terça-feira, 30 de setembro de 2014

Por que a imprensa "esquece" dos partidos em algumas denúncias de políticos?

Essa pergunta sempre ronda quem lê as páginas de política, as vezes as páginas policiais também. Por que motivo, em alguns casos, as notícias omitem o partido dos envolvidos?

A resposta é única e clara. Em alguns momentos é interessante que não se ressalte o partido dos envolvidos, principalmente, quando eles são mais próximos aos interesses dos veículos de comunicação. Em qualquer manual de redação a padronização do modo que se dá uma notícia é básico. Mas, há sempre exceções para os mais próximos do poder ou dos interesses do veículo.

No dia de ontem, 29, dois exemplos deixam essa situação bem evidente. Um deles é nacional e outro é regional.

Começamos por aqui.

O ex-prefeito de Bento Gonçalves, Fortunato Janir Rizzardo, foi preso pela Polícia Federal depois de pelo menos 2 anos foragido. Ele foi condenado por desviar R$ 7 milhões (em valores atuais) que foram destinados, pelo governo federal, em 1989, para a construção de um hospital psiquiátrico. Ele deve cumprir 5 anos de prisão em regime semi-aberto.

Se qualquer leitor tentar "googlar" sobre Rizzardo não encontrará em nenhum lugar menção de que ele foi eleito prefeito de Bento Gonçalves, em 1988, pelo PDT. Também em nenhuma matéria, sobre o caso, aparece que ele concorreu a deputado federal, também pelo PDT em 2002, quando fez 30.295 votos ficando na suplência. Rizzardo continua filiado ao PDT como é possível de ser verificado, no site do TSE, na relação de filiados.

Por que a imprensa omitiu esse fato?

O exemplo nacional é mais escandaloso. Um cidadão perturbado, um criminoso, faz um trabalhador refém, por mais de 8 horas, em um hotel em Brasília. Em seu acesso de loucura ele pede a renúncia da presidenta da república para não explodir o hotel.

A maioria da imprensa noticia, quando notícia, que Jac Souza (o sequestrador), foi candidato a vereador em Combinado (TO). Essa grande maioria, também, omite o fato de que Jac foi candidato pelo PP e, inclusive, é membro do Diretório Estadual do partido em Tocantins, ou seja, ele até pode ser um "lunático", mas é um lunático com algum prestígio no PP.

Mas uma coisa a mídia noticiou logo no início. Um detalhe que, inclusive, não tinha nenhuma relevância com o caso. O hotel onde foi feito o refém, o Saint Peter, foi o hotel que contratou José Dirceu. Nenhuma relevância com o que estava acontecendo, mas nesse caso interessava à grande mídia.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Bolsonaro (PP) é acusado por propaganda irregular na internet


Milhares de postagens desses sites circulam pela internet fazendo propaganda difamatória

Fonte: Ministério Público Federal


A Procuradoria Regional Eleitoral no Rio de Janeiro (PRE/RJ), por meio da divisão que trata da propaganda irregular, quer a retirada do ar de um site (http://mnbdrj.ning.com/) acusado de promover indevidamente as candidaturas do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PP) e do deputado federal Jair Bolsonaro (PP), além de fazer propaganda negativa com mensagens ofensivas contra seus adversários políticos. Além dos candidatos, respondem à representação a ONG Brasil No Corrupt (Mãos Limpas) e seus proprietários, Ari Cristiano Nogueira, Fábio Pinto da Fonseca e Ricardo Pinto da Fonseca.

Na representação, o procurador regional eleitoral auxiliar Sidney Madruga lembra que a lei proíbe a realização de propaganda eleitoral na internet por pessoa jurídica de direito privado. No caso em questão, o site da ONG Brasil No Corrupt (Mãos Limpas) abriga textos e fotografias que buscam promover a candidatura de Flávio e Jair Bolsonaro, com a reprodução de discursos e posicionamentos políticos, em especial os contrários às políticas governamentais.

“Além da irregular veiculação de propaganda eleitoral, via internet, em sítio de pessoa jurídica, os representados igualmente promovem a veiculação de textos e fotografias, com o fito de ofender e denegrir, de forma exacerbada e vexatória, a imagem de seus adversários, sejam eles partidos ou candidatos, mediante atos caluniosos, difamatórios e injuriosos dos mais diversos, como se observa de grande parte das notícias e fotos publicadas em referido site”, complementa Sidney Madruga. Para isso, são utilizadas montagens fotográficas, frases de efeito e até palavras de baixo calão com conotação sexual ou preconceituosa. Políticos como os candidatos a deputado federal Wadih Damous e Benedita da Silva foram alvos dos ataques do site.

“Acresça-se que boa parte das notícias veiculadas no site da ‘ONG Brasil No Corrupt (Mãos Limpas)’, igualmente são reproduzidas nas redes sociais Facebook e Twitter, o que só amplia o seu poder de repercussão e captação propagandística de eleitores, em benefício direto, sobretudo, de Jair e Flávio Bolsonaro, configurando-se, outrossim, além de um vínculo indisfarçável, intenso e constante entre os representados, em verdadeiro abuso de poder político/econômico a ser apurado na esfera própria”, conclui a representação.

O Ministério Público Eleitoral pede liminar para que a Google Brasil ou os representados retirem imediatamente o site do ar e que eles sejam condenados por propaganda eleitoral irregular, com aplicação de multa.

Veja como, sorrateiramente, a mídia distorce as informações durante a campanha eleitoral

O jornalista Samir Oliveira que já trabalhou no Jornal do Comércio e no Sul 21 analisou quatro capas do Pioneiro, em quatro momentos importantes da eleição desse ano: A visita de 4 personalidades nacionais e suas respectivas atividades de campanha e como o maior diário de Caxias tratou o assunto em seu jornal. 

O Polenta News já havia feito uma observação semelhante onde questionava os critérios que o Pioneiro iria, ou estava utilizando, para a cobertura da campanha eleitoral (veja aqui).

Reunidas, as quatro capas mostram bem como a informação é manipulada pela imprensa. Acompanhe o raciocínio de Samir.
O Pioneiro, da RBS, no dia seguinte à realização dos maiores atos de campanha do PSOL, do PT, do PSB e do PSDB na cidade. Vejam o tamanho da peça publicitária destinada à candidatura tucana [não apenas pelo tamanho, mas pelo conteúdo da manchete].
No dia 11 de setembro, um dia depois do ato de campanha de Luciana Genro (PSOL) na cidade - manchete da capa: "MP investiga excessos em clínica psiquiátrica em Caxias", sem qualquer menção à Luciana na capa (foto 01).
Foto 01

Dia 29 de setembro, um dia após o comício com Tarso (PT) e Lula (PT) em Caxias - manchete de capa: "Médico deve atender em 2 horas", com uma foto pequena do comício manchete menor dizendo "Lula defende política econômica de Dilma" (foto 02).

Foto 02


Dia 5 de setembro, um dia após visita de Marina Silva (PSB) à cidade - foto principal e manchete: "em Caxias, Marina diz que Brasil vive crise de confiança" (foto 03).

Foto 03

No dia 26 de setembro, um dia após visita de Aécio Neves à cidade - foto principal e a seguinte publicidade, digo, manchete: "COMO AÉCIO NEVES PRETENDE FORTALECER AS INDÚSTRIAS" (foto 04).

Foto 04

E há quem diga que a mídia é isenta.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Lasier Martins é condenado por ofender funcionário público

O destempero verbal e o famoso "você sabe com quem está falando?" custarão caro para o candidato ao Senado Lasier Martins (PDT). Ele foi condenado, em última instância, a indenizar o agente da Polícia Federal Gilnei da Costa Carvalho por ofensas pessoais no exercício de suas funções. A ação já transitou em julgado e a indenização será de R$ 100 mil, já corrigidos.

Tudo começou quando o porta-voz das oligarquias guascas compareceu a um posto da Polícia Federal, no bairro Azenha, em Porto Alegre, para pedir dois passaportes em nome de suas filhas menores de idade. A certa altura do procedimento, o agente federal que o atendia solicitou que Lasier apresentasse seu RG, como determina a lei. Sem portar o documento, Lasier tentou isentar-se deste quesito, alegando que todo mundo sabia quem ele era. Diante da irredutibilidade do funcionário em relevar a exigência legal de apresentar a cédula de identidade, Lasier Martins rodou a baiana e surtou, passando a ofender o servidor, aos gritos.

De acordo com os depoimentos de Gilnei Carvalho e de mais duas testemunhas, Lasier proferiu frases chulas, como “Burocrata, vagabundo, filho da puta, recalcado, vai à merda”, entre outros impropérios. Não contente com o discurso injurioso no local de trabalho do agente federal, naquele mesmo dia Lasier ocupou o microfone da Rádio Gaúcha, durante seu programa Gaúcha Repórter, e passou toda a tarde difamando e achincalhando o servidor público, citando seu nome no ar.

O processo teve início em 1998, com três ações judiciais, sendo duas delas no âmbito da Justiça Federal. Duas delas acabaram engavetadas. Porém a ação indenizatória prosperou, a despeito das dezenas de recursos protelatórios impetrados pelos advogados de Lasier.

Em sua sentença, o juiz Luís Gustavo Pedroso Lacerda, da 13ª Vara Cível de Porto Alegre, fez a seguinte alusão: “Destaco que foi oportuna a menção à expressão “Você sabe com quem está falando?”, bordão infelizmente incrustado em nossa sociedade de “pessoas” e não “indivíduos iguais perante a lei”, sabiamente abordado na magistral obra do antropólogo Roberto da Matta (in Carnaval, Malandros e Heróis).”

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Fala de Sheherazade pode custar meio milhão ao SBT


Fonte: Brasil 247

O SBT terá de arcar com as consequências da falta de noção da apresentadora Rachel Sheherazade. Segundo a colunista Mônica Bergamo, o MPF (Ministério Público Federal) iniciou uma ação civil pública em que pede a retratação de um comentário feito pela jornalista.

Sheherazade despertou a ira de internautas e de outros jornalistas por apologia ao crime no ar. Para o procurador Pedro Antonio de Oliveira Machado, ao defender tortura a um assaltante de 15 anos, a apresentadora Rachel Sheherazade estimulou a ação de "justiceiros" e violou o princípio da dignidade humana.

A ação pede ainda que a emissora de Silvio Santos seja condenada a pagar indenização de R$ 532 mil por dano moral coletivo. E cobra do governo federal mais fiscalização sobre as TVs. A multa por descumprimento, em eventual decisão favorável, seria de R$ 500 mil por dia.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Super Terça das pesquisas mostra Dilma em ampla liderança e Marina em queda

Uma sequência de três pesquisas eleitorais, para presidente, divulgadas nessa terça feira (23) consolidaram a liderança de Dilma Rousseff (PT) na disputa presidencial. Os levantamentos mostraram a queda acentuada de Marina Silva (PSB) e uma recuperação da intenção de votos em Aécio Neves (PSDB). O crescimento, tanto de Dilma quanto de Aécio animam tanto petistas quanto tucano. Aos petistas surge a possibilidade, remota, de vitória ainda no primeiro turno. Os tucanos acreditam que podem passar Marina e chegar ao segundo turno.

A "Super Terça" das pesquisas trouxe os levantamentos dos MDA para a Confederação Nacional dos Transportes; do Ibope para a TV Globo e Estadão e a Vox Populi para a Record. Vejam os números:


Candidato CNT/MDA Ibope/TV Globo Vox Populi/Record
Dilma 36% 38% 40%
Marina 27,4% 29% 22%
Aécio 17,6¨% 19% 17%
Outros 2,5% 3% 3%
Branco/Nulo/Indecisos 16,5% 11% 18%

Dependendo o levantamento que se escolha a diferença pró-Dilma vai de 8,6 pontos percentuais até 18 pontos. Em todos eles pelo menos dois fatores são certos: Dilma está subindo e Aécio também. Somente Marina tem curva apontando para baixo nas últimas 2 semanas.

A queda de Marina pode não ser tão rápida quanto sua subida, mas é continua. Explicações para isso não faltam. Uma delas, que sintetiza melhor a situação, na nossa opinião é da jornalista Tereza Cruvinel. Ela afirmou em seu blog:

"Agora ele [eleitor] começou a enxergar as fragilidades e contradições de suas propostas [de Marina] e, ao mesmo tempo, passou a prestar mais atenção ao horário eleitoral. Deve ter levado em conta as críticas de Aécio e Dilma. Tanto é que os dois cresceram enquanto Marina caía. Mas foi Dilma que subiu mais, numa evidência de que eleitores que refluíram para a presidente eleitores que optaram pela continuidade ao invés da mudança que deixou de lhes parecer segura"
Faltam 11 dias para o segundo turno e mais quatro programas eleitorais, no rádio e TV, para presidente. As últimas fichas serão jogadas, tanto por Marina, para tentar garantir o segundo lugar, quanto para Aécio que almeja voltar a segunda posição perdida.

A propósito. Nos 3 levantamentos sobre segundo turno, apresentados ontem, Dilma está na frente no CNT/MDA (42 a 41); está muito na frente para o Vox Populi/Record (46 a 39) e empata no Ibope/Globo (41 a 41).

ONGs criticam proposta de Marina Silva de universalizar banda larga pelo celular



Marina Silva foi sabatina por um grupo de entidades da campanha "Banda Larga é um Direito Seu" e demonstrou, mais uma vez, um grau enorme de confusão nas propostas apresentadas. A candidata do PSB defendeu a universalização da banda larga via telefonia celular.


O programa de governo de Marina destaca, nas páginas 140 e 141, que o País tem uma das “maiores densidades de pontos de conexão de rede do mundo”, graças à "farta distribuição de chips de telefonia móvel na última década e pelos planos pré-pagos lançados pelas operadoras”.


Na leitura da candidata do PSB o grande número de chips registrados no Brasil é um indício de que o serviço é universalizado. Ledo engano. “Mais de 70% da telefonia celular hoje é na modalidade pré-paga, com carregamentos de R$ 8, que não permitem franquia de dados praticamente nenhuma e tem conexões terríveis”, afirmou a jornalista Renata Miele, do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé. Ela foi taxativa: "democratizar a internet pelo celular transparece um desconhecimento muito grande da realidade da telefonia celular do Brasil”.


Outra integrante do movimento que criticou a proposta foi Flávia Lefèvre, advogada da entidade de defesa do consumidor Proteste. "Sou contra a universalização da banda larga pela rede móvel porque isso é uma forma de criar duas classes de consumidores”.


As operadoras de telefonia móvel criam diferentes classes de acesso, em razão do preço. As operadoras de telefonia vendem pacotes de internet pelo tráfego de dados, ou seja, quando você atingir 2 Gigas de dados, por exemplo, sua velocidade de navegação cai muito deixando a navegação quase impossível. Na internet que você contrata em casa isso não acontece, pois ela é vendida por velocidade.

Esse debate foi o norteador do Marco Cívil da Internet, aprovado no final do ano passado e sancionado pela presidenta Dilma. Um dos principais pontos do Marco Cívil é a neutralidade da rede que proíbe quem vende sinal de internet diferenciar o usuário seja pelo conteúdo ou pela velocidade.

Quando foi sabatinada a presidenta Dilma afirmou: "Eu sou a favor de lei de universalização com meta clara que defina capacidade, velocidade e prazo e que diga claramente qual é a margem de tolerância da velocidade de acesso. Então, é uma lei que tem que ter parâmetros, tem que ter referências. Essa é a questão que resolve o grande problema".

Flávia Lefèvre, explica umas das metas colocadas pela campanha: que o serviço de internet seja explorado sob o regime público.

"É muito importante para nós o compromisso público da candidata com a universalização do acesso à banda larga, mas é importante que ela tenha como princípio o que a gente entende hoje como universalização. Ou seja, sendo parte de uma política pública de Estado que é realizada junto com prestadores privados, mas com o Estado tendo prerrogativas de exigir obrigações importantes desses prestadores."

Aécio ainda será sabatinado.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

O Pastor minguou

Apontado como uma possível estrela em ascensão, numa campanha que estava dominada pela presidenta Dilma, Pastor Everaldo (PSC), chegou a figurar com 4% de intenção de votos nas pesquisas. Isso antes da propaganda eleitoral, no rádio e televisão começar, e suas propostas, contrárias às liberdades individuais serem expostas ao grande público.

Do mesmo partido do outro pastor, Malafaia, que em seu twitter fala mais em gay do que em Deus, Everaldo viu seus 4%, ou 5 milhões de votos, caírem para 3%, 2%, até ficarem em 1%, no último levantamento Data Folha, só que agora empatado com Luciana Genro (PSOL) e Eduardo Jorge (PV), dois candidatos que ganharam muita simpatia nas redes sociais.

Foi exatamente as redes sociais que derrubaram Everaldo. Seu correligionário, o Malafaia, por Twitter conseguiu mudar as propostas de Marina Silva (PSB) sobre os direitos dos homossexuais (veja aqui). Depois comprou uma briga com a candidata Dilma (PT), também pelo twitter, onde ele acabou levando uma "surra" (veja aqui). Tudo isso acabou respingando na candidatura do PSC.

Somado a isso havia as próprias propostas do candidato que defendiam um estado mais parecido com o Talibã do que com uma democracia moderna e laica. O extremismo de suas propostas, aliadas ao discurso de ódio espalhado por suas principais lideranças fez com que as intenções de votos em Everaldo minguassem.

De um quarto candidato, que aparecia até nos gráficos das pesquisas, ele se tornou "outros", e não lidera o pelotão dos outros 8 candidatos que chegam a 1% ou menos.

Para sorte da sociedade brasileira a tese do estado laico está sendo vencedora (inclusive um dos motivos da queda de Marina nas pesquisas foi ela abandonar essa tese). O futuro, ao que parece, aponta para um Brasil com menos ódio.

Dilma amplia diferença para Marina e aparece em primeiro no segundo turno

Pesquisa divulgada agora a pouco (23), confirma o que os últimos levantamentos tem apontado. A queda acentuada na intenção de votos em Marina Silva (PSB).

A pesquisa encomenda pela Confederação Nacional dos Transportes, CNT, aponta que 36% dos entrevistados vão votar na presidenta Dilma (PT). Marina (PSB) tem 27,4% das intenções de votos e Aécio Neves (PSDB) 17,6%.

O tucano subiu 2,9 pontos percentuais enquanto Marina caiu 6,1 pontos. Dilma variou no limite da margem de erro, 2 pontos, para menos. Com isso a diferença de Dilma para Marina aumentou de 4,6% em 9 de setembro para 8,6% hoje.

Nas projeções de segundo turno, pela primeira vez em mais de um mês, Dilma aparece na frente de Marina. São 42% para a petista e 41% para a socialista.

Na pesquisa espontânea - quando os entrevistadores não apresentam placas com os nomes dos candidatos - Dilma subiu de 30,9% para 31,4%, enquanto Marina caiu de 25,8% para 23%. Aécio Neves mostrou um forte crescimento de 4,3 pontos percentuais, chegando a 14,4%. A maioria dos entrevistados (51,2%) acredita que a atual presidente será reeleita. Para 29,2%, Marina Silva vencerá e 7,7% consideram que Aécio Neves será eleito.

Para 37,4% dos entrevistados, o governo da presidente Dilma é 'ótimo' ou 'bom'. Para 25,1%, a avaliação é negativa. Os resultados variaram pouco se comparado com a pesquisa anterior, quando a avaliação era positiva para 37,5% e negativa para 23% dos eleitores.

A pesquisa divulgada nesta terça-feira foi realizada entre os dias 20 e 21, com 2.002 entrevistados de 137 municípios brasileiros. A margem de erro do levantamento é de 2,2 pontos.

RESPOSTA                      SET/2014 (%)
Dilma Rousseff - PT        36,0
Marina Silva - PSB          27,4
Aécio Neves - PSDB       17,6
Luciana Genro - PSOL      0,9
Pastor Everaldo - PSC       0,8
Outros                                0,8
Branco / Nulo                    7,2
Não sabe / Não respondeu 9,3

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Motoristas desrepeitam mudanças das vias do Centro

Conversão irregular. Motorista simplesmente ignorou sinalização
Há um mês, quando iniciou a implantação do Sistema Integrado de Mobilidade, SIM, o Polenta News alertou para uma das grandes dificuldades para o sucesso do projeto, os motoristas caxienses (veja aqui). Naquela postagem escrevemos: "Para ser realmente efetiva serão necessários superar dois desafios. O primeiro é cultural. Será necessário convencer os motoristas caxienses a respeitarem o espaço dos ônibus, ter que caminhar um pouco mais para estacionar e dar uma volta maior para chegar na porta de casa". 

Dito e feito. A reportagem do Pioneiro de hoje mostra exatamente isso. O desrespeito às restrições de conversões é tão grande que nem placas, cones e fiscais de trânsito conseguem coibir os motoristas.

Um fiscal de trânsito, ouvida pela reportagem enquanto ponderava sobre as reclamações de uma motorista que estava sendo multada disse: "Quando tem placa de trânsito e fiscal orientando no mesmo lugar significa que um dos dois está sobrando". Ele tem razão, a fiscalização de trânsito deveria auxiliar em momentos onde a sinalização não é efetiva, como em momentos de muito movimento e não ficar cuidando de maus motoristas. 

O sistema só terá efeito se os motoristas não cruzarem a faixa de ônibus. Isso é fundamental. Cada carro que entra na faixa exclusiva atrapalha o trânsito dos coletivos e, consequentemente, diminui a eficiência dos mesmos.

Mudar anos de cultura carrocentrista é realmente muito complicado. Só esperamos que o governo municipal não ceda às pressões e volte atrás no projeto.

Humor: Mapa


sábado, 20 de setembro de 2014

Ana Amélia deixou de declarar, ao TSE, fazenda avaliada em mais de R$ 4 milhões

Descoberta da fazenda "fantasma" de Ana Amélia foi feita através de uma investigação do Blog "Sociedade Política". Só o valor da fazenda seria superior a todo o patrimônio declarado por Ana Amélia (PP), à justiça eleitoral.

Em parceria com o jornalista gaúcho Luiz Afonso Franz, o blog Sociedade Política obteve documentos que demonstram que a candidata do PP ao governo do estado do Rio Grande do Sul, Ana Amélia Lemos, não relacionou, em sua declaração de bens na Justiça Eleitoral, uma fazenda localizada no município de Formosa/GO. Não se trata de uma pequena gleba de terra, mas de um latifúndio de aproximadamente 1.700 hectares.

Conforme as certidões atualizadas de matrícula (nº 13.336 e 13.335), a fazenda faz parte do patrimônio de Ana Amélia desde os anos 80 em co-propriedade com o marido e ex-senador biônico, Octávio Cardoso. Com a morte do seu marido em 2011, Ana Amélia, casada em comunhão universal de bens, provavelmente herdou uma parcela considerável da parte pertencente ao marido.

No ano de 2010, quando Ana Amélia foi eleita Senadora da República pelo Rio Grande do Sul, a fazenda não constou na sua declaração de bens, conforme pode ser verificado no site do Tribunal Superior Eleitoral. Já em 2014, a candidata do PP ao governo do Rio Grande do Sul também não fez referência ao imóvel e a informação, novamente, pode ser confirmada neste link.

Os documentos que deram início a descoberta da omissão de patrimônio da candidata Ana Amélia foram localizados pelo jornalista Luiz Franz. Trata-se de uma habilitação de crédito em uma massa falida. As habilitações de crédito são requeridas por aqueles que detêm créditos contra uma empresa que declara falência. O objetivo é entrar em uma lista de credores que serão pagos obedecendo-se a ordem prevista em lei. No corpo da petição, existe um contrato que refere a existência da fazenda de Ana Amélia Lemos e de seu falecido marido. Tal fazenda, objeto de um contrato de parceria agrícola, gerou um crédito para Ana Amélia e para o espólio de seu marido de R$ 50.000,00.

As informações que demonstram a omissão de patrimônio da candidata Ana Amélia Lemos são públicas.

Eis as matrículas da Fazenda de Ana Amélia, fornecidas pelo Cartório do 1º Ofício e Registro de Imóveis de Formosa/GO:


Em janeiro desse ano saiu a partilha de bens do espólio do marido de Ana Amélia, Octávio Cardoso, onde coube, para a Senadora, 1.300 hectares da fazenda além de outros inúmeros bens. 



Certidão de partilha Ana Amélia
Documento - início da partilha em nome de Ana Amélia
Prtilha - 2ª parte
Partilha - 3ª parte
Partilha - 4ª parte
Procurada pela reportagem do Sul 21a campanha de Ana Amélia se pronunciou através de seu advogado Gustavo Paim. Ele afirma que não era necessário incluir a fazenda na declaração da justiça eleitoral pois ela sempre foi declarada no Imposto de Renda do marido e que só em 2015 a propriedade iria para a declaração da Senadora.

A ex-juíza do Tribunal Eleitoral Lúcia Kopittke também discorda de Paim. “Ana Amélia era casada em comunhão universal de bens. Metade da propriedade já era dela antes mesmo da morte do marido”, afirma. Além disso, a ex-juíza entende que uma coisa é a declaração à Receita e outra é aquela feita à Justiça Eleitoral. “O inventário foi concluído em janeiro e a fazenda é dela. No meu entendimento, teria que ter declarado”, disse.



As questões que surgem são várias:

Por que Ana Amélia escondeu este patrimônio?

O que mais ela estaria escondendo – outra fazenda, talvez?

Se na divulgação de seu trabalho como CC fantasma ela alegou que era tudo normal e ético, poderá Ana Amélia dizer que esta omissão é ética?

Ou ela dirá que esqueceu? É impossível esquecer quase 1.700 hectares de terra.

E a transparência que Ana Amélia tanto apregoa? Aparentemente, esta transparência não se aplica a seu patrimônio que, por algum motivo, ela preferiu não declarar na Justiça Eleitoral.

Ainda no início desta semana, em entrevista ao Jornal do Almoço, Ana Amélia disse que seu patrimônio era de conhecimento dos gaúchos. Nem todo, aparentemente.

Esperamos que a omissão seja esclarecida pela candidata Ana Amélia, principalmente pela postulante ao Piratini carregar um discurso que é absolutamente contrário a esse tipo de prática.

Para quem quiser conferir os documentos que deram origem a esse episódio, clique no seguinte link

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Disputa entre Ana Amélia e Tarso parece congelada

Fonte: Jornal Já

A nova pesquisa sobre as intenções de voto para o governo do Estado, feita pelo Datafolha para a RBS e divulgada ontem, quinta-feira, é no mínimo intrigante.

Primeiro: mostra um quadro quase inalterado, desde o início da campanha, com a candidata do PP, Ana Amélia Lemos, entre oito e dez pontos, à frente do governador Tarso Genro, candidato à reeleição.

Uma situação cristalizada sobre a qual a campanha eleitoral que está a pleno nas ruas e nos meios de comunicação parece não produzir qualquer efeito.

Nem um fato bombástico, como a revelação de que Ana Amélia acumulou um cargo em comissão no gabinete do marido, o senador biônico Octavio Cardoso, com as funções de diretora da sucursal da RBS em Brasilia e de colunista do jornal Zero Hora, influiu. A candidata manteve os 37% da pesquisa anterior.

Verdade que a RBS fez um jogo de abafa. Não podia ignorar o fato, pela repercussão da denúncia, publicada no Sul21; mas minimizou-o o quanto pode.

De qualquer forma foi um petardo na postura moralista da candidata. Mas, segundo a pesquisa, os eleitores desdenharam…

Ao mesmo tempo, Tarso Genro sem qualquer fato notório que justifique, perdeu mais um ponto (havia perdido três pontos na pesquisa anterior) ficando com 27%..

Como são movimentos mínimos, que podem ser absorvidos dentro da margem de erro, fica a dúvida.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

O Marrecas começou a funcionar, não parou, não voltou, ...

E o Marrecas foi reinaugurado (veja aqui).

E já parou de funcionar de novo.

É o que garante o vereador Rodrigo Beltrão (PT), que não é totalmente desmentido pelo diretor presidente do Samae, Eloi Frizzo (PSB).

Beltrão apontou duas questões, na sessão de terça-feira, da Câmara de Vereadores. A primeira constatação é que a coleta de água da barragem foi suspensa logo depois da solenidade de reinauguração. Outro questionamento do parlamentar seria que o reservatório situado ao lado da empresa Mundial, na Rota do Sol, teria sido construído em um nível muito baixo, impedindo que a distribuição da água chegasse, por gravidade, até os bairros Serrano, São Ciro e São Cristóvão. Se isso for verdade é um erro primário, mas não seria o único fato estranho que aconteceu em toda a história dessa obra.

O contraponto dos vereadores de situação, na sessão da Câmara, foram de um nível intelectual lastimável. O rebate, com alguma lucidez, acabou vindo do diretor presidente do Samae, que não negou o desligamento do sistema. Frizzo argumentou que como a demanda de água é muito inferior a oferta no reservatório (50 litros por segundo que saem para 200 litros por segundo que entram) o sistema foi desligado. O que demonstra que realmente ainda falta muito, mas muito para obra ficar pronta.

Quanto a construção do reservatório no lugar errado, Frizzo nem comentou.

O sempre bizarro, Mauro Pereira (PMDB), trouxe um galão de 20 litros de água do Marrecas. Diz ele que foi coletada no reservatório do Jardim das Hortências. Além de um gesto de propaganda absolutamente desnecessária, será que a água era mesmo do Marrecas?

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Supermercado Andreazza terá que indenizar funcionária por racismo

Uma piada contada pelo patriarca da família Andreazza a uma funcionária negra sairá caro. Queren Pereira de Souza Oliveira ganhou uma ação contra a empresa que lhe renderá uma indenização, de pelo menos R$ 66 mil.

Tudo começou, quando em 2011, Orlando Andreazza, disse que a gravidez da colaboradora Queren, na época grávida de sete meses, tinha semelhança com um automóvel com o pneu furado: ambos esperavam um macaco.

Queren não achou graça e entrou na justiça, contra os sócios da Rede Andreazza, solicitando indenização por dano moral decorrente de injúria racial. Queren ganhou em todas as instância e agora, depois de decisão final em Brasília, favorável a Queren o processo voltou a Caxias para execução judicial.

A discussão agora será apenas sobre os juros que incidirão sobre a indenização.

O caso mostra como pode custar caro para quem resolva relativizar o preconceito e achar que, em piada, vale tudo. 

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Vox Populi divulga mais uma pesquisa sobre a sucessão presidencial



Pesquisa Vox Populi/CartaCapital divulgada hoje (10) mostra a candidata Dilma Rousseff (PT) na liderança com 36% das intenções de voto para presidente da República. A candidata pelo PSB, Marina Silva, aparece com 28% das intenções e Aécio Neves (PSDB) com 15%. Os dados foram divulgados pela revista Carta Capital.

Este foi o primeiro levantamento da série após a morte de Eduardo Campos e a escolha de Marina Silva para substituí-lo, portanto não há base de comparação. Brancos e nulos somam 7%. Outros 13% não souberam indicar um candidato ou não quiseram responder.

O candidato Pastor Everaldo (PSC) obteve 1% dos votos e os demais candidatos - Luciana Genro (PSOL), Eduardo Jorge (PV), Zé Maria (PSTU), Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB), Mauro Iasi (PCB) e Rui Costa Pimenta (PCO) tiveram juntos 1% das intenções de voto.

O instituto fez duas simulações de segundo turno. Em uma disputa entre a candidata Marina Silva e Dilma Rousseff, Marina teria 42% das intenções e Dilma, 41%. Brancos e nulos somariam 10% e 7% seriam os indecisos.

Em uma disputa entre Dilma e Áecio, a candidata do PT venceria com 44% das intenções contra 36% do candidato tucano. Outros 12% votariam branco ou nulo e seriam 8% os indecisos. Marina tem a menor rejeição, 40%. Dilma tem 42% e Aécio, 45%.

Foram feitas 2 mil entrevistas em 147 cidades. O levantamento foi feito na segunda-feira (8) e ontem (9). A margem de erro é 2,2 pontos percentuais e o número de registro na Justiça Eleitoral é BR- 00588/2014.

domingo, 14 de setembro de 2014

Sindicância conclui que não houve fraude na CPI


Fonte: Agência Brasil

A comissão de sindicância instalada no Senado para apurar denúncia publicada pela revista Veja de manipulação dos depoimentos prestados à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras concluiu que "não houve qualquer indício de vazamento de informações privilegiadas, de documentos internos" e decidiu arquivar o processo.

Segundo a revista, a presidenta da estatal, Graça Foster; o ex-presidente José Sergio Gabrielli e o ex-diretor da Área Internacional Nestor Cerveró "tiveram acesso antecipado" e foram treinados para responder perguntas dos senadores que investigam a existência de irregularidades na Petrobras.

A nota da Assessoria de Imprensa da Casa informa ainda que a comissão de sindicância funcionou por 37 dias, tomou 14 depoimentos, investigou as caixas-postais de correio eletrônico dos envolvidos, verificou o controle de acesso aos arquivos eletrônicos confidenciais, examinou os documentos consultados nas reuniões da CPI e analisou os vídeos dos depoimentos, por diferentes câmeras, bem como o vídeo que originalmente fundamentou a denúncia.

Entre as pessoas ouvidas pela sindicância está Paulo Argenta, assessor especial do ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, além de três funcionários da Petrobras: o chefe do escritório em Brasília, José Eduardo Barrocas; o advogado Bruno Ferreira e o chefe do Departamento Jurídico do escritório em Brasília, Leonan Calderaro Filho. Eles aparecem em um vídeo, mostrado por Veja, conversando sobre as perguntas que seriam formuladas.

A solicitação de abertura de sindicância foi feita pelo presidente da CPI da Petrobras, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB). À época – no ofício encaminhado ao presidente da Casa, senador Renan Calheiros, e o ao diretor-geral, Luiz Fernando Bandeira de Mello –, ele pediu a "instauração de sindicância com a finalidade de apurar a ocorrência de irregularidade administrativa".

O senador também pediu investigação pela Polícia Federal. Três servidores de carreira do Senado foram designados, pela Diretoria-Geral da Casa, para fazer parte da comissão de sindicância: o consultor legislativo especialista em direito penal Tiago Ivo Odon, o analista da Secretaria-Geral da Mesa e especialista em direito eleitoral Marcelo Inácio de Aranha Menezes e o analista da primeira-secretaria, especialista em direito legislativo e processual, José Mendonça de Araújo Filho.

sábado, 13 de setembro de 2014

PIB se recurpera com força e antecipa trimestre positivo


Fonte: Agência Reuters

A economia brasileira cresceu 1,50 por cento em julho sobre o mês anterior, indicou o Banco Central nesta sexta-feira, melhor resultado em seis anos e acima do esperado, um sinal de que a atividade pode ter começado o terceiro trimestre em recuperação.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), mostrou que a atividade voltou a crescer após duas quedas mensais seguidas. O resultado de julho passado foi o melhor desde junho de 2008, quando a expansão foi de 3,32 por cento, antes do auge da crise internacional.

Em junho, o indicador havia mostrado contração de 1,51 por cento sobre maio em dados dessazonalizados revisados pelo BC. Anteriormente, havia sido divulgado queda de 1,48 por cento em junho.

O resultado de agora foi também bem melhor que o esperado em pesquisa da Reuters, cuja mediana de 21 projeções apontava alta de 0,80 por cento em julho.

Na comparação com julho de 2013, o IBC-Br recuou 0,31 por cento e acumula alta de 1,14 por cento em 12 meses, ainda segundo dados dessazonalizados.

A economia brasileira entrou em recessão no primeiro semestre, afetada sobretudo pela indústria e pelos investimentos em queda. O cenário de atividade fraca vem junto com o de inflação ainda elevada, num momento em que a presidente Dilma Rousseff (PT) tenta a reeleição.

Em julho, a produção industrial havia avançado 0,7 por cento frente a junho após cinco meses de queda, ainda que os dados tenham sido encarados com cautela por agentes econômicos, que ainda não estavam convencidos na tendência de recuperação.

No mesmo período, no entanto, as vendas no varejo recuaram 1,1 por cento, muito pior do que o esperado, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O IBC-Br incorpora estimativas para a produção nos três setores básicos da economia: serviços, indústria e agropecuária, assim como os impostos sobre os produtos.

Malafaia tenta "tuitaço" contra Dilma e reação dos internautas chega ao topo do Twitter

O pastor Silas Malafaia foi alvo de críticas em massa no Twitter ao iniciar um "tuitaço" para ciriticar o "ativismo gay" e o governo da presidenta Dilma Rousseff, ao meio dia desta sexta-feira, 12.

Desde quinta, o líder religioso vinha divulgando em seu perfil que faria a ação que, segundo ele, teria "2 posts indefensáveis". A estratégia, contudo, acabou dando errado e a "menosodiomalafaia, criticando a iniciativa, ficou entre os tópicos mais falados na rede social durante toda a tarde.

Diferente dos "tuitaços", o pastor não criou uma hashtag específica, apenas postou duas mensagens acusando o "ativismo gay" de querer acabar com as comemorações do dia dos pais e das mães nas escolas. No mesmo post, disse que o governo Dilma é o maior financiador deles (gays). A crítica dos usuários da rede social à iniciativa, contudo, teve um repercursão muito maior que o "tuitaço" de Malafaia.

Por volta do meio dia da sexta feira, o perfil oficial da presidenta Dilma divulgou no Facebook uma mensagem convocando a militância a reagir à ofensica do pastor com a hashtag #menosodiomalafaia. "Vamos todos para o Twitter mostrar que o País não aceita o discurso do ódio, da homofobia e da ignorância", dizia a mensagem.

A #menosodiomalafaia ficou a tarde toda entre os tópicos mais falados na rede social. O pastor até tentou reagir fazendo vários posts com a hashtag "roubalheiraePTtudoaver, mas não conseguiu chegar aos trending topics do Twitter.

Essa foi uma derrota vexaminosa para Malafaia. Recentemente o pastor tinha conseguido mudar o programa de governo de Marina Silva (PSB), justamente na sessão sobre direitos LGBT, com apenas 4 tweets (veja aqui). Dessa vez as ameças dele foram rechaçadas e ele amargou uma derrota pior que 7 x 1.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Marrecas foi reinaugurado nesse sábado

Foram precisos 630 dias, depois da inauguração oficial, para que a água do Marrecas chegasse para alguém. Mas isso não em capacidade total. Para que o sistema funcione a pleno ainda serão necessários muitos investimentos.

Inicialmente somente os bairros Jardim das Hortênsias, São Cristóvão, São Ciro, São Ciro II, De Lazzer, Sagrada Família, Presidente Vargas, Mariland, Século XX e Serrano serão beneficiados. Não será nem 20% da capacidade plena. Para o sistema todo funcionar e abastecer a Zona Norte de Caxias do Sul serão necessários mais 3 anos de obras e um investimento de R$ 26 milhões (R$ 23 milhões já liberados do governo federal e R$ 3 milhões do município).

Se os alarmistas do governo Sartori não tivessem mentido, em 2012, e Caxias estivesse às vésperas de um racionamento de água, mesmo com o Marrecas pronto boa parte da cidade teria sofrido com interrupções no abastecimento e que perdurariam até 2017!

Isso demonstra que Caxias ainda tem uma capacidade de armazenagem, tratamento e distribuição de água por mais muitos anos e que a obra poderia ter sido melhor pensada para que ele causasse bem menos impacto ambiental.

É sempre bom lembrar que pelo menos 6 mil araucárias foram cortadas para a formação do lago e, infelizmente, a maior parte delas apodreceu (ou foi roubada) antes de ser comercializada (veja aqui).

O Polenta News publicou, ao todo, 38 matérias sobre assunto (todas podem ser conferidas aqui). Temos certeza que fizemos um trabalho sério levantando questionando o que não estava sendo explicado claramente. A maioria das perguntas ficou sem explicação. Diferente dos veículos de comunicação da cidade tentamos buscar a notícia e não a propaganda. Vamos ver como se darão o desenrolar dos fatos agora que o sistema, finalmente, estará em funcionamento.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Ana Amélia foi CC do marido no Senado enquanto era diretora da RBS


 | Foto: Ramiro Furquim/Sul21
Senadora no comício da campanha no Gigantinho, em Porto Alegre| Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Reportagem do Sul 21 apurou que a senadora Ana Amélia Lemos (PP) acumulou CC, em Brasília, enquanto trabalhava para a RBS

A senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS) foi Cargo em Comissão (CC) do próprio marido, já falecido, o senador biônico Octávio Omar Cardoso, em 1986, acumulando essa função com o cargo de diretora da Sucursal do Grupo RBS, em Brasília. A portaria nº 256, de 9 de junho de 1986, assinada pelo então Primeiro-Secretário do Senado, senador Enéas Faria, designou Ana Amélia de Lemos “para exercer a função de Secretária Parlamentar, do gabinete do vice-líder do Partido Democrático Social, Senador Octávio Cardoso, a partir de 1º de abril do corrente ano”.

Portaria de nomeação da  hoje senadora Ana Amélia Lemos em cargos em comissão do Senado
Portaria de nomeação da hoje senadora Ana Amélia Lemos em cargos em comissão do Senado
Segundo Ato da Comissão Diretora do Senado nº12, de 1978, a função de Secretária Parlamentar exercida pela então jornalista tinha como tarefa prestar “apoio administrativo ao titular do Gabinete, preparar e expedir sua correspondência, atender as partes que solicitam audiência, executar trabalhos datilográficos, realizar pesquisas, acompanhar junto às repartições públicas assuntos de interesse do Parlamentar e desempenhar outras atividades peculiares à função”.
Pelo exercício dessas funções, o ato em questão definia o salário mensal de Cr$ 9 mil, (cerca de R$ 8.115,00 em valores atualizados), sujeito o contratado ao regime de 40 horas semanais de trabalho, sendo de 8 horas a jornada diária, devendo a frequência ser atestada, quinzenalmente, pelo titular do Gabinete.
Normas do exercício da função de secretário parlamentar de Gabinete de senador
Normas do exercício da função de secretário parlamentar de Gabinete de senador
Na época, Ana Amélia era diretora da sucursal da RBS, em Brasília, assinando uma coluna no jornal Zero Hora. A jornalista mudou-se para Brasília em 1979, acompanhando seu então marido Octávio Omar Cardoso, suplente do senador biônico Tarso Dutra (falecido em 1983), que foi efetivado no cargo em 1983, exercendo-o até 1987. Na capital federal atuou como repórter e colunista do jornal Zero Hora, da RBS TV, do Canal Rural e da rádio Gaúcha. Em 1982, foi promovida à diretora da Sucursal em Brasília.
As preocupações com a informática cópia1
Coluna de Ana Amélia no dia 09/06/1986

No dia em que a portaria de nomeação era publicada (09/06/1986), Ana Amélia Lemos assinava sua coluna no jornal Zero Hora, com o título principal: “As preocupações da informática”.

Moralidade cópia (1)
Editorial de ZH em 09/06/1986
Neste mesmo dia, um editorial de ZH defendia a moralidade nas nomeações de cargos públicos.
“A obrigatoriedade do concurso para provimento efetivo de cargos públicos é constantemente ignorada pela política do nepotismo, do apadrinhamento e do favorecimento”, afirmava então o editorial do jornal.

Em outra coluna, de 11 de abril de 1986, a jornalista comentou “a repercussão crítica feita pelo senador Octávio Cardoso ao presidente do Senado, José Fragelli, que desrespeitando acordo de lideranças sobre encerramento de atividades do Senado no dia do jogo Brasil-Argélia apareceu na TV como se fosse o único senador presente naquele dia em Brasília”.
Quase um ano depois da nomeação, em 17 de março de 1987, a Diretoria da Subsecretaria de Administração de Pessoal do Senado convocou Ana Amélia e um grupo de servidores que exerciam a função de Secretário Parlamentar “a fim de formalizarem a rescisão contratual”. Três dias depois, em 20 de março de 1987, os servidores em questão foram novamente convocados, por edital, publicado no Diário do Congresso Nacional,do dia 17 de Março de 1987, para, num prazo de três dias úteis, formalizarem a rescisão.

Edital de convocação para rescisão contratual
Edital de convocação para rescisão contratual


A reportagem do Sul21 procurou contato com a senadora Ana Amélia Lemos, por intermédio de sua assessoria de imprensa, na tarde desta quinta-feira (11), em várias oportunidades, para que ela confirmasse os dados apurados. No início da noite, a assessoria informou que ela estivera em atividades de campanha  e não teria tido intervalo em sua agenda para tratar do tema.

Concorrendo ao quarto mandado de Senador, Simon diz ser contra a reeleição

Não dando a mínima para a contradição que sua fala representa, e de certa forma rindo da cara do eleitor, o candidato ao senado pelo PMDB, Pedro Simon, diz ser favorável o fim da reeleição.

A declaração foi dada em entrevista ao grupo RBS.

"Sou a favor do fim da reeleição, como diz a nossa candidata Marina; fim da reeleição e mandato de quatro para cinco anos para todos os cargos".

Simon concorre ao quarto mandato de Senador. Ele já é Senador há 24 anos.. Seu primeiro mandato foi no século passado! Ele poderia começar a defesa da sua proposta por ele mesmo. Mas parece que essa será mais uma contradição.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Dilma vence no RS e disputa para governador será decidida no segundo turno

Fonte: Sul 21


Se as eleições fossem realizadas hoje, os gaúchos estariam divididos, no primeiro turno, entre o petista Tarso Genro e a progressista Ana Amélia, para o governo do RS, levando a decisão para o segundo turno. Na disputa ao Senado, os candidatos do PDT e do PT estão tecnicamente empatados. E para a presidência da República, os gaúchos elegem Dilma Rousseff.
Na pesquisa espontânea, em que o entrevistador não exibe o nome dos candidatos, 18% dos eleitores responderam que votam em Ana Amélia, do PP. Em Tarso Genro, candidato à reeleição pelo PT, o índice é de 13%. José Ivo Sartori aparece com 7% da preferência de voto. Vieira da Cunha (PDT) e João Carlos Rodrigues (PMN) recebem 1% dos votos. Os demais nomes citados somam 1%. Do total de entrevistados, 6% disseram votar branco ou nulo e 53% ou não responderam a pergunta ou afirmaram que ainda não sabem em quem votar.
 | Imagem: Divulgação
| Imagem: Divulgação
Na pesquisa estimulada, aquela em que é mostrado o nome dos candidatos ao entrevistado, para o governo do Estado, 36% dos eleitores declararam seu voto para Ana Amélia Lemos (PP). Tarso Genro (PT) recebeu 26% das intenções de voto. O peemedebista José Ivo Sartori ficou com 12% e o pedetista Vieira da Cunha, com 3%. Os demais candidatos –Estivalete (PRTB), Humberto Carvalho (PCB), João Carlos Rodrigues (PMN) e Roberto Robaina (PSOL) – somam 2% dos votos. Os que declararam votar nulo ou em branco são 6%. E os que não sabem em quem votar ou não responderam à pergunta, 16%.
A rejeição dos eleitores aos candidatos também foi medida na pesquisa. O governador Tarso Genro apresenta o maior índice (25%), sendo seguido por Ana Amélia (8%), Estivalete (5%) e Vieira da Cunha (4%). Roberto Robaina e José Ivo Sartori têm, cada um, 3% de rejeição. Humberto Carvalho e João Carlos Rodrigues apresentam, cada um, 2%. Entre os entrevistados, 4% responderam que não votariam em nenhum dos candidatos e 20% que votariam em qualquer um deles. O índice dos que não sabem ou não responderam é de 23%.
Tarso e Ana Amélia se distanciam de José Ivo Sartori | Fotos: Divulgação
Tarso e Ana Amélia se distanciam de José Ivo Sartori | Fotos: Divulgação
A pesquisa realizada pela Vox Populi para o Sul21, na sexta-feira (5) e no sábado (6), no Rio Grande do Sul, ouviu 800 eleitores, em entrevistas pessoais e domiciliares. A margem de erro é 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos e o intervalo de confiança é de 95%. Na Justiça Eleitoral, a pesquisa foi protocolada sob o número BR – 00557/2014 e sob o número RS – 00013/2014, na quarta-feira (3).
Segundo turno para o governo do Estado
Para as eleições em segundo turno, no Estado, a Vox Populi previu como cenário a disputa entre a candidata da coligação Esperança que Une o Rio Grande (PP/PRB/PSDB/SD) e o candidato da Unidade Popular pelo Rio Grande (PT/PTC/PC do B/PROS/PPL/PTB/PR). Se o pleito fosse realizado hoje, Ana Amélia venceria Tarso por 48% a 33%. Os eleitores que declararam voto nulo ou branco somam 8%. Não sabem ou não responderam, 12%.
 | Imagem: Divulgação
| Imagem: Divulgação
Votos para o Senado
Considerando a margem de erro, de 3,5 pontos percentuais, a disputa entre os candidatos do PDT, Lasier Martins, e do PT, Olívio Dutra, está tecnicamente empatada. O terceiro colocado é Pedro Simon (PMDB) que assumiu a candidatura à reeleição há poucos dias, após o anúncio de que o socialista Beto Albuquerque não concorreria mais ao Senado, mas à vice-presidência, na chapa de Marina Silva (PSB).
Lasier, Olívio e Pedro Simon: o pedetista e o petista estão empatados | Fotos: Divulgação
Lasier, Olívio e Pedro Simon: o pedetista e o petista estão empatados | Fotos: Divulgação
Na intenção espontânea de voto, Lasier tem 16% do eleitorado e Olívio, 15%. Simon aparece com 7%. Simone Leite (PP) tem 3%. Os demais nomes citados representam 1% das intenções de voto. O maior índice (52%) é dos que não responderam ou ainda não sabem em que votar. Votos nulos e brancos somam 6%.
O quadro não muda na intenção estimulada de voto. Pedetista e petista continuam empatados. Ao verem o nome dos candidatos, 28% dos eleitores responderam que votam em Lasier Martins e 27% em Olívio Dutra. O peemedebista Pedro Simon conta com a preferência de 14% do eleitorado. Simone Leite (PP), com 4%. Ciro Machado (PMN) e Júlio Flores (PSTU) têm 1%, cada um. Goldenberg do PRP não pontuou. Os eleitores que responderam votar nulo ou branco representam 7% do eleitorado. E os que não responderam ou não sabem em quem votar, 17%.
 | Imagem: Divulgação
| Imagem: Divulgação
No levantamento foi medido ainda o índice de rejeição dos candidatos ao Senado. Olívio Dutra aparece com 18%, Pedro Simon com 9%, Júlio Flores e Lasier Martins com 5% cada um. A seguir estão Goldenberg (4%), Simone Leite (3%) e Ciro Machado (2%). Os que não votariam em nenhum dos candidatos são 6% do eleitorado e os que votariam em qualquer um deles, 20%. Não sabem ou não responderam somam 29%.
Dilma vence no Rio Grande do Sul
Levantamento feito pela Vox Populi mostra que em qualquer cenário, a presidenta Dilma Rousseff ganharia as eleições no Rio Grande do Sul, se as eleições fossem hoje. No primeiro turno, na pesquisa espontânea, 33% declararam voto na candidata petista. Em segundo lugar, aparece a candidata do PSB tecnicamente empatada com o do PSDB. Marina Silva tem 18% dos votos e Aécio Neves, 16%. Luciana Genro (PSOL) tem 1%. Os demais nomes citados somam 1%. Votos nulos e brancos, 5%. Não responderam ou não sabem em quem votar, 27%.
 | Imagem: Divulgação
| Imagem: Divulgação
Na intenção de voto estimulada, Dilma continua na frente, seguida por Marina e Aécio, empatados, dentro da margem de erro de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos. Responderam que votam na presidenta, 38% dos entrevistados. Em Marina, 24% e em Aécio, 20%. Luciana Genro (PSOL) e Pastor Everaldo (PSC) têm, cada um, 1% dos votos. Os demais candidatos – Eduardo Jorge (PV), Levy Fidélix (PRTB), Zé Maria (PSTU), Rui Costa Pimenta (PCO), Mauro Iasi (PCB) e Eymael (PSDC) – somam 1%. Responderam que votam nulo ou em branco, 5% dos entrevistados. Não responderam ou não sabem em quem votar, 10%.
Candidata à reeleição, a presidenta Dilma é que apresenta maior índice de rejeição (25%). Logo depois vêm Marina Silva (14%), Aécio Neves (9%) e Pastor Everaldo (6%). Luciana Genro, Eduardo Jorge e Zé Maria têm, cada um, 2% de rejeição. Eymael, Rui Costa Pimenta, Mauro Iasi e Levy Fidélix apresentam, cada um, o índice de 1% de rejeição. Os que não votariam em nenhum dos candidatos são 4%. E os que votariam em qualquer um deles, 14%. Não sabem ou não responderam somam 20%.
Segundo turno para presidente
A Vox Populi trabalhou com dois cenários possíveis no segundo turno. No primeiro, a disputa seria entre a petista Dilma Rousseff e o tucano Aécio Neves. No segundo, as candidatas seriam Dilma e a socialista Marina Silva. Nos dois casos, a presidenta vence no Rio Grande do Sul.
 | Imagem: Divulgação
| Imagem: Divulgação
A diferença de Dilma para Aécio é de 8 pontos percentuais. Ela tem 45% da preferência dos eleitores e o tucano, 37%. Neste cenário, os votos nulos e brancos representam 8%. Não responderam ou não sabem em quem votar, 10%.
Na disputa com Marina, Dilma vence por cinco pontos percentuais: 43% a 38%. Votos nulos e brancos, 8%. Não responderam ou não sabem em quem votar, 11%.
 | Imagem: Divulgação
| Imagem: Divulgação
*Com informações da Vox Populi