificados que o PMDB para indicar.

Os votos que eram de Beto Albuquerque, que estava com 10% na última pesquisa, vão acabar migrando para alguns dos candidatos que estão na liderança. Lasier Martins (PDT) e Olívio Dutra (PT) seriam os beneficiados. Será que quem iria votar no socialista votaria em Lasier?

É esperar pelos desdobramentos.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Nova pesquisa Data Folha acende o sinal de alerta de Aécio


A nova pesquisa Data Folha, publicada hoje, é a primeira desde a morte de Eduardo Campos (PSB)  e a primeira com a presença da ex-senadora, Marina Silva, desde abril desse ano.

A pesquisa realizada durante a imensa cobertura midiática da morte de Eduardo Campos, mostra Marina Silva com 21% da intenção de votos. Aécio aparece em empate técnico com 20% e Dilma lidera o levantamento com 36%. Esse quadro leva as eleições para o segundo turno.

Para a maioria dos "analistas políticos" esse quadro seria pior para a reeleição da presidenta Dilma. Mas isso não é análise. É torcida. Na frieza dos números quem tem que se preocupar é Aécio Neves (PSDB). Ele acordou hoje com duas certezas: haverá segundo turno e há grandes chances de ele não estar nele.

Em abril passado, na última pesquisa Data Folha que Marina foi incluída, Dilma aparecia com 39%, Marina com 27% e Aécio com 16%. Na época 19% dos eleitores disseram que iriam votar branco, nulo ou não sabiam em que iria votar.

Os brancos, nulos e indecisos são o fator essencial para entendermos os resultados da pesquisa de hoje. Em julho 27% dos entrevistados estavam nessa categoria. Hoje são 17%. A maior parte dos "votos" conquistados por Marina vem exatamente desse setor, do voto flutuante. Esse patamar só seria alcançado no começo de setembro depois dos primeiros programas eleitorais na televisão.

O programa eleitoral na rádio e na televisão, que começa amanhã (19) irá começar a fazer os eleitores migrarem de um candidato para outro. Dilma e Aécio apresentam estabilidade nos seus índices desde junho desse ano. Somente o programa eleitoral para mudar esse quadro para um dos lados. Marina também terá que mostrar ao que veio. Se utilizar o discurso messiânico ela verá seus índices minguarem semana a semana. 

sábado, 16 de agosto de 2014

Pasadena dá lucro e poem em cheque relatório do TCU

A refinaria Pesadena, do Texas, registrou um lucro de US$ 130 milhões no 1° semestre. O bom desempenho é visto por ex-dirigentes da Petrobras como prova favorável contra uma decisão do Tribunal de Contas da União.

Baseado em relatório do ministro José Jorge, o órgão responsabilizou os executivos que estavam no cargo em 2006, durante a compra da refinaria americana pela estatal, por um prejuízo calculado em US$ 792,3 milhões.

O relator já foi presidente da Petrobras. Durante o governo FHC, foi na sua gestão que a plataforma P36 afundou. Na época ele era do PFL, atual DEM.

Os ex-diretores querem usar o argumento de que o negócio não foi ruim e que os prejuízos decorrem do não cumprimento da arbitragem da Corte Americana, que repercutiu no pagamento de multas em uma segunda fase do processo de aquisição.

Ao que parece todo o circo midiático criado em torno da aquisição da refinaria não passou de mera politicagem.

Programa federal garante faturamento de R$ 24 milhões para empresa caxiense

Foto: Ubirajara Machado/MDA

Enquanto alguns falam em "crise", outros resolvem ser empreendedores. A Agrale entregregou hoje o primeiro lote de tratores do Programa Mais Alimentos Internacional, do governo Federal. A ação e coordenada pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) visa estabelecer cooperação técnica e financiamento de longo prazo para países que possuem produção agrícola através da agricultura familiar.

O lote de 320 tratores da Agrale serão destinados para o Zimbábue. O país africano receberá além das máquinas, peças, treinamento e visitas técnicas. O faturamento da Agrale, nesse lote, é de 8 milhões de euros, aproximadamente R$ 24 milhões.

Segundo o Ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rosseto (PT), 65% das empresas que participam do Programa Mais Alimentos são do Rio Grande do Sul. Muitas delas são da Serra Gaúcha

"O fundamental é que o Rio Grande do Sul lidera este programa na medida em que 65% da produção de máquinas e equipamentos agrícolas do país está localizado no Estado. Portanto, é um programa aberto a toda a indústria nacional e o Rio Grande do Sul lidera por conta desta característica".

O agricultor que adquire um equipamento através das linhas de crédito do Mais Alimentos tem um prazo de até 10 anos para pagar, com juros de 0,5% a 2% ao ano. O objetivo principal é promover a segurança alimentar, além de incentivar a indústria nacional que produz máquinas, equipamentos e tratores.

Em 2010 o governo federal criou o Mais Alimentos Internacional, nos mesmos moldes da versão nacional. Serão R$ 1,2 bilhões em exportação de tecnologia de máquinas agrícolas, área em que o Brasil é referência mundial. Nesta primeira etapa de exportação pelo Mais Alimentos Internacional, 2.521 tratores serão comercializados, o que significa 5% da produção nacional. Além disso, mais 35 mil equipamentos e máquinas agrícolas também serão usados em lavouras de países cooperantes.

Como há muita demanda é possível que mais empresas gaúchas, e da Serra, possam receber encomendas do Mais Alimentos Internacional.

Com informações de MDA e Rádio Gaúcha

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Já se passaram 600 dias e o Marrecas continua sem utilidade

Da inauguração até hoje já passaram 600 dias! E até hoje nenhuma gota de água, vinda do Marrecas chegou as torneiras dos caxienses. Por ironia a vazão da barragem se dá pelo lado errado por conta dos inúmeros vazamentos que a represa tem.

Construída na correria para ser usada na campanha eleitoral as falhas do projeto são cada dia mais evidentes. Os vazamentos já foram periciados e uma empresa será contratada para resolvê-los. As bombas que levariam a água até a estação de tratamento não suportam a pressão extra que é gerada pelo aumento da coluna de água, definida depois do projeto pronto. Novas bombas, que suportam pressões maiores, terão que ser adquiridas.

Mesmo chegando na estação de tratamento e sendo distribuída a água do Marrecas chegaria a menos de 10% dos caxienses. Para usar a capacidade total ainda será necessário um investimento de R$ 25 milhões, que será feito via PAC, do governo federal e irá levar água para a Zona Norte de Caxias.

Para a sorte dos caxienses o governo Sartori (PMDB) fez apenas terrorismo midiático para que a obra pudesse ser utilizada durante a campanha municipal. Sartori e seu presidente do Samae, o Caberlon, diziam que Caxias teria racionamento de água, em 2013 se o Marrecas não ficasse pronto. Passou 2013 e 2014 e nem sinal de racionamento. Virá 2015 e 2016 e também não haverá racionamento. O que transforma a história contada por Sartori uma das maiores mentiras já ditas em Caxias do Sul.

Se o Marrecas não distribuiu água, na outra ponta o Samae perde metade da água tratada. O índice que já chegou a ser de 55% está agora em 50%, a média brasileira é de 40% e o máximo aceitável internacionalmente é de 30%. Para o Samae a maior parte do desperdício é por roubo de água e problemas com os hidrômetros é a justificativa para tamanho desperdício.

O Samae estima que 50 mil, das 125 mil ligações de água está com problemas e realiza 1.500 trocas de hidrômetros por mês. Isso faz com que pagava valores baixíssimos passa a pagar o valor correto. Essa atitude parece ser nova, mas...

Há mais de 10 anos atrás o ex diretor presidente do Samae, Maeth Boff, iniciou um programa para substituição de todos os hidrômetros defeituosos de Caxias do Sul. A reação foi violenta. A oposição ao governo Pepe Vargas (PT), na época, do PMDB, conseguiu até fazer uma CPI sobre o caso. Se não houvesse a politização do programa, Caxias poderiam ter elevado a vida útil do seus sistema de barragens em mais de 15 anos e não teria gastado R$ 400 milhões na construção de uma represa que há 600 dias ainda não distribuiu nenhuma gota de água.

Propaganda paga no Facebook a favor de Aécio deve ser retirada

Fonte: TSE

De acordo com decisão liminar do ministro Tarcísio Vieira de Carvalho, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Facebook deve suspender, imediatamente, a circulação dos anúncios pagos na página de título “Já tirou voto da Dilma hoje?”, hospedada na rede social. O ministro também estipulou o prazo de cinco dias para que o Facebook apresente a relação dos nomes dos responsáveis pela contratação do serviço pago, com os dados constantes do seu cadastro, para que estes sejam notificados.

A decisão ocorreu com base em informações do próprio Facebook, segundo as quais “todos os conteúdos que contêm a inscrição ou o timbre “patrocinado” se trata de anúncios de pagamento realizado por um usuário”. Para o relator, tal situação, a princípio, aponta para a existência de propaganda eleitoral paga na internet, o que é vedado pela Lei das Eleições (Lei nº 9.504/97, artigo 57-C).

O caso chegou ao TSE por meio de uma representação movida pela coligação “Com a força do povo” e pela candidata à reeleição Dilma Rousseff contra Aécio Neves, sua coligação, Muda Brasil, e também contra o Facebook.

De acordo com a representação, o administrador da página “tem utilizado ativamente do recurso publicitário fornecido pela rede social de patrocinar sua página, visando promover a mais ampla divulgação entre os usuários da rede mediante a remuneração do Facebook para tal”. Sustenta ainda que “a página faz uso explicitamente eleitoral de anúncios pagos direcionados para páginas do Facebook, que permite que os usuários da rede social saibam da existência da referida página e ingressem na já ampla rede de seguidores”.

Em relação ao Facebook, afirma que ele é o provedor de aplicações da internet e o único habilitado a identificar os criadores do perfil que administra a página com conteúdo eleitoral irregular. Já em relação a Aécio Neves e sua coligação, os autores argumentam na representação que “é impossível que desconheçam a propaganda que lhes é favorável, sobretudo pela ampla e irrestrita divulgação da propaganda eleitoral paga”. Aécio e sua coligação tem 48 horas para apresentarem defesa.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Urubus buscam carniça na trágica morte de Campos

Fonte: Pragmatismo Político

Ninguém nunca perdeu dinheiro por subestimar a inteligência das pessoas, mas a tragédia com Eduardo Campos trouxe do lixo manifestações que ultrapassam qualquer limite, se limite houvesse.

Na sexta, Dilma sancionou uma lei que protege o sigilo de dados das caixas-pretas de aviões, bem como as informações voluntárias de testemunhas de investigações. A legislação foi proposta pela Aeronáutica em 2007, após a crise aérea desencadeada pelos acidentes da Gol e da Tam.

Confirmada a morte do candidato, a turma que bate em golpe comunista, bolivarianismo e boitatá juntou os pontos e viu uma ligação entre a sanção presidencial e a queda da aeronave.

Enquanto a teoria conspiratória vicejava, a corja aproveitava para chafurdar mais fundo no oportunismo.

Um pastor chamado Daniel Vieira, de um certo Congresso dos Gideões Missionários da Última Hora, ligado a Silas Malafaia, cravou nas redes sociais: “Morre Eduardo Campos, candidato a presidente. Hoje são 13 [sic], numero do PT. Deveria ter levado a DILMA!”. Apagou em seguida, com um pedido de desculpas ignóbil.

Mas poucos conseguem superar Daniela Schwery, eterna “candidata” a qualquer cargo no PSDB em São Paulo (atualmente, a deputada federal). Troladora oficial do partido, uma espécie de Tiririca fascista, sua única bandeira e missão de vida é ser antipetralha, “antiesquerdopata” e quejandos. Entre suas propostas, listadas em seu site oficial, está a de transformar o Instituto Lula em abrigo para mendigos.

Ela habita um terreno pantanoso entre o deboche, a fraude e a psicopatia. Schwery conseguiu forjar um meme da Dilma Bolada (“Pra descer todo santos ajuda”) e então se pôs a despejar uma série de acusações. “PT em festa”; “Celso Daniel eliminado; Toninho do PT eliminado…”.

Nenhuma mísera mensagem de condolência à família, um insight, qualquer coisa remotamente humana.

Quando não se esperava mais nada, Roger, do Ultraje, conseguiu novamente se superar, horas depois de chamar Marcelo Rubens Paiva de bosta e declarar que o pai do escritor, Rubens Paiva, morreu “defendendo o comunismo” (numa resposta a uma menção que Marcelo lhe fez numa palestra na Flip).

Desta vez, Roger foi profético: “Pronto, vai virar santo. E herói”. Têm sido — continuarão sendo — dias ricos em estupidez, maldade, paranóia e desumanidade.

Leitor pergunta: Jovem CC participa de atividade alheia a sua função

Foto: Luciane Modena
Via twitter @alertacaxias nos questionou: "Das 9 às 18, CC da Pref. não trabalha e ainda é eleito pres. Jovem Parlamentar. Caxias do Sul."

O leitor fala de João Jocemar Uez Prezzi, 22 anos, estudantes de Direito da FSG, que é filiado ao PSDB, trabalha na Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Emprego e passou um dia inteiro, na Câmara de Vereadores, participando do programa Jovem Parlamentar.

Apesar de considerarmos o programa Jovem Parlamentar uma bela iniciativa o questionamento é válido também. Será que outros jovens teriam oportunidade de se afastar um dia inteiro de seu local de trabalho para participar?

Sabemos que muitas empresas não flexibilizam horários para que o trabalhador que estude possa se preparar para provas ou trabalhos. Uez teve a oportunidade por ser Cargo de Confiança. Oportunidade deveria ser estendida a outros.

Fica a reflexão. 

Prefeitura salvou Associação Virvi Ramos de perder filantropia



Em 2011 vieram à tona rumores de que a Associação Cultural e Científica Virvi Ramos (Grupo Fátima) estava prestes a perder sua filantropia.

Neste mesmo ano, as contratações da Prefeitura com a Associação dobraram em relação ao ano de 2010.

Nos últimos anos foram repassados serviços de oftalmologia, unidades auditivas, saúde mental, internações hospitalares e exames laboratoriais para o Grupo Fátima.

Os usuários frequentemente reclamam da má qualidade dos serviços prestados.

Recentemente o atendimento médico ambulatorial do Ipam também foi repassado para o Fátima.

O salvamento do Fátima parece ter dado resultado, já que a filantropia do grupo está garantida e o aumento de seu faturamento também!

Confira os valores gastos com a Associação Virvi Ramos desde 2010, na maioria, se não todas, por dispensa de licitação:

2010 - R$ 2.503.902,00
2011 - R$ 5.255.777,00
2012 - R$ 10.849.312,00
2013 - R$ 9.503.902,00

Até o mês de julho deste ano a Prefeitura já repassou quase R$ 10 milhões para o Fátima. A maioria das novas terceirizações de serviços de saúde vão para o Grupo. Isso fere descaradamente os princípios da moralidade e impessoalidade pública.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Morre, em acidente aéreo, Eduardo Campos


O candidato a presidente Eduardo Campos (PSB) morreu na manhã de hoje, 13, em um acidente aéreo na cidade de Santos (SP). O jato Cesna, prefixo PR-AFA, caiu no litoral paulista, por volta das 10h15. O candidato do PSB era esperado para compromisso a partir da Base Aérea do Guarujá; ele estava no Rio de Janeiro ontem, de onde o aparelho decolou; candidato a vice-governador, Marcio França (PSB), que esperava o presidenciável, afirmou ter feito último contato com ele às 9 horas da manhã; perícia isola e verifica área atingida por queda da aeronave.

O avião atingiu uma área residencial e pelo menos 4 pessoas no solo teriam sido feridas na queda. O avião tinha 5 passageiros e dois tripulantes. 

Até o momento não saiu a lista oficial dos passageiros.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Pedido de desculpas de Israel ridicularizam vira-latas brasileiros


Por Paulo Moreira Leite

Depois que o próprio Reuven Riulin, o novo presidente de Israel, telefonou para Dilma Rousseff para pedir desculpas, não custa recordar a reação dos adversários do governo brasileiro, que há duas semanas se alinharam com o porta-voz da chancelaria israelense que definiu o Brasil como “anão diplomático.”

Em poucas horas o Brasil foi inundado por vídeos, artigos e comentários de ar grave, palavras duras e retórica pedante, de grande utilidade para encobrir uma postura típica de vira-latas.

Falou-se que era uma definição com “incrível precisão” de nossa diplomacia. Mesmo quem admitiu que a postura do governo brasileiro diante dos ataques do Exército Israelense a Gaza podia estar certa, justificou o “anão diplomático” porque o Itamaraty carece “de credibilidade mesmo quando faz declarações corretas.”

O telefonema de Riulin mostra com precisão realmente incrível o ridículo dessa reação. Para azar de quem levou o “anão diplomático” a sério, a atitude do presidente de Israel deixa claro que era uma definição menor, de um funcionário sem qualificação para emitir conceitos em nome do governo, alguma coisa que se poderia chamar de “gafe” — o que torna ainda mais curioso que tenha sido aceita e divulgada com tanta facilidade.

Riulin deixou claro pelo gesto que o Brasil está longe de desempenhar um papel desprezível na diplomacia do século XXI, para infelicidade daqueles que enxergam o mundo pelo olhar da inferioridade e da submissão.

Mais realistas do que o Rei a quem pretendem servir — estou falando da direita republicana dos EUA, que sustenta Israel de qualquer maneira –, procurando qualquer pretexto para bater no governo Dilma, eles se alinharam com Yigal Palmor, que fala em nome do chanceler Avigdor Lieberman, a mais acabada expressão do fascismo na política israelense.

Principal adversário de toda iniciativa de paz, Lieberman defende a manutenção e ampliação de assentamentos em territórios palestinos. Sustenta uma política de discriminação em relação a população árabe que reside em Israel. Chegou a apresentar um projeto pelo qual ela só teria direito a voto, por exemplo, se fizesse um “juramento de lealdade” ao estado judeu.

Foi desse mundo obscuro, vergonhoso e inaceitável, sem o menor compromisso com a democracia nem com a soberania dos povos, que veio o termo “anão”.

Não é surpreendente que ele tenha sido abraçado por aliados da oposição, capazes de afagar até adversários externos que — mesmo se estivessem corretos em seu ponto de vista — não tinham o direito de faltar com consideração por autoridades legitimamente autorizadas a falar em nome do povo brasileiro. O desrespeito e a agressividade são chocantes, mas não chegam a ser novidade neste repertório.

Fazem parte da tentativa de desmoralizar adversários que não se consegue derrotar democraticamente. Tenta-se corroer sua legitimidade ao partilhar um tratamento grosseiro, chulo, que, a seus olhos, tem mais valor porque vem do estrangeiro.

Convém não esquecer que, há quatro anos, esse mesmo pessoal alinhou-se aos mesmos senhores externos condenar Luiz Inácio Lula da Silva em sua tentativa de construir um acordo de paz com o Irã de Mahmoud Ahmadinejad.

A viagem de Lula havia sido autorizada e até certo ponto estimulada pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que enfrenta tensões com a atual política de Israel, tão radical e extrema que pode tornar-se prejudicial aos interesses norte-americanos.

Mesmo assim, os vira-latas não perdoaram.