sexta-feira, 31 de outubro de 2014

PSDB não cita fatos que colocam em xeque processo eleitoral, diz corregedor

Ministro João Otávio de Noronha (foto da esquerda) diz que pedido de auditoria no sistema eleitoral feito ontem pelo coordenador jurídico do PSDB, deputado Carlos Sampaio, ao TSE, não apresenta fatos que possam ameaçar o processo eleitoral e tem potencial para arranhar a imagem do País; "O problema é que não estão colocando em xeque uma ou duas urnas, mas o processo eleitoral. É incabível. Se você colocar em xeque o sistema eleitoral, aponte o fato concreto que vamos apurar", afirmou corregedor-geral da Justiça Eleitoral


O corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro João Otávio de Noronha, afirmou nesta sexta-feira (31) que o pedido do PSDB para uma "auditoria especial" no resultado das eleições não apresenta fatos que possam colocar em xeque o processo eleitoral.

O ministro classificou a ação protocolada nesta quinta-feira (30) pelo partido no TSE de "incabível" e com potencial para arranhar a imagem do país.

O texto, assinado pelo coordenador jurídico nacional do PSDB, deputado Carlos Sampaio (PSDB/SP), argumenta que, após anunciada a reeleição da presidente Dilma Rousseff, desconfianças propagadas nas redes sociais têm motivado "descrença quanto à confiabilidade da apuração dos votos e à infalibilidade da urna eletrônica".

"O que ele [coordenador jurídico] não apresenta são fatos que possam colocar em xeque o processo eleitoral. Está colocando en passant. Isso não é sério, então, não me parece razoável", afirmou o ministro.

"O problema é que não estão colocando em xeque uma ou duas urnas, mas o processo eleitoral. É incabível. Se você colocar em xeque o sistema eleitoral, aponte o fato concreto que vamos apurar", completou.

Na ação, o tucano alegou ainda que a diferença de três horas entre o encerramento da votação no Acre e os demais Estados que seguem o horário de Brasília e a margem apertada de diferença "acabaram por fomentar ainda mais as desconfianças".

Noronha disse que "parece grave" que a petição tenha sido protocolada na Justiça Eleitoral sem assinatura de Aécio e outros integrantes do partido.

O ministro afirmou ainda que todo o processo para depósito das urnas, com códigos e chaves, foi devidamente acompanhado, sendo que todo o sistema foi verificado e auditado.

Segundo o corregedor, as informações referentes ao processo eleitoral já estão disponíveis na internet ou serão disponibilizados ao PSDB. Noronha, no entanto, afirmou que não vê motivo para autorizar a criação de uma comissão formada por técnicos indicados pelos partidos políticos para a fiscalização de todo o processo eleitoral.

"O plenário vai discutir e deliberar, mas formar uma comissão para quê? Eles acompanharam o processo eleitoral todo", afirmou.

Projeto da prefeitura que autoriza intervenções no prédio do Eberle/Centro chega depois do início das obras

O Executivo municipal enviou à Câmara de Vereadores o Projeto de Lei Complementar (PLC 40/2014) que autoriza o licenciamento para demolição e construção no prédio da antiga Metalúrgica Abramo Eberle, no centro da cidade.

A área doi comprada pelo Tubocenter Incorporadora Ltda, em 2012, por cerca de R$ 21,8 milhões, e como é tombada pelo patrimônio histórico é necessário autorização especial para realizar modificações no prédio.

Conforme o texto em apreciação, o terreno é de 8.164,98m² e a área construída existente é de 20.086m². No que se refere às novas edificações, caso sejam autorizadas, consistem em: um prédio a ser edificado na esquina da Rua Sinimbu com Borges de Medeiros, com altura máxima determinada pela cota de nível do topo do relógio do Edifício Eberle; e um prédio destinado ao Edifício Garagem a ser construído no interior do conjunto, com altura máxima também determinada pela cota de nível da base do relógio do Edifício Eberle.

O ex-secretário de cultura, na época, João Tonus, havia declarado que a proposta de intervenções no prédio seria avaliado pelo Conselho do Patrimônio Histórico Cultural (Compahc) e votado pelo Legislativo ainda em fevereiro desse ano. O tempo passou e o projeto não andou. Ele entrou em primeira discussão, na Câmara, ontem.

A tramitação, porém, não foi tranquila. A vereadora Denise Pessôa (PT) questionou o projeto do executivo e os classificou de incipiente. Segundo a parlamentar já há obras acontecendo no prédio. "Sinceramente, a forma como está acontecendo essa obra é um desrespeito. Quer dizer que vamos aprovar um projeto que já está em execução?", questionou a petista. Além disso Denise questionou a falta de plantas para que seja possível analisar o impacto da obra, que se não fosse por intervenção do Compach ele seria muito mais agressivo ao patrimônio público.

Sairam em defesa do governo o Lider, vereador Pedro Incerti (PDT) que na sua fala desprezou a opinião de outras pessoas afirmando que as "melhorias ocorreram a partir de quem entende do assunto, que são os conselheiros do Compach". Incerti estabelece a diretriz do governo. Aprovar o projeto sem questionar.

Mauro Pereira (PMDB) também deu sua opinião. Ele afirmou: "Temos que parar de ficar só olhando a coisa ruim. Aquele espaço vai ter vida e o povo poderá usufruir dele", afirmou o peemedebista.

Não sabemos, exatamente, que povo irá usufruir dessa obra, pois não se sabe, exatamente, a sua finalidade. Ao que parece, por enquanto, ele será utilizado por quem pagar para estacionar no prédio. O restante é vago demais para ter alguma certeza. Certo é que boa parte do prédio virá a baixo.

Com informações da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul

Cancha de bocha abandonada no Mariani ocupa área onde deveria existir uma creche

Há mais de três anos as chamadas "Mães do Mariani" faziam diversos protestos para que fosse construída uma creche no bairro. As mães alegavam que após a eleição da creche como prioridade no Orçamento Comunitário, o presidente do bairro trocou a prioridade para uma área de lazer. E assim foi feito.

Mesmo sob fortes protestos, a Prefeitura construiu, na área central do bairro, uma área de lazer, que foi inaugurada no início de 2012. Enquanto isso, as mulheres ficavam sem ter onde deixar seus filhos para irem trabalhar.

Cancha de bocha na área de lazer do Mariani
Até hoje é assim: as "mães crecheiras" é que dão conta do cuidado das crianças.

Dois anos depois da construção da área de lazer a tal cancha de bocha está completamente abandonada (já havia duas abandonadas no bairro). Bem que as mulheres avisaram.
Em compensação, este mês a Prefeitura divulgou o início das obras de construção da escola de educação infantil. A obra estará pronta daqui a 5 meses, com apenas 120 vagas, sendo que a reivindicação do bairro ainda em 2011 era de mais de 300 vagas.

As mães do Mariani e seus filhos terão que esperar mais de 4 anos para ver sua reivindicação atendida.

Essa é a ordem de prioridade e o respeito dos Governos Sartori e Alceu com as mobilizações populares.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Campanha de Aécio usou pesquisa com dados enganosos


No debate presidencial na Band o candidato tucano Aécio Neves afirmou que uma pesquisa apontava a sua liderança em Minas. Em seguida a campanha tucana, oficialmente ou não, começou a espalhar essa afirmação. Acontece que os dados eram enganosos. Na reportagem abaixo, da Folha de São Paulo a farsa é desfeita. 


Informações de uma pesquisa de intenção de voto do instituto Veritá usadas na propaganda de segundo turno do tucano Aécio Neves são comprovadamente enganosas.

Quem confirma é o próprio dono do instituto que fez o levantamento, Adriano Silvoni. E também o estatístico responsável pelas pesquisas do Veritá, Leonard de Assis.

A informação infundada era a liderança de Aécio em Minas Gerais com 14 pontos de vantagem sobre Dilma Rousseff (PT): uma pesquisa que o mostrava com 57% ante 43% da petista.

Campanha de Aécio usou dados mesmo sabendo que não
 correspondiam a realidade
O enredo que levou o PSDB a propagar esses números começa em 6 de outubro, logo após o primeiro turno, quando o Veritá conclui uma pesquisa nacional para presidente com 5.161 entrevistas, estudo registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o código BR-01067/2014.

Tanto o número de entrevistas quanto os municípios de coleta de dados foram definidos pelo Veritá para retratar a disputa eleitoral no Brasil como um todo.

O total de eleitores ouvidos em Minas era suficiente para compor o quadro nacional, mas insuficiente para retratar a realidade local.

Assim, a pesquisa apontou Aécio com 54,8% em todo o Brasil contra 45,2% para Dilma, diferença de 9,6 pontos.

Segundo Assis, dias após a divulgação desse placar, o publicitário Paulo Vasconcelos, responsável pela propaganda de Aécio, pediu para que o Veritá fornecesse os dados das entrevistas feitas só em Minas.

"O estudo não foi feito com essa finalidade", diz. Silvoni, o dono do Veritá, confirma: "Para Minas, foram 561 questionários. Não é confiável".

Mesmo assim, eles acabaram autorizando o envio dos dados. "Eu falei: 'pode pegar, mas cite, por favor, que não representam a realidade de Minas'", lembra Assis.

Se fez mesmo o alerta, não adiantou. No dia 14 de outubro, às 17h06, o site do jornal mineiro "Hoje em Dia" publicou que, segundo o Veritá, Aécio tinha 57% dos votos de Minas contra 43% de Dilma, uma vantagem de 14 pontos.

Em seguida, a campanha do PSDB começou a distribuir um release dizendo que o tucano estava 14 pontos à frente no Estado. E na mesma noite, dirigindo-se à Dilma no debate da Band, o próprio Aécio citou: "Pesquisas [em Minas] mostram que estou mais de 10 pontos na sua frente".

Na época, o PT explorava a derrota do tucano entre os mineiros no primeiro turno. Na TV, a campanha de Dilma repetia: "Quem conhece Aécio não vota em Aécio".

No dia 15, os números não representativos do Veritá passaram a ser mostrados também na propaganda de TV do PSDB, que atribuiu a informação ao jornal "Hoje em Dia".

"Eles não podiam usar nesse contexto", diz Assis. "Nós avisamos [...] Usou na garganta. Não representa Minas. Não é o real cenário do Estado."

A Lei Eleitoral diz que a comprovação de irregularidade em dados publicados de pesquisa sujeita os responsáveis às penas de seis meses a um ano de detenção e multa.

Assis afirma que, ao entregar uma tabela com percentuais não representativos de cada Estado, fez questão de incluir uma nota sobre a não validade das informações.

No rodapé do documento que ele diz ter enviado, consta: "Resultados apresentados nesta tabela em cada Estado não podem ser considerados como estimativa do mesmo pois a pesquisa não foi planejada com tal objetivo".

CLIENTE


Além do problema dos números enganosos, a pesquisa do Veritá pode ter sido registrada de forma fraudulenta. No TSE, consta que o Veritá é, ao mesmo tempo, o contratado e o contratante do estudo, orçado em R$ 300 mil.

Dias atrás, num fórum de debates na internet que reúne profissionais da área de pesquisa, Leonard de Assis afirmou que o formulário do TSE foi preenchido dessa forma porque "o contratante [real] não quis aparecer".

À Folha, o estatístico confirmou a informação. Mas não quis dizer quem verdadeiramente pagou pelo trabalho.

Neste ponto, há uma divergência entre Assis e o dono do Veritá. Adriano Silvoni afirma que os recursos usados para a realização da pesquisa saíam do próprio Veritá.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Discriminação é crime, denuncie

As discriminações contra os nordestinos durante as eleições presidenciais são considerados crime nos artigos 286 e 287 do Código Penal. E qualquer um pode denunciar.

Para mobilizar e facilitar o trabalho de reunir essas manifestações de ódio e preconceito pelo Facebook, Twitter e demais redes sociais, um grupo criou o site Esses Nordestinos.

A página reúne as postagens e fornece dicas de como denunciar diretamente para o Ministério Público Federal. "Enviar prints de manifestações xenofóbicas para este tumblr ajuda a expor o problema e gerar discussão, mas se você quer dar um passo adiante e fazer com que os autores das mensagens respondam por suas palavras, considere fazer uma denúncia formal no site do Ministério Público Federal", explica o portal.

Sem burocracia, é fácil fazer as denúncias. Basta registrar os dados no sistema de denúncia online do MPF.

Ainda, para aqueles que não querem se identificar, uma ONG que trabalha pela defesa dos direitos humanos, a SafernetBrasil, em parceria com o próprio Ministério Público Federal criaram o site de denúncias anônimas de discriminação, preconceito ou incitação ao crime na web: o www.denuncie.org.br, que encaminha as ações aos órgãos públicos competentes.

O presidente da Safernet, Tiago Tavares, em entrevista ao programa Ponto Com Ponto Br, lembrou de um caso que ocorreu no fim das eleições de 2010. Episódios semelhantes aos acompanhados nos últimos dias também ocorreram. Em um deles, uma estudante de direito publicou no Twitter: “Nordestisno (sic) não é gente. Faça um favor a SP: mate um nordestino afogado!”.

Com a denúncia da mensagem preconceituosa, a estudante perdeu o seu trabalho como estagiária e foi condenada pela Justiça Federal de São Paulo pelo crime de discriminação, a 1 ano, 5 meses e 15 dias de prisão, que foi convertido em prestação de serviço comunitário e multa. "Infelizmente, a repercussão desse caso não foi suficiente para coibir o que os usuários fizeram após as eleições do dia 5", disse o presidente.

Por outro lado, houve o aumento de denúncias de crimes cibernéticos no site, refletindo uma conscientização maior da população.

As mensagens preconceituosas dos últimos dias terão consequência jurídica: "alguns vão responder por crime, sofrer sanções civis e outros serão penalizados pela sua própria rede de relacionamento", garantiu.


O Polenta News também entrou nessa campanha. Publicamos no nosso blog um banner com acesso direto ao SaferNet Brasil onde é possível qualquer pessoa denunciar crimes como pedofilia, racismo, homofobia, discriminação, entre outros na rede.

Com informações da Agência Brasil.

Veja algumas denúncias publicadas em Esses Nordestinos:
 
 
 
 
 

Instituto de pesquisa Sensus deve explicações ao Brasil

Fonte: Pragmatismo Político
 
O Sensus é o grande derrotado da eleição e deve explicações ao Brasil. O instituto chegou a apontar vitória de Aécio Neves com 17 pontos de vantagem e seu diretor garantiu que a reeleição de Dilma seria "algo impossível". Todas as pesquisas do Sensus foram contratadas pela revista IstoÉ
sensus errou aécio pesquisa
Instituto Sensus sempre apontou Aécio como o vencedor das eleições de 2014 (Pragmatismo Político)

Ao contrário do que aconteceu no primeiro turno, os maiores institutos do país acertaram o resultado das eleições 2014. Pode-se dizer que o Datafolha cravou o resultado em sua última pesquisa, realizada no sábado. O instituto colocou a presidente com 52% dos votos, enquanto Aécio somou 48%. Na apuração final, Dilma obteve 51,64% e o tucano ficou com 48,36%.

O Ibope, por sua vez, acertou com a ajuda da margem de erro, que era de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Em seu último levantamento, o Instituto apontou a presidente com 53% dos votos válidos, enquanto Aécio somou 47% na pesquisa divulgada no sábado.

Considerando o limite da margem de erro, o MDA, contratado pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) também não errou. Na pesquisa do instituto, Aécio teve 50,3% dos votos. Como a margem de erro era de 2,2 pontos percentuais, ela poderia ficar com 48,3%. Mais ou menos o que ele deve ficar. Foi por pouco.
Sensus

O Sensus é o grande derrotado da eleição e deve explicações ao Brasil. O instituto, que chegou a colocar Aécio Neves 17 pontos a frente de Dilma neste segundo turno e, há quatro dias, disse que o tucano venceria a eleição com 9 pontos de folga, apontou em sua última pesquisa vitória do tucano com cinco pontos de vantagem sobre Dilma: 52,7% a 47,9%. O resultado de Aécio acabou ficando mais de quatro pontos abaixo, e o de Dilma, três acima. O diretor do instituto, Ricardo Guedes, chegou a afirmar que a reeleição de Dilma era “algo impossível”. As pesquisas do Sensus foram todas contratadas pela revista IstoÉ.

Há dez dias, investidores ouvidos pelo jornal O Valor denunciaram que as pesquisas do Instituto Sensus – dando vitória a Aécio por larga margem – visariam favorecer manobras especulativas no mercado. “Alguém ganhou muito dinheiro com isso. Não faz sentido soltar pesquisa com mercado aberto e a pesquisa mostrar uma vantagem de votos desse tamanho”, disse a fonte do jornal.

Ainda durante o segundo turno, o jornalista Fernando Brito revelou, em seu blog, que a história do Sensus está recheada de acusações e fraudes e até o próprio PSDB chegou a representar judicialmente contra o instituto.

É importante que não se varra para debaixo do tapete o papel vergonhoso desempenhado pelo Sensus nas eleições de 2014 e que o instituto responda pela sucessão de erros. O eleitor, ou boa parte dele, pretende saber por que foi enganado.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Sartori se elege governador sem apresentar uma única proposta

José Ivo Sartori (PMDB) é o novo governador do Rio Grande do Sul. Ok, essa parte você já sabia. Ele fez 3.859.611 votos. Sartori iniciou a campanha com números modestos nas pesquisas 4% e chegou, no final do segundo turno em 61%. Isso em si só já seria surpreendente. Mas o mais incrível mesmo é que 3,8 milhões de pessoas votaram em um candidato sem nenhuma proposta.

Todo mundo tentou. Candidatos, jornalista, pessoas comuns, todos. Ninguém conseguiu que Sartori dissesse uma única proposta "com início, meio e fim", como perguntou o jornalista Artur Gubert, do La Urna (quadro de ZH) ao candidato do PMDB. Durante os 6 minutos que durou o vídeo, Sartori não apresentou nenhuma proposta, apenas ideias vagas. Criticado até pelos colunistas políticos da Zero Horao candidato do PMDB é uma grande incógnita.

Sabemos como ele foi quando prefeito. Recebeu vultuosos recursos do governo federal e quando precisou tocar obras por conta própria deixou várias coisas mal feitas. Lembramos do viaduto Campo dos Bugres que foi feito baixo demais e a pista precisou ser rebaixada; o prédio do Centro à Vida que tem graves problemas estruturais como infiltração (recentemente consertada) e baixa altura nas garagens onde quase não entram as ambulâncias; a perda de recursos para uma passarela na BR116 porque a prefeitura errou no endereço de email. Sem falar na polêmica obra do Marrecas que até agora mal e mal distribuiu água para alguém.

Sabemos que como negociador Sartori é um desastre. Os médicos ficaram 11 meses de greve sem que em nenhuma vez o prefeito reunisse com eles. Chamou para secretária de educação, Marisa Abreu que fez uma gestão tão desastrosa que até as professoras do PMDB queriam a cabeça dela. Ele foi salvo de um caos maior porque ela foi criar as escolas de lata na gestão Yeda.

Na cultura Sartori optou pela construção de uma Cancha de Rodeios e pela quase extinção da Companhia de Dança (referencia nacional), além de deixar estocados, numa sala todo o arquivo artístico do município por não conseguir usar o dinheiro. A Capital da Cultura, titulo duvidoso conquistado no seu mandato, tentou censurar shows de rock (duas vezes) e fez a doação de R$ 100 mil para fazer um filme que ninguém assistiu.

Os desafios no governo do estado serão bem maiores do que na prefeitura de Caxias do Sul. Algumas dicas ele já soltou. Irá economizar. Onde? Ninguém sabe, ele não diz. Cortar secretarias não será a solução. Não é economia suficiente e ainda tem qua acomodar 19 partidos no poder. Ele tem, por força de lei, pagar reajustes salariais ao funcionalismo já aprovados, mas não precisa conceder mais nenhum.

Sobram dúvidas sobre o que ele fará com a EGR. Pode ser que os pedágios voltem, já que Sartori defende as Parcerias Público-Privadas para manutenção das estradas.

Vamos acompanhar de perto o que serão esses próximos quatro anos de Sartori como Governador.

O Polenta News publica um levantamento das Propostas/Promessas/Desejos de Sartori. Quando forem identificadas a lista será ampliada bem como a situação ano a ano. Veja aqui.

Contra o preconceito! O Resultado Ponderado das Eleições por Estado

Clique na imagem para ver em tamanho maior

Thomas Conti é Mestrando em Economia pelo Instituto de Economia da UNICAMP e foi dele uma das mais inteligentes demonstrações de que o discurso de ódio e separatista, que ganhou as páginas das redes sociais, e imprensa, na segunda feira, é uma grande bobagem.

Thomas resolveu mudar o padrão binário (bom e mau) da representação das votações dos candidatos a presidente nos estados, por uma amostra matemática e real. O Brasil deixou de ser dividido entre Azul e Vermelho e passou a ser mais "roxinho", ou seja, é falsa a ideia de que o pais é dividido.

Em seu blog Thomas explica os motivos que o levaram a fazer o mapa que olhasse o resultada das eleições sob outro aspecto. Ele diz que seu perfil, no Facebook, recebeu "um enxame de declarações preconceituosas depois de apurados os votos". Em seguida ele completa "acho bom as pessoas terem em mente que não apenas estão propagando um discurso de ódio tacanho e lastimável, como ainda estão com uma visão completamente equivocada da realidade deste país!".

Na sequência ele destrói os infográficos, divulgados pela imprensa, que mostram um país dividido. "Os gráficos que foram veiculados distorcem o cenário eleitoral: dezenas de milhões de nordestinos não votaram na Dilma, dezenas de milhões do sudeste não votaram no Aécio! Não adianta ficar propagando ódio contra esse ou aquele grupo, venceu quem teve o maior número de votos ENTRE 144 MILHÕES DE ELEITORES", afirma.

Na sequência ele explica como elaborou o novo mapa.

Como foram obtidas essas escalas de cor?

Usando o Excel 2013, computei o percentual de votos válidos de cada candidato em uma tabela. Nas versões mais novas, o Excel tem um recurso chamado Formatação Condicional que permite ao programa colorir automaticamente tabelas a partir de uma instrução. Usando esse recurso, selecionei o vermelho básico para 100% de votos em Dilma, e o azul básico para 0% de votos em Dilma. Depois fiz o contrário para a coluna do Aécio: 100% de votos nele é o azul básico, e 0% de votos nele é o vermelho básico. Feito isso, todos os valores intermediários são coloridos automaticamente pelo excel, formando uma cor que reflete precisamente o grau de distância entre 0% e 100% nessas escalas. O fato de as duas colunas terem precisamente a mesma coloração atesta a precisão do programa.

Por que os Estados do Sudeste parecem menos azuis?

Isso se deve à proporção que cada candidato teve de votos por Estado. Nos Estados em que Dilma teve o pior desempenho – Acre e São Paulo – obteve ainda assim 36% dos votos válidos, 15 pontos percentuais a mais do que o pior desempenho de Aécio, que foi de 21%. Ou seja, mesmo nos Estados do Sul o peso de no mínimo 36% para a cor vermelha acaba atenuando um pouco a força da cor azul.

Com tantos analistas e especialistas, as emissoras de televisão e os jornais poderiam, e deveriam ter, um senso mais apurado da realidade para não serem os estimuladores de discursos equivocados.

"Qualquer generalização de gênero, cor e classe social não vai conseguir dar conta de tudo isso, então façam o favor de parar de instilar veneno e preconceito!!!! Ninguém é obrigado a continuar ouvindo isso!", finaliza Thomas.

O número de acessos ao seu blog foi tão grande que na maior parte dessa segunda feira ele ficou indisponível devido ao grande número de requisições.

Com informações de Blog Thomas Conti

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Dilma é reeleita com plataforma mais a esquerda


Foram 54.501.118 votos que garantiram a vitória da presidenta Dilma (PT) no segundo turno das eleições presidenciais. Numa das mais disputadas eleições presidenciais desde a redemocratização, a presidenta Dilma acabou se reelegendo com uma pauta muito mais a esquerda.

Já no primeiro turno ficou claro a existência de dois projetos distintos de país. Do lado de Dilma um projeto de país que cresce enquanto distribui renda, um pais das oportunidades de educação e trabalho, um pais da tolerância religiosa e de opinião. Um país que condena o racismo e a homofobia.

Do outro lado, hora representado por Aécio Neves (PSDB) ou Marina Silva (PSB) era o pais do sectarismo religioso, da restrição às liberdades individuais, dos agrados ao mercado financeiro e do crescimento apenas para os mais ricos.

A oposição jogou todas as fichas possíveis. Com ajuda da grande mídia tentaram, primeiro, afirmar que os protestos de junho de 2013 eram contra a presidenta. Se deram mal. Uma massa de jovens que foram as ruas no ano passado votou na Dilma, principalmente aqueles que defendiam causas das chamadas "minorias". Tentaram fazer com que a crítica ao jeito como a política está vira-se uma crítica à presidente. Falharam!

Depois veio a previsão que haveria apagão elétrico (não aconteceu). Depois diziam que os aeroportos e os estádios não ficaram prontos para a Copa (ficaram). Depois diziam que a Copa seria um fracasso (foi um sucesso - tirando a atuação da seleção brasileira). Diziam que haveria caos aéreo (não houve). Chegaram a dizer que haveria uma disparada da inflação e do desemprego (aconteceu justamente o contrário).

Tendo a revista Veja como maior instrumento da oposição, o discurso de ódio propagado por ela e pela campanha de Aécio, foi gerando cada vez mais rejeição para o tucano.

No primeiro turno o Brasil desistiu de Marina. No segundo turno deu um basta ao discurso do ódio.

Dilma se contrapôs, com clareza ao discurso de intolerância religiosa proclamado por Malafaia e outros do gênero. Assumiu a pauta dos direitos LGBT com muito mais firmeza do que em 2010. Condenou o discurso xenófobo contra negros, pobres e nordestinos. Com tudo isso atraiu uma juventude, que, no primeiro momento não votava nela.

As fotos da vitória da Dilma, em todo o Brasil, vemos negros, brancos. Vemos bandeiras vermelhas, coloridas do movimento LGBT e lilases do movimento feminista. Mas o que mais vemos é a integração dos diferentes, bem distante das turbas raivosas que defendiam o Aécio.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Mais uma vez a classe médica dá o exemplo de compromisso com seu próprio bolso.

Esperamos que em Caxias não cheguem os "dedos de silicone",
usados em várias cidades para fraudar os relógios biométricos.
É notório que os médicos servidores municipais que atendem pelo SUS não cumprem a jornada estabelecida em sua contratação (geralmente de 20 horas). Agora, com a implantação dos relógios-ponto biométricos também nas UBS, a verdade ululante vem à tona: os médicos não cumprem sua jornada diária de trabalho. Eles não querem "bater ponto".Atendem "x" casos e vão embora. Inclusive, se o usuário for buscar receita de medicamentos de uso contínuo, o médico do posto contabiliza como atendimento realizado.

Os médicos não são servidores públicos como os outros. Eles não cumprem horário e não registram nem registrarão seu ponto. Revoltados com a situação, os demais servidores da saúde que trabalham nas UBS prometem também boicotar o relógio-ponto se o tratamento não for isonômico entre os funcionários. Já que é sabido que a Secretaria da Saúde passa a mão na cabeça dos médicos há muitos anos.

Por orientação do Sindicato Médico, os médicos estão se negando a registrar suas digitais. Mais uma vez Marlonei mostra que o Sindicato Médico dá exemplos de corrupção e "jeitinho brasileiro".

Infelizmente, fazemos uma análise generalizante. Sabemos que há exceções. Mas são raras. O Programa Mais Médicos do Governo Federal, que trouxe profissionais de outros países, veio em boa hora. Assim a população pode ter outro parâmetro de atendimento e os médicos daqui agora têm exemplo de como ser um profissional comprometido com a população e os nobres objetivos da profissão.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Chapa vai esquentar pro vice de Sartori, MP quer saber sobre contratações de Cairoli

O Ministério Público do Trabalho informou nesta quarta-feira (22) que recebeu denúncia contra o candidato a vice-governador José Paulo Cairoli. A decisão é baseada em um vídeo publicado no YouTube em 2010, no qual o empresário afirma que não cumpre leis trabalhistas em sua fazenda. “Lá dentro da minha fazenda, isso a gente faz há horas. Só que não tem lei trabalhista, não tem nada. Tu remuneras, e pronto. E sem contrato. É no fio do bigode. Se tu produzir tanto, vai ganhar tanto por cento. É assim que funciona”, diz ele na gravação. Em resposta a usuário do Twitter na terça-feira (21), o MPT já adiantava a medida que confirmou hoje.

Além do método de contratação em sua fazenda, Cairoli já deu declarações polêmicas também sobre o salário mínimo regional. Embora agora se diga alinhado a Sartori e não entre a fundo na questão, em inúmeras entrevistas concedidas enquanto presidia a Federaul ele se mostrou contrário ao piso regional, superior ao salário mínimo nacional. Nas declarações, ele se refere ao ganho salarial como “custo adicional às empresas” e defende que levaria à “manutenção de taxas de desemprego elevadas”. 

Do Cantareira para a Bolsa de Nova York

Você não está vendo uma foto do Nordeste dos anos 1980. Isso é São Paulo em 2014

Desde 2004, quando recebeu a outorga para utilização do Cantareira, a Sabesp lucrou cerca de 12 bilhões de reais. Desse total, quase 4 bilhões foram direto para os bolsos dos acionistas. Além de sobrecarregar o Cantareira para manter os altos lucros, a Sabesp, não por falta de dinheiro, deixou de planejar e executar novas obras de captação.

Fonte: Carta Capital

Desde o início do ano, o governador Geraldo Alckmin se esforça para encontrar um culpado pela crise de abastecimento que assola o Estado de São Paulo, em especial a capital. Em um primeiro momento, o alvo foi São Pedro, o santo com preferências partidárias que ordenou que suas nuvens permanecessem longe das terras bandeirantes. Agora, ao lado do candidato à Presidência Aécio Neves, novos responsáveis foram escolhidos. Enquanto para o governo paulista a ONU mente ao responsabilizá-lo pela crise, Aécio culpa o governo federal pela falta de água nas torneiras dos paulistas.

Uma Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público Federal e pelo Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente do Ministério Público Estadual de São Paulo mostra claramente, e com base em uma farta documentação, quem são os verdadeiros responsáveis pela crise que pode comprometer o abastecimento na capital pelos próximos anos. Em cerca de 140 páginas, a promotora Alexandra Facciolli, os promotores Geraldo Navarro Cabanas, Ivan Carneiro Castanheira, Rodrigo Sanches Garcia e o procurador da República Leandro Zedes Lares Fernandes detalham como a atual crise de abastecimento na capital paulista e na região de Campinas, ambas abastecidas pelo Sistema Cantareira, é uma tragédia anunciada resultante de uma escolha do governo de São Paulo e da Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo, a Sabesp.

Alckmin critica ONU e Aécio culpa
governo federal por falta de água
Amparada em uma série de estudos de professores da Unicamp, relatórios da própria Sabesp e informações das agências reguladoras, os signatários ofereceram a ação na Justiça com o objetivo de “estabelecer restrições e limites ao direito de uso pela Sabesp das águas do Sistema Cantareira e coibir o uso indiscriminado da segunda parcela do volume morto de tal sistema produtor, uma vez que tal situação, levada às últimas consequências, poderá trazer sérias implicações ao abastecimento público, levando a um colapso das duas regiões abastecidas (Bacia do Piracicaba e RMSP), riscos à saúde pública, impactos ao meio ambiente, com possibilidades de novas tragédias ambientais, como a mortandade ocorrida em fevereiro no Rio Piracicaba, bem como impactos à indústria, agricultura e economia em geral.”

Segundo os promotores, mal vigiada pela Agência Nacional de Águas e pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo - alvos da mesma ação -, a Sabesp, sob a tutela do governo tucano, escolheu bater recordes na Bolsa de Nova York ao invés de educar seus clientes sobre a natureza limitada dos recursos hídricos. O resultado: ao passo que transformava investimentos necessários para a manutenção do abastecimento em "distribuição de dividendos" milionários, a Sabesp deixou de criar novos sistemas de captação e sobrecarregou o Sistema Cantareira a ponto de reduzi-lo a 3% de sua capacidade total.

"De acordo com este relatório 20-F 2013 da Sabesp, conclui-se claramente que em 2012 e 2013 não foram tomadas medidas para proteger o Sistema Cantareira da mais severa estiagem registrada em toda série histórica. Paralelamente, foram os dois anos nos quais se obteve os maiores lucros líquidos da história da Companhia e de distribuição de dividendos, valendo observar que, neste período, o Sistema Cantareira foi responsável por 73,2% da receita bruta operacional da empresa, denotando a superexploração daquele sistema produtor que não mais conseguiu se recuperar diante da gravidade do atual evento climático de escassez.", cravam os promotores.

Aos números: desde 2004, quando recebeu a outorga para utilização do Cantareira, a Sabesp lucrou cerca de 12 bilhões de reais. Desse total, quase 4 bilhões foram direto para os bolsos dos acionistas. Em 2012 e 2013, anos citados na ação civil pública como recorde de lucros da estatal, os repasses aos acionistas somaram cerca de 500 milhões e o lucro ficou na casa dos 1,9 bilhão de reais. Desse total que foi para o bolso dos acionistas, 73% saiu da destruição do Sistema Cantareira.

Além de sobrecarregar o Cantareira para manter os altos lucros, a Sabesp, não por falta de dinheiro, deixou de planejar e executar novas obras de captação. Entretanto, desde 2004, quando da concessão da outorga para uso por 10 anos do Cantareira pela Sabesp, a Agência Nacional de Água já alertava sobre a necessidade de investimentos nessas novas fontes. Em seu artigo 16, lembram os promotores, a outorga estipulava que a Sabesp “deveria realizar em 30 meses estudos e projetos que viabilizem a redução de sua dependência do sistema (Cantareira)”. Mas não foi o que ocorreu. Em dez anos a Sabesp não criou nenhum novo sistema produtor. O mais importante deles, o São Lourenço, está atrasado em dois anos e suas licitações já foram alvo de matérias de CartaCapital. Aqui e aqui.

Não bastasse a falta de investimento em captação, segundo os promotores, a Sabesp ainda deixou de cumprir uma imposição dos órgãos reguladores, a utilização das “Curvas de Aversão a Risco”. “Por esta metodologia, internacionalmente reconhecida, dependendo do mês e do volume atual armazenado no Sistema, as Curvas de Aversão a Risco correspondem a um conjunto de curvas utilizadas para definir a vazão limite de retirada do sistema de forma segura, sem comprometer os 24 meses subsequentes, de forma a manter uma reserva estratégica ou volume mínimo ao final do período hidrológico seco. No caso do Sistema Cantareira, o cenário hidrológico seco crítico adotado corresponde ao biênio 1953/1954.”, diz a ação.

Segundo os promotores, com a autorização dos órgãos gestores (ANA/DAEE), a Sabesp abandonou a metodologia e os mecanismos legais expressamente previstos para garantia, com a necessária antecedência, de níveis aceitáveis de segurança de abastecimento público, que não devem ser inferiores a 95%. “Como visto, continuaram sendo praticadas pela Sabesp elevadas captações do Sistema Cantareira. Isso acarretou o irrefreável, alarmante e histórico rebaixamento dos níveis de água acumulados nos reservatórios, abaixo dos volumes operacionais (volume útil), ensejando conflitos e crises”, explicam os promotores.

Somente a partir de março de 2014, já diante do colapso hídrico, foi determinada pelos órgãos gestores, de forma insuficiente e tardia, a redução pela Sabesp das vazões de retirada do Sistema Cantareira.

Por fim, os promotores apontam quais foram o resultados e o que está por vir devido as falhas de gestão da Sabesp. “Estamos, de fato, avançando em uma zona de risco, que não pode ser “maquiada” com os aumentos artificiais do volume útil, em razão da incorporação das parcelas do volume morto. Estamos caminhando a passos largos em direção ao esgotamento. É alarmante a redução rápida dos níveis dos reservatórios verificada nos últimos meses, acenando para a necessidade de medidas urgentes e drásticas para conter o acelerado consumo da reserva estratégica”.

Ao tentar dividir o ônus da crise de abastecimento com o governo federal e criticar a ONU pelos seus problemas, o governo de São Paulo está, mais uma vez, preocupado em esconder o problema ao invés de tentar resolvê-lo. É o mesmo procedimento utilizado desde 2004, quando começou a administrar o Sistema Cantareira.

Outro lado

A Sabesp ainda não respondeu aos questionamentos enviados pela reportagem

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Mentirinhas de Sartori

Depois de esquecer de divulgar em sua campanha eleitoral que a barragem Marrecas foi inaugurada inacabada (dois anos depois ela ainda não está operando 100%), Sartori (PMDB) divulgou outra mentirinha...
Em seu programa eleitoral, o sucessor de Brito falou sobre a importância do Trabalho 10 em Caxias. E praticamente se intitulou como "pai" do programa. Se adonou de algo que não é seu.
O Trabalho 10 é um programa social que surgiu no Governo de Pepe Vargas (PT). Ele sempre foi idealizado pela iniciativa privada, em parceria com entidades e com a Prefeitura. Durante a gestão de Sartori, o programa recebia cerca de R$ 3.000,00 mensais.
O Trabalho 10 oferece cursos profissionalizantes a pessoas carentes e é um dos principais programas sociais da cidade. Atualmente é mantido por uma entidade filantrópica ligada a irmãs da Igreja católica.
Parece que a mãe de Sartori não ensinou bem seu filho a não mentir.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Sartori: piso bom é na Tumelero!

Sartori se superou em uma entrevista dada ao Portal Terra ontem (20). Questionado sobre o piso salarial dos professores, o candidato do PMDB após dizer que não assinou nenhum documento no CPERS, gaguejou, teve de ser lembrado do nome "piso" e fez troça com a causa.

O piso do magistério foi uma das principais brigas do CPERS com o Governo Tarso, que concedeu aos professores da rede estadual 76% de reajuste. Apesar de nenhum professor receber menos que o piso nacional, Tarso ainda não conseguiu dar reajuste proporcional em todo o plano de carreira o magistério. Porém, trata do assunto com seriedade e responsabilidade.

Sartori desrespeitou toda a categoria dos professores ao fazer piada com uma bandeira nacional importantíssima. Mostrou que não dá a devida importância para a educação e para o magistério.

O professorado que vá se preparando! Com Sartori será assim: quer piso? Vá comprar na Tumelero!


Em Tempo: Sartori tentou se justificar dizendo que a frase está fora de contexto, até recrutou a tropa de choque da Veja para ajudá-lo. Nada mundo, contudo, que ele disse exatamente isso: "piso, vou lá no Tumelero".

Deu no New York Time: A impressionante contribuição de Cuba na luta contra o Ebola

Fonte: Agence France-Presse (AFP)

Primeiros integrantes de um contingente de 
165 funcionários da área de saúde cubanos 
desembarcam material médico em Serra Leoa
O jornal americano New York Times elogiou nesta segunda-feira a contribuição de Cuba no combate à epidemia de Ebola, e pediu que o presidente Barack Obama aproveite a oportunidade para normalizar as relações com Havana. "A impressionante contribuição de Cuba na luta contra o Ebola" é o título da matéria, que recorda os médicos e enfermeiros enviados aos países da África afetados pelo Ebola, apesar de seus limitados recursos.

"A iniciativa do governo cubano sem dúvida faz parte de seus esforços por melhorar seu status no cenário mundial, mas deve ser aplaudida e imitada", acrescentou.

O presidente cubano Raúl Castro inaugurou nesta segunda-feira uma reunião de cúpula extraordinária da Alba, com a presença de governantes e ministros da Saúde de 12 países da América Latina e do Caribe e destinada a definir uma açao contra o Ebola na região.

"Uma terrível epidemia se propagada hoje pelos povos irmãos da África e ameaça a todos nós", afirmou Raúl na abertura do encontro de um dia.

"Se esta ameaça não for freada na África Ocidental, pode se converter em uma das pandemias mais graves da história da humanidade", acrescentou, destacando que, "pelas veias de nossa América, corre sangue africano".

O encontro da Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América (Alba), que agrupa países com governos de esquerda, acontece num país que se colocou à frente da cruzada contra o Ebola, com o envio de 165 médicos e enfermeiros a nações afetadas da África.

Na terça-feira passada, o líder cubano Fidel Castro elogiou a habilidade demonstrada pelo New York Times ao pedir ao presidente Obama que levante o embargo vigente sobre Cuba desde 1962.

"O artigo (do New York Times) está escrito, como se pode apreciar, com grande habilidade, buscando o maior benefício para a política americana na complexa situação, quando os problemas políticos, econômicos, financeiros e comerciais se somam", afirmou Fidel, de 88 anos, em mais um texto publicado pela imprensa oficial.

No editorial "Tempo de Acabar com o Embargo contra Cuba", publicado no domingo, o jornal americano pede a Obama que "reflita seriamente sobre Cuba e dê uma guinada na política em relação à ilha, o que poderá representar um grande triunfo para seu governo".

A argumentação eleitoral dos eleitores de Aécio

Vídeo mostra o perfil dos eleitores de Aécio.
Não é necessário tecer mais comentários. O vídeo fala por si o que é o âmago do projeto tucano.


sábado, 18 de outubro de 2014

Feldmann aposta na baixaria e publica foto falsa no Twitter

O vice prefeito de Caxias do Sul, Antonio Feldmann (PMDB), há muito já perdeu o respeito, pelo menos de quem tem um pouco de "penso". Cada vez mais ele ultrapassa limites da disputa política e parte para a baixaria.

Ontem ele deu mais um exemplo da baixaria política que se espalha nas redes. Na tentativa de criticas os acessos asfálticos no Rio Grande do Sul, Feldmann postou, no seu Twitter uma foto montagem falsa (veja abaixo).

Acontece que essa foto não é do Rio Grande do Sul! Essa estrada fica na Vila Any, em Guarulhos, São Paulo, em 2012! O mais impressionante é que a foto foi "capturada" de um blog de um deputado do PT! Abaixo a foto original, na postagem do blog e o link:

Para acessar o conteúdo original: http://euricopt.wordpress.com/2012/07/15/obras-da-avenida-da-estacao-no-vila-any-foram-concluidas/

A necessidade dos peemedebistas apelarem desse jeito é sinal de que a candidatura de Sartori pode estar naufragando?

O mito do povo trabalhador e machismo nas eleições do RS


Por Vanessa Gil, Paula Cervelin Grassi, Raquel Duarte, Cíntia Barenho*

O Brasil é um país formado por um histórico de imigrações. Primeiro a forçada, através da escravização de seres humanos vindos da África. Depois, por europeus que viam nesse país de dimensões continentais a possibilidade de uma vida longe da fome, da miséria e de todas as marcas da violência impostas pelo desemprego do século XIX e mais tarde por duas grandes guerras. Aqui no Rio Grande do Sul, por exemplo, para instalar os europeus que viriam substituir o trabalho escravo, os Kaingangs foram expulsos da região da Serra. Não foi um processo fácil para nenhum dos envolvidos. Ninguém atravessou o Atlântico porque gostava de papagaios. Atravessaram porque suas condições materiais assim exigiam.

Encontraram um país que se estruturou sobre a escravidão e o foi o último a aboli-la. Aqui, trabalho era coisa de negro, e, por consequência, de pobre. Só uma coisa era menos nobre do que trabalhar, ser negro/a. Negro/a e trabalhador/a, então, era o nível máximo de humilhação.

A vinda de europeus para o Brasil fazia parte de um processo abraçado pelo Estado afim de promover a colonização agrícola de regiões do sul do país. Deste modo, foram dadas oportunidades aos recém - chegados para que pudessem reconstruir suas vidas. A população nacional pobre, constituída na sua maioria por negros/as, ficaram de fora deste projeto de colonização.

Essa breve introdução sobre a sociedade brasileira se faz necessária para que possamos refletir sobre o peso dado ao trabalho na propaganda do candidato ao governo do Estado do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori. Boa parte da sua propaganda repete a frase "todo gringo é trabalhador". Logo, Sartori é trabalhador porque tem descendência europeia, ou gringa, como gosta de ressaltar. Sim, simples assim. Contudo, se existe um povo que é por natureza trabalhador, deve haver outro que, também por natureza, não é, certo? Caso contrário, se eu considerasse todos os povos trabalhadores, a afirmação de que todo o gringo é trabalhador não faria nenhum sentido.

Pois é, Sartori é de Caxias do Sul, cidade que vem recebendo imigrantes africanos há algum tempo. Qualquer busca no google é capaz de mostrar a xenofobia e o racismo do qual vem sendo vítimas esses/as imigrantes negros/as.Tão imigrantes quanto qualquer um/a da "colônia". Agressões físicas, verbais e até em pronunciamento oficial de vereadores. Afinal, Caxias é terra de gringo trabalhador. Mas Caxias é não formada apenas por gringos. Sim e os negros? Já perceberam a contradição?

Ai o problema de um candidato a governador assumir que ser trabalhador é característica do povo do qual descende. Primeiro não existe ser humano que viva sem trabalho. Disse trabalho, não emprego. Devemos muito aos imigrantes italianos e alemães. Mas não devemos menos aos negros e negras que construíram não só o nosso estado, mas o país inteiro.

E a qual trabalho o candidato se refere?

Quando nascemos, para que possamos sobreviver e crescer é necessário que uma grande quantidade de trabalho seja realizada. Alguém precisa nos manter alimentados, limpos, aquecidos, longe de perigos. E isso é muita coisa. Envolve limpar ambientes, cozinhar diversas vezes ao dia, todos os dias, lavar roupas e uma infinidade de, veja só, trabalho. Só há uma forma de sobreviver sem realizar esses trabalhos: contratar alguém para fazer isso no seu lugar, não só para você, mas para seus filhos e filhas, transformando esse trabalho em emprego. No Brasil, segundo dados do Dieese1 (2011), as pessoas empregadas no trabalho doméstico atingem a marca 6,1 milhões, sendo mulheres 92,6% e 61% negras. Ainda entre as negras acima de 65 anos, 53,8 por cento não possuem instrução e 44,2 por cento possuem ensino fundamental incompleto.

Assistindo um pouco mais o programa eleitoral de 13/10 entendemos porque Sartori tem sua compreensão de trabalho tão limitada. Ao fazer o que a imensa maioria dos candidatos faz, aparece numa conversa com os integrantes da família, trazendo para o debate público, seu espaço privado, como se ter uma família tradicional, heterossexual e com um casal de filhos habilitassem alguém para a vida pública. Reforços da estrutura da família patriarcal. Bem, nessa entrevista o candidato revela que quando sua esposa foi eleita deputada federal, precisou da ajuda da filha para vestir-se. Parece pouco, mas isso diz muito. Como pode um homem que terá de lidar com políticas públicas voltadas para mulheres ter orgulho de não saber escolher as próprias roupas? Isso demostra que, se não cuida do ato mais pessoal, vestir-se, o debate do compartilhamento do trabalho doméstico está longe demais do candidato. Ele ignora que mulheres gastam 26,6 horas semanais com trabalho doméstico. O tempo gasto pelos homens é menos da metade, segundo o IPEA2. Que essa sobrecarga nos adoece, nos estressa, nos tira tempo de lazer e estudo.

Provavelmente ignore que é dever do Estado prover políticas e equipamentos públicos que auxiliem no compartilhamento do trabalho doméstico. Como será que isso é pensado em seu projeto de governo?

Dessa forma, não sei exatamente o que Sartori compreende por trabalho, mas uma boa sugestão seria passar mais tempo conhecendo a realidade daquelas e daqueles para quem pretende governar, em especial, as mulheres e mais ainda, a maioria da população não "gringa" do RS.

Não existe povo que não gosta de trabalhar, candidato, existe povo sem emprego. Trabalho, para pobre, não falta. O que falta é emprego, remuneração digna e respeito às leis trabalhistas.



* Texto coletivo de Vanessa Gil, socióloga, mestranda em Educação (UFRGS) e militante feminista; Paula Cervelin Grassi, formada em História pela UCS, artesã e militante feminista; Raquel Duarte, advogada, mestranda em Direito Ambiental (UCS) e militante feminista; Cíntia Barenho, Mestre em Educação Ambiental, Bióloga e militante feminista.

1 Disponível em: http://www.dieese.org.br/estudosetorial/2013/estPesq68empregoDomestico.pdf. Acesso em 13/10/2014

2Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=14321. Acesso em 14/10/2014


sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Cadeirante é agredido por eleitores de Aécio por usar estrela do PT

Conhecemos Ênio Barroso de um encontro nacional de blogueiros que ocorreu em 2012. O fato é lamentável e merece registro para que essa prática cesse imediatamente. Prestamos nossa inteira solidariedade ao colega blogueiro que não teve medo de enfrentar 3 descerebrados.
 
O blogueiro Ênio Barroso Filho foi agredido na última terça-feira (14) e relatou o incidente em sua página no Facebook. A agressão teria sido motivada pela camisa vermelha que o blogueiro usava no momento do ataque e os adesivos em apoio à Dilma Rousseff.

Ênio estava a caminho do “Churrascão da Gente Desinformada”, um ato em resposta às críticas de Fernando Henrique Cardoso aos eleitores petistas, quando foi surpreendido por três homens que exigiram que o blogueiro tirasse a camisa. Ênio não obedeceu e, a partir de então, começaram as ameaças.

Eles desceram do carro, deram um tapa e tentaram derrubar Ênio da cadeira de rodas que utiliza devido ao agravamento de uma doença degenerativa. “Não é porque você é um aleijado comunista que não mereça uma surra para te endireitar”, disseram.

Inconformado com as humilhações que acabara de sofrer, Ênio recorreu a policiais militares para relatar o ocorrido, mas de nada adiantou. “Um dos PMs disse que como não anotei a placa do veículo nada poderia fazer e me ‘orientou’ a não andar por aí com ‘esse tipo de estrelinha e esse tipo de adesivo’ pois isso nessas épocas ‘é muito perigoso’”, contou.

Leia o depoimento completo:

Preciso contar a agressão que sofri

Quase todos aqui sabem que sou cadeirante devido ser acometido por uma doença degenerativa que me extingue aos poucos a forças musculares. Já praticamente nas as tenho mais.

Terça-feira saí de casa para participar do “Churrascão da Gente Desinformada” na Praça Roosevelt a noite e vesti minha camisa vermelha, paramenteia-a de adesivos pró Dilma acompanhados da minha velha estrelinha de metal do PT que ostento com orgulho e de cabeça erguida desde Fevereiro de 1980, data da fundação do PT.

Saltei na estação República do Metrô e como não havia nenhum elevador funcionando (muitas estações estão assim depois da eleição do 1º turno) funcionários me levaram pela escada rolante e saí pela Rua do Arouche. Estava escuro e ermo como quase todo o centro de São Paulo nas noites de hoje. Nisso um carro (acho que era Pajero) encostou na calçada e seus ocupantes começaram a me xingar pedindo que eu tirasse a camisa. Respondi que não e lhes disse
“- É Dilma !!!”

PRA QUÊ !!! Um deles disse:

“-Te conheço da internet, “petralha do ca…alho” !!! Estamos de olho !!!”

e outro anunciou:

“-Não é porque você é um aleijado comunista que não mereça uma surra pra te endireitar”

VEJAM BEM O TERMO USADO —> “ENDIREITAR !!!”.

Mandei irem à merda e os três brutamontes carecas e bombados (menos o motorista) desceram e começaram a chacoalhar a minha cadeira tentando me derrubar. Gritavam muito e um deles me deu um tapa na cabeça. Pareciam drogados, enfurecidos !!! Não tive medo já que isso não é novidade para mim. Na ditadura militar enfrentava soldados armados por quem fui preso quatro vezes mas NUNCA por civis !!! Muitas pessoas viram mas nada fizeram a não ser uma moça do outro lado da rua que gritou

“Polícia !!!”.

Foi aí que eles me deixaram, entraram no carro e seguiram sem pressa.

Evidente que não pude anotar a placa devido as circunstâncias, Só notei dois adesivos no carro “chic”, “AÉCIO 45″ e aquele conhecido “FORA DILMA e leve o PT junto” mas os rostos dos “elementos” enfurecidos eu não esquecerei jamais !!!

Segui meu caminho na direção da Pça. Roosevelt e encontrando uma dupla de PMs contei o ocorrido.

O PIOR VEM AGORA !!! Um dos PMs disse que como não anotei a placa do veículo nada poderia fazer e me “orientou” a não andar por aí com “esse tipo de estrelinha e esse tipo de adesivo” pois isso nessas épocas “é muito perigoso”.
NUNCA ME SENTI TÃO REVOLTADO !!! Tenho certeza que se fosse o contrário e eu sendo um riquinho “bem trajado” e com as cores políticas “certas” a reação dos policiais seria outra.É esse o estado em que se encontra o Estado de São Paulo, uma beligerância !!! Uma guerra tal qual as guerras de torcidas que marcam as camisas de torcedores dos times adversários para lhes cobrirem de porrada se possível até a morte !!!

A nossa sociedade está envenenada e não dividida !!! O veneno sabemos de onde vem, VEM DA MÍDIA COMERCIAL E GOLPISTA !!! Ou acabamos com ela ou ela acaba com a política e com o Brasil !!!

Tem gente que pensa que democracia é só para eles, que liberdade de expressão é só para eles. Tem gente querendo também a “liberdade de espancamento” !!! Nazistas na Alemanha e agentes do Apartheid na África do Sul faziam assim. Deu no que deu.

Não há notícias de agressão partindo de petistas (a não ser uma ou outra bolinha de papel) mas do lado de lá a baba de ódio escorre pela boca como cachoeira !!!

Queria escrever mais mas meu dedo cansou… MAS EU NÃO !!!

É DILMA 13 CADA VEZ MAIS CONVICTO !!!

Dr. Coxinha já foi suspenso do GHC

Médico gaúcho que resolveu fazer brincadeira, de mal gosto, em sua página do Facebook, com a queda de pressão da presidenta Dilma após o debate do SBT já foi afastado, por 60 dias, do GHC, por problemas profissionais.

Milton Pires, que não é doutor pois não tem doutorado, escreveu em sua página no Facebook: "Tá se sentindo mal? A pressão baixou??? Chama um médico cubano, sua grande filha da puta!". Acontece que Milton não é também um grande exemplo. Ele responde por um processo disciplinar (57/14) e está afastado por 60 dias da instituição por, segundo ele mesmo declarou a um colunista da Veja, “não examinar os pacientes, não lavar as mãos, de conflitos com familiares de pacientes da UTI , de jogar equipamentos no chão e não usar equipamentos de proteção individual”.

Entre seus seguidores, urros de ódio. Um deles dizia que a presidente Dilma deveria buscar proteção da Lei Maria da Penha, após ter sido espancada no debate.

A postagem é mais um exemplo do ódio que se alastra pela sociedade brasileira, às vésperas do segundo turno da eleição presidencial. Ontem, a notícia mais relevante do dia, foi a onda de insultos ao ator Gregório Duvivier, do grupo Porta dos Fundos, motivada por seu apoio declarado à reeleição da presidente Dilma Rousseff. O também ator Dado Dolabella, condenado por agressão a mulheres, comparou Duvivier a alguém contaminado pelo vírus ebola.

As duas agressões, a Duvivier e à presidente Dilma Rousseff, fazem parte do mesmo fenômeno: o neofascismo que se alastra pela sociedade brasileira. Em artigo publicado ontem no 247, o colunista Breno Altman afirma que os "conservadores perderam a vergonha na cara" e que o ódio ao PT retirou do armário todos os demônios da sociedade brasileira, como o racismo, a homofobia, o culto à desigualdade e o preconceito regional.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Dados contra Aécio somem do site do TCE

Relatórios técnicos sobre as contas do governo de Minas Gerais de 2006 a 2012, que estavam disponíveis para consulta no site do Tribunal de Contas de Minas Gerais, foram retirados do ar entre a noite de terça-feira e o início da tarde de ontem.

Os dados em questão foram usados pela presidente Dilma Rousseff (PT) contra o adversário Aécio Neves (PSDB), em debate da Band, ao acusá-lo de não cumprir o mínimo dos repasses na área de Saúde. Ela convidou os telespectadores que acompanhavam o debate a checar na página do TCE.


“No que se refere à Saúde pode-se entrar no site do TCE e lá vai estar claro que o governo de Minas foi obrigado a assinar um termo de ajustamento de gestão e que considerou-se que vocês desviaram em torno de R$ 7,6 bilhões”, acusou Dilma. O valor corresponderia aos 12% do orçamento que deveria ter sido destinado.

Após o pedido de Dilma o site do TCE recebeu tantas consultas que chegou a sair do ar, voltando algum tempo depois, mas sem o relatório. O Polenta News conseguiu uma cópia do Termo de Ajustamento de Gestão (TAG) sobre proposta para adequação dos percentuais mínimos de aplicação de recursos nas áreas de saúde e educação do Estado de Minas Gerais (acesse aqui).

Em nota, o tribunal afirmou que o site caiu por causa da quantidade de acessos na noite desta terça, mas não confirmou a exclusão de documentos das gestões tucanas.

Fica a pergunta. O Tribunal de Contas mineiro está tentando blindar o candidato tucano?

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Entregues mais 240 unidades do Minha Casa Minha Vida em Caxias do Sul

Foram entregues, ontem (14), 240 novas unidades do Minha Casas Minha Vida, no Campos da Serra que soma um total de 1.160 famílias. Essas unidades são destinadas a famílias de baixa renda, com renda familiar menor de R$ 1.600,00 e é fortemente subsidiado pelo poder público. A prestação do apartamento fica em torno de R$ 80,00. Isso só é possível porque há uma parceria entre Governo Federal, Municipal e Caixa Econômica Federal.

A solenidade de entrega das chaves ocorreu no final da tarde, no condomínio, localizado na rua Manoel Pedroti, 4002, com a presença da Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, e do Ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, além dos secretários estaduais de Habitação, Saneamento e Desenvolvimento Urbano, Marcel Frison, e o do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã, João Mota. Também estavam presentes o deputado federal Pepe Vargas, o secretário municipal da Habitação, Renato de Oliveira, e demais secretários municipais, o presidente da Câmara de Vereadores, Gustavo Toigo, o presidente da UAB, Valdir Walter, e lideranças comunitárias, o representante da construtora Viezzer, Rafael Tregansin, equipe da Universidade de Caxias, responsável pela organização dos moradores no condomínio e as famílias beneficiadas.
Foto: Andréia Copini

Durante a solenidade o Prefeito Alceu Barbosa Velho (PDT) destacou as inúmeros investimentos que o Governo Federal fez em Caxias do Sul. Serão R$ 420 milhões em obras nos projeto Rota Nova, que vai beneficiar famílias moradoras em áreas de risco às margens da Rota do Sol no bairro Santa Fé e Cidade Nova, e de projetos de mobilidade, praças e parques.

Cada  apartamento tem área privativa de 49,22 m² divididos em dois quartos, sala, banheiro, cozinha com área de serviço integrada e piso cerâmico em todos os ambientes. Os apartamentos térreos contam com adaptações para pessoas com deficiência. O empreendimento possui salão de festas, playground e guarita de segurança. Possui ainda infraestrutura completa, com pavimentação, rede de esgoto, drenagem e energia elétrica.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Alceu apoia Dilma. Pero no mucho.


Esta semana a Prefeitura divulgou amplamente (rádio, televisão e internet) a entrega de mais 240 unidades habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida. Os apartamentos foram entregues nesta segunda-feira (13) com a presença da Ministra do Planejamento, Miriam Belchior e dos Transportes,
Paulo Sergio Passos.

Faturou em cima da construção do Complexo Campos da Serra onde mais de 3.000 famílias residem. Porém, infelizmente, não houve uma palavra sequer ao principal idealizadores da obra: o Governo Federal e a Caixa Econômica Federal.

Em período eleitoral não pode haver a divulgação de marcas e símbolos do Governos Federal, porém, nada impediria que a Comunicação da Prefeitura fosse justa em divulgar que, com “o apoio do Governo Federal, mais 240 apartamentos estão sendo entregues aos caxienses”. 



Alceu, com a desculpa de respeitar as regras eleitorais, preferiu ocultar o verdadeiro patrocinador do ÚNICO programa habitacional do Município e levou os louros sozinhos. A estrutura colocada à disposição da população em torno do novo bairro que surge em Caxias,como escola e UBS podem ser atribuídas ao Governo Municipal. Porém, soa mal aos ouvidos ouvir o informe publicitário sem qualquer menção ao Governo Federal ou à Caixa.

Parece que o apoio de Alceu Barbosa Velho (PDT) à candidatura de Dilma é da boca para fora, já que o Prefeito ainda não foi visto em atividades importantes da Campanha do PT. Provavelmente não queira “queimar o filme” com seus correligionários da base governista que,em sua maioria apoiam Aécio.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

PSB sairá esfacelando dessas eleições

Independente do resultado das eleições no próximo dia 26, tanto PSDB, quanto o PT, sairão fortes das eleições 2014. Suas bases estão coesas, o PT é a segunda maior bancada da Câmara dos Deputados e o PSDB aumentou em número de deputados. Os tucanos reelegeram Alckmin, em São Paulo, o maior colégio eleitoral do país e Beto Richa no Paraná. O PT obteve vitórias em Minas Gerais, outro reduto tucano, e na Bahia, além do Piaui.

Situação bem oposta vive o PSB. Em 2010 elegeu 6 governadores. Nesse ano elegeu 1, em primeiro turno e disputa mais 4 segundos turnos com poucas chances de eleger em todos. Os 22 milhões de votos que Marina Silva obteve não primeiro turno, não significaram tranquilidade para o partido, muito antes pelo contrário.

Marina Silva concorreu pelo PSB, mas ela não é do PSB. É da Rede. Sua entrada no partido tinha um condicionante: poder sair quando a Rede estivesse formada. Dentro do partido, Marina e seus correligionários, se comportam como um setor sem responsabilidade com a construção do partido e com agenda própria.

A discussão em relação aos apoios do segundo turno foram a gota da água que faltava para tudo desandar. No último dia 8 a executiva nacional do partido decidiu, por maioria, o apoio a candidatura de Aécio Neves. Contrariado com a decisão o presidente interino do PSB, Roberto Amaral, neste sábado, 11,  publicou uma carta em sua página oficial na internet criticando a posição tomada pela maioria de seus correligionários da executiva nacional. Na visão dele, o PSB “jogou no lixo” o legado de seus fundadores ao optar pelo apoio a Aécio. Amaral defendia a neutralidade da sigla.

Contrariando, também, a decisão da executiva nacional, as direções do PSB do Amapá, Paraíba, Acre e da Bahia, por exemplo, já declararam apoio a candidatura da petista Dilma.

No Rio Grande do Sul a guinada para o centro já havia acontecido há bastante tempo, mas isso não evitou dissidências. Em carta pública toda a executiva do PSB de Santo Ângelo renunciou e pediu desfiliação.

Em sua carta pública os membros da direção partidária afirmaram que "Sente-se impedida de promover a campanha à eleição do candidato supracitado devido às acentuadas divergências ideológicas, às posturas dos mandatários tucanos quando detentores de cargos no Executivo Federal, às denúncias de corrupção contra o candidato e o fato de o mesmo ter realizado mau uso do recurso público em benefício de sua família, e, de forma imperativa, ao respeito à história do PSB, que possui bandeiras antagônicas às defendidas pelo PSDB."


Em meio a essa crise toda o partido se reúne hoje, para escolher o novo presidente nacional. Vai sair faísca dessa reunião.

sábado, 11 de outubro de 2014

Blog é retirado do ar após denunciar que aeroporto de tio de Aécio foi usado para tráfico de drogas

Aecio_Aeroporto15_Helcio

Fonte: Limpinho e cheiroso

O artigo de Hélcio Zolini, do Portal R7, foi retirado do ar por pelo menos de 24 horas depois de sua publicação.

Conexões suspeitas entre helicóptero apreendido em 2013, aeroporto de Cláudio (MG) e parente de Aécio Neves apontam para o tráfico internacional de drogas.

Fabiano Portilho, via Facebook

Denúncias cada vez mais constantes a respeito das irregularidades em relação ao aeroporto de Cláudio (MG) ganham novos episódios, dessa vez envolvendo a polêmica pista de pouso com o tráfico de drogas. Primeiro foi o jornalista Leonardo Dupin quem escreveu a respeito, com texto publicado no blog do Juca Kfouri; em seguida, veio um artigo de Hélcio Zolini, diretor institucional da Rede Record de Minas. Artigo esse que menos de 24 horas depois foi retirado do ar.

Em 2012, o empresário Tancredo Aladim Rocha Tolentino – filho do ex-prefeito de Cláudio, Múcio Tolentino, e primo de Aécio Neves, mais conhecido na pequena cidade como apenas “Quêdo” – foi preso pela Polícia Federal durante a operação Jus Postulandi, que investigava uma quadrilha de venda de habeas corpus para traficantes. Meses depois, ele tentou ainda se candidatar à prefeitura de Cláudio.

As suspeitas, no entanto, vão além apenas do esquema para obter libertação para traficantes de drogas presos: envolvem também um desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Hélcio Valentim de Andrade Filho, que após recebimento do dinheiro, expedia o alvará de soltura dos traficantes.

A polícia também investiga se o aeroporto de Cláudio foi utilizado como rota para o tráfico de drogas, uma vez que já é pública a informação de que o helicóptero da empresa Limeira Agropecuária, da família do senador Zezé Perrella, apreendido no Espírito Santo transportando 445 quilos de cocaína em novembro passado, chegou a pousar antes em um ponto do povoado de Sabarazinho (apenas 14 km de distância do aeroporto mineiro de Cláudio), três horas antes de seguir viagem para um sítio na cidade capixaba de Afonso Cláudio. A PF chegou a tal confirmação baseando-se no rastreamento do GPS do helicóptero, assim como nas anotações do plano de voo dos pilotos.

A parada em um ponto de Sabarazinho aconteceu três horas e meia antes da apreensão da aeronave por policiais militares e federais em um sítio em Afonso Cláudio, no Espírito Santo. O valor da carga é estimado em R$10 milhões, podendo multiplicar por dez com o refino. Segundo o inquérito da PF, o carregamento foi feito em Pedro Juan Cabalero, no Paraguai, e tinha como possível destino Amsterdam, na Holanda, o que configura tráfico internacional.

Aeroporto usado por Aécio Neves

No dia 20 do mês passado, reportagem do jornalista Lucas Ferraz, da Folha de S.Paulo, revelou que Aécio Neves construiu a pista na fazenda que pertenceu a seu tio-avô, além de ficar próxima a uma propriedade da família do candidato. Na última semana, Aécio Neves admitiu que já usou a pista, mesmo o espaço ainda não tendo sido homologado pela Agência Nacional de Aviação Civil.

O investimento do governo mineiro para a construção da pista foi de R$14 milhões. Cláudio tem 25 mil habitantes e está distante 50 quilômetros de Divinópolis, onde já existia uma pista de pouso e decolagem. O cruzamento dos dois escândalos – do helicóptero e da pista – é comprovado pelos documentos considerados sigilosos do inquérito da Polícia Federal (PF), que este repórter teve acesso.

A PF constatou, com base no rastreamento do GPS do helicóptero e nas anotações do plano de voo dos pilotos, ambos apreendidos e examinados pela perícia técnica, que o helicóptero carregado com quase meia tonelada de pasta base de cocaína parou em um ponto próximo ao povoado de Sabarazinho. Segundo o inquérito da PF, no dia 24 de novembro de 2013, às 14h17, aproximadamente três horas e meia antes do helicóptero ser apreendido pela polícia no município de Afonso Cláudio, no Espírito Santo, a aeronave ficou parada por trinta minutos numa fazenda do povoado, onde duas pessoas aguardavam o pouso com galões de combustível.

A localidade fica a 14 quilômetros da pista de Cláudio e também das fazendas da família Tolentino, onde nasceu Risoleta Neves, esposa de Tancredo Neves e avó de Aécio Neves. O município de Cláudio chega, inclusive, a ser citado no inquérito na análise das mensagens telefônicas dos pilotos, que foram captadas pelas Estações de Rádio Base (ERB), que são os equipamentos que fazem a conexão entre os telefones celulares e a companhia telefônica.

As respostas acerca da apreensão dos 450 kg de cocaína no ano passado nunca foram claramente oferecidas pelas autoridades. A culpa caiu na conta do piloto, e não houve reverberações sobre o caso – até o surgimento dos polêmicos aeroportos construídos durante a gestão de Aécio Neves como governador.

Aeroporto de Cláudio e o tráfico de drogas

Polêmicas envolvendo Aécio Neves com cocaína.

O então coordenador de mídias sociais da campanha de Eduardo Campos (PSB), Marco Bahé, caiu após publicar no Facebook uma frase insinuando que Aécio Neves (PSDB) seria usuário de cocaína.

Bahé escreveu: “Vai ter Coca, Aécio Neves”.

Abriu uma crise na campanha de Campos, com o afastamento de Bahé, e causou mal-estar com Aécio.

O assunto foi notícia até nos redutos demotucanos da mídia. Apareceu na revista Veja online, Estadão e no portal do jornal O Globo.

Isso mostra que o assunto virou um pesadelo para a campanha de Aécio lidar.

Dúvidas sobre da vida pessoal de um político, talvez não seja tão decisivo assim na hora de votar, influenciando apenas alguns segmentos do eleitorado. Quem não quer acreditar não acredita, outros que querem acreditar acreditam, e outros pouco se importam, se o candidato tiver consistência suficiente para o eleitor prestar atenção em outras coisas.

Mas no caso de Aécio o buraco é mais embaixo. Já lhe falta consistência para chamar atenção por ideias e propostas (a não ser as “medidas amargas” da turma endinheirada do mercado financeiro). E independentemente dele ter admitido que já fumou maconha, e negar que foi usuário de cocaína, tem outras coisas que não ajudam em sua imagem, como a recusa dele em soprar o bafômetro quando foi parado em uma blitz de trânsito na madrugada do Rio de Janeiro, com carteira de motorista vencida.

Como se não bastasse, estava usando um carro de luxo no Rio como se fosse carro de serviço de uma rádio em Belo Horizonte, o que, para um pobre mortal, que não é senador do PSDB, costuma dar sérios problemas junto à Receita Federal.

O caso do bafômetro não é apenas questão pessoal de gostar ou não de beber. É o mau exemplo que dá ao negligenciar os riscos de misturar bebida e direção, o que pode resultar em tragédia na vida dos outros que não tem nada a ver com a decisão de uma pessoa encher a cara.

Ministério Público abre frente para combater preconceito contra nordestinos

Procuradores monitorarão incitações ao ódio. Grupo que incitou holocausto no NE, revelado pelo iG, será investigado

Fonte: iG

Proprietários, ou usuários, podem ser responsabilizados
por comentários preconcetuosos
Diante de várias denúncias relacionadas à incitação ao ódio e preconceito contra a comunidade nordestina pela internet, a Procuradoria-Geral da República (PGR) recomendou que os integrantes do Ministério Público Federal (MPF) em todos os Estados levantassem denúncias com o objetivo de que a PGR instaure procedimentos criminais ou administrativos contra autores de posts preconceituosos na rede.

Além disso, na semana que vem, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) começará a analisar medidas judiciais contra comunidades ou pessoas que incitem o ódio contra nordestinos na internet. Uma das páginas de Facebook que já está sob investigação do Ministério Público Federal e deve ser alvo de ações judiciais por parte da OAB é a “Dignidade Médica”, que chegou a pregar um “holocausto contra nordestinos”. O caso foi revelado pelo iG.

Segundo o iG apurou, desde a semana passada, a PGR vem recebendo várias denúncias de incitação ao ódio contra nordestinos não somente no Facebook, como também no Youtube, Twitter e outras redes sociais. Somente o Ministério Público Federal do Ceará, por exemplo, recebeu seis representações pedindo investigações contra atos de preconceito na internet, uma delas páginas ligadas à “dignidade médica”.

A ideia da PGR agora é que parte das investigações seja comandada por Brasília. A decisão toma como base o volume de representações que vem chegando ao Ministério Público Federal relacionadas a atos de preconceitos contra nordestinos na internet.

Nesse processo de investigação, os autores dos posts preconceituosos serão chamados a explicar o teor das citações. O MPF também quer vasculhar perfis falsos, de onde geralmente saem as citações mais preconceituosas, conforme a análise preliminar de procuradores que atuam em ações criminais. No caso dos perfis falsos, o MPF não descarta pedir auxílio da Polícia Federal para identificar números de IPs (endereços virtuais das máquinas) com o intuito de se chegar aos autores das frases preconceituosas.

Preconceito na rede


O procurador da República Samuel Miranda Arruda, integrante do Núcleo Criminal do Ministério Público Federal no Ceará, que integra a investigação local sobre atos de preconceito contra nordestinos, afirmou que tem sido recorrente a existência de posts preconceituosos motivados pelo processo eleitoral. “Isso é um fenômeno cíclico”, disse o procurador. “Alguns comentários, porém, não são tão absurdos assim. A gente tem que diferenciar o ‘joio do trigo’”, analisou o procurador.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Wadih Damous, informou que na próxima semana terá um encontro como presidente da OAB Nacional, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, para discutir possíveis intervenções da OAB com relação a atos de preconceito contra nordestinos na internet. “Precisamos analisar isso com muita cautela. Mas é inadmissível que no Brasil ainda se veja a incitação ao ódio como no caso dessas páginas de internet”, afirmou Damous.

Uma das possibilidades é que a OAB ingresse com uma representação ou denúncia. “Isso é fruto da ignorância (atos de preconceito). Isso se combate com educação e conhecimento. Acho absurdo que pessoas que vivem em um mesmo país se odeiem desse jeito”, sentenciou o procurador Samuel Arruda, cearense, mas casado com uma paulista.